A esquecida arte de agachar-se é uma revelação para os corpos arruinados por ficarem sentados

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Rosie Spinks

Um garoto em Delhi, Índia, parece inteiramente confortável na posição

As sentenças que começam com a frase "Um guru uma vez me disse..." fazem, na maioria das vezes, as sobrancelhas se levantarem. Mas recentemente, enquanto descansava em malasana, ou um agachamento profundo, em uma aula de ioga em Londres, fiquei impressionada com a segunda metade da frase do instrutor: "Um guru uma vez me disse que o problema com o Ocidente é que eles não se agacham".

Isso é claramente verdade. Em grande parte do mundo desenvolvido, descansar é sinônimo de sentar-se. Sentamo-nos em cadeiras à mesa, comemos em cadeiras de jantar, viajamos sentados em carros ou trens, e depois voltamos para casa para assistir a Netflix em sofás confortáveis. Com breves períodos de descanso para andar de uma cadeira para outra, ou intervalos curtos para exercícios frenéticos, passamos nossos dias principalmente sentados. Essa devoção em colocar nossas costas em cadeiras nos torna pontos fora da curva, global e historicamente. No último meio século, os epidemiologistas foram forçados a mudar a forma como estudam os padrões de movimento. Nos tempos modernos, a quantidade total de tempo que passamos sentados é um problema separado da quantidade de exercícios que praticamos.

Nossa falta de agachamento tem implicações biomecânicas e fisiológicas, mas também aponta para algo maior. Em um mundo onde passamos tanto tempo perdidos em nossas cabeças, na nuvem, em nossos telefones, a ausência de agachamento deixa-nos desprovidos da força que a postura providenciou desde que nossos antepassados ​​hominídeos se levantaram do chão. Em outras palavras: se o que queremos é estar bem, talvez seja hora de nos abaixarmos.

Para ser claro, o agachamento não é apenas um artefato da nossa história evolutiva. Uma grande parcela da população do planeta ainda faz isso diariamente, seja para descansar, orar, para cozinhar, para compartilhar uma refeição ou para usar o banheiro. (Os banheiros de estilo "francês" são a norma na Ásia, e as latrinas de fossa em áreas rurais em todo o mundo exigem um agachamento). Ao aprenderem a caminhar, os meninos de Nova Jersey a Papua Nova Guiné agacham-se e se levantam de uma agachamento com graça e facilidade. Nos países onde os hospitais não são generalizados, o agachamento também é uma posição associada à parte mais fundamental da vida: o nascimento.

Não é especificamente o Ocidente que já não se agacha; São as classes médias e ricas em todo o mundo. O meu colega, Akshat Rathi, originário da Índia, observou que a observação do guru seria "tão verdadeira entre os ricos nas cidades indianas quanto no Ocidente".

Mas nos países ocidentais, populações inteiras - ricas e pobres - abandonaram a postura. No geral, o agachamento é visto como uma postura indigna e desconfortável, que evitamos inteiramente. Na melhor das hipóteses, podemos fazer durante o Crossfit, pilates ou enquanto agachamos na academia, mas apenas parcialmente e muitas vezes com pesos (uma manobra repetitiva que é difícil imaginar que seria útil há 2,5 milhões de anos). Isso ignora o fato de que o agachamento profundo como uma forma de repouso ativo está forjado no nosso passado evolutivo: não é que você não consiga abaixar-se confortavelmente em um agachamento profundo, é só que você esqueceu como.

"O jogo começou com agachamento", diz o autor e osteopata Phillip Beach. Ele é conhecido por ser pioneiro na idéia de "posturas arquetípicas". Essas posições - que, além de um agachamento passivo profundo com os pés planos no chão, incluem sentar-se com as pernas cruzadas e ajoelhar-se sobre os joelhos e os calcanhares - não são apenas bons para nós, mas "profundamente inseridos na forma como nossos corpos são construídos".

"Você realmente não entende os corpos humanos até perceber o quão importante são essas posturas", diz Beach, que vive em Wellington, Nova Zelândia. "Aqui na Nova Zelândia é frio, molhado e enlameado. Sem calças modernas, eu não gostaria de colocar meu traseiro na lama fria e molhada, então [na ausência de uma cadeira] eu passaria muito tempo agachando-me. O mesmo acontece com o banheiro. Todo o caminho da sua fisiologia é construído em torno dessas posturas".

Na maior parte do mundo, agachar-se é tão normal quanto sentar-se

Então, por que o agachamento é tão bom para nós? E por que muitos de nós pararam de fazer?

Trata-se de uma simples questão de "usá-lo ou perdê-lo", diz o Dr. Bahram Jam, fisioterapeuta e fundador do Advanced Physical Therapy Education Institute (APTEI) em Ontário, no Canadá.

"Toda articulação em nosso corpo possui fluido sinovial nela. Este é o óleo em nosso corpo que fornece nutrição para a cartilagem", diz Jam. "Duas coisas são necessárias para produzir esse fluido: movimento e compressão. Então, se uma articulação não passa por sua amplitude completa - se os quadris e os joelhos nunca passam 90 graus - o corpo diz "não estou sendo usado" e começa a degenerar e interrompe a produção de líquido sinovial".

Um sistema musculoesquelético saudável não nos faz apenas sentir-nos leves, também tem implicações para a saúde em geral. Um estudo de 2014 no European Journal of Preventive Cardiology descobriu que os sujeitos de teste que mostraram dificuldade em se levantar do chão sem apoio de mãos, ou cotovelo ou perna (o que é chamado de "teste de elevação") resultaram em um a expectativa de vida três anos menor do que sujeitos que se levantaram com facilidade.

No Ocidente, a razão pela qual as pessoas pararam de se agachar regularmente tem muito a ver com o nosso design do banheiro. Buracos no chão, "casinhas" e penicos exigiam a posição de agachamento, e os estudos mostram que uma maior flexão do quadril nesta pose está correlacionada com menos esforço ao se aliviar. Os banheiros sentados não são, de modo algum, uma invenção britânica - os primeiros banheiros simples datam da Mesopotâmia no quarto milênio AC, enquanto os antigos minoênios na ilha de Creta teriam sido pioneiros criando a descarga - que foi adotada pela primeira vez na Grã-Bretanha os Tudors, que instituíram os "cuidadores da evacuação" para ajudá-los a se aliviarem em vasos sanitários ornamentados e semelhantes a tronos, no século XVI.

Os 200 anos seguintes viram inovações lentas e desiguais no banheiro, mas em 1775 um relojoeiro chamado Alexander Cummings desenvolveu um tubo em forma de S que ficava embaixo de uma cisterna elevada, um desenvolvimento crucial. Não foi até depois dos meados do final dos anos 1800, quando Londres finalmente construiu um sistema de esgoto funcional após persistentes surtos de cólera e do "grande fedor" de 1858, que todos os banheiros sentados, completamente embutidos, começaram a aparecer comumente nas casas das pessoas.

Hoje, os banheiros com descarga em estilo "agachamento" encontrados em toda a Ásia são, é claro, não menos higiênicos do que os homólogos ocidentais. Mas Jam diz que a mudança européia para o design da privada sentada roubou da maioria dos ocidentais a necessidade (e, portanto, a prática diária) de agachar-se. Na verdade, a constatação de que o agachamento leva a melhores movimentos intestinais alimentou a popularidade de culto do Lillipad e do Squatty Potty, plataformas elevadas que transformam um banheiro de estilo ocidental em um de estilo agachamento e permitem que o usuário sente-se em uma posição flexionada que imita um agachamento.

"O motivo do agachamento ser tão desconfortável porque não o fazemos", diz Jam. "Mas se você for ao banheiro uma ou duas vezes por dia para um movimento intestinal e cinco vezes por dia para a função da bexiga, isso representa cinco ou seis vezes por dia que você se agachou".

Embora esse desconforto físico possa ser o principal motivo pelo qual não agachamos mais, a aversão do Oeste ao agachamento também é cultural. Embora agachar-se ou senta-se de pernas cruzadas em uma cadeira de escritório seja ótimo para a articulação do quadril, o guarda-roupas do trabalhador moderno - para não mencionar a etiqueta formal do escritório - geralmente torna esse tipo de postura inviável. O único momento em que esperamos que um líder ocidental ou um político eleito se aproximem do chão é para uma foto com crianças fofas do jardim de infância. De fato, as pessoas que vemos agachadas na calçada em uma cidade como Nova York ou Londres, tendem a ser os tipos de pessoas pelos quais passamos sem dar nenhuma atenção.

"É considerado primitivo e de status social baixo agachar-se em algum lugar", diz Jam. "Quando pensamos em agachamento, pensamos em um camponês na Índia, ou em um povo tribal de alguma aldeia africana, ou no chão sujo da cidade. Nós pensamos que evoluímos para além disso - mas, na verdade, nós nos involuímos".

Avni Trivedi, uma doula e osteopata com sede em Londres (divulgação: eu a visitei no passado para minhas próprias dores induzidas por sentar) diz que o mesmo é verdade para o agachamento como posição de parto, que ainda é proeminente em muitas partes do mundo em desenvolvimento e é cada vez mais defendida por movimentos holísticos de nascimento no Ocidente.

"Em uma posição de parto agachada, os músculos relaxam e você está permitindo que o sacro tenha movimento livre para que o bebê possa empurrar para baixo, com a gravidade desempenhando um papel também", diz Trivedi. "Mas a percepção de que esta posição era primitiva é porque as mulheres passaram dessa posição ativa para estar na cama, onde elas tem menos controle corporal e menos ação no processo de parto".

No ocidente, crianças agacham-se com facilidade. Por que seus pais não conseguem?

Então, devemos substituir o sentar pelo agachar e dizer adeus às nossas cadeiras de escritório para sempre? Beach aponta que "qualquer postura realizada por muito tempo causa problemas" e há estudos que sugerem que as populações que passam tempo excessivo em um agachamento profundo (horas por dia) têm maior incidência de problemas de joelho e osteoartrite.

Mas para aqueles de nós que abandonaram em grande medida o agachamento, ele diz: "você não pode realmente exagerar isso". Além desse tipo de movimento, melhorando nossa saúde e flexibilidade articular, Trivedi ressalta que um crescente interesse por yoga no mundo seja talvez parte do reconhecimento de que "estar no chão ajuda você a se ligar fisicamente a si mesmo" - algo que está faltando em grande parte de nossas vidas dominadas por hiper-intelectualização e pelas telas.

Beach concorda que esta não é uma tendência, mas um impulso evolutivo. Os movimentos modernos de bem-estar estão começando a reconhecer que a "vida no chão" é a chave. Ele argumenta que o ato físico de agachar-se foi nada menos que instrumental para a formação da nossa espécie.

Em certo sentido, o agachamento é o lugar de onde os seres humanos - cada um de nós - vieram, por isso é importante que o revisitemos sempre que pudermos.

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores