A gordura saturada vai matar suas células?

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Mark Sisson



Independentemente do tipo de evidência que venha em contrário, a seita anti-gordura saturada não renunciará ao seu dogma. Sempre que seu avanço é rejeitado - talvez por um estudo observacional que mostre a falta de relações entre ingestão de gordura saturada e doença cardíaca, ou um estudo que mostre os efeitos benéficos da gordura saturada em múltiplos marcadores de saúde - eles se reúnem e tentam outra rota. O mais recente é um estudo que vários leitores me enviaram, preocupados com o fato de o ataque finalmente ter rompido as defesas. Nele, os pesquisadores sugerem que a gordura saturada aumenta a solidez e rigidez das membranas celulares, reduzindo a fluidez da membrana e, eventualmente, levando à morte celular.

É verdade? Já perdemos? Sobre o que foi esse estudo?

Primeiro, há isso. Eles não estavam lidando com humanos vivos ou mesmo com animais inteiros alimentados com manteiga ou óleo de coco. Eles extraíram células vivas e banharam-nas em soluções de diferentes concentrações de ácidos graxos para ver como isso afetaria a concentração lipídica das membranas celulares.

Este estudo centrou-se no retículo endoplasmático (RE), que representa cerca de metade da membrana celular e possui alta atividade metabólica. O RE produz lipídios e hormônios e contém ribossomos que sintetizam proteínas. É uma parte importante da célula e precisa da quantidade certa de fluidez para realizar suas tarefas. Não muito rígido, não muito líquido.

O desenho do estudo parece um pouco bobo: as nossas células são realmente "banhadas" em ácidos graxos?

Antes de você cantar certa vitória, este não é um cenário que nunca aconteceria na natureza. Eles não estavam simplesmente forçando gordura saturada nas membranas. Eles realmente descobriram que expor as células a diferentes gorduras tem efeitos diferentes sobre a síntese lipídica celular - a criação de gorduras nas membranas. Com mais gordura saturada (ácido palmítico, neste caso), por exemplo, as células sintetizaram mais gorduras saturadas e incorporaram-na nas membranas.

O que aconteceu?

Quanto mais ácido palmítico ao qual uma célula foi exposta, e quanto mais longa a exposição, mais saturada e menos fluida se tornaria a membrana celular. Isso não foi bom. Uma membrana celular precisa ser fluida para que ele execute suas funções. As membranas sólidas acabarão por matar a célula.

Então, gordura saturada é ruim de novo?

Não é bem assim. Devemos ter em mente que a maior fluidez nem sempre é desejável. Em alguns pacientes com Alzheimer, por exemplo, as plaquetas e células cerebrais são excessivamente fluidas .

E, finalmente, este não era um estudo de dieta. Eles não estavam dando fontes de gordura para animais ou seres humanos comerem e estudando os efeitos da fluidez da membrana celular. Não há indicação de que os ambientes celulares que criaram tenham alguma relação com os ambientes celulares que criamos comendo diferentes gorduras. Quando você faz isso em seres humanos reais, a fluidez dos ácidos graxos alimentares consumidos não tem relação com acidentes vasculares cerebrais ou risco de ataque cardíaco. A fluidez do plasma, que é um cenário mais semelhante ao examinado neste estudo, tem. A próxima fase deste estudo precisaria examinar como os alimentos que comemos afetam a fluidez de nossas membranas.

Eu não acho que vai mostrar o que eles esperam.

Depois de tudo isso dito, é uma boa idéia comer uma mistura de ácidos graxos. Muitos estudos mostram que a incorporação de gorduras monoinsaturadas ou poliinsaturadas em membranas celulares ricas em gorduras saturadas normaliza sua função. Precisamos de ambos. Nós precisamos de todas elas. Oras, o estudo apresentado nesta publicação obteve os mesmos resultados adicionando um pouco de ácido oleico ou DHA à sopa de ácido palmítico. Ele normalizou completamente a fluidez da membrana e, em suas palavras, conseguiu "resgatar a citotoxicidade" do ácido palmítico.

Vemos isso aparecer em outros estudos. O ácido palmítico isolado tem uma série de efeitos bem ruins sobre a saúde, enquanto a adição de diferentes gorduras altera o jogo inteiramente:

  • Um exemplo é que o ácido palmítico puro reduz a atividade do receptor de LDL, o que pode aumentar a concentração de partículas de LDL no sangue e aumentar a chance de se oxidar e danificar as paredes endoteliais. Mas se você adicionar um pouco de ácido oleico, a atividade do receptor LDL se normaliza.
  • Outro é que o ácido palmítico é tóxico para as células musculares, prejudicando a absorção de glicose e aumentando a resistência à insulina. Mas se você adicionar um pouco de ácido araquidônico (um ômega-6 encontrado na maioria dos alimentos de origem animal), a lipotoxicidade desaparece.
  • O ácido palmítico puro também desencadeia uma cascata inflamatória que interrompe a sinalização de insulina e parece muito com o pré-diabetes. É bom acrescentar que um pouco de ácido oleico bloqueia a inflamação.

Essa é uma situação mais realista para nossas membranas celulares. E, embora seja fácil ficar preso em resultados assustadores de pesquisa, temos que entender que as situações que eles desenvolvem não são representativas da realidade de acordar, comer e andar. Não comemos ácido palmítico puro. Nós comemos alimentos contendo dezenas de ácidos graxos diferentes. Praticamente o único momento em que temos um enorme influxo de ácido palmítico puro é quando comemos muitos carboidratos e nosso fígado converte o excesso em ácido palmítico. Assim, o azeite não nos "resgata" do ácido palmítico que comemos. Tudo é apenas alimento. O "resgate" vem incorporado, enquanto você estiver comendo alimentos e não produtos alimentícios.

A menos que você tenha um fracionador de ácidos graxos para isolar seu próprio ácido palmítico, e injetar diretamente em seu sangue, não se preocupe com isso.

Apenas continue comendo sua dieta paleo/primal - e as diversas gorduras contidas nela:


E continue fazendo todas as outras coisas boas que você já faz.

Tudo ficará bem.

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores