Você é vegetariano. Perdeu a cabeça?

730

Dietas totalmente veganas são desconhecidas entre as culturas humanas tradicionais. No início século XX, o dentista e explorador Weston Price procurou vegetarianos entre populações ancestrais, mas encontrou apenas canibais.

Como as dietas veganas na natureza não fornecem vitamina B12 e muito pouco em termos de ácidos graxos ômega-3 ​​de cadeia longa utilizáveis, não é de surpreender que os humanos continuem a comer animais e produtos derivados de animais.

Atualmente, pode-se obter DHA derivado de algas (o principal ácido graxo ômega-3 de cadeia longa presente no cérebro) e suplementar B12. Isso não era possível até alguns anos atrás, e há poucas evidências de que a suplementação apenas com DHA seja útil para o cérebro.

Somos encorajados a comer mais plantas e menos animais. Vários escritores sugeriram que é mais saudável para nossos corpos e nosso planeta. Não tenho objeções a uma dieta baseada principalmente em plantas, desde que seja dada atenção aos requerimentos de proteínas e micronutrição.

No entanto, como pequenas coisas em produtos de origem animal (algumas essenciais como B12, algumas que podem ser criadas em nossos corpos, mas talvez não nas quantidades necessárias, como a creatina) parecem ser muito importantes para o cérebro, é interessante observar a literatura sobre dietas vegetarianas e saúde mental.

Aqui está o mais recente (e melhor) estudo observacional: Dieta vegetariana e transtornos mentais: resultados de uma pesquisa representativa na comunidade.

É um estudo alemão e, para um grande projeto observacional retrospectivo de base populacional, é realmente bastante completo e sensato. E se você é vegetariano, certamente NÃO diz que o vegetarianismo CAUSA problemas de saúde mental.

Porém, em todos os estudos, exceto dois, realizados no passado, o vegetarianismo foi associado a taxas mais altas de depressão, ansiedade e principalmente distúrbios alimentares (comportamentos de compulsão, restrição e eliminação). Mas, para ser perfeitamente honesto, todos esses estudos tiveram algumas limitações sérias (eram pequenos, abarcaram populações especiais e, muitas vezes, baseadas em apenas algumas respostas a perguntas gerais da pesquisa).

Eu revisei alguns deles. (O meu favorito é um em que calcularam o ácido araquidônico ingerido até o centésimo de grama com base em dados de um questionário de frequência alimentar, o que parece muito longe de ser preciso). Não acho que seja coincidência que os dois únicos estudos positivos tenham sido realizados pelo mesmo grupo de pesquisadores da população Adventista do Sétimo Dia.

O interessante da tendência geral de que os vegetarianos não são tão mentalmente saudáveis ​​quanto os onívoros (em estudos observacionais) é que os vegetarianos tendem a se sair melhor em outras medidas de saúde.

Como população eles são geralmente mais instruídos, mais jovens, menos propensos a fumar ou beber, mais propensos a se exercitar e tendem a se preocupar com a ética e a qualidade de seus alimentos. No entanto, os vegetarianos também são mais propensos a ser do sexo feminino (o que é mais provável que esteja associado a ansiedade, depressão e distúrbios alimentares em geral).

Portanto, este novo estudo tem algumas coisas que justificam sua recomendação. Por um lado, os diagnósticos de saúde mental foram determinados não por respostas a questionários típicos, mas por uma entrevista clínica completa com psicólogos ou médicos, com duração média de 65 minutos cada. (Bastante impressionante, considerando que havia mais de 4.000 participantes no estudo de base populacional).

Além disso, os pesquisadores alinharam onívoros e vegetarianos com base na idade, educação , sexo, e se eles eram urbanos ou rurais. Ao processar esses números, obtiveram uma boa amostra que retirou alguns dos principais fatores de confusão que perseguiram os estudos anteriores.

Finalmente, essa coorte foi uma amostra aleatória intencional da população adulta alemã (excluindo pessoas acima de 65 anos), em vez de adventistas do sétimo dia ou adolescentes e estudantes universitários amostrados em estudos anteriores.

E quando os pesquisadores traçaram a linha de transtornos depressivos, transtornos de ansiedade, distúrbios somatoformes (coisas como distúrbio dismórfico do corpo, ansiedade de saúde e hipocondria) e distúrbios alimentares, os vegetarianos, em sua maioria, eram mais propensos a sofrer e os vegetarianos estritos ainda mais.

Os diagnósticos completos de transtorno alimentar eram raros o suficiente, no entanto, para que os pesquisadores não calculassem as probabilidades – pois consideraram que o conjunto de dados não era robusto o suficiente para ser justo.

Em comparação com a população em geral, os vegetarianos eram mais propensos a ter transtornos mentais, e em comparação com o sexo e a educação e a população e controles pareados com a idade, o risco de transtornos mentais nos vegetarianos aumentou muito, pairando em torno de 2 vezes maior risco, alguns tão altos quanto 3 vezes.

Quando os dados foram analisados de outra maneira, verificou-se que os participantes do estudo com transtornos depressivos, de ansiedade e somatoformes consumiam menos carne do que as pessoas sem transtorno mental. A quantidade de vegetais, frutas, peixe e fast food não teve um padrão consistente que separasse aqueles com e sem transtornos mentais (exceto que o consumo de peixe estava relacionado à redução da ansiedade).

De fato, ao contrário do estudo australiano de 2010, aqueles com transtornos mentais nessa população alemã eram menos propensos a consumir fast food do que a população mentalmente saudável.

Temporalmente, a adoção de uma dieta vegetariana, em média, tendia a seguir o diagnóstico de saúde mental, sugerindo que a dieta vegetariana não era de fato causal. Eu sei originalmente que o resumo do artigo dizia o contrário, mas se você ler o texto completo, verá que o resumo foi deturpado.

Um estudo retrospectivo não é a maneira mais robusta de determinar esse problema, mas eu tenderia a acreditar que essa temporalidade é verdadeira, principalmente para transtornos de ansiedade – que geralmente começam antes dos 10 anos de idade.

A principal exceção aos achados temporais neste estudo foram os distúrbios alimentares, que tendiam a começar na mesma época da adoção de uma dieta vegetariana. Como já relatei antes, vários dos meus pacientes com distúrbios alimentares me disseram que adotaram o vegetarianismo para que tivessem uma desculpa para restringir a comida e não tivessem que comer em público.

Então, o que está acontecendo? Na Alemanha são os perfeccionistas neuróticos que têm maior probabilidade de escolher alimentos (e, portanto, selecionam o vegetarianismo e evitam o fast food) e também são mais vulneráveis ​​à depressão e à ansiedade? Claro, poderia ser. Ou talvez aqueles com problemas mentais tentem evitar o que se pensa ser comida ruim (carne e fast food).

Também é possível que as deficiências nutricionais comuns nas dietas vegetarianas (as mais robustamente estudadas sejam os ácidos graxos ômega-3 de cadeia longa e B12, embora eu ache que zinco, creatina e colesterol baixos demais também possam ser problemas) acelerem ou piorem condições mentais já existentes.

Um grande estudo comparando onívoros (ahem) seletivos, neuróticos e perfeccionistas com vegetarianos estritos seria interessante, eu acho.

Artigo de Emily Deans, traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

Recomendado para você: