Solidão, isolamento social e saúde ruim

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Axel Sigurdsson



A solidão e o isolamento social estão se tornando problemas de proporções epidêmicas. As estatísticas são arrepiantes. Hoje, 25% dos americanos não têm ninguém com quem discutir assuntos importantes para eles.

O que é ainda mais assustador é que a solidão está nos matando.

Estudos mostram que a solidão e o isolamento social estão associados ao aumento do risco de mortalidade precoce ( 1 ). Estar socialmente conectado aumenta não só o bem-estar psicológico e emocional, mas também tem uma influência positiva na saúde física ( 2 ).

Embora a solidão seja geralmente associada ao isolamento social, é importante discriminar entre os dois. O isolamento social refere-se a uma falta de contato com outras pessoas, enquanto a solidão indica um estado de espírito.

Apesar dessas diferentes definições, existe uma sobreposição significativa entre isolamento social e solidão. Por isso, os termos são frequentemente utilizados indiferentemente.

As mudanças nos padrões de matrimônio e maternidade e a estrutura etária da sociedade dos EUA prevêem um aumento constante no número de pessoas idosas que não têm cônjuges ou filhos ( 3 ).

Desde 1970, a composição das famílias, o estado civil e os padrões de vida dos adultos nos EUA apresentaram mudanças marcantes. Por exemplo, a proporção da população composta por casais com filhos diminuiu e a proporção de mães solteiras aumentou, enquanto a idade mediana no primeiro casamento cresceu ao longo do tempo ( 4).

Em 1940, 7.7% das famílias consistiam em uma pessoa que vivia sozinha. Em 2000, esse número era de até 25% ( 5 ).

Em 2010, o número de pessoas vivendo sozinhas é projetado pelo censo americano para chegar a quase 31.000.000, um aumento de 40% desde 1980.

As conseqüências negativas para a saúde do isolamento social são particularmente fortes entre alguns dos segmentos de crescimento mais rápido da população: os idosos, os pobres e as minorias, como os afro-americanos ( 6 ).

Solidão


A solidão é um sentimento subjetivo de isolamento, não-pertencimento ou falta de companhia. Isso reflete uma discrepância entre as relações sociais desejadas e reais. Uma pessoa pode se sentir sozinha, apesar de viver com um cônjuge ou outros membros da família. Podemos experimentar a solidão em uma sala cheia de pessoas.

Uma pesquisa recente sugere que 35% dos adultos americanos podem ser categorizados como solitários ( 7 ).

Os adultos mais velhos eram mais propensos a ser solitários do que os indivíduos mais jovens. Os entrevistados casados ​​eram menos propensos a ficar solitários (29%), e os entrevistados nunca casados ​​eram mais prováveis ​​de estarem solitário (51%). O gênero, a educação e a etnia não estiveram relacionados à solidão. As pessoas com rendimentos mais elevados eram menos propensas a ser solitárias do que aquelas com rendimentos mais baixos.

Os entrevistados solteiros eram menos propensos a participar de atividades que criam redes sociais, como assistir serviços religiosos, voluntariado, participação em uma organização comunitária ou tempo gasto em um hobby.

A solidão foi um preditor significativo de saúde precária. Aqueles que classificaram sua saúde como "excelente" eram muito menos propensos a ser solitários do que aqueles que avaliaram sua saúde como "pobres" (25% vs. 55%).

Talvez nenhum outro grupo etário sinta a 
ansiedade da solidão mais do que os idosos

Isolamento social


O isolamento social é definido como um estado de completa ou quase total falta de contato entre um indivíduo e a sociedade ( 8 ). Ele inclui viver sozinho, ficar em casa por longos períodos, não ter comunicação com familiares, conhecidos ou amigos e evitar o contato com outros humanos.

O isolamento social pode ter efeitos significativos na saúde e no bem-estar.

Há quase trinta anos, House, Landis e Umberson publicaram uma revisão histórica de possíveis estudos epidemiológicos de isolamento social em humanos ( 9 ). Eles relataram que o isolamento social era um fator de risco significativo para morbidade e mortalidade. Eles até sugeriram que o isolamento social era um fator de risco tão forte quanto o tabagismo, obesidade, estilo de vida sedentário e hipertensão arterial.

Mas por que o isolamento social está associado à falta de saúde?

A "hipótese do controle social" pode fornecer algumas respostas. A teoria afirma que bons comportamentos de saúde podem ser promovidos pelo controle social direto ( 10 ). Por exemplo, um estudo mostrou que entre as mulheres, o controle social direto (ou seja, com que frequência alguém lhe diz ou lembra que você faça algo para proteger sua saúde?) previu aumento da atividade física três anos depois ( 11 ).

Ser casado está associado a uma maior probabilidade de se envolver em comportamentos que promovam a saúde, como o exercício ( 12 ), presumivelmente porque os parceiros conjugais exercem alguma influência sobre esses comportamentos.

A Relação entre Solidão, Isolamento Social e Saúde Ruim


Muitos estudos científicos indicaram uma associação entre isolamento social, solidão e doença cardíaca.

Os estudos demonstraram que a solidão está associada a atividade física diminuída ( 13 ), depressão ( 14 ), sono interrompido e comprometimento do funcionamento diurno ( 15 ), pressão arterial elevada ( 16 ), comprometimento da função mental e cognitiva e aumento do risco de demência ( 17 ). A solidão pode mesmo alterar nossa resposta imune, aumentando o risco de doença ( 18 ).

Além disso, há evidências de que a solidão pode contribuir para o declínio funcional e a morte prematura independentemente de outros fatores físicos, comportamentais ou psicológicos ( 19 ).

Uma revisão recente da associação entre o estado civil e a doença cardiovascular apresenta melhores resultados para as pessoas casadas. Os homens solteiros geralmente tinham os resultados piores ( 20 ).

O estudo também descobriu que o tabagismo, um grande risco para a saúde do coração, foi maior entre os divorciados. As pessoas viúvas apresentaram as maiores taxas de pressão alta, diabetes e exercício inadequado. A obesidade era mais prevalente naqueles que eram solteiros ou divorciados, e as pessoas viúvas sofriam as maiores taxas de diabetes, hipertensão arterial e exercício inadequado.

É bem provável que se você tiver um cônjuge, pode estar mais disposto a cuidar de si mesmo. Você pode ser menos propenso a fumar e ser mais compatível com uma dieta saudável e hábito de exercícios. Você pode até estar mais disposto a seguir as recomendações médicas. O fato de os casados ​​cuidarem um do outro pode ser importante.

O efeito Roseto


A história dos rosetanos pode ajudar a compreender a importância das relações familiares e do ambiente social para o risco de doença cardíaca ( 21 ).

Roseto é uma cidade italiana-americana no leste da Pensilvânia. No início da década de 1960, um médico local, o Dr. Benjamin Falcone, que praticava em Roseto havia 17 anos, apontou que raramente via um caso de ataque cardíaco em qualquer dos 1600 habitantes de Roseto menores de 65 anos. Posteriormente foi confirmado que, de 1955 a 1965, a taxa de mortalidade por ataque cardíaco foi significativamente menor do que nas comunidades próximas e no resto do país.

No entanto, os fatores de risco habituais não eram menos comuns em Roseto do que em outros lugares. Os homens passaram seus dias trabalhando perigosamente em minas de ardósia subterrâneas. Fumar era comum. A comida tradicional italiana tinha sido americanizada e não podia ser considerada saudável para o coração. Então, por que os Rosetanos não morriam por ataques cardíacos?

Dr. Stewart Wolf e colegas de trabalho descreveram a estrutura social e familiar dos habitantes de Roseto:

A Roseto que vimos no início da década de 1960 era sustentada pelo valor tradicional dos moradores do sul da Itália. A família, e não o indivíduo, era a unidade de sua sociedade. A comunidade era sua base de operações e cada habitante sentia a responsabilidade pelo seu bem-estar e qualidade. A maioria das famílias continha três gerações.
Os rosetanos eram orgulhosos e felizes, generosos, hospitaleiros e prontos para celebrar qualquer pequeno triunfo de seus cidadãos. Os idosos não só eram apreciados, mas, em vez de serem aposentados das responsabilidades familiares e comunitárias, eram promovidos ao "Supremo Tribunal". Não havia escassez de estresse entre os rosetanos. Eles experimentavam muitos dos mesmos problemas sociais e conflitos pessoais que seus vizinhos, mas eles tinham uma filosofia de coesão com poderoso apoio da família e dos vizinhos e convicções religiosas profundas para protegê-los contra e neutralizar as tensões.

O efeito de Roseto é um termo usado para descrever o fenômeno pelo qual uma comunidade estreita experimenta uma taxa reduzida de doença cardíaca.

Intervenções para reduzir a solidão e o isolamento social


Muitos tipos de intervenções foram desenvolvidas para combater o isolamento social e a solidão ( 22 ). Infelizmente, há pouca evidência para mostrar que eles funcionam. No entanto, a qualidade da evidência é fraca, e são necessárias mais pesquisas para fornecer dados mais robustos sobre a eficácia das intervenções.

"Expanda seus círculos - Evite o isolamento e a solidão enquanto envelhece"
Uma brochura destinada a delinear fatores de risco e etapas 
que os idosos podem tomar para evitar solidão e isolamento

Uma parte do problema é que os mecanismos pelos quais a solidão e o isolamento social impactam a saúde não são bem compreendidos.

As autoridades nacionais e internacionais de saúde pública estão cada vez mais reconhecendo a importância de abordar o isolamento social e a solidão entre pessoas mais velhas.

A Campanha para Acabar com a Solidão  foi estabelecida no Reino Unido em 2011 ( 22 ). É uma rede de organizações nacionais, regionais e locais, e de pessoas que trabalham em conjunto através da ação comunitária, boas práticas, pesquisa e políticas para garantir que a solidão seja vista como uma prioridade de saúde pública a nível nacional e local.

Em 2016, a Associação Nacional de Agências de Área sobre Envelhecimento (n4a) e a Fundação AARP ( 23 ) lançaram uma campanha para conscientizar o crescente problema do isolamento social e da solidão em americanos mais velhos nos Estados Unidos . Foi criada uma brochura para descrever os fatores de risco e os passos que os idosos podem tomar para evitar a solidão e o isolamento ( 24 ).

Resumindo

Embora a solidão seja geralmente associada ao isolamento social, é importante discriminar entre os dois. O isolamento social refere-se a uma falta de contato com outras pessoas, enquanto a solidão indica um estado de espírito.

Apesar dessas diferentes definições, existe uma sobreposição significativa entre isolamento social e solidão. Por isso, os termos são frequentemente utilizados indiferentemente.

Estudos sugerem que 35% dos americanos podem ser categorizados como solitários. Com o crescente número de pessoas mais velhas, a solidão e o isolamento social deverão se tornar mais comuns

A solidão e o isolamento social estão associados ao aumento do risco de mortalidade precoce. Portanto, a solidão pode ser considerada como um assassino escondido e pode ameaçar a saúde pública tanto quanto a obesidade e o tabagismo.

É necessário um maior reconhecimento dos vínculos entre a saúde e a solidão.

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores