Mulheres e Jejum

Artigo traduzido por Antônio Junior. O original está aqui.

Esse artigo é parte de uma série sobre jejum, escrita pelo Jason Fung. 


por Jason Fung

Não surpreendentemente, o uso de jejum para perda de peso tem uma longa história uma vez que é, bem, óbvio. Quer dizer, todo mundo entende que se você não comer, muito provávelmente perderá peso. O que torna ainda mais surpreendente é o quanto as pessoas temem perder uma única refeição, muito menos jejuar por um período prolongado de tempo. Eles pensam que o jejum (não comer) vai fazer você engordar. Isso é como dizer que espirrar água na sua cabeça vai secar seu cabelo. Isso é dietética moderna para você. Um tipo de mundo bizarro.

KafkaFastAinda há muitos médicos que argumentam que comer açúcar não é ruim para diabéticos tipo 2. Te faz pensar como foi que eles concluíram a faculdade de medicina. Uma vez que é bastante óbvio que a falta refeições leva ao ganho de peso, o velho bicho­-papão, o "modo de fome" é muitas vezes invocado para instilar medo. Contos de pessoas "arruinando" seu metabolismo são abundantes. As empresas de alimentos, é claro avidamente "educam" profissionais médicos sobre os perigos de pular refeições e a segurança de comer açúcar. 

Ninguém ganha dinheiro quando você pula refeições.

O jejum apareceu na literatura médica mais de 1 século atrás. Curiosamente, eles descrevem "jejuantes profissionais" que jejuavam por períodos de tempo específicos, para exposição. Um jejuante profissional passou 30 dias e bebeu uma quantidade de sua própria urina. Pense numa carência de entretenimento. Mais ou menos como observar tinta secar. Isto foi descrito no conto de Franz Kafka "Um Artista da Fome". Jejum por entretenimento foi popular entre 1883­-1924. Meu palpite é que realmente não é tão divertido assim.

No início de 1900, os Drs. Folin e Denis descreveram o jejum como "um método seguro, inofensivo e eficaz para reduzir o peso das pessoas que sofrem de obesidade". Ótimo. Isso é exatamente o que precisamos. Algo seguro, inofensivo, e eficaz. O fato de que o jejum tem sido realizado (principalmente para fins religiosos) por vários milhares de anos só reforçou a longa história de segurança. É difícil argumentar que o jejum é perigoso, se as pessoas têm feito por 5000 anos. Podem também argumentar que o uso de sabão é perigoso. No entanto, os mitos sobre os perigos do jejum estão em toda parte.

No início dos anos 1950, o Dr. W. Bloom reacendeu o interesse em jejum como medida terapêutica, principalmente usando períodos menores de jejum. No entanto, muitos períodos mais longos, também foram descritos na literatura. Dr. Gilliland avaliou o ressurgimento do jejum na década de 1950 e 1960 e relatou sua experiência com 46 pacientes "cujo regime de redução começou com um jejum absoluto de 14 dias". Uau. Eu amo isso. Quando digo às pessoas para jejuar por mais de 24 horas, seus olhos saltam das órbitas. Essas pessoas tiveram um jejum "padrão" que durou 2 semanas! E isso foi apenas o começo!

MenBigBabiesDestes, havia 14 homens e 32 mulheres. Isto é importante, porque recebo constantemente perguntas sobre se o jejum funciona para as mulheres. Acredito que deve-se, principalmente, a um post encontrado on­line (N.T.: é o post da Stefani Ruper que foi traduzido aqui) que foi visto perto de 100.000 vezes. O que ela escreveu em 2012 é isto: "jejum intermitente e mulheres: as mulheres devem jejuar? Os poucos estudos que existem apontam para não".

Nada está mais longe da verdade. Existem centenas de estudos abrangendo mais de 100 anos e experiência clínica, abrangendo 5000 anos que apontam para o fato de que as mulheres e os homens respondem mais ou menos igualmente, exceto na situação de baixo peso. Este é um problema fácil. Alguém que esteja seriamente abaixo do peso, deveria jejuar? Uh, não. Você não tem que ser um gênio para descobrir isso sozinho. Se você está severamente abaixo do peso e jejua, você pode se tornar infértil, sim.

Considere os últimos 2000 anos da história humana. As mulheres muçulmanas estão "isentas" de jejuar? As mulheres budistas estão "isentas" de jejuar. Mulheres católicas estão "isentas" de jejuar? Então, nós temos milhões de pessoas-­anos de experiência prática com as mulheres e jejum. E não há problemas em 99.9% dos casos. Em nossa própria clínica, onde tratamos perto de 1000 doentes, não notei nenhuma diferença significativa entre homens e mulheres. Se algo é diferente, é que as mulheres tendem a se saírem melhor. Homens, ao que parece, às vezes são apenas bebês grandes. Vou citar aqui, também, que as maiores taxas de sucesso vêm quando marido e mulher fazem­-no juntos.

No entanto, as mulheres grávidas são, na prática, isentas de jejum em quase toda a religião humana. Assim como as crianças. Em ambas as situações, isso faz sentido perfeitamente lógico. Essas pessoas precisam de nutrientes adequados para o crescimento, e as populações humanas sempre reconheceram isso.

Vamos ser claros aqui. O ponto levantado é que vários problemas vêm com o jejum em mulheres. Bem, eles aparecem em homens em jejum, também. Às vezes as mulheres não perdem peso da maneira que querem. Bem, isso acontece com os homens, também. O problema da amenorréia surge quando a gordura corporal é muito baixa. Sim, isso não é um problema que tratamos com o jejum. Se a amenorréia ou quaisquer outros problemas aparecerem durante o jejum,­ pare imediatamente. A questão das mulheres e jejum é apenas mais um mito concebido para desencorajar o jejum. Praticamente todos os estudos dos últimos 100 anos incluíram homens e mulheres.

Gilliland1Enfim, de volta ao estudo. Os pacientes foram internados em uma enfermaria metabólica durante os primeiros 14 dias e autorizados a consumir apenas água, chá e café. Depois disso, receberam alta e lhes foi pedido para seguir uma dieta de 600­-1000 calorias. Engraçado que 2 pacientes pediram (!) para ser readmitidos por um segundo período de 14 dias de jejum, porque eles queriam melhores resultados. Funcionou? Há alguma dúvida?

A Perda de peso média foi de 7.74kgs em 14 dias. Isto dá um pouco mais que os 200g por dia de perda de gordura vistos em jejuns mais prolongados. Isto indica que algo da perda de peso inicial rápida é o peso da água. E é confirmado pela rápida recuperação de peso após a realimentação. É importante entender isso, a fim de evitar a decepção que muitas vezes acompanha o ganho de peso após comer novamente. Essa perda de peso rápida e recuperação é o peso da água e não um reflexo de que o jejum "falhou". 44 de 46 pacientes completaram o período de jejum de 2 semanas. Um desenvolveu náuseas e um simplesmente decidiu parar e desistiu.

Isso dá uma taxa de sucesso de 96% para um regime tão longo quanto um jejum de 2 semanas! Esta é a nossa experiência clínica também. As pessoas sempre pensam que não podem fazê-­lo, sem nunca terem experimentado uma única vez. Uma vez que começamos com o jejum, pacientes em nosso programa intensivo de gestão dietética rapidamente percebem que é realmente muito fácil.

No entanto, após o período de jejum, os pacientes foram instruídos a manter­-se em uma dieta de baixa caloria. Essa foi terrivelmente mal-sucedida. 50% dos pacientes não aderiram a ela além do período de acompanhamento de 2 anos que se seguiu. Ao invés de aplicar técnicas intermitentes bem-sucedidas, eles voltaram para a restrição de energia constante vencida, que discutimos no último post.

O ponto-chave aqui é que o ritmo natural da vida é banquete e jejum. Há momentos em que você deve deleitar-se (casamentos, festas), e há momentos em que você deve jejuar. Intermitente. Restringir calorias constantemente por anos a fio não é natural e, finalmente, pior, sem êxito.

As cetonas apareceram na urina a partir do dia 2 e persistiram ao longo do período de jejum. Todos os 3 pacientes diabéticos foram afastados da insulina injetáveo ao final de 2 semanas. Um paciente com insuficiência cardíaca congestiva grave foi capaz de andar sem sentir falta de ar até o final. Este jejum de 2 semanas não foi prejudicial, como já foi dito, mas extremamente benéfico.

Drenick1Foi difícil? Na verdade, Dr. Gilliland descreve um "sentimento de bem-­estar" e "euforia". Com fome? Bem, não. "Nós não encontramos queixas de fome após o primeiro dia. Nós não encontramos anorexia". Essas experiências foram ecoadas por outros pesquisadores da época.

Dr. Drenick, do Centro VA em Los Angeles, também escreveu extensivamente sobre o jejum terapêutico. Sua experiência foi publicada em 1968. Este foi um momento de renovação do interesse em jejum para perda de peso. Ele publicou sua experiência de 6 homens e 4 mulheres (sim, outra vez, havia mulheres no estudo). Funcionou? Em uma palavra, sim.

As mulheres devem jejuar? sim 
Homens devem jejuar? sim

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores