Estamos em uma nova era de obesidade. Como isso aconteceu? Você ficaria surpreso em saber.

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por George Monbiot

Quando eu vi a fotografia, mal pude acreditar que era o mesmo país. Uma foto da praia de Brighton em 1976, apresentada no Guardian há algumas semanas, parecia mostrar uma raça alienígena. Quase todo mundo era magro. Eu mencionei isso nas mídias sociais, depois saí de férias. Quando voltei, descobri que as pessoas ainda estavam debatendo. A discussão acalorada me levou a ler mais. Como ficamos tão gordos, tão rápido? Para meu espanto, quase todas as explicações propostas no tópico acabaram sendo falsas.

Infelizmente, não há dados consistentes de obesidade no Reino Unido antes de 1988, quando a incidência já estava aumentando rapidamente. Mas nos Estados Unidos, os números vão mais longe. Eles mostram que, por acaso, o ponto de inflexão é mais ou menos 1976. De repente, na época em que a fotografia foi tirada, as pessoas começaram a engordar - e a tendência continuou desde então.

A explicação óbvia, muitos insistiram nas mídias sociais, é que estamos comendo mais. Vários salientaram, não sem justiça, que a comida era em geral pouco atraente nos anos 70. Também era mais cara. Havia menos lanchonetes e as lojas fechavam mais cedo, garantindo que, se você perdesse a hora do chá, ficaria com fome.

Então, aqui está a primeira grande surpresa: nós comíamos mais em 1976. De acordo com dados do governo, atualmente consumimos uma média de 2130kcal/dia, um número que parece incluir doces e álcool. Mas em 1976, nós consumimos 2280kcal/dia excluindo álcool e doces, ou 2590kcal/dia quando eles eram incluídos. Não encontrei razão para não acreditar nos números.

Uma foto da praia de Brighton em 1976, apresentada no Guardian 
há algumas semanas, parecia mostrar uma raça alienígena.

Outros insistiram que a causa é um declínio no trabalho manual. Novamente, isso parece fazer sentido, mas novamente os dados não suportam isso. Um artigo do ano passado no Jornal Internacional de Cirurgia afirma que “adultos que trabalham em profissões manuais não-qualificadas têm mais de quatro vezes mais chances de serem classificados como obesos mórbidos em comparação com aqueles que trabalham profissionalmente”.

Então, que tal exercício voluntário? Muitas pessoas argumentaram que, já que dirigimos em vez de caminhar ou pedalar, estamos presos às nossas telas e encomendamos nossas compras on-line, nós nos exercitamos muito menos do que antes. Parece fazer sentido - então aqui vem a próxima surpresa. De acordo com um estudo de longo prazo na Universidade de Plymouth, a atividade física das crianças é a mesma de 50 anos atrás. Um artigo no Jornal Internacional de Epidemiologia mostra que, corrigida pelo tamanho do corpo, não há diferença entre a quantidade de calorias queimadas por pessoas em países ricos e aquelas em países pobres, onde a agricultura de subsistência continua sendo a norma. Propõe que não há relação entre atividade física e ganho de peso. Muitos outros estudos sugerem que o exercício, embora crucial para outros aspectos da boa saúde, é muito menos importante do que a dieta na regulação do nosso peso. Alguns sugerem que não desempenha nenhum papel, pois quanto mais nos exercitamos, mais famintos ficamos.

Outras pessoas apontaram para fatores mais obscuros: infecção por adenovírus-36, uso de antibióticos na infância e produtos químicos que desregulam o sistema endócrino. Embora existam evidências sugerindo que todos podem desempenhar um papel, e embora possam explicar parte da variação no peso ganho por pessoas diferentes em dietas similares, nenhuma parece poderosa o suficiente para explicar a tendência geral.

Então, o que aconteceu? A luz começa a despontar quando você olha as figuras nutricionais com mais detalhes. Sim, nós comíamos mais em 1976, mas de forma diferente. Hoje, consumimos metade do leite fresco por pessoa que consumíamos, mas cinco vezes mais iogurte, três vezes mais sorvete e - olha só! - 39 vezes mais sobremesas lácteas. Compramos metade dos ovos que comprávamos em 1976, mas compramos 33% a mais de cereais matinais e o dobro de barrinhas de cereais; compramos metade das batatas de antes, mas três vezes mais batatas fritas. Enquanto nossas compras diretas de açúcar têm diminuído drasticamente, o açúcar que consumimos em bebidas e confeitaria é provável que tenha subido rapidamente (há números sobre compras apenas a partir de 1992, altura em que eles já estavam subindo rapidamente. Talvez, como consumíamos apenas 9kcal de açúcar sob forma de bebida em 1976, ninguém achava que valeria a pena coletar os números.) Em outras palavras, as oportunidades de entupir nossos alimentos com açúcar aumentaram. Como alguns especialistas há muito propuseram, parece ser essa a questão.

A mudança não aconteceu por acaso. Como Jacques Peretti argumentou em seu filme "Os homens que nos deixaram gordos", as empresas de alimentos investiram pesadamente no projeto de produtos que usam o açúcar para burlar nossos mecanismos naturais de controle do apetite e na embalagem e promoção desses produtos para quebrar o que resta de nossas defesas, incluindo através do uso de aromas subliminares. Eles empregam um exército de cientistas de alimentos e psicólogos para nos induzir a comer mais do que precisamos, enquanto seus anunciantes usam as descobertas mais recentes em neurociência para superar nossa resistência.

Eles contratam cientistas e pensadores para nos confundir sobre as causas da obesidade. Acima de tudo, assim como as empresas de tabaco fizeram com o fumo, elas promovem a ideia de que o peso é uma questão de “responsabilidade pessoal”. Depois de gastar bilhões para vencer nossa força de vontade, eles nos culpam por não exercê-la.

A julgar pelo debate que a fotografia de 1976 desencadeou, funciona. 

Não há desculpas. Assumam a responsabilidade por suas próprias vidas, pessoal!
Ninguém te alimenta à força alimenta, junk food é uma escolha pessoal. Nós não somos lemingues.
Às vezes eu acho que ter saúde gratuita é um erro. Todo mundo tem o direito de ser preguiçoso e gordo porque existe um senso de direito em ser consertado. 

A emoção da desaprovação se confunde desastrosamente com a propaganda da indústria. Temos prazer em culpar as vítimas.

De maneira mais alarmante, de acordo com um artigo no Lancet, mais de 90% dos formuladores de políticas acreditam que a “motivação pessoal” é “uma influência forte ou muito forte no aumento da obesidade”. Essas pessoas não propõem nenhum mecanismo pelo qual 61% dos ingleses com excesso de peso ou obesos tenham perdido sua força de vontade. Mas essa explicação improvável parece imune à evidência.

Talvez seja porque a obesofobia é muitas vezes uma forma de esnobismo disfarçado. Na maioria dos países ricos, as taxas de obesidade são muito mais altas na parte inferior da escala socioeconômica. Eles se correlacionam fortemente com a desigualdade, o que ajuda a explicar por que a incidência do Reino Unido é maior do que na maioria das nações européias e da OCDE. A literatura científica mostra como o menor poder aquisitivo, estresse, ansiedade e depressão associados ao baixo status social tornam as pessoas mais vulneráveis ​​a más-dietas.

Assim como os desempregados são culpados pelo desemprego estrutural, e as pessoas endividadas são culpadas pelos custos impossíveis de moradia, as pessoas gordas são culpadas por um problema social. Mas sim, a força de vontade precisa ser exercida - pelos governos. Sim, precisamos de responsabilidade pessoal - por parte dos formuladores de políticas. E sim, o controle precisa ser exercido - sobre aqueles que descobriram nossas fraquezas e os exploram implacavelmente.

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores