O Protocolo AutoImune - Parte II

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Sarah Ballantyne



O que comer e o que evitar


Seguir a dieta do Protocolo AutoImune (AIP) envolve aumentar a ingestão de alimentos que promovem a saúde e que promovem a saúde, ao mesmo tempo que evita-se os alimentos que podem ser os gatilhos para a sua doença.

Em resumo, as regras do que comer são:

  • Carne de órgãos e vísceras (objetivo 5 vezes por semana, quanto mais, melhor) - leia mais aqui.
  • Peixe e marisco (selvagem é o melhor, mas se só tiver de cativeiro, é o melhor que dá para fazer). Procure comer pelo menos 3 vezes por semana... quanto mais, melhor - leia mais aqui e aqui .
  • Vegetais de todos os tipos, tanta variedade quanto possível e de todas as cores do arco-íris, de 8 a 14 xícaras por dia
  • Carnes de alta qualidade: criadas em pastagens, silvestres o máximo possível; aves com moderação devido ao alto teor de ômega-6, a menos que você esteja comendo uma tonelada de peixe
  • Gorduras de qualidade: gordura de animais criados com pasto [extraídas ou como parte da sua carne], peixes gordos, azeite, abacate, coco, dendê
  • Frutas: mantendo a ingestão de frutose entre 10 e 40g/dia, e notando que 20g é provavelmente ideal
  • Alimentos probióticos/fermentados: vegetais fermentados ou frutas, kombucha, kefir de água, kefir de leite de coco, iogurte de leite de coco, suplementos - leia sobre eles aqui e aqui .
  • Alimentos ricos em glicina: qualquer coisa com tecido conjuntivo, articulações ou pele, carne de órgãos e caldo de ossos
  • Prefira os ingredientes de melhor qualidade que você puder
  • Coma tanta variedade quanto possível!
Além disso, remova o seguinte da sua dieta:


Moderar sua ingestão do seguinte:

  • Frutose (vinda de frutas e vegetais ricos em amido, com o objetivo de entre 10 a 25g/dia)
  • Sal (use apenas sal não-refinado)
  • Frutas e vegetais com carga glicêmica moderada e alta (como frutas secas, banana e cará)
  • Alimentos ricos em ácidos graxos poliinsaturados ômega-6 (como frango e cortes gordurosos de carne produzida industrialmente)
  • Chá preto e verde
  • Coco
  • Açúcares naturais como melaço, xarope de bordo e mel

Esta dieta é apropriada para todos com distúrbios auto-imunes diagnosticados ou com suspeita de doenças auto-imunes. É muito simplesmente uma dieta extremamente rica em nutrientes que é desprovida de alimentos que irritam o intestino, causam disbiose intestinal e ativam o sistema imunológico. 

Você não estará perdendo nenhum nutriente e esta dieta é absolutamente apropriada para seguir pelo resto de sua vida. Se você tem uma doença auto-imune específica que causa sensibilidades extras à comida, elas devem ser levadas em conta com suas escolhas alimentares.

Ler a parte 3

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores