Armazenamento de glicogênio

2536
Assista ao meu mini-curso gratuito sobre paleo/lowcarb!

O natal veio e foi-se, e embora eu não tenha saído da dieta (excetuando-se pelo incidente da cerveja), abusei um bocado das farofas e frutas. O resultado logo veio: 3kg a mais na balança, em menos de 1 semana 😀

Mas de onde é que vem esse monte de peso ? Lembrei do artigo abaixo, que um leitor me enviou um tempo atrás. O original está aqui.

Armazenamento do glicogênio: ilusões de perda de peso fácil, reganho de peso excessivo e distorções na estimativa da composição corporal

por Stephen Kreitzman, Ann Coxon e Kalman Szaz
Publicado no Jornal da Associação Médica Americana, 1992

Resumo

A utilização dos estoques de glicogênio durante a redução de peso pode ter efeito significativo na perda de peso aparente e no grau de reinicidência após um período de dieta. O déficit de energia requerido para reduzir o peso usando glicogênio como combustível (821kcal/kg) é muito menor que usando gordura (7782kcal/kg) devido à diferença na contribuição energética das gorduras e dos carboidratos, e ainda mais, às grandes quantidades de água associadas com o glicogênio armazenado. Pequenos déficits de energia, por conseguinte, podem produzir a ilusão de significativa perda de gordura no início de dietas para perda de peso. A facilidade com que este peso será recuperado pode ser desapontadora para um praticante de dieta. A aparente facilidade da perda de peso inicial também pode levar a expectativas irreais sobre a habilidade de uma restrição modesta de energia ou mesmo exercício produzirem perdas de peso significativas. Estimativas quantitativas do armazenamento de glicogênio proveriam informação sobre a perda de peso inicial e rápida reincidência ao seguir uma dieta.
O glicogênio está associado ao potássio na proporção de 0.45mmol de potássio para cada grama de glicogênio, e o glicogênio é necessariamente exaurido nas fases iniciais de qualquer dieta. O esgotamento do postássio durante os primeiros dias de uma dieta cetogênica de muito baixo carboidrato (VLCD) deve primariamente refletir esta instabilidade do glicogênio.

Métodos

O protocolo do estudo foi aceito pelos comitês éticos das universidades de Cambridge e Swansea, e pela Fundação Howard de Pesquisa. Todos os sujeitos deram seu consentimento informado.
Onze mulheres de variados índices de massa corporal foram postas em dietas idênticas e padronizadas (1600kcal/dia) por 11 dias, antes de um extenso teste para perda de peso. A dieta de manutenção continha 201.7g de carboidratos, 59.3g de gorduras e 67.8g de proteínas. Quatro dias antes de iniciar uma dieta VLCD de 405kcal/dia (Dieta Cambridge), o potássio corporal total (TBK) foi medido em cada sujeito usando o contador de corpo inteiro do Hospital Addenbrookes (Cambridge, Reino Unido). O TBK foi medido novamente no mesmo local, após 5 dias de Dieta Cambridge e ao final do programa VLCD de 10 semanas.
A quantidade de glicogênio foi calculada tomando-se a diferença entre o TBK pré-dieta e o 5o dia de VLCD, expresso como mmol de potássio. Como 0.45mmol de potássio representa 1g de glicogênio, a perda de glicogênio total é expressa como mmol TBK/0.45.

Resultados

Os resultados são mostrados nas tabelas 1 e 2. As alterações de potássio durante os primeiros 4 dias em dieta VLCD, de 180mmol, comparam-se com apenas 104mmol perdidos nas 10 semanas de dieta subsequentes. Assume-se que a vasta maioria do potássio perdido nestes dias iniciais de dieta reflete primariamente aquele ligado ao glicogênio. A estimativa de ~400g de glicogênio armazenado equipara-se às outras estimativas de glicogênio armazenado em pessoas saudáveis.

Clique na imagem para conhecer!

Discussão

Dado que uma quantidade considerável de potássio está ligada ao glicogênio hidratado (0.45mmol de potássio por 1g de glicogênio) [1], a perda de 400g de glicogênio resultará na liberação de > 200mmol de potássio. Estudos de composição corporal usando K40 (N.T.: isótopo de potássio) assumem que cada quilograma de massa livre de gordura (FFM) está associado a 60mmol de potássio. A utilização dos estoques de glicogênio poderiam por conseguinte ser erroneamente interpretados como perda de ~3.5kg de FFM rica em nitrogênio.

A média de perda de glicogênio por esse grupo de sujeitos, de 400g, é razoável. Isso não deveria obscurecer a considerável variabilidade entre pessoas, na qual um sujeito chegou a 1kg de glicogênio. Perdas ou ganhos de glicogênio são reportadas [2] como associadas a 3 ou 4 partes adicionais de água, então uma mudança de até 5kg pode acontecer sem qualquer perda de gordura. Como os estoques de glicogênio são prontamente reabastecidos após a conclusão de qualquer programa de perda de peso, é necessário levar em consideração tais perdas antes de comparar a eficiência de métodos para perda de peso, antes de avaliar a reinicidência, e certamente antes de criticar os praticantes da dieta por falta de controle. Bergstom et al. [3] demonstraram que o glicogênio muscular pode ser exaurido para cerca de 1/3 do normal com uma dieta low-carb por 3 dias. Após uma dieta rica em carboidratos, o glicogênio armazenado aumentou em 6 vezes, mais que o dobro do normal. Esse reabastecimento excessivo do glicogênio, com água associada, pode seguir-se a um refeeding inapropriado pós-dieta, levando a ganho rápido e excessivo de peso que não é sob forma de gordura.

TBK
  Antes da dieta 3300mmol
  No 5o dia da dieta 3120mmol
  Perdidos após 4 dias de dieta 180mmol
  Perdidos entre os dias 5 e 70 104mmol
Estoque de glicogênio estimado 400g

Tabela 1: media de potássio corporal total (TBK) e valores 

estimados de estoque de glicogênio nos sujeitos antes da 

dieta VLCD, após o dia 4 da dieta, e após 10 semanas de dieta

Clique na imagem para conhecer!


Sujeito Peso no dia
do 1o TBK
(kg)
Peso após
4 dias de VLCD
(kg)
Perda de peso
após 4 dias de
VLCD (kg)
Armazenamento de
glicogênio estimado
(g)
1 87.6 85.6 2.0 333
2 90.4 86.0 4.4 426
3 89.8 82.4 7.4 520
4 75.2 71.8 3.4 333
5 108.2 105.2 3.0 520
6 65.6 62.5 3.1 373
7 84.4 80.2 4.2 1066
8 107.6 100.9 6.7 80
9 78.8 75.4 3.4 146
10 83.0 80.7 2.3 333
11 104 98 6.0 240
12 95.4 89.7 5.7 613
x ± σx 89.2 ± 13.1 84.8 ± 12.3 4.3 ± 1.8 415 ± 256

Tabela 2: diferenças individuais no armazenamento estimado de 

glicogênio e mudança inicial de peso após 4 dias de VLCD

Referências

Clique na imagem para conhecer!
  1. Patrick, J. Assessment of body potassium stones. Kidney Int 1977; 11:476-90.
  2. Olsson K. Saltin B. Variation in total body water with muscle glycogen changes in man. Acta Physiol Scand 1970;80:11-8
  3. Bergstrom J. Hermansen L. Hultman E. Diet, muscle glycogen and physical performance. Acta Physiol Scand 1967;71:140-50
Assista ao meu mini-curso gratuito sobre paleo/lowcarb!