Como três vitaminas B comuns podem salvá-lo da doença de Alzheimer.

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Maria Cross



A maioria das pessoas nunca ouviu falar de homocisteína, e isso é um escândalo.

Há um aminoácido chamado homocisteína circulando no sangue, cujos níveis elevados são considerados um fator de risco para o desenvolvimento de demência. Diminuir a homocisteína é fácil. A parte mais difícil é descobrir isso.

Não é segredo, e não é medicina "alternativa": há uma riqueza de literatura científica descrevendo a ligação entre homocisteína e demência.

Mas apenas na literatura é onde esta informação fica, principalmente.

Como a homocisteína elevada (Hcy) pode danificar as paredes dos vasos sanguíneos, ela também é um fator de risco para doenças cardiovasculares e derrames e algumas outras condições crônicas de saúde.

É surpreendentemente fácil reduzir os níveis sanguíneos de Hcy, reduzindo assim a probabilidade de desenvolver demência e outras condições associadas a este aminoácido. Você só precisa de uma ingestão regular de certas vitaminas B, ou seja, vitamina B12 (cobalamina), folato (B9) e vitamina B6 (piridoxina).

"As concentrações plasmáticas de homocisteína podem ser reduzidas pela administração dietética de vitaminas B." 

O que é homocisteína?


A Hcy é criada durante o metabolismo que converte o aminoácido metionina em cisteína. Este processo é regulado pelo trio de vitaminas do complexo B, funcionando como co-fatores.

Embora a hiperhomocisteinemia (Hcy elevada) possa ser causada por um defeito genético raro, na grande maioria das pessoas o nível de Hcy circulante é determinado pela quantidade dessas três vitaminas B na dieta.

Homocisteína e o encolhimento do cérebro


Uma das características da demência é a atrofia cerebral, em que partes do cérebro começam a encolher.

A Hcy está implicada na atrofia cerebral, afetando o hipocampo em particular. Esta é a área do cérebro mais importante para a memória. Quanto maior a Hcy, maior o nível de atrofia, como evidenciado pela ressonância magnética de pessoas idosas.

Alguns encolhimentos cerebrais são normais com o envelhecimento, mesmo em pessoas sem comprometimento cognitivo. É a velocidade da atrofia que é relevante, sendo uma indicação de que algo está errado.

O comprometimento cognitivo leve (CCL) é considerado o estágio pré-demencial, e é quando a atrofia começa a aumentar e depois acelera, à medida que o MCI se transforma em doença de Alzheimer.



O efeito da vitamina B


Talvez o estudo mais conhecido sobre a relação entre as vitaminas Hcy e B seja o teste VITACOG. Este estudo de 2010 foi realizado por pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, e publicado nos Anais da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América.

Este estudo randomizado, duplo-cego descobriu que a suplementação de vitamina B de alta dose diminuiu significativamente a taxa de declínio cognitivo. De um grupo de 168 pessoas com CCL, metade recebeu B12 (0,5mg), ácido fólico (0,8mg) e B6 (20mg), e a outra metade recebeu placebo, por um período de 2 anos. Todos eles fizeram exames de ressonância magnética craniana no início e no final do período desses 2 anos.

No final do estudo, detectou-se que o grupo da vitamina B tinha 53% menos Hcy do que o grupo placebo. Eles também pontuaram significativamente melhor em testes de memória e função cognitiva. Aqueles que receberam um placebo, por outro lado, experimentaram um aumento significativo nos níveis de Hcy ao longo do período de 2 anos.

Os pesquisadores concluíram que:

"A taxa acelerada de atrofia cerebral em idosos com comprometimento cognitivo leve pode ser retardada pelo tratamento com vitaminas B redutoras de homocisteína".

Obtenha suas vitaminas do complexo B aqui!

  • B12: ostras, sardinha, caranguejo, salmão, boi, bacalhau, carneiro, porco, fígado, frango, ovos, queijo
  • B9 (Folato): aspargo, beterraba, couve-de-bruxelas, amendoim, grão-de-bico (e outras leguminosas), espinafre, brócolis (e outras folhas verde-escuras), alcachofras, avelãs, boi
  • B6 (Piridoxina): frango, salmão, atum, peru, batata inglesa, batata-doce, lentilha, boi, amendoim, castanha-de-caju, pistache, couve-de-bruxelas

Há alguns pontos a serem observados sobre as fontes e disponibilidade das vitaminas B redutoras de homocisteína.

A vitamina B6 é encontrada em muitos alimentos, e a deficiência é um problema improvável para a maioria das pessoas, embora os idosos sejam considerados um grupo mais vulnerável.

A falta de B12 e folato é mais provável, no entanto, e estes são os únicos a observar porque a deficiência de ambos é comumente encontrada em pacientes com distúrbios neurológicos e psiquiátricos.

Se o seu objetivo é assegurar um suprimento adequado de todas as três vitaminas, tenha em mente que as melhores fontes são alimentos naturais e minimamente processados. Observe que os grãos - trigo, milho, cevada, arroz - não aparecem na tabela, apesar do fato de serem alimentos básicos amplamente consumidos. Estes são alimentos pobres em nutrientes em geral e não são confiáveis.



Para obter um bom suprimento de folato (que é chamado de ácido fólico quando fornecido na forma de suplemento), é necessário garantir o fornecimento regular de verduras folhosas. Meu conselho é comer uma porção todos os dias e comê-la cozida, porque o cozimento libera mais nutrientes.

A última grande lição da tabela acima é que você tem que comer alimentos de origem animal para receber qualquer vitamina B12, tornando essa vitamina a mais complicada do trio. É produzida exclusivamente no intestino de animais, por bactérias, e depois migra do intestino para o músculo. Uma vitamina solúvel em água, B12 é crucial para o cérebro e sistema nervoso, formação de glóbulos vermelhos e DNA.

Efeitos da deficiência de vitamina B12


Sem surpresa, problemas de memória e processos mentais lentos são os problemas cognitivos mais comumente associados à deficiência dessa vitamina. Alzheimer, demência vascular e Parkinson também estão associados a baixos níveis dela.

Há dois grupos de pessoas com maior probabilidade de serem deficientes em B12: os não-comedores de carne, especialmente veganos, e idosos.

Embora os vegetarianos comam laticínios e ovos, a quantidade de vitamina B12 é bastante baixa nesses alimentos, e a taxa de absorção também não é grande. No entanto, eles ainda tendem a ter níveis mais elevados de B12 do que os veganos, que não comem nenhum produto animal.

Se você é vegetariano ou vegano, é essencial que tome suplementos de vitamina B12. E se você tem mais de 60 anos, você também pode estar em risco. As pessoas idosas com deficiência de vitamina B12 têm maior probabilidade de sofrer atrofia cerebral ou diminuir o volume cerebral, o que provavelmente leva ao comprometimento cognitivo.

Estima-se que 10% a 15% das pessoas com mais de 60 anos tenham deficiência de vitamina B12. Essa deficiência é atribuída à alta prevalência de atrofia gástrica entre os idosos. Atrofia gástrica é uma condição que surge quando o revestimento do estômago fica inflamado, geralmente como resultado de uma infecção causada pela bactéria Helicobacter pylori. O resultado é má absorção.

Outras causas de deficiência de vitamina B12 incluem anemia perniciosa, tabagismo e certos medicamentos, especialmente metformina e antiácidos.

A escassez desta vitamina pode levar vários anos para se tornar aparente. Isso ocorre porque o corpo adulto armazena B12 suficiente para durar de 3 a 5 anos, embora a deficiência possa surgir em apenas um ano, se as lojas estiverem baixas, para começar.

A deficiência grave causa danos irreversíveis ao cérebro e ao sistema nervoso e pode levar à demência e desmielinização. Desmielinização é a deterioração da bainha de mielina, a camada protetora ao redor das células nervosas.

Todas as três vitaminas do complexo B têm uma estreita relação metabólica, e a regulação da Hcy depende de uma ingestão regular dos três.

Por que o grande segredo?


Não há drogas que possam reduzir a Hcy excessiva - que é provavelmente o motivo pelo qual a maioria das pessoas nunca ouviu falar dela. Como sempre, você só precisa seguir o dinheiro. Neste caso, não há nenhum.

O médico e autor escocês, Malcolm Kendrick, chama essa ausência de interesse médico de um "silêncio ensurdecedor". Como ele explica sucintamente:

“Vitaminas não podem ser patenteadas; Portanto, qualquer margem de lucro é muito insignificante para ser de interesse para eles. O que significa que não haverá financiamento da indústria farmacêutica para apoiar qualquer pesquisa adicional em vitaminas do complexo B. ”

Esse é o resumo da ópera.

Teste de homocisteína


É escandaloso que a homocisteína não seja amplamente conhecida e igualmente escandaloso que os exames de sangue não sejam rotineiramente recomendados. Determinar seu status de Hcy é tão fácil quanto um simples exame de sangue que você pode fazer em casa.

Se você está no Reino Unido, não espere que o seu médico providencie um teste para você. (Embora você possa sempre perguntar!) Sua opção alternativa é organizar um teste particular. Para detalhes de como fazer isto, veja York Laboratories ou Genova Diagnostics . Abaixo está um relatório de amostra do York Laboratories. Como você pode ver, é bastante simples.

Abaixo de 180mg/dl - nível ótimo
180 a 270mg/dl - em risco
270 a 300mg/dl - alto risco
Acima de 300mg/dl - risco muito alto


Se você estiver fora do Reino Unido, consulte seu médico, ou dê uma olhada no site da Genova Diagnostics.

A alta homocisteína é altamente prevalente e facilmente tratável. No entanto, embora o tratamento com vitaminas do complexo B possa reduzir a taxa de encolhimento do cérebro em pessoas com níveis elevados de Hcy, o tratamento parece ser eficaz apenas antes de a demência tomar conta.

"O tratamento é mais benéfico naqueles cujo encolhimento cerebral ainda não atingiu níveis críticos e naqueles que ainda não têm demência." 

Mas por que esperar até desenvolver o estágio pré-demencial de comprometimento cognitivo leve? Modificações dietéticas que asseguram uma oferta consistente e abundante de nutrientes cerebrais, incluindo o trio B, são fáceis de implementar e devem formar um hábito vitalício.

Alta Hcy não é, de forma alguma, o único vínculo dietético com a demência - no entanto, é claramente muito importante.

Últimas palavras


Há esperança. Apenas este ano (2018), o Journal of Alzheimer's Disease publicou uma Declaração de Consenso, que foi a conclusão de um painel de especialistas após examinar toda a pesquisa. Eles afirmam:

“Concluímos, a partir da análise dos resultados publicados… que o aumento da mortalidade é um fator de risco forte e modificável para o comprometimento cognitivo e a demência.”

Os pesquisadores terminam afirmando que a triagem de Hcy total aumentada deve ser realizada em clínicas de memória, e que as pessoas que apresentam altos níveis devem receber suplementos de vitaminas do complexo B. Aparentemente, isso é algo que já acontece na Suécia.

Vamos esperar que o resto do mundo alcance logo.

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores