Nós somos todos cobaias em uma experiência dietética falha com décadas de idade

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Markham Heid



Digamos que você quer perder algum peso. Qual desses alimentos você escolheria: um café com leite desnatado ou a mesma bebida com leite integral? Um desjejum pobre em calorias ou bife e ovos? Uma salada com molho light ou a mesma salada carregada no molho gorduroso?

Se você é como a maioria dos americanos, de duas, uma: 

  1. Você não tem certeza de qual a resposta certa ou
  2. Você tem muita certeza, e está muito errado. E não é culpa sua. É culpa, dizem os especialistas, de décadas de conselhos nutricionais falhos ou enganosos, que nunca foram baseados em ciência sólida.
O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), juntamente com a agência que agora é chamada de Serviços de Saúde e Humanos (HHS), lançou pela primeira vez um conjunto de diretrizes dietéticas nacionais em 1980. Esse folheto de 20 páginas apontou seu foco principalmente em três vilões de saúde: gordura, gordura saturada, e colesterol.

Recentemente, surgiu pesquisa fortemente em apoio à gordura e ao colesterol na dieta como benignos, e não adições prejudiciais à dieta da pessoa. A gordura saturada parece estar pronta para um perdão semelhante.

"A ciência sobre a qual essas diretrizes foram baseadas estava errada", diz Robert Lustig, um neuroendocrinologista da Universidade da Califórnia, em São Francisco. Em particular, a idéia de que o corte da gordura da dieta de uma pessoa ofereceria algum benefício para a saúde nunca foi apoiado por evidências fortes, complementa Lustig.

Nesta semana, alguns dos colegas da Lustig da UCSF lançaram um relatório incendiário que revela que, na década de 1960, os lobistas da indústria açucareira financiaram a pesquisa que associava doença cardíaca à gordura e ao colesterol, minimizando a evidência de que o açúcar era o verdadeiro assassino.

Nina Teicholz, uma jornalista científica e autora do livro The Big Fat Surprise , disse que muitos dos primeiros movimentos anti-gordura vieram da Associação Americana de Cardiologia (AHA), que baseou seu posicionamento no fato de que a gordura é aproximadamente duas vezes mais calórica do que proteína e carboidrato.

"Eles não tinham dados clínicos para mostrar que uma dieta com pouca gordura ajudaria com obesidade ou doença cardíaca", diz Teicholz. Mas como a gordura era rica em calorias, eles adotaram essa posição anti-gordura e o governo seguiu sua liderança. Certamente a pesquisa dos anos 60 criada pela Associação do Açúcar, que foi publicada no prestigiado New England Journal of Medicine, acrescentou aos nossos medos coletivos da gordura.

Na década de 1990, quando Teicholz diz que os dados epidemiológicos começaram a se acumular para mostrar que uma dieta com baixo teor de gordura e alto teor de carboidratos não ajudava com perda de peso ou doenças cardíacas - independente das calorias - o dano já estava feito. O público dos EUA estava no fundo do que os especialistas em nutrição às vezes chamavam de "fenômeno de Snackwell" - uma devoção a lanches processados ​​com baixo teor de gordura e poucas calorias, que as pessoas comiam aos montes porque acreditavam que fossem saudáveis.

"Este conselho para evitar a gordura permitiu que a indústria de alimentos corresse solta, promovendo alimentos pobres em gordura e ricos em carboidrato como 'light' ou 'saudável', e isso foi um desastre para a saúde pública", diz Lustig.

As estatísticas o respaldam. Uma vez que o governo dos EUA publicou pela primeira vez um conjunto de diretrizes nacionais de nutrição em 1980, as taxas de obesidade e doenças relacionadas, como diabetes, mais do que duplicaram. "O diabetes infantil era basicamente desconhecido, e agora é uma epidemia", disse Lustig.

No exterior, as autoridades nacionais de saúde seguiram a liderança da América no que diz respeito à gordura. Os resultados foram igualmente sombrios. No início deste ano, uma organização sem fins lucrativos do Reino Unido chamada Fórum Nacional da Obesidade (NOF) publicou uma flagrante condenação das políticas de dieta e nutrição do governo.

Em seu relatório, o NOF argumenta que o conselho para diminuir a gordura e o colesterol é "a causa-raiz" das taxas de obesidade e diabetes da Grã-Bretanha. Falando pouco depois da publicação do relatório, Aseem Malhotra, um cardiologista britânico que foi consultor no relatório do NOF, disse: "A mudança no conselho dietético para promover alimentos com baixo teor de gordura é talvez o maior erro na história médica moderna".

Além de destruir as "políticas fracassadas" de seu governo, o relatório da NOF exigia uma "revisão completa do conselho dietético e das mensagens de saúde pública".

Em um recente editorial que aparece no British Journal of Sports Medicine, a pesquisadora Zoe Harcombe da Universidade do Oeste da Escócia explica que as taxas de obesidade entre homens e mulheres britânicos aumentaram de 2,7% em 1972 para 23% e 26%, respectivamente, em 1999 .

"Existem apenas três macronutrientes", diz Harcombe, "proteína, gordura e carboidrato". Quase tudo o que você come ou bebe contém um ou mais desses. E se você seguiu o conselho do governo para comer menos gordura, é inevitável que seu consumo de carboidratos dispare, disse ela. Foi exatamente o que aconteceu com a população nos anos 80 e 90.

Para dar crédito onde o crédito é devido: a última iteração das diretrizes dietéticas do governo dos EUA já não faz questão de limitar a ingestão total de gordura e colesterol. Mas essa omissão é mais uma caminhada furtiva de conselhos ruins do que um reconhecimento público de erro, diz Teicholz. Pior ainda: "Quando você olha o modelo nutricional real que o governo usa para informar seus programas de alimentação, como o Programa Nacional de Merenda Escolar, eles ainda são pobres em gordura", disse ela.

Outro exemplo da cruzada persistente do governo contra a6 gordura: as diretrizes dietéticas de 2015 para os americanos ainda empurram produtos lácteos com pouca gordura - uma recomendação que a pesquisa mais recente não suporta.

"Estudos não demonstraram benefícios de produtos lácteos desnatados versus integrais para a perda de peso, especialmente se as calorias de gordura forem substituídas por açúcar", diz Walter Willett, presidente do curso de Nutrição da Escola de Saúde Pública de Harvard. "Se a evidência aponta alguma direção, é exatamente a oposta".

Willett é rápido em salientar que ele não considera saudáveis o leite integral e os laticínios integrais. "As nozes, por exemplo, são uma fonte de gordura mais saudável", diz ele. Mas se você vai beber um pouco de leite ou comer iogurte, a evidência sugere que sua cintura pode ficar melhor com o integral, provavelmente porque é mais saciante, e assim evita comer em excesso.

Teicholz dize que é difícil avaliar o efeito da posição pró-carb, anti-gordura das autoridades nacionais de saúde. Toda uma geração de profissionais de saúde aceitou - e transmitiu aos seus pacientes - a orientação do governo para evitar gordura e colesterol. Muitos ainda o fazem.

"A credibilidade profissional e institucional está em jogo", disse ela quando perguntada por que mais médicos e formuladores de políticas não estão fazendo barulho sobre os danos causados ​​pela orientação alimentar do governo. Ela também mencionou os interesses da indústria alimentar, o potencial de "ações maciças de ações de classe" e a vergonha de ter que voltar atrás em quase meio século de conselhos ruins sobre dieta, como impeditivos para o USDA e outras autoridades de saúde quando se trata de admitir que estavam erradas.

No Reino Unido, a desconexão entre ciência da nutrição e política alimentar do governo abriu fendas na comunidade de saúde pública. Desde a publicação de seu relatório, o Fórum Nacional de Obesidade perdeu quatro dos seus membros sêniores e as consequências provocaram um debate nacional entre médicos, cientistas da nutrição e decisores políticos sobre o tipo de alimento que realmente pertence a uma dieta saudável.

"Nossos relatórios anteriores receberam pouco interesse, então não tivemos forma de saber que esse teria impacto global", disse David Tenslam, presidente do NOF e professor de ciências da obesidade na Universidade Robert Gordon.

Repetindo o conselho apresentado no relatório de sua organização, Haslam disse acreditar firmemente que a saúde pública seria melhorada se todos simplesmente comêssemos menos carboidratos refinados - coisas como massas, batatas fritas, cereais matinais e outros produtos empacotados - e ao invés disso comêssemos mais "alimentos não-processados", independentemente do seu teor de macronutrientes.

Este último ponto - que todos devemos prestar menos atenção à maquiagem de nutrientes de um alimento - é importante. Willett diz que concentrar-se apenas no conteúdo específico de macro e micronutrientes de um alimento é confuso e não é uma boa maneira de avaliar os impactos na saúde de um item.

Então, o que é um cidadão confuso vai fazer?

Jenny Knight, de 30 anos, é fonoaudióloga e mãe de dois em Norman, Oklahoma. "Eu lutei com meu peso desde os oito anos de idade", diz ela. Com 1.75 e 113kg, ela é obesa por qualquer definição.

Como muitos americanos sobrepesados, Knight experimentou uma centena de dietas diferentes que, no final das contas, defendem o corte de gordura ou calorias a fim de perder peso. Mais cedo ou mais tarde, todas falharam com ela. "Mesmo quando funcionavam, era tudo sobre força de vontade", diz ela. "Eu ficava com tanta fome que tremia e, eventualmente eu não conseguiria continuar assim. Ganhava todo o peso de volta".

Mas desde fevereiro, Knight esteve em uma dieta baseada em gordura, defendida por David Ludwig, professor de nutrição em Harvard.

Ludwig diz que cortar gordura da sua dieta em favor dos carboidratos processados ​​pode desencadear uma cascata de mudanças metabólicas insalubres que alimentam doenças como diabetes e fazem com que as células de gordura do seu corpo economizem ao invés de gastar sua energia. Tudo isso resulta em fome "fora de controle", disse ele. Cortar mais calorias da sua dieta apenas adiciona combustível a esse fogo.

Seu plano, que ele expõe em seu livro Always Hungry?, defende uma mudança de alimentos processados ​​com alto teor de carboidratos em favor de uma dieta pesada em gorduras de nozes, produtos lácteos integrais, gorduras naturais e outros alimentos não-processados.

Até agora, Knight perdeu 14.4kg pelo plano de Ludwig. Mas não é apenas o peso perdido que a tem deixado otimista. "Esta é a única dieta que eu já tentei que parece sem esforço - simplesmente não é necessária força de vontade", diz ela. "Sinceramente, é uma delícia poder comer coisas como chocolate amargo ou manteiga de amendoim ou leite de coco, e não estou com fome como costumava ficar".

A dieta de Ludwig pode ou não ser a resposta para todas as nossas orações para perda de peso. Mas uma coisa é clara: a gordura dietética nunca foi o bicho-papão que as autoridades de saúde pintaram.

"Eu acho que a maioria de nós estaria 90% no caminho para uma dieta realmente saudável se cortássemos os alimentos processados", diz Lustig. 

"Nós não precisaríamos de diretrizes de dieta se comêssemos comida de verdade".

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores