Por que a dieta low-carb deve ser a primeira abordagem no tratamento da diabetes

O artigo de hoje é uma postagem extraída do PrimalBrasil, e foi traduzido pelo Caio Fleury e pela Bruna Machado.

A publicação original em português está aqui.

Valeu, pessoal!







Esta é uma tradução livre do “Diabetes in Control”.



Por que a dieta low-carb deve ser a primeira abordagem no tratamento da diabetes



Um painel de especialistas médicos, incluindo nosso próprio membro do conselho consultivo Dr. Richard K. Bernstein, apresenta evidências para dietas de baixo teor de carboidratos como terapia inicial…

O estado atual do tratamento do diabetes no sistema de saúde dos Estados Unidos mostra a incapacidade das recomendações existentes para controlar a epidemia de diabetes, o fracasso das dietas de baixo teor de gordura para melhorar as taxas de obesidade, risco cardiovascular ou a saúde em geral, e os relatórios contínuos de efeitos colaterais de medicamentos para a diabetes comumente prescritos. O sucesso das dietas de baixo carboidrato no tratamento da diabetes e síndrome metabólica sem efeitos colaterais significativos apontam para a necessidade de uma reavaliação de orientações nutricionais. Os benefícios imediatos de restrição de carboidratos em pacientes com diabetes incluem a redução de glicose elevada no sangue, menos necessidade de perda de peso, menos efeitos colaterais do que a terapia medicamentosa e a redução ou eliminação de medicamentos. Este artigo descreve as evidências atuais que apoiam o uso de dietas de baixo carboidrato como a primeira abordagem para o tratamento de diabetes tipo 2, e um complemento eficaz para farmacologia no tipo 1. Estes resultados representam os estudos mais bem documentados e menos controversos.

Sabe-se que os diabéticos tem problemas em resposta aos carboidratos, que pode levar a hiperglicemia. Hussain et al. comparou a dieta cetogênica muito baixa em carboidrato (VLCKD) com uma dieta de baixa caloria durante um período de 24 semanas, em diabéticos e não-diabéticos. A glicose sanguínea caiu mais profundamente no grupo VLCKD do que nos que receberam a dieta de baixa caloria. Os pacientes com diabetes tipo 2 tiveram um nível médio de glicose no sangue aproximadamente 1mm menor do que no grupo de dieta de baixa caloria. Mais significativamente, o grupo VLCKD se aproximou mais dos níveis normais de açúcar no sangue após 24 semanas, enquanto o outro braço do estudo viram a glicose no sangue permanecendo elevada. Por fim, os pacientes que participaram do VLCKD alcançaram uma média de HbA1c de 6,2% em comparação com uma média de > 7,5% para o grupo da dieta de baixo teor de calorias.

Dados do National Health and Nutrition Examination Surveys (NHANES) indicam um grande aumento carboidratos como o principal contribuinte para o excesso de calorias nos EUA de 1974 a 2000. A ingestão de carboidratos em homens aumentou de 42 % para 49% e, nas mulheres, subiu de 45% para 52%. Há dados que sugerem uma correlação do aumento da ingestão de carboidratos ao aumento dos diagnósticos de diabetes. Estas medições epidemiológicas são suportados por mecanismos bioquímicos. Especificamente, a lipogênese descontrolada causa esteatose hepática, que está intimamente associada com o aparecimento da obesidade, resistência à insulina e diabetes tipo 2.

Melhorias em pacientes com diabetes tipo 2 podem ser vistas em qualquer nível de perda de peso. Quando a American Diabetes Association recomenda dietas de baixo carboidrato, é com a noção de que a perda de peso vai servir como o principal benefício. No entanto, uma série de experimentos bem desenhados demonstraram melhorias no controle glicêmico e parâmetros hormonais e lipídicos em condições em que os doentes com uma dieta pobre em carboidratos mantiveram um peso constante. Os resultados de um estudo recente indicam que a melhora no controle glicêmico com uma dieta baixa em carboidratos é atingida, independentemente da perda de peso – não existe uma correlação. Dadas as dificuldades que a maioria das pessoas tem para perder peso, este fator sozinho fornece uma vantagem óbvia para dietas de baixo carboidrato.

O ponto anterior enfatiza que uma dieta pobre em carboidratos fornece benefícios na ausência da perda de peso. Quando comparado com dietas de baixa gordura, dietas baixas em carboidratos frequentemente mostram resultados dramaticamente melhores. Um estudo randomizado comparou a dieta pobre em carboidratos com uma dieta ” saudável ” por 3 meses em diabéticos e não-diabéticos. O estudo relatou que quase todos os participantes da dieta pobre em carboidratos tiveram uma perda de peso bem sucedida de 2kg, usando um corte arbitrário, enquanto o outro grupo (a dieta “saudável”) só conseguiu que metade dos participantes chegassem a essa marca. Ao comparar a VLCKD com uma dieta de baixa gordura, os resultados mostraram perda de peso foi melhor na VLCKD do que na dieta de baixa gordura. Dietas de baixa gordura tem apresentado resultados pobres a longo prazo para os pacientes e este conceito foi recentemente destaque na Iniciativa de Saúde da Mulher. No estudo, as mulheres foram orientadas a seguir uma dieta com baixo teor de gordura, o que resultou em uma perda de peso modesta. No entanto, até o final da intervenção, muitas recuperaram o peso de volta.

A adesão a uma dieta baixa em carboidratos, tal como feita em ensaios clínicos, é geralmente melhor do que as outras dietas que contêm o mesmo número de calorias e é comparável a muitas intervenções farmacológicas. Uma comparação entre o número de sujeitos que completaram a dieta restrita em carboidratos vs a dieta restrita em gordura em 19 estudos apresentou comportamentos similares nos dois regimes. A adesão, que foi melhor sobre os braços da dieta baixa em carboidratos, foi atribuída ao efeito da restrição dos carboidratos sobre a saciedade e a supressão do apetite, devido a efeitos comportamentais e hormonais.

Um grande número de ensaios clínicos randomizados (ECR) compararam dietas mais altas em proteínas e baixas em carboidratos (DAPBC) com dietas de baixo teor de gordura, e uma série de revisões sistemáticas e meta-análises avaliaram a eficácia e segurança a curto prazo. Eles descobriram que a low-carb tem efeitos mais favoráveis ​​sobre a perda de peso, composição corporal, taxa metabólica em repouso e risco cardiovascular do que as dietas com baixo teor de gordura. Dietas baixas em carboidratos foram associadas a reduções significativas no peso corporal, índice de massa corporal, (TG) os níveis de triglicérides e pressão arterial, mostrando adicionalmente melhorias em vários outros indicadores metabólicos e lipídicos.

Há atualmente uma falta de evidências de uma associação entre lipídios na dieta e risco para a doença cardiovascular. Meta-análises recentes têm ajudado a resolver a questão de uma ligação de causalidade entre lipídios na dieta e doenças cardiovasculares. As conclusões dos estudos mostram nenhum efeito com a substituição de ácidos graxos saturados com carboidratos ou ácidos graxos poliinsaturados. Houve várias análises estatísticas inadequadas ao longo dos estudos destacados. No final, nenhum dos 15 estudos sobre a substituição de gordura saturada com carboidratos apresentaram qualquer efeito sobre as mortes coronárias. Depois de analisar as evidências, é razoável concluir que, se houver algum risco na substituição de carboidratos com ácidos graxos saturados, ainda é hipotético e não deve substituir o benefício imediatos da substituição estabelecida pelos estudos.

Uma barreira significativa para a execução da restrição de carboidratos como uma terapia para a administração da diabetes é o medo tradicional do efeito nos lípidos do sangue e, por exemplo, a tendência dos ácidos graxos saturados na dieta aumentar o colesterol total no sangue. A justificativa para a preocupação é feita a partir da idéia de que uma vez que ácidos graxos saturados dietéticos podem elevar os nível de colesterol e colesterol plasmático, assumi-se que ele poderia causar doença cardíaca. A falácia é a de que os dados foram estatísticos e não mostraram uma relação de causalidade direta. Além disso, uma ambiguidade na literatura continua sendo aumentada com a extrapolação a partir de dados de roedores, embora os resultados não sejam observados em humanos.

A restrição de carboidratos é a intervenção mais eficaz para reduzir todas as características da síndrome metabólica. Resultados de um estudo comparando uma dieta de baixo índice glicêmico (IG) com uma dieta rica em cereais comuns em 201 pessoas com diabetes tipo 2 mostrou um aumento de 1,7 mg/dl nos níveis de HDL a partir da dieta de baixo IG comparado a um aumento de 0,2mg/dl com a outra dieta. Outro estudo comparando uma dieta de baixo IG com uma dieta muito baixa em carboidratos (VLCKD) mostrou impressionantes resultados entre os dois grupos. A dieta VLCKD mostrou a maior diminuição nos níveis de TG, assim como o peso, HbA1c, e glicose, e um maior aumento de HDL. Os dois fatores mais importantes para o sucesso com a dieta são a aderência e o incentivo do provedor de saúde.

A restrição alimentar de carboidratos mostrou ter um impacto tão grande que, em um estudo, há relatos de pacientes reduzindo ou até mesmo eliminando a terapia medicamentosa no tratamento da diabetes. Em um estudo com 11 participantes em um dieta VLCKD comparando com uma dieta moderada em carboidratos, cinco pacientes foram capazes de reduzir ou suprimir o uso medicação, e 2 pacientes foram capazes de interromper todos os medicamentos. Dois estudos adicionais relataram resultados semelhantes, provando que este resultado é uma característica da restrição de carboidratos em diabéticos tipo 2 .

Agora é a hora para uma reavaliação de recomendações dietéticas na gestão da diabetes. Os benefícios da restrição de carboidratos são imediatos e bem-documentados. A maioria das acusações se baseiam nos infundados perigos do consumo de gordura total ou saturada consagrados na chamada hipótese lipídica. Está bem estabelecido que a perda de peso, por qualquer método, é benéfico para indivíduos com diabetes .

As vantagens de uma abordagem com baixo teor de carboidratos foram reconhecidas, e o atual conhecimento da ciência determina que a restrição de carboidratos deve ser um padrão na gestão da diabetes tipo 2 e um adjunto em pessoas com diabetes tipo 1. Dado o resultado superior de dietas com baixo teor de carboidratos, os pacientes devem ser encorajados a seguir esta abordagem.

Em conclusão, os autores recomendam que as agências governamentais ou privadas de saúde realizem audiências abertas sobre estas questões em que os investigadores da dieta restrita em carboidratos possam ser ouvidos.

Na prática:

  • A restrição de carboidratos tem o maior efeito na diminuição dos níveis de glicose no sangue.
  • Durante a epidemia de obesidade e diabetes tipo 2, o aumento calórico tem sido quase inteiramente devido ao aumento dos carboidratos.
  • Os benefícios da restrição de carboidratos na dieta não requerem a perda de peso.
  • Estudos mostram que a restrição de carboidratos é a melhor intervenção para perda de peso.
  • A adesão a uma dieta low-carb em pessoas com diabéticos tipo 2 é pelo menos tão boa como a adesão a qualquer outra intervenção dietéticas e freqüentemente é significativamente melhor.
  • A substituição de carboidratos por proteínas é geralmente benéfica.
  • O consumo alto de gordura saturada não se correlaciona com risco de doenças cardiovasculares.
  • Ácidos graxos saturados no plasma são controlados por carboidratos da dieta mais do que lipídios dietéticos.
  • O melhor preditor de complicações microvasculares e em menor grau, macrovasculares em pacientes com diabetes tipo 2, é o controlo glicémico (HbA1c) .
  • A restrição alimentar de carboidratos é o método mais eficaz de redução dos triglicérides séricos e aumento do HDL.
  • Os pacientes com diabetes tipo 2 em dietas restritas em carboidratos eliminam frequentemente a medicação e diabéticos tipo 1 necessitam de menos insulina.
  • A redução intensiva da glicose por meio da restrição dietética de carboidratos não tem efeitos colaterais comparáveis ​​aos efeitos do tratamento intensivo farmacológico.


Feinman RD, Pogozelski WK, Astrup A, et al. Dietary carbohydrate restriction as the first approach in diabetes management: Critical review and evidence base. Nutrition. 2015;31(1):1-13. Abstract

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores