Fatores de autoimunidade: a dominância Th1 / Th2

68
Avalie essa postagem

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.
por Mark Sisson
Com condições auto-imunes, a estratégia mais eficaz que você pode empregar é reduzir a resposta inflamatória no corpo. Coma paleo/primal. Pare com o excesso de treino. Não descuide do sono. Reduza o estresse. Ao mesmo tempo em que paleo/primal reduz as entradas pro-inflamatórias e proporciona ao corpo amplas influências anti-inflamatórias, algumas pessoas se beneficiam – pelo menos temporariamente – de dar alguns passos extra com protocolos autoimunes específicos.
Mas e se você estiver tomando todas essas providências e seu corpo ainda não está respondendo? Atualmente, os leitores me perguntam sobre o domínio Th1 e Th2 em relação à auto-imunidade. O que significa se você é T1 ou T2 dominante? Quais nutrientes respondem melhor para ambos? Os pesquisadores estão obtendo uma melhor compreensão das citocinas e das células T-auxiliares e seu papel nas respostas imunes. Vamos dar uma olhada mais de perto.

O que é dominância Th1 e Th2?

De um modo geral, as condições autoimunes se desenrolam através de desequilíbrios no sistema imunológico. Francamente, a pesquisa em relação ao domínio Th1 e Th2 é bastante limitada e um pouco controversa, mas acho que vale a pena conversar.
Os termos Th1 e Th2 referem-se a duas populações principais de células T-auxiliares, que é um subconjunto de linfócitos que desempenha um papel fundamental na otimização do sistema imunológico. O equilíbrio entre a resposta imune mediada por Th1 e Th2 parece desempenhar um papel significativo na regulação do sistema imunológico. Quando o sistema imune é equilibrado, existe um equilíbrio entre as células Th1 e Th2. No entanto, em condições autoimunes existem certas citocinas que se alteram e podem interferir com este equilíbrio delicado. A teoria sugere que algumas pessoas possuem condições imunes em que as células Th1 dominam, enquanto outras têm condições imunes com Th2 dominante.

Quais papéis as dominâncias Th1 e Th2 desempenham na autoimunidade?

As células T-auxiliares podem se diferenciar em células Th1 ou Th2, dependendo do tipo de agente patogênico que desencadeou a resposta imune. As células Th1 são imperativas para proteção contra vírus intracelulares, bactérias e protozoários, enquanto as células Th2 produzem a interleucina necessária para a produção de IgE e ativação de mastócitos e eosinófilos importantes para a eliminação de parasitas extracelulares. As respostas Th1 incomuns foram associadas a condições inflamatórias e auto-imunes, enquanto as respostas Th2 estão fortemente implicadas na atopia e inflamação alérgica.
As citocinas do tipo Th1 tendem a produzir respostas pró-inflamatórias na tentativa de matar parasitas intracelulares e bactérias. A principal citocina Th1 é o interferon gama. A dominância Th1 é caracterizada pelo excesso de estimulação de células imunes e inflamação que decorre de infecções passadas, condições ambientais (dieta desempenhando um papel aqui) e sensibilidades alimentares. Normalmente, as pessoas com Th1 dominantes dizem lutar contra a dificuldade de concentração, fadiga e condições auto-imunes como artrite reumatóide, hipotireodismo de Hashimoto, síndrome do intestino irritável, psoríase, doença celíaca, doença de Crohn, síndrome do ovário policístico, lúpus, esclerose múltipla e doença de Lyme. Em outras palavras, praticamente as condições autoimunes mais inflamatórias.
As citocinas de tipo Th2 incluem as interleucinas 4, 5 e 13, que estão associadas à promoção de alergias de IgE e alergias a alimentos, inflamações menores (não estamos procurando eliminar a inflamação, pois ela tem um papel crítico no funcionamento de um organismo saudável). Pensa-se que essas pessoas tendem a produzir anticorpos contra alimentos. Em excesso, as respostas Th2 irão combater as ações Th1. Portanto, o cenário ideal seria que uma pessoa tivesse uma resposta Th1 e Th2 bem equilibrada. Algumas condições associadas ao domínio de Th2 incluem lúpus, dermatite, alergias, asma, síndrome do intestino irritável e sensibilidades químicas.
Para pensar: as células Th1 e Th2 estão associadas a respostas imunes específicas com base nas citocinas que segregam. Para alguns agentes patogênicos, a presença de citocinas Th1 (IFN-gama e TNF-beta) é considerada necessária. Por outro lado, para grandes parasitas extracelulares como helmintos, as citocinas de tipo Th2 são consideradas mais necessárias.
E outro interessante pedacinho de conhecimento… Um feto pode ativar uma resposta imune no útero, no início da gravidez. A gravidez é uma situação Th2, então os bebês tendem a nascer com respostas imunes Th2. No entanto, as respostas podem ser comutadas rapidamente no bebê, sob a influência da exposição microbiológica ou podem ser reforçadas por exposição precoce a alérgenos. Esses pesquisadores formularam a hipótese de que as pessoas que desenvolvem alergias completas podem ter nascido com uma resposta Th1 mais fraca.

Inconsistências na discussão da dominância Th1 / Th2

A atividade das citocinas humanas raramente pertence exclusivamente aos padrões pró Th1 ou Th2. Muitas condições auto-imunes que foram classificadas como Th1 ou Th2 dominantes, não conseguem atender aos critérios estabelecidos. A polarização Th1 pode facilmente mudar para a dominância Th2 apenas através da depleção de glutationa. Mercúrio, por exemplo, esgota a glutationa, polarizando-se para o domínio de Th2. O equilíbrio Th1 / Th2 também é influenciado por hormônios e nutrientes, como probióticos, selênio, zinco, esteróis vegetais e outros hormônios. Os ácidos graxos ômega-3 ajudam significativamente com uma ampla variedade de condições auto-imunes, mas não têm efeito específico sobre Th1 ou Th2.
Parece-me que existe uma dança delicada entre as células T-auxiliares, e não é “preto e branco”. Eu não acredito na habilidade ou sabedoria de categorizar definitivamente um indivíduo nesta base. No entanto, pode haver valor na determinação de se um indivíduo tende a mostrar características que se inclinam para o domínio Th1 ou Th2. Os médicos podem pedir um exame de citocinas  Th1/Th2 sanguíneas, o que pode ajudar a determinar se você é dominante em um ou outro.

Que alimentos, suplementos e mudanças de estilo de vida estimulam teoricamente Th1 e Th2?

Uma quantidade limitada de pesquisas sugere que existem vários suplementos, alimentos e mudanças de estilo de vida que podem estimular Th1 ou Th2 – assim, teoricamente, equilibrando os dois sistemas. Eu estou em cima do muro sobre alguns deles, mas dado que a maioria é de recomendações que eu já faço de qualquer jeito para uma vida paleo/primal saudável, eu diria que vale a pena considerar. Mesmo que o experimento não seja bem-sucedido, você pode, pelo menos, saber que é seguro. Como sempre, não exagere em particular com suplementação. Adicione lentamente e compartilhe seus planos com seu médico, especialmente se estiver grávida, amamentando ou sendo tratada por quaisquer condições de saúde.
De acordo com o pessoal da Self-Hacked, as estratégias para inibir Th1 (se você for dominante em Th1) podem incluir evitar lectinas, exercita-se sem sobre-treino e alinhar seus padrões de sono com o ritmo circadiano. (Não faço nenhum porém até aqui). Da mesma forma, sugestões também incluem tomar vitamina A (retinol), D3, CBD, astaxantina, óleo de peixe, cromo e colina. As especiarias que ajudam a inibir Th1 incluem canela, cardamomo, erva-doce, mostarda e cominho preto. As recomendações de alimentos destacam peixes e abacates. 
Recomendações comuns para inibir Th2 (se você for dominante em Th2) incluem exposição ao sol, probióticos, exposição ao frio, exercício intenso e aumento de oxitocina através do contato pele com pele. São sugeridos produtos de abelha como geléia real, favo de mel e mel cru, bem como B6, folato, B12, vitamina C, vitamina E, selênio, zinco, cobre e ferro, assim como o kiwi, o cacau e o café. (Se você não responder bem à cafeína, ignore o café com certeza).
Os cogumelos medicinais também são conhecidos por estimular o sistema imunológico. Certos cogumelos medicinais como reishi, shiitake e maitake podem atuar como estimuladores Th1. Considerando que, chaga e cordyceps sinensis (Cs-4) podem ajudar a equilibrar o sistema imune Th1 / Th2.
Para todas as preocupações imunológicas, acredito que todos nós se beneficiem de andar descalço e ter contato com a terra, da brincadeira, da redução do estresse, do sono e da nutrição paleo/primal. Embora eu não esteja pronto para descontar inconsistências ou ignorar a pesquisa limitada sobre a questão do equilíbrio Th1 / Th2, também reconheço isso pode fazer sentido para leitores que estão procurando respostas onde os protocolos paleo/primal e autoimune “tradicionais” não tiveram o resultado esperado.
Estou curioso quanto aos seus pensamentos. Você mergulhou na literatura Th1 / Th2 ou empregou as estratégias sugeridas (as acima ou outras)? Eu adoraria ouvir suas experiências, então por favor compartilhe. Tenham todos um ótimo dia.

Recomendado para você: