O xarope de milho com alto teor de frutose foi renomeado na surdina

209

Artigo traduzido por Rafael Araújo. O original está aqui.

por Baxter Dmitry

O xarope de milho rico em frutose (HFCS) é um assassino. Desde que os humanos começaram a consumi-lo, as taxas de obesidade mais do que triplicaram e a incidência de diabetes aumentou mais de sete vezes. Mesmo quando usado com moderação, é uma das principais causas de doenças cardíacas, obesidade, câncer, demência, insuficiência hepática, cárie dentária e muito mais.
Então, o que a FDA faz sobre esse assassino silencioso? Ela permite que os produtores de alimentos mudem o nome do adoçante infame para induzir os consumidores a pensar que eles não estão comendo HFCS.
Isso mesmo: o xarope de milho de alta frutose agora tem um nome novo e enganador – “adoçante natural” – projetado para levar os clientes a fazerem escolhas mal-informadas que irão afetar sua saúde.
Os consumidores estão finalmente atentos ao fato de que o que colocamos em nossas bocas afeta nossa cintura, bem como a nossa saúde. Uma vez que os consumidores se tornaram muito mais inteligentes e finalmente acordaram para essa realidades, eles estão exigindo escolhas alimentares mais saudáveis. Toda empresa de alimentos faz questão de estampar “100% natural” em cada caixa de qualquer coisa, independentemente do que haja dentro.
Agora, temos que conhecer o novo nome sorrateiro para saber se estamos ou não consumindo HFCS. Obviamente, a melhor maneira de evitar essa bagunça é comprar das empresas que você realmente confia.
Grandes empresas de alimentos estão escondendo ingredientes que eles sabem que realmente não queremos consumir em seus produtos. Desta vez, é a presença de uma nova versão do xarope de milho de alta frutose. Mas esta não é a frutose inócua que adoça os frutos que os humanos comem desde o início dos tempos. Este é um ingrediente questionável com muitos nomes, que pode estar causando todos os tipos de problemas de saúde.
Um dos produto é o Vanilla Chex da General Mills, uma versão atualizada do cereal Chex vendido na maioria das lojas convencionais há muitos anos. A parte da frente da caixa indica claramente que o produto é “sem xarope de milho rico em frutose” (HFCS), mas volte a ler a lista de ingredientes e aí está ele: a nova “frutose isolada”.
Por que isso é um problema? De acordo com a Associação de Refinadores de Milho (CRA), houve uma mudança de nome sorrateira. O termo “frutose” agora está sendo usado para denotar um produto que anteriormente era conhecido como HFCS-90, o que significa que é frutose de 90% pura. Compare isso com o que se chama de “HFCS comum”, que contém 42-55% de frutose, e você saberá por que o General Mills está tão ansiosa para te manter no escuro.
A CRA explica:

Um terceiro produto, o HFCS-90, às vezes é usado em alimentos naturais e “light”, sendo que muito pouco é necessário para oferecer doçura. Os xaropes com 90% de frutose não indicarão [mais] o xarope de milho de alta frutose no rótulo. Indicarão “frutose” ou “xarope de frutose “.

E a maneira como eles se dar bem com isso é bastante simples:

Simplesmente eliminamos a designação de xarope de milho de alta frutose para o adoçante de laboratório que é fructose de 90% pura, e o chamamos pelo que realmente é: frutose. E é assim que um produto alimentício processado como Vanilla Chex que contém “frutose”, uma substância que, de acordo com as refinarias de milho, costumava ser chamado de HFCS-90, agora pode declarar-se sem xarope de milho de alta frutose.

Rafael Araújo é lifter, praticante de jiujitsu e muay-thai, estudioso do mundo low-carb, moderador do grupo Pelotão Low Carb e criador do Método MCM. O caso de sucesso dele foi contado aqui no Paleodiário um tempo atrás.

Recomendado para você: