Você Gosta de Bacon Porque ELES Te Disseram Para Gostar.

1081

Se você é norte-americano, então gosta de bacon. Bacon bom, você diz, fazendo aquela cara de homem das cavernas: Mim gosta baconMim não comer comida não-bacon. Bacon fazer comida melhor. Mim colocar bacon no hambúrguer, no chocolate, na ostra. Mim escovar dentes com pasta de bacon. Mim fazer amor com esposa usando camisinha com cheiro de bacon. Mim gostar bacon!

A última década viu o bacon subir de sua antiga estação como um humilde dispositivo de acompanhamento de ovos em restaurantes de má-fama ao seu status atual como o alimento totêmico do homem americano. 

Hoje em dia, o bacon serve como uma espécie de abreviatura para a credibilidade masculina na alimentação: todos, desde cadeias de fast-food populares a restaurantes sofisticados, colocam bacon em seus cardápios como uma forma de comunicação. Ei, isso não é apenas uma comida mecanizada ou uma comida hipster cheia de conceitos; também é uma comida boa para caras normais! Porque: Todo mundo adora bacon. Mesmo aqueles que ocasionalmente se irritam com a onipresença do bacon são obrigados a pigarrear dizendo sim-bem-quero-dizer-claro-que-tem-um-gosto-ótimo-e-eu-amo.

As pessoas gostam de pensar na subida do bacon como uma coisa que aconteceu organicamente: que, quando as atitudes populares em relação à gordura dietética se iluminaram no início dos anos 90, o bacon reentrou naturalmente na dieta americana, e que a mania por ele cresceu como uma consequência natural de seu sabor delicioso. 

As pessoas gostam de pensar assim porque gostam de bacon, mas, o que é mais importante, gostam de pensar assim porque gostam de pensar em seus gostos e preferências como coisas puras e autocontidas em si mesmas: Gosto das coisas de que gosto porque são boas

É uma coisa muito americana, essa necessidade de se ver de forma limpa, completamente divisível e não influenciada pelo resto do mundo. Americano, como bacon!

Ah, mas como tantas outras coisas, esse mito acabou sendo o que os antropólogos chamam de “uma grande baboseira”. De acordo com esta divertida e informativa história da mania do bacon na Businessweek, na verdade, você adora bacon porque é uma ferramenta de seus senhores corporativos.

É assim: por muito tempo, as pessoas gostavam de bacon. Eles colocavam em sanduíches, eles mergulhavam em suas gemas de ovo, eles colocavam em seus feijões cozidos. Eles gostavam de bacon, mas não o adoravam. Era apenas mais um alimento saboroso. 

Então, a mania da dieta anti-gordura da década de 1980 chegou, e de repente as pessoas não gostavam de bacon, porque as pessoas (erroneamente!) acreditavam que o teor de gordura do bacon (60% de gordura) o tornava um perigo nutricional.

Isso prejudicou a indústria de suínos porque, de repente, a barriga de porco , que havia sido uma commodity continuamente lucrativa por décadas, ficou quase sem valor. A certa altura, a barriga de porco tornou-se tão indesejável que os criadores de carne de porco as levavam para o Leste Europeu em busca de quem as comprasse. 

Imagine isso! Americanos arrastando bacon pelo oceano para implorar a um maldito eslavo para ficar com ele! A vergonha disso. Imagine a maldita vergonha disso.

E então alguns membros da indústria tiveram uma ideia: Ei, e se nós basicamente apenas subornássemos um bando de donos de restaurantes e lanchonetes de fast-food para começar a colocar bacon em suas comidas sem sabor?

Não mesmo:

Alguns profissionais de marketing da indústria de suínos, que trabalhavam com empresas do setor de comida por atacado, perceberam que não faria mal pelo menos tentar dar o pontapé inicial nas vendas de bacon. Eles criaram um plano para reposicionar o bacon como um “intensificador de sabor” para a indústria de restaurantes, porque havia uma chance maior de os clientes aceitarem bacon quando comessem fora.

Ironicamente, o paradigma anti-gordura ajudou a ascensão do bacon: uma vez que a) as lanchonetes vendiam hambúrgueres sem sabor, feitos com a carne mais magra que puderam encontrar, e b) o bacon era absurdamente barato, graças à percepção indesejável de seu teor de gordura, uma tira de bacon tornou-se uma maneira conveniente de fazer hambúrgueres sem gosto de coisa alguma terem gosto de alguma coisa

E uma vez que os consumidores estavam consumindo hambúrgueres sem sabor e sem personalidade por tanto tempo quando a Hardee’s lançou seu Frisco Burger com bacon em 1992, a experiência de um hambúrguer que tinha sabor real – mesmo que fosse o sabor de carne de porco curada, em vez de carne de boi – era o suficiente para deixar mandíbulas e carteiras abertas.

E assim se seguiu: a indústria de carne suína “subsidiou o desenvolvimento de receitas e pesquisas de mercado”, o que quer dizer que pagou diretamente as cadeias de restaurantes para adicionar bacon aos seus hambúrgueres, e os consumidores, agora condicionados pela suavidade comparativa dos hambúrgueres não-cobertos de bacon para pensar que as palavras bacon e sabor eram sinônimos, aglomeraram-se nas ofertas do menu cheio de bacon. 

A competição de bacon estourou: o Burger King enfiou bacon em um Whopper; Wendy disparou de volta com o Baconator; O McDonalds irá literalmente embrulhar sua cabeça inteira em bacon se você souber a palavra-código secreto (provavelmente). Os gourmets também pegaram a mania, distanciando-se ligeiramente ao adotar barriga de porco não curada em vez da variedade curada.

E continuou. Tudo porque alguns lobistas da indústria de suínos viram uma abertura criada pela mesma força de mercado – a mania por carne magra e sem sabor – que derrubou o valor do bacon em primeiro lugar. E agora ele está em tudo: molho para salada, vodka, palitos de denteenxaguante bucalÓleo de massagem com cheiro de bacon, provavelmente para facilitar a fantasia de que você está deslizando as mãos sobre a barriga peluda de um porco respingado de lama, em vez da pele macia e carne macia de um ser monótono humano. A Idade de Bacon está sobre nós, porque um maldito lobista disse que ela deveria estar.

Isso mesmo, otários! A indústria disse “gordura é ruim” e você disse “não sei, indústria, eu meio que gosto de gordura“, e então ela disse “o que você é algum tipo de comunista?” e você disse “que diabos não, eu não sou comunista, odeio a gordura como todo verdadeiro americano“. 

E então ela disse “bacon é bom” e você disse “mas espere, tem muita gordura“, e ela disse, “mas na verdade é bom, os americanos gostam de bacon, é por isso que todo mundo diz que você é comunista” e todo mundo disse “oh, OK , Acho que bacon é legal e bom“. 

O que você é senão uma ovelha escravizada pela indústria? Uma ovelha dócil, de olhos vidrados, cedendo à vontade da indústria, seguindo-a para onde ela for. 

Você venceu novamente, indústria.

Artigo de Albert Burneko, traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

Recomendado para você: