Melanoma: a ligação assustadora entre dieta e câncer de pele

385
Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.
por Michael Joseph
O câncer de pele é hoje o câncer mais comumente diagnosticado nos Estados Unidos e em grande parte do mundo.
E você pode não saber, mas há um elo assustador entre o sol, a dieta e o câncer de pele (1) .
Por esse motivo, muitas pessoas têm interesse em possíveis maneiras de proteger nossa saúde.
Este artigo irá explicar como os alimentos que você come podem aumentar ou diminuir significativamente a sua suscetibilidade a esta doença cada vez mais prevalente.

O que é o câncer de pele?

Em primeiro lugar, existem três tipos principais de câncer de pele.
Esses são:
  • Carcinoma Basocelular
  • Carcinoma de células escamosas
  • Melanoma
Com relação aos carcinomas de células basais e células escamosas, esses são os tipos mais comuns – e mais curáveis ​​- de câncer.
No entanto, a taxa de sobrevida em cinco anos pode ser de apenas 17% para o melanoma (1) .
Neste artigo, vamos nos concentrar no melanoma.

O que é o câncer de pele melanoma?

Tipos e sintomas de câncer de pele. 
Mancha anormal: assimetria, bordas irregulares, variação de cores, diâmetro maior que 6mm, evolução (mudança no tamanho, formato e cor)
Mancha normal: simetria, bordas regulares, cor uniforme, diâmetro menor que 10mm
O melanoma é uma forma incrivelmente agressiva de câncer de pele e, infelizmente, sua incidência está aumentando rapidamente.
De fato, a prevalência da doença mais do que dobrou desde os anos 80 e prevê-se que aumente ainda mais nos próximos 15 anos (2) .
Em resumo, o melanoma geralmente é um câncer da pele que começa nos melanócitos.
Os melanócitos são as células que produzem o pigmento conhecido como melanina, que podemos ver na cor da pele, nos olhos e também nos verrugas.
Enquanto a maioria dos conselhos de saúde para prevenir o melanoma gira em torno de evitar o sol, pesquisas recentes mostram que há muito mais a considerar do que isso.

Exposição solar e câncer de pele: o sol é mortal?

Para começar, devemos notar que existe uma ligação clara e forte entre a queimadura solar e o risco de melanoma. Este fato não está em debate.
Por um lado, um grande corpo de evidências mostra que uma história de queimaduras graves tem estreita associação com o aumento da incidência de melanoma (3, 4, 5, 6).
Só para salientar, são especificamente as queimaduras solares que estão sendo discutidas – não apenas a exposição ao sol.
Na verdade, eu sempre desconfiei do conselho de proteger completamente a nossa pele do sol e cobrir generosamente qualquer área exposta com filtro solar.
Afinal, o sol não sustentou a vida humana por milhões de anos?
Da mesma forma, isso traz a vitamina D em mente.
O ponto-chave é que a vitamina D reduz significativamente o risco de quase todas as doenças crônicas (incluindo o melanoma), mas há uma deficiência generalizada de vitamina D no público (7, 8, 9, 10, 11) .
Com isso em mente, existe a possibilidade de que algumas mudanças mais recentes em nosso estilo de vida estejam causando as altas taxas de melanoma?
Por que as taxas de melanoma aumentaram significativamente nas últimas décadas?

Uma dieta ruim promove e causa câncer de pele?

A ligação entre dieta e câncer de pele é mais forte do que você imagina.
Em essência, há uma relação entre a comida que comemos, o sol e o câncer de pele.
Além disso, há uma ligação entre dieta e câncer de pele, independentemente do sol.

A ligação entre dieta, sol e câncer de pele

Nossa pele tem uma certa quantidade de resistência UV naturalmente – poderíamos chamá-la de “protetor solar natural”.
Dependendo da comida que comemos, podemos fortalecer ou enfraquecer dramaticamente essa resistência (12, 13, 14) .
Um exemplo significativo disso é a quantidade de gorduras polinsaturadas em nossas células e nossa relação de ômega 3 e 6.
Ambas afetam a estabilidade das nossas células e a resistência delas ao dano oxidativo causado pela radiação UV.
Para enfatizar este ponto; Um grande corpo de evidências sugere que o ômega-3 é um inibidor do melanoma.
Por outro lado, os dados implicam o excesso de ômega-6 como um estimulador de melanoma (15) .
Tendo em conta estes pontos, devemos escolher as gorduras alimentares que usamos com cuidado.

A ligação direta entre dieta e câncer de pele

Diferente da ligação que envolve a interação do corpo com a luz solar, há também uma conexão direta entre dieta e câncer de pele também.
Principalmente, isso se relaciona com a maneira como os alimentos que comemos podem influenciar nosso corpo.
Um exemplo disso é que níveis elevados de açúcar no sangue e insulina são um fator de risco para muitos tipos de câncer.
Dietas modernas excessivamente altas em açúcar, óleos e farinhas refinadas são o oposto do que deveríamos estar comendo para a prevenção do câncer.

Os óleos vegetais Omega-6 aumentam o risco de melanoma?

Apesar de seu slogan de marketing “saudável para o coração”, óleos vegetais refinados não são bons para o nosso corpo.
No lado negativo, também há evidências de que os óleos vegetais ômega-6 tornam nossa pele mais suscetível aos danos causados ​​pelo sol ao sol (16 ).
Além disso, o ômega-3 desempenha um papel protetor benéfico contra as queimaduras solares devido às suas propriedades anti-inflamatórias (17, 18).
É importante perceber que a dieta moderna tem um efeito enorme sobre essas questões.
Para começar, durante a maior parte da história humana, a proporção de ômega 6:3 foi de 1:1.
Surpreendentemente, a dieta ocidental média está agora entre 10:1 e 25:1 para ômega-6 (19) .
Pior ainda, essas duas gorduras essenciais competem pela absorção em nosso tecido (20, 21) .
Como resultado, nosso corpo não pode absorver ômega-3 suficiente.
Portanto, perdemos seus efeitos anti-inflamatórios e proteção contra danos induzidos por UV.

Como os óleos vegetais causam queimaduras solares?

A primeira coisa a lembrar é que, quando consumimos gordura, as diferentes gorduras que comemos competem por absorção em nossas células.
Especialmente nas últimas décadas, a ingestão de gordura saturada e ômega-3 na dieta diminuiu. Ao mesmo tempo, o consumo de ômega-6 disparou.
Para colocar de outra forma; temos muito mais ômega-6 armazenado nas células da nossa pele.
Por que isso é ruim, exatamente?
Devemos lembrar que os ácidos graxos ômega-6 são extremamente suscetíveis à oxidação do calor e da luz (22) .
Talvez você tenha ouvido que não se deve aquecer muito um óleo, ou que deveria ser mantido no escuro? Este conselho é proteger o óleo da oxidação.
Da mesma maneira, as gorduras ômega-6 são vulneráveis ​​a oxidar dentro do corpo.
Em outras palavras; elas estão tão sujeitos a danos oxidativos dentro ou fora do corpo.

Como os raios UV do Sol reagem com o Ômega-6?

Poderia ômega-6 ser o elo entre dieta e câncer de pele?
Agora que entendemos como o ômega-6 é instável, veremos o que acontece quando ele reage com os raios UV.
Uma questão interessante, sem dúvida, e uma que os pesquisadores já criaram – e estudaram.
Neste estudo, os pesquisadores alimentaram ratos sem pêlo com uma variedade de dietas com proporções crescentes de ácidos graxos poliinsaturados (PUFA).
Os ratos foram então cronicamente expostos à radiação UV para medir os resultados.
Em geral, quanto maior a ingestão dietética de PUFA, mais tumores cancerosos os ratos desenvolveram (23) .
Curiosamente, alguns ratos também foram alimentados com uma dieta rica em gordura saturada no estudo.
Comparativamente, estes ratos tinham uma imunidade muito maior à radiação UV e não desenvolveram câncer.
Resumindo suas descobertas, os autores dizem que seus dados sugerem que as gorduras poliinsaturadas aumentam a fotocarcinogênese (causa do câncer).
Voltando a esses valores da taxa de ômega; a maioria das pessoas tem um desequilíbrio de pelo menos 10:1 de ômega-6.
Agora imagine essas pessoas se bronzeando na praia por horas, talvez com uma sensação de falsa segurança, porque elas se lambuzaram de filtro solar.
Com isso em mente, não é difícil ver como os alimentos fritos e óleos vegetais estão contribuindo para a epidemia de câncer de pele de melanoma.

A falta de polifenóis é uma ligação entre dieta e câncer de pele?

O estresse oxidativo (resultando em danos no DNA) é um grande ator no desenvolvimento do melanoma.
Como todos os tipos de câncer, os danos dos radicais livres influenciam fortemente o risco de câncer de pele (25, 26) .
Infelizmente, o rápido aumento das taxas de câncer provavelmente anda de mãos dadas com o valor nutricional da dieta média, que está em queda livre.
A pessoa média agora come alimentos processados ​​cheios de ingredientes industriais baratos. De fato, 61% de todas as calorias nos EUA vêm de alimentos ultraprocessados (27) .
Em comparação com as dietas de nossos avós, isso é chocante. Nossos ancestrais sempre faziam refeições preparadas na hora a partir de ingredientes caseiros – comida de verdade.
Agora, muitas pessoas pedem fast food ou fazem refeições de microondas altamente processadas.
Como resultado, nossa ingestão de polifenóis e outros nutrientes benéficos caiu muito.

Como os polifenóis previnem o câncer de pele melanoma?

Embora seja incorreto dizer que os polifenóis previnem o melanoma, eles podem ajudar a reduzir o risco.
Muitos polifenóis encontrados naturalmente nos alimentos “demonstraram efeitos anticancerígenos claros sobre o melanoma” (28) .
Em outras palavras, suas escolhas alimentares ajudam a prevenir doenças ou proporcionam melhores condições para se estabelecer.

O que causa radicais livres?

Aqui estão alguns contribuintes comuns para os radicais livres no corpo:

Onde podemos obter polifenóis?

Essencialmente, se você comer uma dieta cheia de alimentos frescos, estará consumindo uma quantidade adequada de polifenóis.
Normalmente, podemos obter esses compostos em maior quantidade a partir de alimentos vegetais – ou alimentos que vieram de uma planta.
Alguns exemplos comuns são frutas, legumes, cacau, café, chá e vinho tinto.

Equilíbrio na proporção Ômega-3:6 protege contra o melanoma

Equilibrar a proporção de ômega 3-6 é um dos primeiros passos dietéticos para reduzir o risco de melanoma.
Na verdade, é uma das primeiras coisas que você deve fazer para minimizar o risco de qualquer doença.
Para fazer isso, aqui está o que você precisa:
  • Remover óleos vegetais ricos em gorduras poliinsaturadas 
  • Evite frituras em restaurantes
  • Coma porções gordurosas de peixe pelo menos três vezes por semana (o salmão e a cavala são excelentes)
  • Verifique as etiquetas para se certificar de que não há óleos vegetais.
  • De preferência, pare de comprar alimentos processados ​​e enfatize alimentos frescos e reais dos mercados locais.
  • Não abuse de alimentos naturais ricos em gorduras ômega-6 (por exemplo, nozes – um punhado é o suficiente).
Uma dieta para ajudar a prevenir o melanoma – ou qualquer câncer de pele – terá três coisas em comum. Especificamente:
  • Ele conterá zero ou quantidades muito pequenas de óleos vegetais ômega-6
  • Haverá uma abundância de alimentos ricos em nutrientes consumidos
  • A dieta incluirá fontes de ômega-3
Na minha opinião, estes são os “três grandes” na ligação entre dieta e câncer de pele.

5 alimentos ricos em polifenóis que protegem contra o melanoma

Aqui estão cinco alimentos e bebidas especialmente importantes que ajudam a fortalecer a resistência da pele aos raios UV, reduzir as queimaduras solares e proteger contra o risco de câncer de pele.
  • Salmão: O salmão contém em primeiro lugar o ômega-3, que, como discutimos, é extremamente benéfico para o fortalecimento da pele. Em segundo lugar, o salmão contém um potente antioxidante chamado astaxantina. Em estudos, “a astaxantina exibiu um efeito fotoprotetor pronunciado e neutralizou todas as alterações induzidas pela UVA em uma extensão significativa” (29) .
  • Tomate: Os tomates são outro dos alimentos que protegem contra o câncer de pele. Os tomates contêm licopeno, um antioxidante vital. Um estudo investigou os resultados de uma dose diária (40g) de pasta de tomate durante dez semanas contra um grupo de controle. Embora não tenha havido diferença após 4 semanas, o grupo da pasta de tomate apresentou uma resistência 40% melhor à radiação UV na semana 10 (30). Essa melhora progressiva também é um bom lembrete; Devemos entrar em hábitos alimentares saudáveis todos os dias, não apenas ocasionalmente! Boa saúde é uma jornada contínua.
  • Chocolate amargo: Você pode não saber, mas o cacau é um dos alimentos mais ricos em nutrientes do mundo. O consumo prolongado de cacau aumenta a resistência aos raios UV da nossa pele (31, 32).
  • Chá: Os chás verde e preto oferecem uma excelente variedade de polifenóis que ajudam a reduzir o risco de queimaduras solares. O chá preto pareceu mostrar um efeito protetor contra o melanoma em um estudo da Itália, enquanto frutas e legumes não (33) . Além disso, numerosos estudos relatam que o chá verde reduz o risco de câncer (34).
  • Café: Como a maior fonte de polifenóis na moderna dieta americana, o café tem uma riqueza de benefícios para a saúde (35, 36). Além disso, pesquisas mostram que o café pode desempenhar um papel significativo na ligação entre dieta e câncer de pele. Vários estudos demonstram um risco inverso “estatisticamente significativo” para o melanoma (e todos os cânceres de pele) em pessoas que bebem café (37, 38, 39, 40) .

Pensamentos finais

A longo prazo, há muitas coisas que podem aumentar ou reduzir nosso risco de câncer de pele.
Estes incluem queimaduras solares, luz solar suficiente (a vitamina D é necessária!) e, como acontece com qualquer tipo de câncer; focar a vida saudável no cotidiano.
A ligação entre dieta e câncer de pele é forte, no entanto.
Os principais pontos a serem lembrados são manter um equilíbrio ótimo de ômega 6:3 e enfatizar os alimentos ricos em nutrientes diariamente

Recomendado para você: