Controle de Natalidade, parte I: Pílulas anticoncepcionais – como elas funcionam, benefícios e riscos

419
Artigo traduzido por Juliana Whately. O original está aqui.
por Stefani Ruper
birth-control-pillsHoje nós vamos lançar a série
Controle de Natalidade, falando sobre o método mais popular da América: a
pílula.
É o seguinte, a pílula é tão
complicada e existe de tantas formas diferentes que vai ter de ser por partes.
Este artigo se concentra em como a
pílula funciona e o que isso pode significar para a saúde e fertilidade. A
próxima edição vai cobrir todos os vários tipos de pílulas, explicando e
pesando os prós e contras de cada uma.

O ciclo menstrual normal e ficar grávida

A fim de entender como funcionam
as pílulas anticoncepcionais, é fundamental entender primeiro o ciclo
menstrual.
Um super resumo:

O ciclo menstrual é uma
interacção complexa entre os hormônios secretados pela glândula pituitária e as
respostas hormonais dos órgãos reprodutores, ao longo de cerca de um mês.
Um resumo moderado:

Num ciclo menstrual normal, o FSH
é secretado pela glândula pituitária, que estimula o desenvolvimento folicular,
em seguida os ovários respondem com o aumento dos níveis de estrogênio. Este
estrogênio, então, desencadeia uma diminuição do FSH e um pico do hormônio
luteinizante (LH), o que induz a ovulação, e, em seguida, os níveis de
progesterona aumentam. Picos de progesterona e, em seguida, queda e a queda de
progesterona provoca a descamação do endométrio em fluxo sanguíneo durante o
que comumente chamamos de semana 1
. Em seguida, o ciclo recomeça.
Em detalhes:

O primeiro dia de um ciclo
menstrual é o primeiro dia de sangramento. Durante este período, o revestimento
do útero é expelido. Esta hemorragia constitui os primeiros 3-8 dias da
primeira metade do ciclo menstrual, que dura cerca de duas semanas e é chamada
a fase folicular.
Durante a fase folicular, os
níveis de estrogênio aumentam e fazem o revestimento do útero crescer e
engrossar. Ao detectar níveis elevados de estrogênio, a hipófise aumenta a
produção do hormônio folículo-estimulante durante toda a fase folicular. Este hormônio
estimula o crescimento de 3 a 30 folículos. Cada folículo contém um óvulo. Com o
tempo, os níveis de FSH caem, e  somente
um dos folículos continua a crescer. Ele produz estrogênio e outros folículos
estimulados se degeneram.
Ao detectar essa mudança, a
hipófise agora libera o hormônio luteinizante. Isso faz com que o folículo
inche e se rompa, liberando seu óvulo. Isto é a ovulação. Durante a ovulação, a
testosterona, que é constantemente produzida em baixos níveis pelos ovários,
tem picos, e estrogênio cai.
Após a ovulação vem a fase lútea.
Aqui, o folículo rompido se fecha e forma o corpo lúteo. Isto engrossa o
endométrio, que por sua vez produz progesterona. Mas se o óvulo não for
fertilizado dentro de cerca de duas semanas, os níveis de progesterona caem, o
que desencadeia a descamação e o sangramento. Aqui o ciclo começa de novo. Os
ciclos são geralmente “conhecidos” por ter 28 dias, mas a duração de
um ciclo normal, saudável pode variar de ~20 a ~35 dias.

Como uma mulher fica grávida


A mulher fica grávida quando um
espermatozóide é implantado no óvulo, nas datas imediatamente antes, durante e
após a ovulação (tanto alguns dias antes, se o esperma ficar por muito tempo,
quanto 1-2 dias depois, quando o óvulo morre). Quando acontece, os níveis de
progesterona não caem. Como os níveis de progesterona não caem, não ocorre a
menstruação. É por isso que ficar sem menstruar ou “estar atrasada” é
muitas vezes o primeiro sinal que uma mulher desconfia que ela pode estar
grávida.

O que são pílulas anticoncepcionais


As pílulas anticoncepcionais são
abastecimentos de fluxo hormonal.
Eles são tanto a) fórmulas de
progesterona apenas ou b) pílulas de estrogênio-progesterona combinados.
Elas podem ser monofásicas,
bifásicas, trifásicas ou quadrifásicas agora, o que significa que podem ser: a)
um fluxo constante de uma dose baixa ou b) uma quantidade inconstante de
hormônios. Este tipo inconstante, cíclico de pílula foi desenvolvido para se
aproximar de um ciclo mais natural.
Normalmente pílulas
anticoncepcionais são tomadas em ciclo mensal e elas deliberadamente induzem a
menstruação, embora agora algumas formulações durem até três meses.
Quando tomar a pílula
Uma mulher toma um comprimido
todos os dias durante um determinado período de tempo e, geralmente, na mesma
hora. Isto é importante porque o nível hormonal no sangue deve ser suficiente o
tempo todo
, a fim de evitar uma cascata hormonal mais à frente.
Pense assim: se você está
atrasada em tomar sua pílula de progesterona, sua glândula pituitária pode
ficar animada e enviar um sinal de LH. Você pode tomar a progesterona mais
tarde, digamos com 6 ou 12 horas de atraso, mas pelo tempo o LH já foi secretado
e a ovulação já ocorreu. É extremamente importante tomar as pílulas na hora
certa.
Como funciona

As pílulas de progesterona foram
as primeiras desenvolvidas. A ideia é simples e o efeito, profundo.
A progesterona no organismo –
como vimos na análise do ciclo menstrual normal – impede a liberação de FSH e
LH no cérebro. Em suma, isso significa que, quando uma mulher toma uma pílula
diária de progesterona, o FSH e o LH não são secretados
. Ambos são responsáveis
pela ocorrência da ovulação, assim, sem eles, a mulher não ovula.
Em maior detalhe, isto significa
que: no passo 1) A progesterona inibe a produção de FSH. Passo 2) Os baixos
níveis de FSH evitam que os níveis de estrogênio subam e prevenem o
desenvolvimento do endométrio. 3) O estrogênio mantém um patamar baixo, e isso,
juntamente com os altos níveis de progesterona, impedem o LH de ser liberado. E
finalmente, no 4) Porque não há LH, não ocorre a ovulação. Porque não há ovulação,
a mulher não engravida.
Os contraceptivos orais combinados

Recentemente, após a pílula de
progesterona ser desenvolvida, o estrogênio foi adicionado em várias
formulações para criar o contraceptivo oral combinado. A razão de o estrogênio
ser empregado (por volta de uma década após o desenvolvimento original da
pílula) foi porque os médicos pensavam que iria estabilizar o endométrio e meio
que prevenir o sangramento. O que aconteceu. O que os médicos descobriram, no
entanto, foi que o estrogênio também ajudou a impedir a ovulação. Isso é
importante para as mulheres que sofrem de predominância estrogênica e estão
tentando engravidar.
O efeito da adição de estrogênio
nas pílulas, então, é evitar a menstruação. Ele também pode ser útil para as
mulheres que sofrem com baixos níveis de estrogênio (muitas vezes pelo baixo
teor de gordura corporal ou estresse) ou de altos níveis de testosterona. Isso
ocorre porque o estrogênio ajuda a equilibrar a testosterona na corrente
sanguínea. Às mulheres com SOP, por esta razão, são prescritas pílulas contendo
estrogênio na maioria das vezes, se elas estão tentando controlar seus sintomas
de predominância de testosterona.

Outras maneiras como as pílulas funcionam


As pílulas anticoncepcionais
também têm efeitos fisiológicos que previnem a gravidez. A progesterona diminui
a quantidade e aumenta a viscosidade (espessura) do muco cervical. Isso torna
quase impossível para o esperma conseguir penetrar através do colo do útero.
O “timing” da pílula

A maior parte das pílulas são
desenvolvidas para imitar tanto quanto possível o ciclo menstrual natural. A
razão para isso não é muito clara e se baseia fortemente no psicológico. Quando
eles estavam desenvolvendo a pílula há várias décadas, os médicos pensavam que
as mulheres precisavam menstruam regularmente, para se sentirem normais ou
confortáveis em sua própria pele. Isso tem mudado nos últimos anos, apesar de
que a tendência permanece um tanto quanto forte.
Este fato significa que o padrão
mais comum é que a progesterona seja tomadas durante 21 dias e, em seguida, um
placebo ou nenhum comprimido para os 7 dias seguintes. Por volta do dia 21 do
ciclo, a ovulação já foi inibida há um tempo. Isto significa que a progesterona
pode ser liberada pelo dia 21 sem qualquer preocupação de que ocorra a ovulação
e, simultaneamente, sendo o suficiente para induzir a menstruação.
Outro modelo é mudar o ciclo de
21-7 para 24-4 dias, o que pode encurtar e suavizar os períodos.
Também é fisiologicamente um
tanto importante ter um pouco de menstruação, uma vez que é possível que o
endométrio fique muito espesso sem menstruação – o que pode levar a certas
complicações fisiológicas, tais como o câncer. No entanto, isso ocorre em longo
prazo e este efeito varia muito, dependendo da quantidade de estrogênio que é
ingerida pela mulher e do quanto seu endométrio cresce ao longo do tempo.
No entanto, no geral, a pílula
diminui o espessamento do endométrio, de modo que isto é, de fato, uma vantagem
da pílula – redução do risco desse tipo e fonte de câncer – em vez de
desvantagem.
Então, é necessário ter uma menstruação todos os meses?
Não, na verdade, não é.

Algumas pílulas estendem o ciclo por três meses
Embora seja difícil chamar três
meses de “ciclo”. Não é. O que
acontece em pílulas com três meses de duração, como a Seasonale, é que a
progesterona inibe continuamente o LH e o FSH sem parar.
E não ocorre a
menstruação ou padrão cíclico.
Finalmente, depois de três meses
– um número um tanto arbitrário, decidido pelos fabricantes de medicamentos e
pela comunidade médica, um sangramento é induzido por algumas pílulas placebo.
Teoricamente, você pode simplesmente continuar a tomar progesterona e não
menstruar durante o tempo em que desejar. Mas, novamente, porque é bom dar um
“reset” e também limpar o endométrio, especialmente se a pílula
contém estrogênio, a menstruação deve
acontecer ocasionalmente.
Efeitos positivos da pílula?

  • Redução do risco de câncer –  específicos do sexo feminino – endometrial,
    de ovário e de colo de útero.

Se isso for verdade, provavelmente é, na
minha opinião pessoal, por causa do efeito de amortecimento que a progesterona
tem sobre o estrogênio, que por si só desempenha um papel na alimentação de
tumores. Entretanto, outros estudos mostramo  aumento do risco de câncer de mama com o uso
de pílula.

  • Aumento da lubrificação vaginal?
  • Alívio da TPM
  • Diminuição da acne

Os efeitos negativos da pílula?

  • Aumento do risco de câncer (ainda
    desconhecido)
  • Ganho de peso
  • Diminuição da libido
  • Diminuição da lubrificação vaginal
  • Acne
  • Depressão
  • Distúrbios psicológicos, como ansiedade, insônia, ou raiva

Aclimatação à Pílula e amenorréia

Outro efeito de tomar a pílula é
que o corpo pode se tornar excessivamente dependente dela. Os hormônios fogem
de circuitos de efeitos negativo. O que significa que a detecção de determinados
níveis de um hormônio no sangue diz para as glândulas apropriadas pararem de
produzir tal hormônio. Isto faz sentido, à luz do fato de que o corpo quer
manter o equilíbrio hormonal apropriado.
Isso tem implicações negativas
para as mulheres que suplementam com estrogênio ou progesterona (ou seja, tomar
a pílula) durante seus anos reprodutivos, no entanto. Como os hormônios estão
sendo ingeridos ou injetados na corrente sanguínea, o corpo muitas vezes deixa
de produzi-los. E depois de parar de tomar a pílula, o corpo ainda não os
produz. Algumas mulheres podem levar vários meses ou até um ano antes pra
começar a ovular e menstruar novamente.
Naturalmente, este é não é o caso
mais comum. A maioria das mulheres ficam muito bem sem pílula. Assim como com
os efeitos colaterais. 60% das mulheres não relatam ter quaisquer
efeitos adversos da pílula. A maioria das demais tem alguns efeitos colaterais,
mas convivem com eles. Outras acham que esses efeitos colaterais são
insuportáveis e escolhem outros métodos de contracepção.
Porque a pílula tem efeitos positivos e negativos

O corpo de cada mulher é
diferente. Isto significa que a adição de estrogênio na corrente sanguínea pode
ajudar seus sintomas, mas em outros casos acrescentar estrogênio na corrente
sanguínea pode trazer um monte de danos. O mesmo vale para o uso da
progesterona. Adicionar estes hormônios na corrente sanguínea tem o potencial
de aumentar ou diminuir os níveis além do que é natural para uma mulher – e, na
verdade, é quase certo que eles serão diferenciadamente equilibrados.
Perturbar o equilíbrio natural
entre estrogênio e progesterona, assim como entre esses hormônios e o restante
dos hormônios sexuais, principalmente a testosterona, pode ter efeitos graves
sobre a mulher. Estrogênio e testosterona precisam estar específicamente e bem
equilibrados para que uma mulher tenha desejo sexual funcionando corretamente.
Estrogênio e progesterona precisam estar bem equilibrados para ter pele limpa.
E assim por diante. A lista é longa.
É interessante notar, por outro
lado, que o estrogênio e a progesterona atuam como “antagonistas” um do
outro, o que significa que a progesterona tem o poder de reduzir os efeitos do
estrogênio e vice-versa. Isto é, em parte, o porquê das pílulas combinadas serem
desejáveis ​​para muitas mulheres, embora seja também o porquê das mulheres
estrogênio-dominantes escolherem uma pílula de progesterona.
Dito isto …

A pílula é complicada! Na minha
experiência pessoal, simplesmente não vale a pena. Mas os efeitos negativos da
pílula sobre a saúde são todos
específicos para o indivíduo
. Assim
como os efeitos positivos
. E os impactos na saúde em longo prazo não são
bem compreendidos. Por essa razão, é totalmente específico para o seu corpo e
suas necessidades se é ou não “válido” para você ficar em um regime hormonal.
Como nota final …

Como resultado da pílula, as
mulheres estão excretando mais hormônios do que o habitual, o que tem impacto
no abastecimento de água. Isso tem atrapalhado significativamente os ciclos
reprodutivos de alguns peixes. Também é questionável o quanto desses produtos chegam ao abastecimento de água. A maioria dos estudos parece mostrar que pequenas
percentagens chegam (entre 10 e 20%), mas que as estações de
tratamento de água são bem eficazes em filtrá-los.

O que eu listei acima são efeitos
bem conhecidos e populares da pílula. Qual foi a sua experiência? Você teve algum
efeito colateral? Quaisquer efeitos colaterais incomuns? Nos informe! A pílula
pode fazer muito mais do que o que é comumente contabilizado.

Recomendado para você: