O time é seu!

Nos últimos tempos, tenho me embrenhado em experimentos pessoais com jejum intermitente, e
percebo que muita gente tem lido com atenção: o número de emails e comentários que têm chegado é bastante expressivo.

O que muitos querem saber é: qual benefício o jejum me trouxe ?

A resposta, no meu caso, é simples: JI, especialmente 24/0, me economiza tempo. Tempo que eu não perco cozinhando, jantando, tomando o café-da-manhã ou lavando panelas, para ser mais exato. Me sobra mais tempo para estudar ou dormir, e isso já é um grande benefício na minha vida corrida de pai-de-família, trabalhador assalariado, estudante de nutrição e blogueiro. JI também me economiza dinheiro. O meu consumo de comida caiu consideravelmente: ainda que cada prato seja enorme, certamente eu tenho comido menos no total...

É verdade que o JI 24/0 está me fazendo perder as últimas dobrinhas de gordura que existiam na barriga, mas isso não é nem de longe o motivo pelo qual adotei. Eu já estava magro, com o ácido úrico controlado, glicemia controlada, colesterol total e frações controlados (essa parte, depende é claro de qual médico avalia :-), triglicérides controlados... 

Nunca fui muito resistente à insulina, então emagreci com facilidade simplesmente por adotar uma dieta livre de lixo industrializado – sem nunca precisar me privar de frutas ou raízes.

Jejum intermitente, na minha visão atual, é uma parte integrante do estilo de vida paleo. Nossos ancestrais caçadores/coletores não tinham comida garantida todo dia: isso foi um luxo que surgiu a partir da agricultura. Eu entendo, dada a evidência atual, que nossos genes esperam que haja períodos sem ingestão calórica, bem como períodos de fartura. Por isso eu adotei a dieta do guerreiro.

Sempre que questionam os meus hábitos alimentares, as pessoas batem na mesma tecla: "Você acha que se um homem das cavernas encontrasse um pé de manga carregado, ele não iria comer até rachar ?". Sim, iria. E se ele encontrasse um pé de big-macs carregado, ele iria comer até rachar também. E se ele conseguisse matar um pacote de Negresco de meia tonelada, também iria comer até rachar. E se meu pai fosse mulher, eu teria duas mães.

A questão é que o pé de manga carregado ele encontrava umas poucas vezes por ano, na estação correta. O pé de big-macs e o Negresco de 500kg, ele nunca encontraria – simplesmente porque eles não existiam (e espero que nunca venham a existir). Abundância constante de comida é um fato "moderno": tem menos de 10.000 anos. Sem campos de grãos para fazer pães, a humanidade vivia da mão para a boca.

Volta-e-meia eu releio o post do Timothy e reflito:

Homo Sapiens precisam jejuar. Como sobreviventes onívoros, essa é nossa mais distinta adaptação metabólica. Não é nenhum segredo que os humanos antigos sobreviveram incontáveis ciclos de abundância e escassez. Como J. Stanton diz, "presas pastam, mas predadores jejuam e empanturram-se". Nossos corpos funcionam melhor nessas condições. Isso funciona em pelo menos 3 níveis: jejum intermitente diário (por exemplo, "pular" o café da manhã), ciclo calórico diário (comendo excessivamente após uma caçada, comendo "de menos" e descansando em outros dias), e reciclagem sazonal (muitas calorias durante alguns meses, e quase insuficientes em outros). Quais são a frequência e magnitude ótimas ? Estou fazendo o meu melhor para descobrir…

No entanto, não me entenda mal... Em se tratando de emagrecimento, para mim, JI é antes de tudo uma ferramenta: assim como dieta cetogênica, não é essencial mas pode ser de grande valia. A primeira vez que fiz 24/0, eu já tinha emagrecido 15kg e já tinha mais de 1 ano de paleo. Comecei a praticar 16/8 (ou seja, apenas almoço e jantar) há mais de 1 ano e meio, e já tinha passado por uma temporada de 24/0 em meados de 2014 e outra no início de 2015. Só fiz 36/0 uma vez, e no momento não tenho nenhum plano de experimentar jejuns mais longos.

Qual é o ponto disso tudo ? Bem, o meu histórico de cientista da computação não me deixa esquecer frases de dois monstros da área: Tony Hoare e Donald Knuth:

Devemos nos esquecer das pequenas otimizações, digamos em 97% do tempo. A otimização prematura é a raiz de todo o mal.
-- Tony Hoare

Se você otimizar tudo, será sempre infeliz.
-- Donald Knuth

Como se diz em inglês, "baby steps!". Que sentido faz matar-se para ter uma Ferrari, se você ainda não tem grana para pagar o IPVA de um Fusca ? Se você está chegando à paleo agora, por que a pressa de adotar JI 48/0 com dieta cetogênica ? O preço (principalmente social) a se pagar pode ser alto...

Comece devagar, defina com serenidade seus objetivos e capacidades, e siga em frente. Não faça algo só porque todo mundo faz

Se uma dieta paleo convencional, não tão low-carb, está funcionando para você, continue com ela. Você pode até tentar JI ou cetogênica, mas não tenha a ilusão de que é absolutamente necessário, ou que será fácil, ou que será efetivo.

Sinta-se livre para testar, e mais livre ainda para admitir que com você, isso ou aquilo simplesmente não funciona.

O time é seu! Ganhando ou perdendo, você tem todo o direito de mexer nele...


Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores