A saliva dos pais na chupeta dos filhos poderia manter as alergias ao longe

60
Avalie essa postagem

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.
por Rob Stein
Sucking may be one of the most beneficial ways to clean a baby's dirty pacifier, a study found
A palavra “microbioma” – descrevendo a coleção de bactérias que vivem sobre e dentro dos nossos corpos – continua aparecendo. Desta vez, pesquisadores dizem que crianças cujos pais limpam seus bicos/chupetas com a própria boca podem ter menor probabilidade de desenvolver condições alérgicas pela maneira como a saliva de seus pais muda seu microbioma.
É isso o que diz um pequeno estudo de 184 bebês suecos publicado no jornal Pediatrics. Os pesquisadores descobriram que 65 bebês cuja mãe ou pai chupavam sua chupeta para limpá-la tiveram chance significativamente menor de ter eczema e asma, duas condições causadas por reações alérgicadas, do que bebês cujos pais não usavam essa técnica de limpeza.
“Essa é uma observação interessante e intrigante”, diz Elizabeth Matsui do Centro Infantil Johns Hopkins, que não esteve envolvida na pesquisa.
As descobertas adicionam credibilidade a um corpo de evidência crescente que sugere que a exposição – ou falta de exposição – a micróbios no início da vida pode afetar a saúde de uma criança ao influenciar seu microbioma.
“Houve recentemente uma explosão de interesse no microbioma e em como ele pode influcenciar muitas coisas – mas em particular, a propensão de alguém a desenvolver uma doença alérgica”, diz Matsui.
Para investigar o papel da limpeza das chupetas, Bill Hesselmar da Universidade de Gothenburg (Suécia) e seus colegas analisaram dados que coletaram para um estudo mais amplo sobre alergias em bebês. Entre as questões que os pais responderam constava o que eles faziam quando a chupeta das suas crianças caía.
“Nós lhes perguntamos como eles limpavam a chupeta – se a lavavam com água – e é claro, a maioria faz isso”, diz Hesselmar. Mas muitos dos pais faziam outra coisa.
“Eles colocam a chupeta na própria boca, sugam um pouco e então devolvem à criança”, diz Hesselmar. “É uma maneira bastante comum de se limpar a chupeta”.
Quando os pesquisadores checaram para ver se havia quaisquer diferenças entre as crianças cujos pais sugavam as chupetas para limpá-las, e aqueles que não faziam, descobriam que havia. Aqueles cujos pais limpavam a chupeta sugando tinham probabilidade significativamente menor de desenvolver eczema aos 18 e 36 meses, e menor probabilidade de desenvolver asma aos 18 meses, dizem os pesquisadores.
“Eczema é a melhor doença para escolher [como marcador] se você quer ver se uma criança está tornando-se alérgica”, diz Hesselmar.
Cientistas acham que quando os pais sugam a chupeta das crianças para limpá-las, eles transferem algumas das bactérias inofensivas de suas bocas para a das crianças, diz Hesselmar. Na prática, os pesquisadores encontraram evidências suportando isso quando analisaram a saliva dos bebês no estudo.
“Nós pensamos que essas bactérias… estimulam o sistema imune”, diz Hesselmar. E isso ensina a ele como fazer seu trabalho direito, o que inclui não reagir excessivamente a coisas como amendoim, pólen e gatos, completa.
O estudo soma-se a um grupo crescente de evidências de que muitas crianças hoje em dia podem essencialmente estar crescendo limpas demais, diz Matsui.
“Nós temos muito menos probabilidades de sermos expostos a organismos na água – parasitas, por exemplo – daí a idéia de que há muito menos coisas para o sistema imune combater. Então ele começa a reagir a coisas que talvez devesse ignorar”, Matsui diz.
Amanda Sauer, 35 anos, de Washington, usa uma chupeta quando seu filho Leo, de 2 anos, fica agitado. Quando a chupeta cai no chão, ela frequentemente lava.
Sauer não tem certeza de que a nova pesquisa vai fazê-la começar a lamber a chupeta suja.
“Provavelmente não”, diz ela. “Mas é mais pelo simples fato de que eu não quero colocar uma chupeta na boca. Mas às vezes o cachorro faz a limpeza por nós, então talvez seja tão bom quanto”.

Recomendado para você: