Há salvação para o low-fat? Uma atualização da Iniciativa da Saúde da Mulher

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Axel Sigurdsson


Um artigo recente publicado no American Journal of Clinical Nutrition fornece resultados atualizados do Estudo de Modificação da Dieta ( 1 ) promovido pela Iniciativa da Saúde da Mulher (WHI). Uma das questões levantadas é se ainda há esperança para uma abordagem dietética com baixo teor de gordura para a prevenção de doenças cardíacas.

O objetivo principal do do estudo foi testar se a intervenção comportamental destinada a produzir um padrão dietético com pouca gordura total, juntamente com o aumento da ingestão de vegetais, frutas e grãos, diminuirá a incidência de câncer de mama e colorretal em mulheres pós-menopáusicas. Um objetivo secundário foi testar se tal intervenção dietética, que não se concentrou na ingestão de gorduras específicas, também reduziria o risco de doença cardiovascular (DCV) ( 2 ).

A hipótese do estudo era que uma dieta capaz de reduzir efetivamente o LDL-colesterol reduziria o risco de DCV.

Um total de 48.835 mulheres pós-menopáusicas de 50 a 79 anos, de diversas origens e etnias, foram aleatoriamente designados para uma intervenção (19.541 [40%]) ou grupo de controle (29.294 [60%]) em um ambiente de vida livre (ou seja, sem internação). A matrícula do estudo ocorreu entre 1993 e 1998 em 40 centros clínicos dos EUA; O seguimento médio dessa análise foi de 8,1 anos.

O grupo de intervenção recebeu modificação intensiva de comportamento em grupo e em sessões individuais, projetadas para reduzir a ingestão de gordura total a 20% das calorias e aumentar a ingestão de vegetais/frutas para 5 porções/dia e a de grãos para pelo menos 6 porções/dia. O grupo de controle recebeu materiais de educação relacionados à dieta.

Os resultados do estudo, publicados em 2006, mostraram que esta intervenção específica não reduziu significativamente o risco de doença cardíaca coronária (DCC), acidente vascular cerebral ou DCV nesta população em particular.

Hoje, 11 anos após a publicação original, os resultados deste grande estudo ainda são altamente debatidos. Alguns acreditam que o estudo provou que a hipótese dieta-coração estava errada enquanto outros apontaram que a redução do colesterol LDL no grupo de intervenção foi muito pequena para poder fazer a diferença.

Em seu artigo recentemente publicado, Prentice e colegas salientam que a incidência de DC pode não ter sido reduzida por causa de uma elevação do risco entre 3,4% dos participantes que relataram DCV antes do início do teste. Observou-se também que o risco de DC foi maior para as mulheres com hipertensão (43,2% da população em estudo) do que para as mulheres sem hipertensão arterial.

Curiosamente, os dados atualizados sobre mortalidade cardiovascular e mortalidade por todas as causas, tanto nos períodos de intervenção quanto pós-intervenção, incluindo dados de mortalidade até 2013, são fornecidos no documento.

Os resultados do Estudo de Modificação da Dieta do WHI, atualizados


Os dados atualizados sobre a mortalidade por todas as causas durante o período de intervenção do teste ainda não revelaram diferenças significativas entre os grupos de intervenção e controle. Em outras palavras, a intervenção com baixo teor de gordura não diminuiu a mortalidade por todas as causas.

No entanto, curiosamente, os efeitos da intervenção no padrão alimentar com baixo teor de gordura variaram fortemente com base na hipertensão ou doença cardiovascular presente no início ou não.

A taxa de risco de doença coronariana (FC) foi significativamente menor para os participantes com pressão arterial normal do que para os participantes hipertensos. Ou seja, a intervenção com baixo teor de gordura pareceu mais eficaz entre aqueles que tinham pressão arterial normal. No entanto, esse benefício foi parcialmente compensado por um aumento na incidência de AVC no grupo de intervenção.

Curiosamente, em mulheres com DCV prévia, o risco de doença coronariana foi aumentado no grupo de intervenção com baixo teor de gordura, produzindo um aumento marginal no risco total de DCV.

A baixa ingestão de gordura reduziu o HDL-colesterol e aumentou a proporção de triglicerídeos/HDL-colesterol, os quais podem ser considerados negativos. No entanto, também houve efeitos positivos, incluindo reduções nos níveis de insulina e glicose, juntamente com mudanças favoráveis ​​no peso, circunferência da cintura e pressão arterial.

O colesterol LDL ao final de 1 ano foi menor no grupo de intervenção em cerca de 2mg/dl em mulheres saudáveis, mas foi maior em 15,9mg/dl estimado em mulheres com DCV prévia. A redução do LDL-colesterol no grupo de intervenção pareceu consistente ao longo do período de intervenção após a exclusão de mulheres que estavam tomando medicação para baixar o colesterol no início do estudo.

As taxas de uso de estatinas durante o seguimento não diferiram significativamente entre os grupos de aleatorização.

Os resultados atualizados mudarão nossa visão do estudo?


Os resultados atualizados confirmam a conclusão do teste original; a substituição da gordura dietética por carboidratos não reduz o risco de DCV.

Os autores do artigo, no entanto, acreditam que suas análises de subconjuntos podem ser importantes, embora reconheçam os desafios associados aos testes múltiplos. No entanto, a confusão pós-aleatorização pelo uso de estatina pode oferecer uma explicação possível para algumas das diferenças.

Conforme mencionado acima, as mulheres com DCV anterior pareceram sair-se pior em uma dieta com baixo teor de gordura em comparação com o grupo de controle. No entanto, os autores acreditam que os resultados não são interpretáveis (devido à confusão pelo uso de estatinas pós-aleatorização), embora eles frisem que não foram capazes de descartar a possibilidade de que mudanças na dieta no grupo de intervenção com baixo teor de gordura possam ter contribuído para o pior resultado.

Por outro lado, os autores acreditam que é improvável que o efeito benéfico da intervenção com baixo teor de gordura entre mulheres com pressão arterial normal e sem DCV tenha sido afetado pelo uso de estatinas pós-aleatorização. Assim, eles concluem que a redução da gordura total é um importante fator para redução da DCC observada nessas mulheres. Isso pode ser mediado pelos efeitos favoráveis ​​sobre LDL-colesterol, insulina e glicose.

No entanto, eles também apontam que esse efeito positivo da intervenção com baixo teor de gordura pode ser moderado por um aumento correspondente no risco de acidente vascular cerebral.

As últimas palavras do artigo são:

Essas análises, nas quais há poucas possibilidades de confusão pós-aleatorização por medicamentos que reduzem o colesterol, sugerem que as taxas de incidência de DCV em mulheres pós-menopáusicas saudáveis ​​nos Estados Unidos são bastante sensíveis a modificações dietéticas moderadas. Os participantes da intervenção escolheram diferentes abordagens para atingir metas alimentares, com uma gama correspondente de potenciais benefícios e riscos cardiovasculares. Os dados do estudo estão atualmente passando por análises adicionais na tentativa de identificar mudanças no padrão de dieta das mulheres no grupo de intervenção que retêm o benefício sobre a doença coronária, evitando quaisquer efeitos adversos.

Bem, um documento interessante que levanta várias questões. Mas ainda assim, a conclusão do estudo original permanece intacta.

É bem sabido que comparações múltiplas podem revelar uma observação aparentemente significativa estatisticamente, mas que pode ter surgido por acaso. Esse fenômeno estatístico às vezes foi chamado de "efeito olhe para o outro lado" ( 3 ). Se uma certa dieta é benéfica, por que ela só funcionaria para mulheres sem hipertensão? Para mim, é um pouco difícil de compreender.

Portanto, dificilmente se justifica promover uma dieta com baixo teor de gordura com alto teor de carboidratos do tipo testado no estudo do WHI com a finalidade de prevenir doenças cardíacas.

No entanto, os autores parecem acreditar que continua a haver um vislumbre de esperança de que uma trégua de algum tipo ainda possa ser recuperada.

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores