10 coisas que a medicina convencional entendeu errado

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Eirik Garnas

A maioria das pessoas superestima significativamente as capacidades, a qualidade e a eficiência do nosso sistema médico. Elas assumem erroneamente que os médicos possuem conhecimento profundo das causas subjacentes da maioria das doenças e que receberão cuidados de saúde ótimos se algum dia ficarem doentes. Mesmo que fiquem doentes e não consigam melhorar, apesar de visitarem muitos profissionais de saúde diferentes, eles não necessariamente perdem a fé no "sistema", devido ao fato de que confiam profundamente neste e nas autoridades que o projetaram e o mantêm em funcionamento. Em vez de questionar a validade das práticas médicas convencionais e perguntar-se se há algo de errado com a maneira como estamos atualmente tratando as doenças, elas podem ser levadas a pensar que o problema está com elas.

Talvez seja desnecessário dizer que a medicina convencional trata muito bem diversas coisas. Entre outras coisas, faz um trabalho digno ao tratar problemas agudos e ferimentos. Infelizmente, erra mais que acerta. Isso é preocupante, visto que significa que nem todos obtêm os cuidados de saúde de que precisam e merecem. Não há dúvida de que as falhas da medicina convencional causam sofrimento incalculável e morte a cada ano. O governo tira bilhões de dólares dos bolsos das pessoas, via tributação, para manter o sistema de saúde em funcionamento; portanto, não é demais pedir que nosso sistema médico funcione bem.

Neste artigo, pensei em listar e falar brevemente sobre 10 coisas nas quais a medicina convencional está errada. Eu acredito firmemente que um monte de sofrimento humano e morte poderiam ter sido evitados se essas coisas recebessem atenção mais ampla nos círculos médicos convencionais.

1. Não reconhece que os componentes básicos da nossa biologia foram concebidos para condições da Idade da Pedra


No fundo, todos somos caçadores-coletores. Estamos tão acostumados com nosso ambiente atual e fabricado, que tem pouca semelhança com um meio natural, que esquecemos facilmente que nossas condições de existência atuais são novas e anormais quando observamos a partir de uma perspectiva evolutiva. Os seres humanos evoluíram na natureza. Obviamente, não evoluímos em um ambiente cheio de alimentos altamente processados, arranha-céus, carros e aparelhos tecnológicos.

Talvez seja desnecessário dizer que a evolução biológica não foi interrompida com a Revolução Agrícola. Nos últimos milênios, mutações genéticas ocorreram e diversas adaptações se espalharam em populações humanas. Com isso dito, a pesquisa científica mostrou que somos, do ponto de vista biológico, bastante semelhantes aos nossos antepassados ​​da Idade da Pedra (1, 2, 3, 4). Isso não é surpreendente, visto que os ~10.000 anos que se passaram desde a Revolução Agrícola são apenas uma gota d'água no oceano da evolução. Quando comparados aos milhões de anos em que nossos antepassados ​​percorreram a savana africana, fazendo a caça e a coleta, o tempo que passou desde que os humanos desenvolveram a agricultura teve pouco impacto no genoma humano.

Isto é, obviamente, muito importante para os profissionais de saúde reconhecerem, visto que tem implicações generalizadas sobre como abordamos a promoção da saúde humana e a prevenção e tratamento de doenças.

2. Não reconhece o papel vital que os micróbios que colonizam nossos corpos desempenham na formação de nossa biologia e saúde e, historicamente, prestou pouca atenção ao impacto prejudicial que drogas como os antibióticos têm sobre nossos microbiomas


Historicamente, a medicina tradicional dedicou praticamente toda a sua atenção ao genoma humano. Os genomas dos trilhões de microorganismos que colonizam o corpo humano permaneceram em grande parte fora de foco. Isso é muito lamentável, visto como bactérias, fungos e outros organismos microscópicos que vivem "dentro" e sobre nossos corpos têm um impacto profundo na nossa saúde. Eles estão envolvidos em praticamente tudo o que acontece dentro de nós. A maioria das doenças não se desenvolve porque o genoma humano é inerentemente falho, mas sim por interações desfavoráveis ​​que ocorrem entre o genoma humano e seu ambiente, incluindo o microbioma humano.

Ao longo da última década, à medida que mais e mais pesquisas sobre o microbioma humano foram publicadas, os trilhões de micróbios que colonizam nossos corpos gradualmente entraram na esfera médica convencional. Com isso dito, eles não são uma parte onipresente de seu novo ambiente. Longe disso. Apesar do fato de que a perturbação dos microbiomas tenha sido ligada a praticamente todas as doenças sob o sol (5, 6, 7, 8, 9), muitos profissionais de saúde ainda prestam pouca atenção às criaturas que colonizam nossos corpos. Em vez de instruir seus pacientes sobre como podem melhorar a condição de suas microbiotas, praticam o que aprenderam na escola de medicina há muitos anos.

Isso é extremamente preocupante, visto que significa que muitas pessoas doentes não recebem os cuidados médicos que precisam para melhorar. Não há dúvida em minha mente de que inúmeras vidas humanas foram pelo ralo devido ao uso excessivo de drogas pela medicina e à negação do papel que os micróbios que colonizam nossos corpos desempenham na formação de nossa biologia e saúde.

3. Ela negligencia em grande parte o fato de que o corpo humano é um sistema biológico composto de muitas partes interligadas e que uma miríade de diferentes doenças e problemas de saúde se desenvolvem como resultado da má saúde intestinal e inflamação crônica


A medicina, tal como existe hoje, é uma disciplina fracionada. Diferentes profissionais de saúde se concentram em diferentes aspectos da saúde humana e doenças. Alguns focam toda a sua atenção no cérebro humano e seus distúrbios associados; outros estão exclusivamente preocupados com o coração humano e o sistema circulatório; e ainda outros estão interessados ​​principalmente no que se passa dentro do intestino humano. O bom de ter pessoas especializadas desta forma é que nós - como espécie - tornamo-nos extremamente conhecedores de muitas partes diferentes do sistema biológico que é o corpo humano, e que as pessoas doentes têm a opção de ver um profissional de saúde especializado na condição de que sofrem. O ruim é que pode nos fazer esquecer que o corpo humano é um sistema complexo composto por muitas partes interligadas. Nenhum órgão opera isoladamente.

Além disso, ao segmentar o campo da medicina em muitas sub-disciplinas diferentes, podemos ignorar o fato de que um conjunto similar de fatores etiológicos está subjacente a muitas doenças e problemas de saúde, alguns dos quais afetam partes completamente diferentes do corpo humano. A medicina comum é notória por fazer essa "vista grossa". Parece operar sob a crença dogmática de que o corpo humano é uma máquina e que os problemas que podem fazer com que uma parte desta máquina se estrague sejam muito diferentes dos que tornam a outra parte vulnerável ao mau funcionamento. Como qualquer pessoa que entenda a biologia e tenha lido sobre saúde e medicina evolutiva, você irá dizer que essas idéias são baseadas em uma compreensão falaciosa de como os organismos funcionam. O fato é que um conjunto semelhante de problemas está subjacente a uma longa lista de doenças diferentes. Em cima desta lista de problemas você vai achar inflamação crônica e saúde intestinal ruim, que são forças-motrizes de uma infinidade de problemas de saúde (7, 9, 10, 11, 12, 13, 14).

Infelizmente, a medicina convencional presta pouca atenção ao papel que a inflamação e a saúde intestinal desempenham nas doenças crônicas. Como resultado, muitas pessoas doentes nunca conseguem dar descanso seus corpos e, em vez disso, acabam confiando em um armário cheio de drogas farmacêuticas para manter à distância os sintomas de seus problemas de saúde.

4. Não reconhece plenamente que as bactérias amigáveis ​​são aliados extremamente poderosos em nossa luta contra os microrganismos ruins


Desde que nós humanos descobrimos que algumas formas de vida microscópicas são capazes de nos deixar doentes, fizemos grandes esforços para tentar livrar nossos corpos e ambiente dos bichinhos ruins. Nós, assim como os animais que domesticamos, engolimos toneladas de antibióticos, pulverizamos nossos campos com várias substâncias antimicrobianas e adotamos a prática de usar detergentes de limpeza agressivos para manter nossas casas tão estéreis e limpas quanto possível. Praticamente toda a nossa atenção tem sido dedicada a nos livrar de bichinhos que são capazes de nos causar danos. Nós ignoramos em grande parte os que nos fazem bem. Além disso, na nossa pressa de destruir os micróbios, esquecemo-nos de que eles evoluem a um ritmo muito rápido e podem trocar material genético entre si. Livrar-se de um micróbio ruim não é tão fácil quanto jogar um antimicrobiano nele. Antes de conhecê-lo, o bicho em questão terá sofrido mutação e se tornará resistente ao nosso medicamento antimicrobiano. Não só isso, mas, ao atacar o micróbio com um composto antimicrobiano, podemos acabar com outros micróbios também, alguns dos quais podem ser importantes na medida em que mantêm ao longe os que são capazes de nos causar danos.

Muitas pessoas desconhecem o fato de que muitos dos antibióticos que usamos para matar patógenos não foram originalmente desenvolvidos por humanos, mas sim por micróbios. Nós simplesmente isolamos substâncias antimicrobianas que os micróbios produzem e as transformamos em drogas.

Todos os anos, milhões, se não bilhões, de dólares são gastos em pesquisas dedicadas ao desenvolvimento de novas substâncias antimicrobianas. Eu argumentaria que muito desse dinheiro seria melhor gastado na restauração dos microbiomas e no desenvolvimento de medicamentos que sejam eficazes para melhorar a biodiversidade microbiana das microbiotas de pessoas doentes. Uma microbiota saudável atua como uma defesa natural contra os bichos ruins. Talvez seja desnecessário dizer que uma pessoa que abriga uma microbiota resiliente e diversa não é completamente imune a todos os agentes patogênicos; no entanto, ela certamente está muito melhor protegido do que uma pessoa doente, imunocomprometida, que abriga uma microbiota degradada e perturbada.

5. Não reconhece que todos os organismos deste planeta, inclusive os humanos, foram desenhados através de uma seleção natural e que Darwin, em seu livro "Sobre a Origem das Espécies", nos equipou com um arcabouço poderoso que nos ajuda a entender por que os organismos são vulneráveis ​​a doenças


As disciplinas científicas maduras são caracterizadas pela presença de princípios organizadores e governantes. Um dos principais princípios que regem o funcionamento do campo da biologia é a seleção natural. O que muitas pessoas não conseguem perceber é que este princípio básico da evolução pode ajudar a colocar ordem em muitos campos, se não em todos, que estão de alguma forma conectados às ciências biológicas, incluindo nutrição e medicina. Sem apreciar o funcionamento da seleção natural, não se pode entender completamente por que as doenças existem, quais os tipos de ambientes em que diferentes organismos são adaptados para viver e por que os organismos se parecem e se comportam da maneira que fazem.

É difícil superestimar a importância das teorias de Darwin para a medicina. A ciência evolutiva pode ajudar a trazer ordem para a nutrição e os remédios, que são atualmente disciplinas caóticas. Ao reconhecer que todas as formas de vida foram moldadas através de uma seleção natural, obtemos uma compreensão melhor do porquê das doenças existirem e do tipo de estímulos ambientais que diferentes organismos necessitam para funcionar bem.

O fato é que nós humanos não somos separados de outros organismos com respeito às razões pelas quais somos vulneráveis ​​a doenças. Um conjunto similar de explicações evolutivas subjazem a todas as doenças, independentemente das espécies que elas afetam. Infelizmente, isso é algo que a medicina dominante ignora.

6. Não presta atenção à conexão que existe entre a saúde e a aptidão biológica no contexto da evolução darwiniana


A seleção natural "favorece" organismos que se adaptam reprodutivamente. Se um animal obtiver mais sobrevivência e reprodução do que outro animal, o primeiro é mais adequado, em um sentido darwiniano, que o segundo. O fato de que o sucesso reprodutivo é "tudo o que importa" na evolução biológica levou algumas pessoas a acreditarem que a ciência evolutiva não tem muito a contribuir para a nossa compreensão da saúde e da doença. Essa crença baseia-se em uma compreensão errônea e excessivamente simplista de como a evolução funciona.

É importante reconhecer que os organismos saudáveis ​​são tipicamente mais aptos à reprodução do que os não-saudáveis. Isto é particularmente verdadeiro quando se fala sobre organismos que vivem em um ambiente natural, onde é preciso ser bastante saudável e fisicamente apto para poder sobreviver e se reproduzir. Não só os animais saudáveis ​​são mais capazes de obter alimentos, fugir dos predadores e realizar outras atividades essenciais à sobrevivência do que animais não-saudáveis, mas também tendem a ser mais férteis, têm uma libido maior e mais facilidade em atrair um companheiro saudável e ser sexualmente mais ativo – em parte porque a inflamação, que acompanha doenças crônicas, afeta negativamente a saúde sexual e reprodutiva.

Na minha opinião, isso é extremamente importante que cientistas médicos e médicos reconheçam, porque nos ajuda a entender o motivo pelo qual ficamos doentes e que tipo de estímulos ambientais diferentes organismos exigem para ser saudáveis.

7. Não reconhece que muitas manifestações e sintomas de doenças (por exemplo, febre) são defesas corporais moldadas pela evolução e que o bloqueio dessas defesas (por exemplo, através de uma droga) em muitos casos faz mais mal que bem


Os organismos que são bons em sobreviver são geralmente mais reprodutivos do que os organismos que são ruins no assunto. Isto é particularmente verdadeiro quando se fala sobre a sobrevivência até e durante toda a idade reprodutiva. Portanto, não é surpreendente que a evolução nos tenha equipado, bem como outros organismos, com uma variedade de aparelhos e sistemas diferentes que nos ajudam a evadir eficazmente e a combater os perigos que ameaçam a nossa capacidade de sobreviver e nos reproduzir. Nós desejamos alimentos açucarados e calóricos, em grande parte porque esses alimentos eram raros nos ambientes ancestrais em que evoluímos e fornecem energia que pode ser usada para a sobrevivência e reprodução; somos repelidos pelo cheiro de fezes porque é uma fonte de agentes patogênicos; e tememos cobras e aranhas porque cobras e aranhas são capazes de prejudicar e às vezes nos matar.

Isso é fácil de entender, e também é algo que muita gente conhece. O que muitas pessoas, incluindo a maioria dos profissionais médicos, não sabem, é que muitas das manifestações e sintomas que ocorrem como resultado de doenças, como febre, diarréia e vômitos, também são defesas moldadas pela evolução e existem porque têm uma função adaptativa. Febre, diarréia e vômitos, por exemplo, todos causam depuração de patógenos. A medicina comum muitas vezes não leva em consideração isso e muitas vezes bloqueia as defesas corporais através de drogas, potencialmente prolongando a duração da doença e inibindo a recuperação ideal.

8. Presta pouca atenção ao papel que a nutrição e o estilo de vida desempenham na formação da nossa saúde


A medicina comum é pesada em drogas. Tem vínculos estreitos e firmes com a indústria farmacêutica. Pode-se argumentar que a indústria molda o funcionamento da medicina convencional. Isso é triste, visto que uma longa lista de doenças e problemas de saúde são melhor tratados com intervenções de dieta e estilo de vida, não com drogas.

A triste realidade é que os estudantes de medicina aprendem praticamente nada sobre nutrição ou como o sono, a exposição ao sol e a atividade física afetam nossa saúde. Isso é assustador, considerando que está bem estabelecido que as principais doenças modernas, incluindo doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e câncer de cólon, são em grande parte causadas por práticas insalubres ​​de dieta e estilo de vida (1, 10, 14).

Já passou muito da hora das intervenções de dieta e estilo de vida se tornarem parte rotineira dos cuidados médicos convencionais.

9. Não reconhece plenamente que a maioria das doenças se desenvolve como resultado de complexas interações genômico-ambientais e que é impossível controlar todas essas interações com uma droga


Raramente passa-se um dia sem a publicação de artigos de jornal que afirmem que os cientistas estão a um curto passo de desenvolver uma cura para o câncer, doenças cardíacas, obesidade ou outras condições semelhantes. Isso provavelmente levou algumas pessoas a acreditar que a cura para estes e muitos outros distúrbios estão bem depois da esquina. Eu não quero ser o portador de más notícias, mas o fato é que isso simplesmente não é verdade. A realidade é que uma cura para câncer ou doença cardíaca não se tornará parte do arsenal de drogas da sua farmácia local em breve.

O motivo é simples: a maioria das doenças se desenvolve como resultado de interações complexas genoma-ambiente. Obviamente, é impossível controlar todas essas interações com uma droga. Além disso, o processo de tentar modificar nossos genomas para que nos tornemos resistentes a certas doenças complexas, obviamente, não é simples e direto, visto que a maioria das doenças envolve a expressão de milhares de genes. Infelizmente, isso é algo que muitas pessoas ignoram, talvez porque a indústria farmacêutica e a medicina geral, que concentram sua atenção na localização e manipulação de receptores, genes e células individuais envolvidos em vários transtornos de saúde, fizeram um bom trabalho em nos levar a crer que eles detêm a solução para todos os nossos problemas de saúde.

A triste verdade é que muito do arsenal da medicina convencional de tratamentos médicos apenas suprime ou bloqueia os sintomas da doença, ao invés de eliminar os problemas subjacentes a ela. Eu argumentaria que já passou da hora de reconhecermos que não podemos nos drogar para ter uma boa saúde. As drogas podem ajudar a tornar a vida das pessoas doentes mais gerenciáveis, mas não devemos esperar que elas nos equipem com boa saúde.

10. Não reconhece que os circuitos e componentes básicos do cérebro humano foram projetados para condições que diferem muito das condições em que nós - humanos contemporâneos - nos encontramos


Este ponto se relaciona com muitos dos pontos anteriores da lista. A razão pela qual eu sinto que este problema merece seu próprio ponto na lista é que é quase completamente ignorado pela medicina convencional, apesar do fato de ser extremamente importante.

Eu acho muito preocupante que a medicina tradicional e a psicologia moderna prestem tão pouca atenção à história evolutiva do cérebro humano. Princípios da psicologia evolutiva ainda não conseguiram entrar no domínio dos cuidados de saúde convencionais e da psiquiatria geral. Isso é triste, visto que é impossível entender o porquê de nós humanos nos comportamos da maneira como fazemos e por que e as diferentes doenças mentais se desenvolvem, se não se sabe sobre as pressões evolutivas que esculpiram o cérebro humano.

O cérebro humano, obviamente, não surgiu do dia para a noite. Foi moldado por milhões de anos de evolução. Durante a maior parte desse período, o ambiente da existência era um ambiente natural. O comportamento humano, como o comportamento de outros organismos, é mais fácil de entender quando é examinado sob a luz evolutiva.

O desenvolvimento do cérebro humano foi guiado pelas pressões evolutivas que atuavam sobre nossos antepassados. Os traços que conferiam uma melhor sobrevivência e reprodução em ambientes passados ​​foram favorecidos pela seleção natural. Grande parte dos circuitos do cérebro humano foi concebida para condições da Idade da Pedra, não pelas condições em que nos encontramos hoje. Isso nos ajuda a entender o porquê de nos comportarmos da maneira que fazemos, por que vários transtornos mentais existem e se desenvolvem, e o que nós podemos fazer para melhorar a nossa saúde mental.

Não consigo enfatizar o quanto as teorias evolutivas sobre o funcionamento do cérebro humano são relevantes para a medicina, incluindo a psiquiatria.

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores