A cura para o diabetes

Artigo traduzido por Antônio Carlos Junior, Caio Fleury e Hilton Sousa. O original está aqui.

por Adam Campbell

E se a Associação de Cardiologia Americana aprovasse uma dieta de gordura trans? Problema, certo? Olhe o que a Associação Americana do Diabetes (ADA) está dizendo a pessoas com diabetes: açúcar. Não se preocupe: Nós temos a solução aqui.

Unleash-Your-Potential.jpg


É um milagre que ninguém tenha tentado revogar a licença médica de Mary Vernon.

Desde 1999, a médica de família de 52 anos de idade tem tratado de pacientes diabéticos em Lawrence, Kansas, com uma abordagem que foi abandonada pela maioria dos médicos na década de 1930. Pior, este remédio da Era da Depressão é o oposto das atuais orientações estabelecidas pela ADA, uma organização sem fins lucrativos que gastou quase US$51 milhões em pesquisas em 2005, e assim deveria saber uma coisa ou duas sobre como lidar com diabetes.

Não há dúvida de que a Dra. Vernon é problema – mas para quem? Não para seus pacientes, isso é certo. Eles apenas não vão ficar doentes. As pessoas andam em seu escritório aflitos com diabetes tipo 2 e, para cada medição médica objetiva, sai curado. Há US$51 milhões que dizem que não deveria acontecer, não em uma clínica em Kansas, e definitivamente não como resultado de esvaziar a geladeira.

"Minha primeira linha de tratamento é fazer com que os pacientes removam carboidratos de suas dietas", explica Dra. Vernon, uma pequena, enérgica mãe de dois filhos que também presta serviço como a presidente da Sociedade Americana de Médicos Bariátricos. "Isso é muitas vezes tudo que é necessário para inverter os seus sintomas, de modo que eles não precisam de medicação."

É isso aí? 

É isso – uma estratégia simples, mas uma que é controversa. Se a Dra. Vernon e um quadro crescente de pesquisadores estão corretos sobre carboidratos, poderemos estar olhando para um caso épico da ignorância por parte da comunidade médica. Isso, no entanto, quase empalidece as implicações para a ADA, a saber, que a própria organização dedicada a subjugar o diabetes está rejeitando o que poderia ser a coisa mais próxima que temos de uma cura.

Embora não seja uma doença infecciosa, diabetes parece estar se espalhando como uma. Desde 1980, a sua prevalência nos Estados Unidos aumentou em 47%, uma tendência que se espera tomar uma trajetória de nave espacial na próxima década. Isso porque quase metade dos homens americanos hoje tem a condição ou estão à beira de desenvolvê-lo, de acordo com um novo relatório do National Institutes of Health. E as consequências são consideráveis: Diabetes é a principal causa de doença cardiovascular, reduzindo tempo de vida de um homem por uma média de 13 anos. Escape da morte precoce e você poderia ainda acabar impotente, cego, em insuficiência renal, ou, mais provavelmente, menos um pé (um membro gangrenado ou dedo é amputado a cada 6 minutos nos Estados Unidos.)

"Este é um enredo 'pegue seus mosquetes, companheiros, os lobos estão na porta" , diz David Katz, MD, professor associado de saúde pública na escola Universidade de Yale da medicina. "O que antes era 'diabetes adulta' (N.T.: tipo 2) - uma condição na maior parte do excesso de peso, sedentarismo,de adultos de meia-idade - é agora uma epidemia em crianças com idade inferior a 10."

Então, o que é exatamente o diabetes? Em termos de novato em biologia, é uma doença do hormônio insulina. Secretado pelo pâncreas, a insulina movimenta a glicose - a forma de açúcar que seu corpo usa para a energia - a partir de sua corrente sanguínea para as células. 

Os problemas surgem, no entanto, quando, muitas vezes devido ao excesso de peso, as células começam a tornar-se resistentes aos efeitos da insulina. (Ela bate, ninguém responde.) Como resultado, mais insulina é necessária para dispor da mesma quantidade de glicose. (A batida torna-se uma batida forte.) Esta condição, chamada resistência à insulina, é o primeiro estágio do diabetes tipo 2.

Como a resistência à insulina piora ao longo do tempo, o pâncreas tem que bombear enormes quantidades de insulina para forçar a glicose para as células. (Hey, vamos usar uma marreta!) 

Eventualmente, o pâncreas tem problemas para manter-se, deixando-o crônico com açúcar elevado no sangue , também conhecida como hiperglicemia - o marcador de definição de diabetes e as causas das calamidades que possam surgir a partir dele. Infelizmente, só vai ficar pior a partir daqui: Se a resistência continua elevada, algumas das células beta produtoras de insulina dentro do seu pâncreas pode "queimar" e parar de funcionar completamente. (No diabetes tipo 1, uma doença auto-imune destrói a maioria ou todas as células beta.) Uma vez que as células beta queimam, você está olhando para uma vida de injeções diárias de insulina.

Ou não, se você acreditar na Dra. Vernon.

Ao contrário de proteína, gordura e fibra - que têm pouco ou nenhum impacto sobre o açúcar no sangue - carboidratos, como amido e açúcar são rapidamente decompostos em glicose durante a digestão, que é então absorvido em sua corrente sanguínea. Quanto mais você come, maior e mais rápido o seu açúcar no sangue sobe. Portanto, se você tem diabetes, faria sentido para controlar o açúcar no sangue, limitando a ingestão de carboidratos. Outra vantagem de consumir menos carboidratos é que muitas vezes você acaba consumindo menos calorias, e que pode ajudar a reduzir o peso, o que, por sua vez, reduz a resistência à insulina.

Em contrapartida, a ADA sugere que as pessoas com diabetes construam suas dietas em torno de pão. Ok, não apenas pão. Ao explicar o fundamento de sua pirâmide alimentar do Diabetes, o site da ADA - a face pública da organização - afirma, "Isso significa que você deve comer mais porções de grãos, feijões e vegetais ricos em amido do que de qualquer um dos outros alimentos. "E, embora grãos integrais sejam enfatizados como ricos em fibras, uma fatia de pão de trigo integral ainda é mais de 80% de amido.

É claro, os doces estão no topo da pirâmide – mas lá também estão as gorduras e óleos, o que faz com que pareça que o principal foco da ADA não está no açúcar elevado no sangue, mas antes em uma doença diferente.

"A longo prazo, o que você está realmente preocupado é com a doença cardíaca", diz Marion Franz, RD, um membro de uma equipe de 11 especialistas que co-autorou as recomendações nutricionais da ADA em 2006. "É a principal causa de morte para as pessoas com diabetes." Em outras palavras, eles usam o alimento como uma arma contra uma complicação de diabetes, em vez do diabetes em si.

Quando se trata de controle de açúcar no sangue, a ADA parece empurrar drogas tão rígidas quanto dieta. Uma declaração de posição da ADA publicada em agosto de 2006 informa que pessoas recém-diagnosticadas com diabetes tipo-2 comecem imediatamente a tomar metformina, uma medicação oral que reduz a produção interna do corpo de glicose, ajudando a reduzir os níveis de açúcar no sangue. Com vendas totais de metformina tendo aproximado dos US$1.1 bilhões em 2005, segundo a IMS Health, esta recomendação recente deve ter trazido um grande sorriso para as grandes farmacêuticas - e um olhar de descrença absoluta para os rostos dos críticos da ADA.

"Eles estão se contradizendo", diz Richard Feinman, Ph.D., diretor do Nutrition & Metabolism Society e professor de bioquímica na SUNY Downstate Medical Center, em Nova York. "Eles querem que os diabéticos a tomem medicamentos para baixar o açúcar no sangue, mas recomendam uma dieta que tem o efeito oposto."

Pelo menos as recomendações da ADA estão apontando na mesma direção, no caso de pessoas obesas com diabetes - disparar metformina, mas também cortar calorias e adicionar exercício para reduzir a resistência à insulina. O que é estranho aqui, no entanto, é que eles não aconselham dando o componente de estilo de vida a chance de funcionar antes de chegar para o frasco de comprimido.

"A metformina é segura para as pessoas que não estão seguindo seu plano de dieta e exercício", explica John Buse, MD, Ph.D., presidente eleito de Medicina e Ciência da ADA.

A mensagem para os insulino-resistente americanos: Nós não achamos que você está ajudando-se, então aqui, tome isso.

Quando Brian Long acordou coberto em seu próprio sangue, ele sabia que era hora de ver um médico. A bolha que vinha infeccionando em sua coxa direita por 2 meses tinha finalmente se rompido. Com as recomendações de um amigo, o negociante de 30 anos marco uma consulta com uma médica local. Por sorte, o nome dela era Mary Vernon.
"Assim que vi o tipo de bolha que Brian tinha, ficou óbvio para mim que ele tinha diabetes", lembra a Dra. Vernon, explicando que bolhas renitentes – juntamente com cortes e arranhões que não se curam – são um dos poucos sinais externos de diabetes. Um teste de glicose forneceu a confirmação necessária: a glicemia de Long estava em 360mg/dl, quase 4 vezes mais alta que o normal.

A Dra. Vernon instruiu Long a adotar uma dieta LCHF ao invés das bem-estabelecidas diretrizes da ADA. Sua condição reverteu-se – e foi rápido. Em apenas 4 meses, ele não era mais diabético. E isso sem tomar sequer uma única dose de metformina ou insulina injetável.

"Meu tratamento não parecia um tratamento", diz Long. "Tudo o que eu tive que fazer foi mudar meus hábitos alimentares".

Essa reviravolta pode ter surpreendido Long, mas a Dra. Verner é mais pragmática sobre o remédio e o resultado. "Eu acredito em abordar a causa, e não os sintomas", ela diz. "Esse é o motivo pelo qual eu inicialmente elimino os alimentos que elevam o açúcar no sangue. É apenas lógica".

Tão lógico, na prática, que o Dr. Elliot Proctor Joslin, um médico formado em Harvard e Yale, usava isso mais de 1 século atrás. De acordo com registros de pacientes cuidadosamente documentados que ele manteve de 1893 a 1916, o Dr. Joslin tratou com sucesso dezenas de pacientes diabéticos – incluindo sua própria mãe – usando uma dieta feita de 70% de gordura e apenas 10% de carboidratos.

Então, em 1921, um cientista canadense chamado Frederick Banting descobriu que ao injetar cães diabéticos com insulina, ele conseguia baixar a glicemia deles par ao normal. Logo após, a terapia com insulina fez o salto de cães hiperglicêmicos para humanos. Por volta dos anos 1940, a insulina estava em amplo uso, e dietas low-carb estavam em declínio. O Dr. Joslin mais tarde foi taxado de reacionário médico.

"Ao invés de aconselhar as pessoas com diabetes a primeiro restringir os carboidratos, os médicos simplesmente começaram a prescrever insulina para acomodar a ingestão de carboidratos dos pacientes", diz a Dra. Vernon, que 60 anos depois está tentando continuar de onde o Dr. Joslin parou e reeducar acadêmicos e médicos ao compartilhar a evidência observacional. Em revisões retrospectivas dos gráficos médicos de seus pacientes, a Dra. Vernon documentou os efeitos benéficos de uma dieta LCHF em mais de 60 pessoas que tinham diabetes ou estavam em alto risco de desenvolver a doença.

É claro, no mundo da medicina, a experiência de um médico tem pouco peso científico comparada aos estudos experimentais conduzidos em condições controladas. Esse o motivo de, em 2003, pesquisadores da Universidade Duke  partiram para testar as descobertas da Dra. Vernon em ambiente de laboratório. Os resultados de seu estudo de 16 semanas foram: 17 dos 21 pacientes diabéticos que participaram foram capazes de reduzir significativamente ou abandonar sua medicação inteiramente.

"Quando você corta os carboidratos, reduzir a insulina e outras medicações antidiabéticas não é apenas um benefício, é uma necessidade", diz William Yancy, PhD e líder do estudo da Duke. "De outra forma, os níveis de glicemia baixariam demais".

"Você precisa de um certo nível de carboidrato dietético para prover fibra, minerais e vitaminas suficientes", diz o Dr. Buse da ADA, quando questionado sobre o motivo de uma pessoa com diabetes precisar de carboidratos, dado o efeito deles sobre a glicemia.

E ele está certo. Por que arriscar uma deficiência nutricional em alguém com alguma condição de saúde crônica? Exceto que essa é exatamente a aposta que você faz se agir de acordo com a Bíblia da Alimentação & Nutrição para Diabéticos da ADA. Uma análise do plano rico em carboidratos e pobre em gorduras, apresentado em janeiro numa conferência da Sociedade de Nutrição & Metabolismo, mostrou que ela não provê as recomendações diárias de 4 nutrientes essenciais: potássio, ferro, vitamina D, e vitamina E. A dieta da ADA era, na prática, deficiente.

O culpado ? O limite de 2000 calorias do plano, diz Judith Wylie-Rosett, co-autora das recomendações nutricionais de 2006 da ADA. "Quanto mais você restringe as calorias em qualquer dieta, mais difícil é obter os nutrientes que precisa da comida".

Pode ser difícil imaginar como uma dieta rica em gorduras e pobre em carboidratos seria ainda mais nutritiva, mesmo se as calorias estiverem na faixa adequada. Mas isso é apenas porque a maioria de nós tem uma visão distorcida do que comeríamos. Especificamente, achamos que low-carb quer dizer "poucos vegetais". Na verdade, muitos vegetais contêm muito pouco carboidrato por porção, e a maioria deles é do tipo fibroso, que mal afeta a glicemia. Então vegetais não apenas são aceitáveis, mas encorajados em uma dieta low-carb.

A Dra. Vernon, por exemplo, recomenda que a maioria dos seus pacientes diabéticos coma verduras em todas as refeições. O Dr. Joslin, lá em 1893, propunha que os pacientes limitassem seus vegetais àqueles que "contivessem menos de 5% de conteúdo de carboidratos", que ele identificava como espinafre, tomate, aspargo, brócolis e 23 outras opções. E em uma pesquisa de mais de 2000 praticantes de low-carb, Feinman descobriu que 80% na prática consumia mais quantidades de vegetais do que faziam antes de adotarem a abordagem

Mais bizarro que a recomendação geral da ADA para o consumo de carboidratos, entretanto, é a postura da organização sobre a sacarose, comumente conhecida como açúcar de mesa. De acordo com a ADA, não há necessidade de as pessoas com diabetes restringirem sua ingestão da substância doce. O motivo publicado pela organização: no que diz respeito à elevação da glicemia, a sacarose não é pior que o amido.

"Isso é uma justificativa quase diabólica", diz Feinman. "Amido pode ser a pior comida que se pode comer em termos de controlar a glicemia".

Um pouco de química: sacarose é composta de quantidades iguais de dois açúcares simples, glicose e frutose. A primeira é a mesma glicose que circula na sua corrente sanguínea. Assim, ela já está na forma que o seu corpo precisa, então é rapidamente digerida e aumenta a glicemia. A frutose, entretanto, tem que ser convertida em glicose pelo seu fígado. Isso reduz a taxa com que é digerida e reduz o impacto na glicemia.

Amido, por outro lado, consiste quase inteiramente de glicose. Na prática, pense no amido – o carboidrato primário do pão, arroz, massas e outras comidas baseadas em farinhas – como um monte de moléculas de glicose. unidas por ligações químicas. Essas ligações começam a se dissolver no momento que entram em contato com a saliva, imediatamente liberando a glicose para entrar em sua corrente sanguínea. Como resultado, o amido tem um impacto ainda maior sobre a sua glicemia do que a sacarose: essencialmente, é como injetar glicose antes da sua dose de insulina. "A implicação da ADA é que igualar o açúcar ao amido é uma comparação favorável", diz Feinman, "quando na prática é o oposto".

O endosso da ADA à sacarose – bem como o do amdo – vem com um porém: "A ingestão deve ser adequadamente coberta por insulina ou outra medicação redutora de glicemia". Isso soa como se você pudesse comer todo o açúcar que deseja, desde que tome remédios o suficiente.

"Não estamos dizendo que é ok para pessoas com diabetes comerem montes de doces", diz Franz. "Mas elas merecem o direito de comer todos os tipos de carboidratos, assim como qualquer outra pessoa". Não importa que a necessidade de mais medicamento indique usualmente que a doença está piorando. "Isso é como dizer que está tudo bem comer espinafre contaminado só porque você tem o antibiótico", diz Feinman.

A objeção mais óbvia para o tratamento de diabetes com uma dieta low-carb e rica em gordura é que, bem, ela é rica em gordura. Afinal, a gordura saturada é a vilã do coração, certo?

Errado, diz Jeff Volek, PhD, um pesquisador de nutrição da Universidade de Connecticut. "Nossa pesquisa indica que a substituição de carboidratos por gordura saturada tem um efeito benéfico sobre a saúde cardiovascular", explica ele. "Uma dieta pobre em carboidratos diminui a produção da gordura saturada corporal e aumenta a capacidade do corpo de queimar a gordura dietética consumida. Na verdade, diz Volek, mais de uma duzia de estudos revisados por pares, publicados desde 2003, mostram que uma dieta com baixo teor de carboidratos e rica em gordura é mais eficaz na redução do risco global de doenças cardíacas do que uma dieta alta em carboidratos e com baixo teor de gordura. E, assim como a dieta que o Dr. Vernon prescreve, cada um destes planos de refeições consiste em 50-70% do total de calorias provenientes de gordura.

Ainda assim, os oponentes argumentam que, embora o número desses estudos possam favorecer a decisão para a utilização de uma dieta low-carb e rica em gordura, a duração deles não favorece.

"O que funciona a curto prazo nem sempre foi provado ser benéfico a médio e longo prazo," diz Dr. Buse. "Em uma organização como a ADA, você tem que ser conduzido pelos dados, não por opiniões".

Tradução: Se não houver evidência publicada de como uma dieta é efetiva – no que o Dr. Buse chama de médio prazo, que ele define como um estudo que dura de 3 a 6 anos - o ADA não vai apoiá-la como uma opção de tratamento. O que significa que todos os estudos de curto prazo que Volek cita - e da experiência clínica dos médicos como a Dra. Vernon - não contam no mundo da ADA, embora as dietas com baixo teor carboidrato tenham produzido apenas resultados positivos.

"Eu acho que o ônus deve ser da ADA por mostrar dados que sugerem que dietas de baixo teor de carboidratos não são benéficas no médio prazo", diz Feinman. "Todas as evidências que temos sugerem o contrário, inclusive epidemiológicas."

Feinman está se referindo aos estudos sobre os esquimós da Groenlândia, que antes da década de 1980 tinham, talvez, a menor prevalência de doenças cardíacas e diabetes do planeta. Um estudo de 25 anos descobriu que apenas 1 em cada 1.800 pessoas monitoradas desenvolveu diabetes. Sua dieta: quase inteiramente de gordura e proteína, e apenas cerca de 3% de carboidratos.

Mesmo com toda a evidência acumulada, não há dúvida de que o alto teor de gorduras das dietas low-carb é preocupante para muitas pessoas. E pode ser por isso que mais médicos não defendem a abordagem, mesmo que muitos a sigam: Um estudo da Universidade da Pensilvânia relata que os médicos prescrevem uma dieta de baixo teor de gordura para seus pacientes 67% das vezes, no entanto, quando se trata de sua própria dieta, eles muitas vezes consomem uma dieta baixa em carboidratos.

***

Em um McDonald em Lawrence, Kansas, os funcionários tem que preencher alguns pedidos incomuns, como quando Brian chega com tudo e pede um cheeseburger duplo – mas sem pão.

Nos quase 10 meses que vem seguindo recomendações dietéticas da Dra. Vernon, ele aprendeu alguns truques para evitar o amido, incluindo pedir um cheeseburger duplo no McDonald, embora ele prefira de outro lugar. "Aqui, o caixa não olha feio para você quando você faz o pedido", diz ele. "Talvez seja porque ele fica a apenas alguns quarteirões da clínica do Dr. Vernon."

Long não percebe isso, mas de acordo com muitos especialistas em nutrição, cortar os carboidratos da sua dieta deveria cair em algum lugar entre imprático e impossível. A maioria das pessoas com diabetes simplesmente não podem ou não vão fazer isso. "Uma dieta extrema não funciona bem no longo prazo", diz Franz.

"Qual você imagina que as pessoas achariam mais prático ?" questiona a Dra. Vernon. "Evitar pão e açúcar, ou tomar insulina todo dia ?" Antes de responder, considere que a ADA, a principal entidade americana sobre o diabetes, recusa-se sequer a fazer essa questão a milhões de diabéticos, deixando-os desavisados de que na prática pode haver uma alternativa a levar uma vida de medicação.

"Você pode preferir simplesmente tomar a insulina, e essa é sua escolha", diz a Dra. Vernon. "Mas em minha experiência, pacientes ficam muito mais saudáveis e felizes sem ela". Ela pausa por um momento. "E não esse o ponto da coisa ?"

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores