ITIS - É a Insulina, Estúpido (parte 6 de 8)

Artigo traduzido por Juliana Whately. O original está aqui.

por Amy Berger.

Estamos na reta final com todo este material sobre insulina, pessoal – eu prometo. Só mais dois posts depois desse e acabou. (Prometo também voltar à série câncer em breve. Eu sei que eu tenho alguns leitores que estão esperando há muito tempo para que ela ressuscite).

Ok, eu saí da última vez perguntando por que a insulina cronicamente elevada faz com que algumas pessoas ganhem gordura corporal, mas outras não. Eu também dei a entender que o acúmulo de tecido adiposo pode realmente ser um mecanismo de proteção. Vamos começar com o primeiro quesito, já que é mais rápido para resolver. Eu também quero começar por ele porque é, provavelmente, a pergunta de um zilhão de dólares de todo o metabolismo humano em nosso atual zeitgeist alimentar e cultural. Após consumir a mesma dieta - o mesmo número de calorias, possivelmente, as mesmas relações de macronutrientes - e talvez até mesmo ter o mesmo grau de hiperinsulinemia/resistência à insulina, por que apenas algumas pessoas engordam?

E aqui, meus amigos, é a minha resposta de um zilhão de dólares:

Eu não sei.

Eu não sei se alguém sabe. Muito provavelmente, há fatores genéticos envolvidos. Afinal, algumas pessoas são altas; algumas são baixas. Algumas têm olhos azuis; algumas têm olhos castanhos. Em face da insulina cronicamente elevada, alguns de nós acumulam montes de tecido adiposo, outros não. (Bastardo sortudos...) Como é que os corpos de algumas pessoas são tão bons em não acumular excesso de tecido adiposo? Mais claramente - e a maioria de nós provavelmente já disse a si mesmo cem vezes sobre amigos e parentes que nunca tiveram problemas com peso - apesar de comerem lixo e serem sedentários - Droga, por que não eles nunca engordam?!

Meu palpite é, talvez existam outros fatores que devem se unir em um tipo de cenário de "tempestade perfeita" para permitir o acúmulo de gordura corporal. Talvez seja hiperinsulinemia crônica e qualquer um dos seguintes: a tiróide lenta; razão ômega-6/ômega-3 enviezada; deficiências de micronutrientes (talvez especificamente iodo, selênio, magnésio, cromo e biotina); flora intestinal danificada; toxicidade de metais pesados; sono insuficiente; estresse incessante; ou Saturno atingindo Aquário no dia em que foram concebidos. Quem sabe? (Exceto esse último. Não é isso.) Em algumas pessoas, a insulina elevada, por si só, é provavelmente o suficiente para levar a um aumento na gordura corporal. Os corpos de outras pessoas só começam a acumular gordura com uma confluência desses fatores. Eu acho que a genética tem muito a ver com isso, entretanto. E não é que qualquer um de nós é "programado", ou destinado a se tornar obeso; é que os polimorfismos particulares em nossos genes respondem à dieta moderna e estilo de vida através do acúmulo de gordura corporal mais facilmente do que outras pessoas. Bastardos sortud... mas espera!

Essas pessoas são sortudas?

É realmente uma bênção ser capaz de consumir açúcar e amido durante todo o dia com aparente impunidade?

Digo "aparentemente" a impunidade, pois, a verdade é que eles não estão comendo essas coisas com impunidade.

Que algumas pessoas conseguem permanecer magras em face das mesmas entradas dietéticas e de estilo de vida que fazem o resto de nós gordos não os tornam imunes à miríade de outros efeitos desses insumos.

Não se deixe enganar pelo tamanho dos corpos dessas pessoas. Eles podem ser magros, mas isso não os tornam saudáveis. A profissão médica tem uma nova frase para descrever essas pessoas. Eles são o "obesos de peso normal", também conhecidos como "metabolicamente obesos". Escrevendo o Designs for Health (Desenhos para a Saúde), chamei este fenômeno de "TOFI" - magro por fora, gordo por dentro (em inglês thin outside, fat inside). (Nome que eu ouvi pela primeira vez de J. J. Virgin).

Aqui está um trecho de um post que escrevi para a empresa:

"Um grupo tão diverso de apresentações clínicas que pode ser amarrado à hiperinsulinemia e inflamação provavelmente induzida por uma dieta baixa em carboidratos - e dieta com grãos integrais baixa ​​em gordura total e/ou alta nos tipos errados de gordura, nos mostra que o excesso de gordura corporal é apenas um resultado das recomendações dietéticas convencionais equivocadas do último meio século. As pessoas que contornam o destino de ganhar peso não são imunes à miríade de outros efeitos de uma dieta pobre sobre a saúde - e, na verdade, a falta de "prova" visível destes efeitos pode tornar mais difícil ajudar estes pacientes a verem a conexão entre as suas escolhas alimentares e saúde abaixo do ideal".

Então, vamos ser claros: a falta de tecido adiposo em excesso não significa automaticamente que alguém é saudável. Nem, como os ensaios de insulina de 5 horas do Dr. Kraft demonstraram tão incrivelmente, significa automaticamente que eles são totalmente ok com relação à sensibilidade à insulina. O acúmulo de gordura corporal é simplesmente um sintoma entre muitos que podem resultar de hiperinsulinemia crônica. Altos níveis de insulina impulsionam o crescimento de gordura - em algumas pessoas. Assim como décadas de tabagismo leva ao câncer no pulmão - em algumas pessoas. O fato é que, em face da hiperinsulinemia sustentada, algumas pessoas se tornam obesas ou com sobrepeso. Algumas pessoas desenvolvem doenças cardíacas. Algumas desenvolvem Alzheimer, ou zumbido, ou infertilidade, ou danos nos rins ou problemas de visão. Algumas pobres almas acabam com tudo!

E os que não se tornam obesos? Eles são o que uma enfermeira que eu conheço chama de "constitucionalmente resistentes à obesidade". Que frase demonstrativa, não? Os seus corpos são resistentes ao acúmulo de excesso de tecido adiposo. Nós também poderíamos chamar-lhes de "constitucionalmente magros." Já que, aparentemente, não importa o quanto eles comem, ou quão pouco eles se exercitam, os seus corpos permanecem magros. Todos nós conhecemos pessoas assim. (E, tanto quanto podemos amá-los, nós os odiamos um pouco, também, certo?) Os pesquisadores têm realizado estudos de sobrealimentação, nos quais eles isolam indivíduos em uma enfermaria metabólica, monitoram para se certificar de que eles estão consumindo quantidades de calorias maior do que normal, e eles Simplesmente. Não. Ganham. Peso. (Ou, eles ganham significativamente menos do que o previsto, com base no excesso calórico que estão ingerindo.) Da mesma forma, em meus próprios experimentos n=1, e provavelmente entre muitos de vocês, simplesmente cortar calorias não levou à perda de peso mágica. Os corpos de algumas pessoas gostam de acumular tecido adiposo e de algumas pessoas não. Como eu disse, a genética provavelmente desempenha um papel numa certa medida, como fazem coisas que acontecem no nível celular que não têm nada a ver com calorias, carboidratos, ou exercício. (Mais sobre isso vindo na parte 8.)

IMC: Vamos ser mais inteligentes que isso

Então, nós temos pessoas que estão em um índice "normal" ou "saudável" de massa corporal (IMC), mas lembre-se: O IMC é uma medida do peso em relação à altura. É isso. Nada mais. Não diz nada - absolutamente nada - sobre a composição desse peso. (Isto é, quanto disso é gordura e quanto é massa muscular, óssea, órgãos, água, etc.) É por isso que as pessoas como, digamos, Mario Lemieux e Wayne Gretzky, em seus tempos áureos, seriam provavelmente classificados como obesos. Você poderia imaginar? Hein, Wayne? Mario? Vocês precisam comer menos e fazer mais exercícios, porque vocês estão muito pesados para a altura de vocês. Desculpa; Parece que todos esses exercícios de velocidade e jogos da copa não são o suficiente para vocês.

Então o negócio é o seguinte: assim como as pessoas que estão bem em forma e atléticas podem ser erroneamente chamados de "obesos" pelo parâmetro ridículo que é o IMC, assim também, podem as pessoas com altas percentagens de gordura corporal ser classificadas como de peso "normal" ou possivelmente até mesmo abaixo do peso. E agora, chegamos a um lugar muito interessante. É hora de falar sobre gordura versus peso. O tecido muscular esquelético - metabolicamente ativo, caloricamente com fome - é uma coisa bem legal de ter em seu corpo. (Vou escrever um post em algum momento sobre o porquê. Apenas confie em mim por agora. Ou, se você não quer confiar em mim, confie em Jamie Scott, fundador da Sociedade Ancestral de Saúde da Nova Zelândia.) O tecido adiposo, nem tanto. Um pouco de tecido adiposo, sim, definitivamente. Ele está lá por uma razão e você morreria sem ele. Mas você não precisa de 25, 50, 75kg extras do mesmo.

As pessoas que são "Tofi" tendem a ter um percentual de gordura corporal elevada. Eles têm um tamanho pequeno de corpo, mas eles têm uma grande quantidade de gordura, em relação a alguém do mesmo tamanho que está mais magro. Aqui está um exemplo: Digamos que temos duas mulheres que pesam 70 quilos. Uma mulher tem 22% de gordura corporal e a outra tem 40% de gordura. Se você tivesse que adivinhar qual destas mulheres é metabolicamente mais saudável ​​e tem muito menor risco para uma infinidade de problemas, qual seria? (Sim, você está certo.) Também poderia arriscar um palpite quanto à que seria mais bonita sem roupa, mas não SE TRATA DISSO.

Há muitas pessoas que estão com um peso "saudável", mas estão em risco muito maior para praticamente todas as condições associadas à resistência à insulina ou diabetes in-situ. Estas pessoas podem ter muitas das características da síndrome metabólica, resistência à insulina e/ou diabetes tipo-2, menos o excesso de peso. (Eles não estão acima do peso, mas eles podem estar acima da gordura.)

De acordo com o ideal de beleza ocidental moderno, essas pessoas estão viajando com alegria. Mas o que está acontecendo "sob o capô", como Robb Wolf diz? Triglicerídeos elevados? Hipoglicemia? Mudanças de humor? Névoa cerebral? Hipertensão? Não consegue subir um lance de escadas sem ficar sem fôlego? Não consegue engravidar? Não consegue estar bem? Sim, com certeza soa como se essas pessoas estivessem super bem, uma vez que não estão acima do peso, certo?

 "Excesso" de gordura corporal: Almofada Física 
e "Proteção" Fisiológica?

Finalmente, chegamos à segunda grande questão deste post: um aumento na gordura corporal - gordura corporal total e não apenas como forma de um percentual do corpo - é uma forma do corpo se proteger de algo pior que poderia acontecer se a gordura corporal não estivesse aumentando? Afinal, sabemos bem que nem todos os diabéticos T2 têm sobrepeso. Também não estão todos com doença cardíaca ou doença de Alzheimer, ou problemas renais.

Vamos ser um pouco politicamente incorretos? De uma maneira estranha, o acúmulo de gordura corporal pode ser uma coisa boa e aqueles de nós que se acham um pouco mais fofos e gordinhos do que gostaríamos podem realmente ter sorte. (Hein?!) É verdade. Fique comigo.

Veja, quando o corpo de alguém começa a acumular gordura, é muito fácil para ele reconhecer que algo deu errado. Quer se trate de dieta, sono, estresse, atividade física, exposições a "toxinas" ambientais, ou algum outro fator, a evidência é clara. É clara no espelho, nas calças que já não podemos abotoar, nos anéis que não cabem mais - algo não está certo. Por outro lado, é difícil para quem é constitucionalmente resistente à obesidade conectar a sua acne, disfunção erétil, confusão mental, fadiga, dor crônica, vertigem, dores de cabeça, e mais, com uma dieta e estilo de vida prejudiciais.

Eu certamente não sou a primeira pessoa a sugerir que o acúmulo de tecido adiposo pode ser um mecanismo de proteção no corpo. (Eu gostaria de ser, é brilhante.) E não é a única coisa maluca de aparência que o corpo faz para possivelmente se proteger. (Eu escrevi algo semelhante sobre o câncer.) A razão pela qual pode ser de proteção é, em vez de ter de glicose no sangue que permanece em, digamos, 200 ou 300 mg/dl durante um período de tempo prolongado, o fígado converte esta pilha maciça de glicose em ácidos graxos (um processo chamado de lipogênese, que significa "fazer nova gordura"). Assim, os ácidos graxos estão sendo produzidos e, com a insulina elevada (graças, em parte, a um fluxo incessante de carboidratos), a atividade da lipase lipoprotéica é estimulada, então uma enzima está de pé, pronta para ajudar a acompanhar esses ácidos graxos nas células adiposas. (Ou para mantê-los ali mesmo no fígado, resultando em fígado gordo).

Você deve se lembrar da parte 2 desta série que os efeitos da hiperglicemia crônica são bastante desastrosos. Então, ao invés de permitir que toda a glicose permaneça na corrente sanguínea indefinidamente, onde irá causar uma tempestade de glicação que pode afetar quase todos os órgãos e tecidos que podemos pensar, o fígado tira um pouco de glicose da corrente sanguínea, converte-a em triglicerídeos, e o corpo armazena estes triglicerídeos onde é possível: os nossos quadris, barriga, coxas, braços, extremidades traseiras (todos os quais são chamados de "gordura subcutânea," porque é sob a pele), bem como em torno de nossos órgãos (chamado de "gordura visceral", porque é mais profundo dentro de nós, e em torno das vísceras). Já que a hiperglicemia crônica pode causar coisas divertidas e benignas como acidente vascular cerebral, cegueira e insuficiência renal, faz sentido que um corpo humano prefira ter um pouco mais de amortecimento do que correr o risco destas complicações graves de saúde.

Assim, a conversão da glicose em triglicerídeos e o seu armazenamento como tecido adiposo é, na verdade, a forma do corpo de proteção contra os efeitos ruins da hiperglicemia sustentada. Porque o corpo tem conseguido tão gentil e eficientemente que a glicose do sangue seja retirada e armazenada, a glicose no sangue permanece normal. (Ou, se não "normal", então, digamos, mais como 150-185mg/dL, em vez de 200+.) E aqui, meus amigos, chegamos a uma questão muito, muito crucial:

Será que o acúmulo de tecido adiposo leva à hiperglicemia e hiperinsulinemia, ou a hiperglicemia e hiperinsulinemia leva ao acúmulo de tecido adiposo? Ou, em termos leigos, as pessoas se tornam diabéticos T2 porque são gordas ou eles se tornam gordos porque eles primeiro têm o açúcar no sangue e a insulina desregulados?

E como eu já disse antes, não há dúvida de que o tecido adiposo é um aparato endócrino. Não é fisiologicamente inerte. Ele não está apenas lá paradinho. Ela secreta e absorve coisas, envia e recebe sinais. Então, sim, uma vez que o excesso de tecido adiposo começou a se acumular, pode causar muitos estragos na saúde por todo o corpo. Mas o que está fazendo com que ele se acumule em primeiro lugar? Essa é a verdadeira questão. E eu acho que, com todo este material insulina, temos pelo menos parte da resposta. Não é a resposta completa, mas definitivamente parte dela. (Há uma razão para esta série se chamar "É a insulina, Estúpido".)

Então, nós estamos na mesma página aqui, certo? Parece mais provável que a desregulação do açúcar no sangue e insulina vêm primeiro e o acúmulo de tecido adiposo é o resultado. Como tenho escrito gritado sobre antes, o acúmulo de excesso de tecido adiposo - o que quer que definamos como "excesso" - é mais frequentemente um EFEITO de distúrbios hormonais e metabólicos subjacentes, ao invés de seu fator causal. E mesmo que a obesidade esteja "associada" com uma longa lista de resultados de saúde desagradáveis, isso não significa que a obesidade seja a causa deles.

Existem muitas causas putativas para a obesidade. A hiperinsulinemia/resistência à insulina é apenas um deles. (E há muitas causas putativas de resistência à insulina. E não, não é só carboidratos! Mesmo eu, como um nutricionista amigável da LCHF, digo alto e claro. Afinal de contas, eu dei o nome desta série de "É a insulina, estúpido", e não "São os carboidratos, estúpido." Porque não são apenas os carboidratos. O consumo de carboidratos em excesso é um grande fator, com certeza. Talvez até mesmo o maior. Mas não é o único. Detalhes na 8ª e última parte: temos mais um post antes disso, no qual vamos abordar esta questão: Será que a insulina afeta o "calorias que entram e calorias saem? E se sim, como?"

Enquanto isso, se você não estiver lendo o blog do Dr. Jason Fung regulramente, está esperando o que? Confira o último post, no qual você poderá obter informações adicionais sobre este ser um problema de insulina e não necessariamente carboidratos.

Continue para a parte 7.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores