Feliz aniversário!

11
Feliz aniversário!
5 (100%) 1 voto[s]

Hoje eu completo 1 ano na caminhada com a dieta paleo. 365 dias que passaram rápido, e tiveram um resultado no qual jamais acreditaria se me contassem.
Fuçando nos meus arquivos, achei o primeiro artigo que li sobre dieta paleo, lá em 2010 (foi enviado por um amigo). Eu achava que tinha sido em 2012… Engraçado pensar que a mensagem ficou 2 anos e meio no meu inbox, antes que eu começasse a praticar. Dá uma certa tristeza pelo tempo perdido, mas também sei que “a volta do mundo é grande”, como falamos na capoeira. Tudo tem sua hora.

Desse ano de dieta, aprendi que cuidar do corpo é mais fácil e mais importante do que podemos imaginar. O Jack Lalanne já falava isso desde o início do século XX, e nossos genes vem falando a mesma coisa há 2.000.000 de anos… “Exercício é o rei, e a nutrição é rainha: juntos, você tem um reino”.

Praticamente tudo o que a sabedoria convencional nos ensina sobre alimentação saudável, está errado – a nossa memória coletiva enquanto espécie, é muito curtinha. Ainda bem que há paredes de caverna, livros, HDs e drives virtuais na nuvem, para não nos deixar esquecer o passado 🙂

Ninguém se lembra que a vovó foi magrinha em sua juventude, que cozinhava com banha e não comia 5 pacotes de Negresco por dia. Só um punhado repara que nas fotos velhas, quase não havia obesos. Poucos correlacionam as “saudáveis” 6-a-8-porções-por-dia-cheias-de-grãos-e-livres-de-gordura com o mundaréu de gente que se graduou diabético nas últimas décadas…
… e quando você pensa em falar sobre voltar a se alimentar “como antigamente”, o status quo é tão forte que dá medo. Você está louco ??? E o colesterol ??? Você vai morrer com as veias entupidas !!! Eu até concordo com a retirada da farinha e açúcar, mas esse tanto de gordura não pode ser saudável !!!
Embora a pressão contrária tenha sido grande no início, o trajeto no geral foi fácil. Acho que por ter sido estrito logo de cara, as compulsões por açúcar e farinhas sumiram cedo. Tive dores de cabeça nos primeiros 2 dias, vontade de comer o meu peso em açúcar por mais uns 3-4, e depois passou. Eu estava do outro lado da parede – e acabei arrastando algumas pessoas comigo. Gente que antes debochava, aos poucos foi vendo os efeitos da comida de verdade sobre o corpo, e revendo seus conceitos.
Essa calça estava apertada, 1 ano atrás…
O resultado geral da brincadeira foi, segundo meus últimos exames:
  • 13.5kg a menos (cheguei a perder 15kg, mas ganhei peso quando comecei a me exercitar – setembro/13)
  • 14% a menos de colesterol total
  • 24% a mais de HDL
  • 9.5% a menos de LDL
  • 7.5% a menos de VLDL
  • 47% a menos de Triglicérides
Razão triglicérides/HDL: quanto menor, melhor!
  • 16% a mais de ácido úrico (esse exame devo refazer em breve – acredito que aumentou por uma “escorregada” e consequente abuso de frutas e carnes embutidas. Coincide também com o início dos jejuns intermitentes – mais novidades em breve!)
  • 8% a menos de glicemia em jejum (não me preocupei em fazer a medição pós-prandial, embora saiba que em praticantes de LCHF, a tendência é que a glicemia diminua após a primeira refeição)
  • 44% a menos de gordura corporal:
    • Antes: 76.5kg, 27% de gordura – sobravam 56kg de músculos, ossos, órgãos e sangue
    • Agora: 63kg, 12% de gordura – sobram 55kg de músculos, ossos, órgãos e sangue
    • Embora eu continue um rato seco em termos de volume muscular, percebo que visivelmente houve ganho de massa magra – peitoral, tríceps e abdominais principalmente. O ganho de força também é notável: em setembro/13, eu conseguia fazer 3 flexões de braço. Hoje, fevereiro/14, faço 40.
E isso tudo fica no âmbito das coisas mensuráveis por exame. Se tomarmos outras condições que sumiram ou melhoraram (e com as quais não me preocupei em analisar o por que), a lista cresce:
  • Unhas quebradiças: nunca mais tive
  • Cotovelos ressecados: reduziram-se ao mínimo
  • Pés rachados: nunca mais
  • Fibromialgia: sob controle, com apenas 2 crises em 1 ano (o normal era ter dor constante)
  • Azia: em 365 dias, não tive azia NENHUMA vez – antes de começar paleo, era no mínimo 1 por dia
  • Acne: praticamente desapareceu
  • Desidrose: melhorou, mas não desapareceu
Teve o lado “ruim” também: praticamente todo o meu guarda-roupa teve que ser apertado ou doado. Não, não estou reclamando 😀
Fevereiro e Dezembro/2013
O que tenho a dizer para quem ainda está na dúvida, é: experimente. Faça um exame de sangue (para tranquilizar a si mesmo e aos amigos e familiares), encare a dieta por 60 dias e refaça os exames.
Há um bom guia para iniciantes aqui. Para esses primeiros tempos, tente planejar suas refeições com antecedência – almoço e jantar são “fáceis” para a maioria das pessoas, mas a coisa aperta quando chegamos ao café da manhã. Vasculhe os blogs de receitas por algo que te apeteça comer no desjejum (há uma seção de culinária aqui na lateral desse blog, com links para sites em português e inglês).
Leia muito antes de embarcar, e principalemente informe-se sobre a gripe low-carb. Ela é, certamente, uma das maiores barreiras para o novato. Saiba o que é, como tratar, tenha a certeza de que ela passa e que vale a pena aguentar.
Aprenda a lidar com as provocações a descrença – dificilmente você vai conseguir convencer alguém apenas gastando saliva (muitas vezes, nem mesmo com resultados laboratoriais você consegue).
Leia e releia as palavras do Tsunetomo – se você incorporar o significado delas na sua vida, vai sofrer muito menos com todas as coisas (e não somente com a mudança de dieta).
Quando a coisa “engrena”, aí é que não tem volta: você sente o (bom) reflexo do que está fazendo sobre o seu corpo, e os hábitos começam a mudar sozinhos. Eu nunca teria imaginado perder a vontade de tomar cerveja. Em mim, ela sumiu depois de alguns meses – eu tomo vinho de vez em quando, mas não é mais aquela coisa de “ter a obrigação de beber”. Estou livre. Idem para aquele sorvete pós-almoço. Ou para aquele chocolate no meio da tarde…
Experimente 60 dias. Experimente 30 dias estritos, se achar que 2 meses é muito tempo. No pior caso, 1 ou 2 meses de comida “ruim” não vão te matar. No melhor caso, a sua vida e a sua relação com a comida e a balança vão mudar radicalmente. Depois volte aqui e conte o que aconteceu.
Quem sabe, daqui a 1 ano, não será a sua vez de comemorar ?

Recomendado para você: