A saúde do seu filho está nas suas mãos

88
Avalie essa postagem

Era 05 de agosto de 2013, há exato 1 ano, já havia recebido a triste confirmação que meu filho estava com obesidade Grau I, além de todos os outros problemas que enfrentava em tão pouca idade. Kleber Junior nasceu 3 semanas antes do tempo previsto num parto cesariano mal-feito e complicado que acarretou diminuição do nível de oxigênio sanguíneo. 
Isso o deixou com algumas seqüelas só descobertas aos 7 meses, às quais os médicos deram o nome de atraso no desenvolvimento Neuro-Psico-Motor. Ou seja, ele não se desenvolvia igual às outras crianças. Aos 2 anos desenvolveu epilepsia e precisou começar a terapia com remédio anticonvulsivante, que possui como um dos efeitos colaterais o aumento do apetite. A coisa já vinha ruim, porque não consegui amamentá-lo por mais de 20 dias devido às complicações do parto, e depois desse remédio tudo desandou de vez!
Kleber Junior aos 2 anos.
Após 1 ano de medicação já podemos visualizar um aumento considerável de gordura em sua composição corporal:
Kleber Junior aos 3 anos.
Quanto a alimentação dele eu sempre fiz tudo que os médicos me falavam para fazer e que eu, como profissional da área de saúde, acreditava ser o certo. Evitar gorduras, frituras e doces. Comer grãos integrais, regular as porções, muita fruta e suco durante o dia. E depois de 5 anos de medicação e alimentação “correta” chegamos nesse patamar:
Kleber Junior aos 8 anos.
Naquele mês, abril de 2013, procurei uma endócrino pediatra que descobriu que ele estava com hipotireoidismo (nunca tinha sido avaliado quanto a isso, embora fizesse visitas regulares à vários médicos), prescreveu o tratamento com levotiroxina e encaminhou para a nutricionista. 
Na nutricionista recomendações tradicionais: lanche de cookies integrais, iogurte desnatado, leite desnatado com achocolatado diet, pão integral com queijo branco e todo o blablabla low fat a qual todos já estão acostumados. Não tinha quem fizesse o menino comer 1 legume sequer! Era arroz, feijão e carne e pronto! 
Na foto acima, já tinha 2 meses e meio de dieta e ele não tinha perdido nada de peso – o que a nutricionista avaliou ser muito bom “afinal ele havia parado de aumentar de peso”! Kkk, me dá vontade de rir, sinceramente. 
Alguns dias após a foto, descobri a Paleo/LowCarb-HighFat, comecei a estudar vorazmente e apliquei em mim mesma, mas com receio de aplicar em Kleber Junior – afinal ele é criança e eu podia estar lhe fazendo algum mal. Depois de 30 dias de dieta e estudando bastante, me senti segura de oferecer os alimentos lowcarb pra ele. 
Restringi as frutas, cortei todo tipo de carboidrato refinado. O café da manhã dele era papa de aveia ou cereias matinais integrais, e passou a ser ovos mexidos na manteiga. 
Ele passou a comer vegetais!!!! Vegetais (couve-flor, brócolis, xuxu) cozidos no vapor e depois refogados com alho sal e bastante manteiga; ou bacon frito com cebola e repolho fatiados refogados na banha que largou do bacon, temperados com sal e alho, são algumas opções que ele ama. 
Resumindo… qualquer coisa que eu ponha MANTEIGA ele ama, hahahaha. 
Na janta, substituo a salada por tubérculos (inhame, batata doce, macaxeira) com manteiga e carnes/ovos. 
Mas veio a dificuldade: o que vou mandar pro lanche da escola???? Aí entraram em ação as receitinhas: cupcake lowcarb, biscoitos lowcarb, ovos de codorna com queijo gordo espetadinhos no palito, chocolate 70% e água!!! Temos que colocar em nossa cabeça e na cabeça dos professores que o que hidrata é ÁGUA e não precisa tomar suco! Ele não teve dificuldade nenhuma em aceitar os alimentos paleo e as receitinhas. Claro que tive e tenho que gastar um bom tempo na cozinha, mas valeu e vale muito à pena. 
Por que além de ter perdido 6 quilos mesmo crescendo, as taxas lipídicas estão ótimas, a endócrino dele diz que nunca nenhum paciente dela teve uma melhora tão rápida e significativa. Hoje Kleber Junior está assim:
Encerro meu relato deixando um recado para todas as mães: A saúde do seu filho está nas suas mãos, nunca pense que você depende dos médicos. Não hesite em contrariar avó, tio, tia porque querem dar refrigerante, bala e você vai dizer: NÃO! Diga mesmo!!! 
Mais vale ser chata e rígida e manter seu filho saudável do que ser política, agradar a todos em detrimento da saúde do seu pequeno. Quando for a festinhas alimente-o antes em casa e deixe-o comer o que quiser naquele momento de confraternização com os coleguinhas. Garanto que estando alimentado ele vai preferir brincar a comer guloseimas, e mesmo que coma não será em quantidade suficiente para causar impacto. 
Eu consegui com uma criança especial, que não entende argumentos e toma medicação controlada que gera compulsão alimentar, então você também consegue! 
Um forte abraço.
Daniela

Recomendado para você: