Como envelhecer sem ficar velho e o que significa envelhecimento no século 21

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Tony Deller


Minha bisavó Beulah faleceu em 1981. Ela tinha 91 anos.

Sua filha morreu em 1987 aos 74 anos de idade.

Meu bisavô Arthur faleceu em 1985. Ele tinha 96 anos.

Seu filho morreu em 1996 aos 79 anos de idade.

Meus bisavós viveram vidas mais longas e saudáveis, ao que parece, do que seus filhos, ao contrário do que eu estava ouvindo nos noticiários ou lendo em livros.

E isso é do lado da minha mãe ...

Os pais de meu pai foram ainda menos afortunados, falecendo aos 64 e 62 anos.

Meus bisavós morreram do que poderia simplesmente ser chamado de “velhice”. Eles quebraram um quadril, contraíram pneumonia e simplesmente não conseguiram curar como costumavam fazer.

Três dos meus avós morreram de câncer.

Minha mãe morreu de câncer de tireóide, que evoluiu para metástase na medula, quando ela tinha 61 anos. Ela foi diagnosticada por volta de 1990, e viveu com o câncer por mais de vinte anos, através de cirurgias, radioterapia e quimioterapia.

Na verdade, pareceu-me a geração dos meus pais, os “Baby Boomers” estão tendo câncer mais do que a geração de seus pais. Quando olhei para isso, encontrei dezenas de artigos sobre estudos sobre esse fenômeno, como esteE este. Muitos.

O que descobri é que não é apenas câncer. Parece que o ambiente que construímos ao nosso redor nos últimos dois séculos está nos envenenando de inúmeras maneiras, mesmo quando nossos avanços científicos na medicina nos permitem lutar contra esses efeitos negativos.

Estivemos terraformando a Terra... em um lugar impróprio para a vida humana.


Este não é um pensamento original. A maioria de vocês já viu ou ouviu isso em outro lugar.

O fato permanece: estamos vivendo em um mundo positivamente repleto de poluentes de tantos tipos que são incontáveis ​​e incontroláveis. Apenas um dos muitos milhares de processos que nossas indústrias utilizam, fracking, é uma ameaça direta para nós e para toda a vida ao nosso redor e, ainda assim, continuamos a usar com frequência cada vez maior.

Não apenas nossos corpos têm que se engajar em batalha contra nossos próprios imperativos biológicos que nos levam a quebrar à medida que envelhecemos, mas também devemos evitar uma constante artilharia de venenos artificiais, radiação e fatores tecnológicos e culturais prejudiciais (como síndrome do túnel do carpo ou estilos de vida sedentários).

Nós não temos apenas maiores incidências de câncer. Com as mudanças gerais nos estilos de vida, aumento do consumismo outros fatores, temos maiores taxas de obesidade, ataques cardíacos e derrames. Condições neurológicas agudas como a doença de Alzheimer estão em ascensão. Os problemas endócrinos estão ocorrendo com mais frequência, em muitos casos, provavelmente devido a poluentes químicos, como os PCBs, que penetram em nosso corpo na maioria das coisas que comemos e bebemos.

Há um cabo de guerra constante entre o lado intelectual da humanidade que conhece esses problemas e trabalha para reduzir os poluentes, e a parte da natureza humana que insiste em expandir por quaisquer meios possíveis.

O que podemos fazer para vivermos mais saudáveis ​​em um ambiente que projetamos para ser prejudicial a nós mesmos? Como podemos envelhecer nesta Terra e nos certificar de que estamos na melhor forma possível?



Comida


Dietas extremas e de moda são frequentemente mais impulsionadas pelo marketing do que de fato baseadas na ciência. Pense nas maiores marcas, aquelas com livros best-sellers e refeições congeladas no supermercado local. A maioria deles se vende como a "melhor". O fato é que nenhuma dieta é exatamente a melhor, porque o corpo de todos tem predisposições genéticas para sua composição e metabolismo.

Existem bibliotecas de pesquisas feitas ao longo dos anos, por antropólogos, nutricionistas, biólogos e todos os outros, que mostram como pessoas diferentes em todo o mundo parecem viver saudável e por muito tempo devido à sua ingestão cultural específica de alimentos. Uma delas é a conhecida "dieta mediterrânea".

A melhor dieta não é uma dieta em tudo - é uma filosofia. Eu chamo isso de VAR: Variedade e Resposta.

O que isso significa é que, se comermos uma grande variedade de alimentos e prestarmos atenção em como nosso corpo responde a esses alimentos, poderemos restringir a melhor dieta para nós mesmos. Isso dependerá de muitos fatores: sua genética, seu nível de atividade, seus níveis gerais de estresse, seu sistema imunológico e onde você mora (ou seja, o que está disponível para você realmente comer).

A única regra é que você faça o seu melhor para comer a maioria dos alimentos frescos, em vez de alimentos processados.

Para começar, coma de forma diferente em cada refeição de cada semana, mantenha algumas notas sobre como você se sente depois de cada refeição e como você acorda no dia seguinte. Pode demorar uma semana ou um mês para identificar o que seu corpo prefere. Percorra suas anotações a cada semana e faça uma lista de alimentos que parecem ajudar seu corpo a sentir-se melhor. Se algo lhe faz sentir-se cansado, nervoso ou estressado, rastreie-o e tente certificar-se de que come cada vez menos dessa coisa, e com menos frequência. Nós não precisamos cortá-los completamente da nossa dieta, apenas moderá-los mais.

Certamente existem certos princípios dietéticos que funcionam para a maioria das pessoas, como cetose, restrição calórica e jejum intermitente. Devemos prestar atenção a eles e usá-los como ferramentas em certas circunstâncias, mas eles não devem atrapalhar a filosofia VAR.

Exercite o corpo...


A atividade física, em qualquer forma que seu próprio corpo permita, deve ser um hábito em sua vida diária. Se um dos seus grandes amores na vida já é corrida de longa distância, ciclismo, levantamento de peso, natação ou basquete, faça tudo para continuar. Se você não tem muita vida física, tente incorporar movimentos cardiovasculares vigorosos por pelo menos 20 minutos todos os dias. O exercício oferece enormes benefícios e, desde que você crie um hábito, aumentará sua expectativa de vida em até 3 ou mais anos, com base em um estudo de 2012 realizado pelo Hospital Brigham and Women, afiliado a Harvard, e pelo Instituto Nacional do Câncer.



Lembre-se de fazer pausas e descansar bastante entre os períodos de extremo esforço e de comer (estilo VAR) o suficiente para se adequar aos seus níveis de atividade. Seu corpo precisa de tempo para se recuperar e reconstruir, e forçar demais causa acúmulo de danos que não serão reparados adequadamente e podem resultar em problemas musculoesqueléticos com a idade, reduzindo a qualidade de vida geral.

...e exercite a mente.


Manter-se ativo mentalmente pode ser tão benéfico para a sua qualidade de vida enquanto envelhece quanto, se não mais, do que manter-se ativo fisicamente.

Tente aprender algo novo todos os dias, lendo e mantendo-se informado. Faça uma lista no início de cada novo ano de 12 novas habilidades que você quer aprender: o básico de um idioma, como tocar guitarra ou tricô, codificação C++, retoque do Photoshop, culinária. Leia pelo menos um novo livro a cada mês.

Mantenha todas as partes da sua mente envolvidas regularmente, desde resolver problemas (quebra-cabeças, jogos) até relações interpessoais (sair com amigos ou encontrar-se com colegas).

Tire um tempo para relaxar.


Em nosso mundo cada vez mais complexo, onde a qualquer momento há pelo menos uma dúzia de tarefas e distrações disputando nossa atenção enquanto somos bombardeados por informações que induzem o estresse da mídia a cada momento, precisamos estar na ofensiva quando o caso é encontrar tempo para nos separar da desordem.

"Relaxamento" significa coisas diferentes para pessoas diferentes. Simplesmente desconectar da tecnologia por um dia pode resultar em níveis mais baixos de hormônios do estresse. Tente fazer isso em um dos seus dias de folga e veja como seu corpo reage. Você se sente melhor ou mais ansioso? Se tiver efeitos negativos, isso pode ser um indicador de que sua vida pode estar um pouco desequilibrada e você passou muito tempo algemado ao seu telefone ou computador. Devemos ser capazes de nos afastar das telas por algum tempo e não sentir como se estivéssemos nos punindo.

Enquanto aproveita as melhores coisas que o nosso mundo moderno oferece, tente viver mais como as pessoas faziam 100, ou mesmo 200 anos atrás.


Muitos de nós temos mais abundância em nossas vidas agora do que nossos ancestrais jamais tiveram séculos atrás. Temos tecnologia que torna nossas vidas mais fáceis e produtivas, assim como acesso a medicamentos e assistência médica que nos ajuda a evitar que fiquemos doentes ou senescentes demais para aproveitar a vida além dos nossos 50 e 60 anos.

As coisas, em geral, são melhores de várias maneiras.

Mas agora estamos experimentando os efeitos negativos do avanço excessivo: nossa população é tão grande que a humanidade está prejudicando o próprio planeta em que vivemos. Nossos negócios devem produzir tanto para tantas pessoas que as forças econômicas resultaram no uso de vastas matrizes de produtos químicos em nossos alimentos e produtos. Nossa abundância está nos prejudicando.

Temos que trabalhar duro para tentar reverter muitos dos danos que causamos ao nosso mundo.

Quanto aos problemas que estão nos prejudicando, e aos nossos filhos, podemos neutralizar muitos de seus efeitos: Coma mais de uma variedade de alimentos naturais, não-processados, prestando atenção em como seu corpo responde a eles; permaneça ativo física e mentalmente; e reserve um tempo para se permitir recuperar, no corpo e na mente, para que possa manter conexões com nosso mundo e com as pessoas de quem mais gostamos, pelo maior tempo possível.

Quais são algumas das suas próprias dicas sobre como viver uma vida longa? Vamos discutir nos comentários.

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores