Dieta e TDAH: além dos corantes alimentares

1889

Dizer que o TDAH é controverso seria um eufemismo extremo. Os diagnósticos têm aumentado rapidamente, mas ainda não há consenso científico sobre o que causa o TDAH, ou se é mesmo uma “doença”. Estamos superdiagnosticando as crianças que só precisam sair e correr, ou apenas melhorando o diagnóstico das crianças que têm um problema legítimo? Se houver um problema, sempre houve um problema que simplesmente não estávamos vendo, ou esse é um novo problema causado por algo no ambiente moderno (como comida)?

Essas são perguntas importantes. Mas, independentemente das respostas, permanece o fato de que muitas crianças estão realmente lutando com os sintomas que um médico pode classificar como TDAH. E claramente não é tão simples como “sair e brincar”: muitas crianças ainda estão fazendo isso e ainda lutando.

Então, em vez de discutir se os sintomas do “TDAH” tecnicamente constituem um “distúrbio” ou algo mais, aqui estão alguns estudos sobre como a dieta afeta os sintomas, incluindo coisas que não são apenas corantes alimentares. No foco dos corantes e aditivos, podemos estar perdendo outras preocupações nutricionais e efeitos indiretos que funcionam através da regulação do açúcar no sangue e de recompensas no cérebro.

O trabalho do Dr. Benjamin Feingold

O interesse em dieta e TDAH começou com um pesquisador chamado Benjamin Feingold na década de 1970. Feingold focava-se em corantes artificiais e salicilatos. Os salicilatos são certos produtos químicos encontrados naturalmente em todos os tipos de frutas e vegetais, e para a maioria das pessoas eles não são um problema. Mas algumas pessoas são intolerantes aos salicilatos e têm um tipo de reação alérgica a elas. Feingold observou que muitas crianças responderam bem a uma dieta de eliminação livre de corantes artificiais e salicilatos.

Porém, após uma onda inicial de entusiasmo, estudos melhor controlados questionaram o poder da dieta Feingold, que fez com que os médicos não estivessem dispostos a investigar alimentos e TDAH por muitos anos.

Pesquisa recente sobre corantes e aditivos: uma conexão com alergia alimentar?

Recentemente, uma nova onda de interesse voltou à questão dos aditivos alimentares no TDAH. Uma nova conexão interessante é a ligação entre aditivos alimentares e alergias. Neste post , Emily Deans descreve uma série de estudos recentes que ligam TDAH a ambos os aditivos alimentares e conservantes e alergias alimentares em algumas crianças (não todas). Ela descreve vários estudos bem projetados diferentes que forneceram algumas evidências para o papel dos corantes e aromas artificiais. Os estudos incluíram este (de 2007), que constatou que uma bebida com corantes e conservantes artificiais aumentou significativamente a hiperatividade em crianças de 3 anos e crianças de 8 a 9 anos. Um acompanhamento do estudo encontrou anormalidades genéticas no metabolismo da histamina em crianças que responderam fortemente à bebida com aditivos alimentares, sugerindo que os sintomas podem ser um tipo de resposta alérgica a eles.

Este estudo usou uma dieta de eliminação que deveria ser interessante para o pessoal do mundo paleo (arroz, carne, vegetais, sem glúten, sem laticínios, sem leguminosas) e encontrou uma melhora significativa. E apenas como uma observação lateral, esta revisão discutiu os estudos até o momento e concluiu que não há evidências reais do açúcar ou aspartame como causa dos sintomas do TDAH. O açúcar tem muitos perigos, mas as evidências não apóiam a idéia de que o TDAH é um deles.

Deficiências de Nutrientes e TDAH

Outra pesquisa analisou deficiências nutricionais no TDAH. E se o problema for menos “excesso de uma coisa ruim” e mais “falta de uma coisa boa”?

Esta revisão de intervenções não-medicamentosas para o TDAH observou que a gravidade dos sintomas está positivamente associada a deficiências em ferro, zinco e magnésio. Um estudo descobriu que os suplementos de zinco eram melhores do que um placebo para reduzir a hiperatividade (mas não a deficiência de atenção), principalmente entre os pacientes com deficiência de zinco. Os suplementos de magnésio também mostraram algum benefício.

Mais recentemente, vários estudos sugeriram que o TDAH pode estar relacionado a uma deficiência de gorduras Omega-3, particularmente o ácido graxo DHA de cadeia longa. Este estudo tem uma revisão disso. Crianças com TDAH apresentam níveis relativamente baixos de gorduras Omega-3. Alguns estudos com suplementos encontraram um benefício, mas outros não. Este estudo recomendou suplementar 300-600mg / dia de ômega-3 por pelo menos 2-3 meses, o que é fácil de obter mesmo com uma pequena quantidade de salmão ou sardinha.

Padrões Gerais de Dieta

No presente estudo, os investigadores tomaram uma abordagem diferente. Em vez de olhar para um único componente da dieta, eles analisaram o padrão da dieta em geral. Um grupo de pacientes foi randomizado para tomar apenas medicação, enquanto outro recebeu medicação e aconselhamento sobre dieta saudável (admitidamente, com base em idéias “saudáveis” de baixo teor de gordura e grãos integrais, mas incluiu itens importantes como “evitar refrigerantes açucarados” e “coma mais vegetais.”)

Ao final do estudo, não houve diferença significativa entre os dois grupos para hiperatividade / impulsividade ou desatenção. Mas quando os pesquisadores consideraram o grau de conformidade com as recomendações da dieta (ou seja, não apenas se uma criança estava no grupo da dieta, mas quão bem os pais cumpriram as recomendações), uma melhoria na qualidade da dieta esteve fortemente associada a uma melhoria na atenção .

Açúcar no sangue, peso e TDAH

Outra abordagem para o problema da dieta e do TDAH é partir da questão do peso. Adultos e crianças com TDAH são mais propensos a estar acima do peso ou obesos do que a população em geral. Por quê?

Algumas pesquisas sugerem que há uma conexão com o açúcar no sangue. No presente estudo , as crianças com TDAH apresentaram maior HbA1c. Elas não tinham açúcar no sangue mais alto em geral, mas o HbA1c mais alto poderia indicar mais oscilações no açúcar no sangue. Por outro lado, os valores de HbA1c não foram associados ao peso das crianças.

Outra resposta potencial são as mudanças na sinalização de recompensa no cérebro. As crianças com TDAH apresentam alterações nos neurotransmissores, como a dopamina, que governam a recompensa e a função executiva (basicamente a capacidade de fazer escolhas racionais e atrasar a gratificação). Essa é uma das razões pelas quais os estimulantes funcionam como tratamento: eles agem na dopamina e no sistema de recompensa.

A sinalização de recompensa no TDAH é semelhante à sinalização de recompensa na obesidade e na compulsão alimentar . Sabemos que uma dieta constante de junk food hiper recompensadora pode causar problemas de sinalização de recompensa relacionados ao peso ; o mesmo poderia estar acontecendo no TDAH?

Esses estudos sobre açúcar no sangue e recompensa sugerem que uma dieta pobre em carboidratos refinados (especialmente em alimentos que os combinam com gordura) pode ser útil, mas é importante lembrar que isso é basicamente especulativo e ainda precisa de muita pesquisa.

Dieta e medicamentos não são mutuamente exclusivos

Este foi uma passada rápida por alguns estudos interessantes sobre possíveis ligações entre vários fatores alimentares e sintomas de TDAH. Não é uma ferramenta de diagnóstico, não substitui um médico e certamente não é uma alegação de que a dieta pode “curar” o TDAH ou substituir a necessidade de medicamentos.

Sim, o uso prolongado de estimulantes vem com seu próprio conjunto de problemas. Esses são problemas sérios e merecem muita atenção. Mas apenas porque queremos uma alternativa eficaz e segura não significa que as intervenções dietéticas se tornarão magicamente essa alternativa.

Não é uma escolha do tipo “um ou outro”. Alguns pais podem optar por usar estimulantes e fazer mudanças na dieta. Alguns podem tentar mexer na dieta e achar que isso realmente não ajuda (lembre-se de que muito da alergia alimentar depende das sensibilidades individuais da criança: o que funciona para uma criança pode ser totalmente ineficaz para outra). Alguns podem tentar fazer dieta e diminuir gradualmente os estimulantes. É uma escolha muito individual; isso foi apenas um pouco de informação extra para ajudá-lo.

Artigo de PaleoLeap, traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

Recomendado para você: