Adoçantes artificiais causam picos de insulina?

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Mark Sisson

A noção de que os adoçantes artificiais (e sabores doces em geral) podem produzir uma resposta à insulina é um daqueles memes obscuros que circula pelos blogs, mas nunca se diz com qualquer nível de certeza se isso acontece mesmo. Mencionei brevemente a possibilidade dos adoçantes não-calóricos influenciarem os hormônios da saciedade no post de refrigerante dietético, e alguns de vocês mencionaram a mesma coisa. Ainda assim, nunca vi evidência inequívoca de que esse é o caso.

Toda essa idéia veio à minha atenção há algum tempo, quando meu cão Buddha achou um frasco de “auxiliares de sono alternativos” que continha, entre outras coisas, 5 HTP (l-triptofano) e xilitol (álcool de açúcar). Para encurtar a história, cães não podem tomar xilitol porque causa um pico de insulina, que, então, depleta severamente a glicose no sangue. Buddha acabou tendo que fazer uma viagem ao veterinário às 10h30 da noite de domingo (obrigado, Dr. Dean!). Mas ocorreu-me que o mesmo efeito pode ser visto em humanos, e é por isso que coloco a questão hoje ...

Os adoçantes artificiais induzem a secreção de insulina (talvez através da liberação de insulina na fase cefálica (CPIR), que é uma espécie de "ataque preventivo" do corpo contra alimentos que exigirão que a insulina atue)?

Uma das razões pelas quais uma resposta definitiva raramente é dada é que a questão é formulada incorretamente. "Adoçantes artificiais" não são uma entidade monolítica. Existem vários tipos de adoçantes, todos quimicamente distintos uns dos outros. Uma pergunta mais útil seria: “Que efeito tem [adoçante artificial específico] na insulina?”. Então vamos perguntar!

O aspartame afeta a insulina?


O aspartame é uma coisa muito grosseira, com seu gosto horrível e hordas de pessoas que têm reações terríveis de consumi-lo, mas não é isso que nos interessa hoje. Felizmente, há uma boa quantidade de pesquisas explicando o efeito do aspartame sobre a secreção de insulina.

Um estudo descobriu que a proteína produziu uma resposta significativa à insulina, enquanto o aspartame não teve efeito sobre os níveis de insulina .

Outro também descobriu que o aspartame não teve efeito sobre a resposta à insulina em humanos, seja sozinho ou combinado com carboidratos.

Outro estudo anterior examinou os efeitos do aspartame na prolactina, cortisol, hormônio do crescimento, insulina e níveis de glicose no sangue e descobriu que não tinha nenhum. Os autores usaram a mesma quantidade de aspartame que você encontraria em uma bebida adoçada artificialmente, mas foram incapazes de registrar quaisquer alterações hormonais significativas.


No geral, as evidências parecem sugerir pouco ou nenhum efeito sobre a secreção de insulina como resultado da degustação ou do consumo do aspartame.

A sacarina afeta a insulina?


Embora a sacarina tenha permanecido na obscuridade e no banimento do consumidor durante a maior parte das últimas décadas (até recentemente, quando a EPA a considerou segura para consumo humano), há algumas pesquisas sobre seus efeitos sobre a insulina.

Em um estudo, indivíduos humanos em jejum "bochecharam" oito soluções de diferentes sabores (inclusive algumas adoçadas com sacarose) por 45 segundos e, em seguida, cuspiram. Não engoliram. Somente as soluções de sacarose e sacarina ativaram a liberação de insulina na fase cefálica .

Por outro lado, outro estudo com humanos descobriu o contrário: bochechar e cuspir soluções doces (mesmo calóricas usando sacarose) não provocaram CPIR, enquanto outro estudo descobriu que nem a sacarina nem o aspartame influenciaram a secreção de insulina em diabéticos em jejum e não-diabéticos (embora os indivíduos alimentados com aspartame tivessem níveis de insulina levemente mais elevados do que os grupos controle e de sacarina, isso era fisiologicamente irrelevante, dados os níveis de glicose no sangue constantes).

A evidência do efeito da sacarina sobre a insulina é mista, mas de qualquer forma, não parece ter um impacto muito grande em termos do mundo real.

O acessulfame-K afeta a insulina?


Em um estudo, pesquisadores descobriram que transfusões diretas de acessulfame K aumentavam a secreção de insulina em ratos de maneira dependente da dose. Os mesmos pesquisadores realizaram um estudo in vitro, submetendo ilhotas pancreáticas de ratos a soluções de acessulfame-K, e descobriram que o adoçante artificial era um ator independente na secreção de insulina. Ambos indicam que há algum efeito, mas é difícil tirar conclusões de estudos in vitro de ratos usando células pancreáticas isoladas ou estudos de ratos in vivo usando transfusões diretas de adoçantes (em oposição à dosagem oral).

Outro estudo usando células pancreáticas isoladas descobriu que apenas aqueles adoçantes artificiais com um retrogosto amargo (acessulfame-K, sacarina, estévia e ciclamato) aumentaram a resposta à insulina na presença de glicose. O aspartame, que não tem retrogosto amargo, não afetou a insulina. Note, no entanto, que este foi um estudo in vitro utilizando células isoladas e que a presença de glicose era um pré-requisito para a secreção de insulina. Naturalmente, pessoas que fazem dietas com adoçantes artificiais fazem isso durante as refeições, a maioria das quais tende a apresentar grandes quantidades de glicose.

O acessulfame-K parece afetar os níveis de insulina, embora este efeito tenha sido demonstrado apenas em configurações artificiais - na presença de glicose em células isoladas (in vitro), em células isoladas sem glicose (in vitro) ou por transfusões diretas sem a presença de glicose (in vivo). Nós não temos visto pessoas tomando oralmente o acessulfame-K em jejum e tendo uma resposta insulínica. Ainda.

A sucralose afeta a insulina?


A sucralose ativa os receptores doces nas papilas gustativas, e alguns estudos in vitro mostraram que a sucralose pode estimular a liberação de hormônios incretinas, que aumentam a secreção de insulina, através dos receptores de sabor adocicado nas células enteroendócrinas (localizadas no intestino). Um estudo in vivo de infusões de sucralose no intestino, no entanto, mostrou que não estimula os hormônios incretina GLP-1 ou GIP, não libera insulina e não diminui o esvaziamento gástrico.

Outro estudo in vivo, desta vez utilizando indivíduos humanos saudáveis, obteve resultados semelhantes: a administração oral de sucralose não induziu uma resposta de insulina cefálica, nem afetou o GLP-1. Nem mesmo o apetite foi afetado.

As versões comerciais da sucralose geralmente contêm dextrose como agente de volume. Dextrose é essencialmente glicose, o que certamente provoca uma resposta de insulina, então definitivamente há o potencial para uma ligeira resposta de insulina à sucralose, mas não há muitas evidências se a sucralose tem um efeito in vivo independente na insulina .

Recentemente, uma revisão de estudos in vivo concluiu que “adoçantes de baixa energia” não têm nenhum dos efeitos sobre a insulina, apetite ou glicose no sangue previstos por “in vitro, in situ ou estudos de nocaute em animais”. Até onde os estudos clínicos vão, eu tenho que concordar. Eu vou usar adoçantes? Não... há outros efeitos negativos potenciais para o uso de adoçantes artificiais, incluindo os distúrbios da flora intestinal, a promoção de dependências psicológicas em doces e questões de segurança a longo prazo, mas acho que é importante ficar claro onde está a ciência. Até onde eu posso dizer, de acordo com a literatura não há um efeito apreciável da maioria dos adoçantes sobre a insulina.

Ainda assim, algumas pessoas informalmente relatam um efeito. Como Jimmy Moore diz: "O importante é verificar sua própria resposta de açúcar no sangue e ver como isso afeta você". Se você precisa saber (e a maioria das pessoas não precisa), testar você mesmo seria a maneira de fazê-lo.

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores