Colesterol ruim te ajuda a viver mais

8
Avalie essa postagem

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Katie Gibbons

Não há ligação entre colesterol alto e doença cardíaca em pessoas acima de 60 anos, descobriu um grande estudo.
Profissionais de saúde são acusados de disseminar o medo à medida que uma análise revela que pessoas mais velhas com níveis mais altos de colesterol “ruim” na prática vivem mais.
Cardiologistas britânicos fizeram um apelo para as diretrizes do Serviço Nacional de Saúde serem revisadas completamente. Eles questionam se os milhões de pessoas que recebem prescrição de drogas redutoras de colesterol estão sendo erroneamente medicadas.
“A verdade sempre esteve aí: que a hipótese do colesterol está errada”, disse o Dr. Malcolm Kendrick, médico e co-autor do estudo.
“O que encontramos em nossa revisão sistemática foi que pessoas mais velhas com níveis mais altos de LDL – o chamado ‘colesterol ruim’ – viveram mais tempo e tiveram menos doença cardíaca. Muitos de nós suspeitavam que isso podia ser verdade, mas a consistência dos resultados foi assombrosa. A hipótese dieta/colesterol/coração já foi chamada de ‘a maior farsa da história da medicina’. Isso parece estar certo”.
Os pesquisadores analisaram 19 estudos internacionais envolvendo 68.094 pessoas idosas e descobriram que em 92% dos casos o LDL-c – lipoproteína de baixa densidade ou “colesterol ruim” – não aumetava a chance de morte causada por doença cardíaca.
Eles também descobriram que pessoas com altos níveis de LDL tinham menor probabilidade de morrer prematuramente de outras doenças, tais como câncer.
Os resultados, publicados no BMJ Open, são os mais recentes de uma série de estudos que enfraquecem as teorias aceitas sobre dieta e saúde.
Fontes de Whitehall (N.T.: rua de Londres que concentra os órgãos administrativos do Reino Unido) dizem que as diretrizes nutricionais serão revistas após um controverso relatório descobrir que gordura é benéfica à saúde. Há afirmações de que as diretrizes governamentais do Reino Unido são baseadas em “ciência falha, exacerbada pela influência comercial”.
Um relatório preliminar será publicado ano que vem, de acordo com o jornal The Sunday Times.
Aseem Malhotra, um cardiologista, disse: “A evidência científica revela claramente que precisamos parar de espalhar o medo no que diz respeito a colesterol e doença cardíaca, e nos focarmos ao invés na resistência à insulina, o mais importante fator de risco como precursor de muitas doenças crônica”.
Mais de 7 milhões de pessoas na Grã-Bretanha estão sob prescrição de estatinas em uma tentativa de reduzir seu risco de doença cardíaca, disse o Dr. Malhotra.
Pesquisadores dizem que o colesterol é vital à saúde e que em pessoas idosas, evita infecções, derrames, cânceres, cataratas, dor e fadiga muscular.
O estudo, assinado por 17 especialistas da Escandinávia, EUA, Itália, Japão e Grã-Bretanha, foi encarado com ceticismo agressivo por outros especialistas e órgãos de saúde.
O Prof. Jeremy Pearson, da Fundação Cardiológica Britânica, disse: “A evidência de grandes estudos clínicos demonstra claramente que reduzir o colesterol LDL reduz o risco geral de morte e de morte por infartos e derrames, independentemente da idade”.

Recomendado para você: