No fim das contas, o diabetes tipo 1 pode ser reversível?

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Chris Kresser

Embora o diabetes tipo 2 seja conhecido como reversível com dieta e as mudanças de estilo de vida, o diabetes tipo 1 tem sido considerado uma condição permanente que requer dependência de insulina ao longo da vida. Excitantemente, um novo estudo publicado apenas no mês passado (1) sugere que uma "dieta que imita o jejum" poderia efetivamente reverter a patologia do diabetes tipo 1 em camundongos. Embora o potencial para traduzir essas descobertas para os seres humanos ainda não esteja claro, este é um estudo tão importante que queria tirar um tempo para analisá-lo peça por peça. Primeiro, porém, um pouco de pano fundo para preparar o cenário.

O que é mesmo uma dieta que imita o jejum?


Sabemos que o jejum de água só proporciona muitos benefícios para a saúde, incluindo redução da glicemia, regeneração do sistema imunológico e manutenção celular (2). Mas o jejum prolongado é difícil para a maioria das pessoas e pode causar efeitos adversos na saúde física e mental devido à sua natureza extrema. Os pesquisadores têm tentado desenhar dietas que imitam os benefícios fisiológicos do jejum prolongado sem o ônus da restrição alimentar completa.

Este tipo de dieta é chamado de FMD (N.T.: sigla em inglês para Fasting Mimicking Diet). É uma dieta muito baixa em calorias, com pouca proteína e muita gordura, que causa alterações na glicose, corpos cetônicos e fatores de crescimento específicos, semelhantes aos observados durante o jejum prolongado somente com água. FMD é caracterizada por ciclos de restrição calórica e realimentação. Por exemplo, nos modelos aplicados em ratos, os pesquisadores restringem a quantidade de alimentos à qual os ratos têm acesso durante quatro dias, seguido de três dias de alimentação sem restrições por semana. Nos seres humanos, um ciclo de FMD consiste de cinco dias de restrição, e a alimentação é retomada como de costume durante o resto do mês. Isso geralmente é repetido por três meses (3).

Em breve vamos passar aos resultados do estudo para analisar os efeitos intrigantes de uma FMD. Mas primeiro, vamos analisar brevemente o que acontece com o corpo no diabetes tipo 1.

Anatomia do pâncreas e diabetes tipo 1


O pâncreas contém regiões chamadas ilhotas, que são grupos densos de células responsáveis ​​pela secreção de hormônios. Os dois tipos principais de células endócrinas são:
  • células β produtoras de insulina
  • células α produtoras de glucagon
As células β pancreáticas estão entre as células mais sensíveis ao estado nutricional. Quando você come uma refeição, eles liberam insulina, o que ajuda a transportar a glicose da corrente sanguínea para as outras células, para serem usadas para a produção de energia. Entre as refeições, o glucagon ajuda a manter um nível mínimo de glicose em circulação.

O diabetes tipo 1 é uma condição auto-imune em que o próprio sistema imunológico do corpo ataca e destrói as células β produtoras de insulina do pâncreas. É amplamente aceito que as células β de um pâncreas adulto se replicam a uma taxa extremamente baixa (4, 5) e que a formação de novas células β ocorre muito raramente (6). A depleção de células β e a perda resultante de secreção de insulina características do diabetes tipo 1, portanto, são consideradas irreversíveis.

Os desenvolvimentos dramáticos na terapia com células-tronco podem ter potencial para tratar o diabetes tipo 1, mas este procedimento invasivo exigiria a remoção completa do pâncreas disfuncional, o transplante de células-tronco e a ativação de um programa genético complexo para gerar umo novo. Entra em cena a dieta que imita o jejum.

Os resultados estão em: FMD reverte a diabetes tipo 1 em camundongos


Eu sei que esta é a parte que você está esperando, então vamos entender. Os pesquisadores usaram um modelo de diabetes tipo 1 em ratos, no qual os cientistas usam altas doses do medicamento streptozotocina (STZ) para provocar a depleção das células β (7). Apenas cinco dias de tratamento com STZ foram suficientes para elevar a glicemia, momento em que os pesquisadores colocaram metade dos ratos no primeiro ciclo da FMD. A outra metade dos ratos foi permitida comer sem restrições.

FMD restaura o controle de glicose dependente de insulina

Nos camundongos tratados com STZ que comeram o quanto quiseram, os níveis de glicose no sangue continuaram a disparar. Em contraste, os ratos que receberam ciclos regulares de FMD apresentaram glicemia e insulina que retornaram a níveis quase normais por volta do dia 50. Além disso, os testes de tolerância à glicose nesse ponto de tempo confirmaram que os ciclos de FMD em camundongos melhoraram a capacidade de limpar o excesso de glicose do sangue .

FMD melhora o perfil de citocinas

Eles decidiram também medir outras substâncias no sangue. Analisar moléculas de sinalização imunológica chamadas citocinas pode nos contar muito sobre como o sistema imunológico está interagindo com o resto do corpo. Neste estudo, eles descobriram que os ratos nos ciclos regulares de FMD reduziram as citocinas associadas à inflamação e ao dano das células β (TNFa, IL-12) e aumentaram os níveis de citocinas anti-inflamatórias associadas à regeneração de células β (IL-2, IL-10).

FMD desencadeia a regeneração de células β pancreáticas

Tudo isso é ótimo, mas o que os pesquisadores realmente queriam saber era se a melhora no controle de glicose no sangue e as alterações nas citocinas seria refletida em mudanças funcionais no pâncreas. Usando técnicas de coloração celular, eles descobriram que o tratamento com STZ resultou em uma diminuição dramática (85%) no número de células β secretoras de insulina e um aumento de células não-produtoras de hormônios. Mas com apenas alguns ciclos de FMD de restrição calórica e realimentação, muitas dessas células não-α / β foram re-diferenciadas em células β funcionais, secretoras de insulina (1)!

Voltando no tempo: despertando genes embrionários


Como a FMD fez isso? Os pesquisadores também estavam curiosos e se perguntavam se a epigenética era responsável. Eles analisaram alguns dos tecidos pancreáticos dos camundongos e usaram seqüenciamento de RNA para determinar quais genes estavam sendo expressados. Eles descobriram que a FMD é capaz de "voltar o relógio", promovendo um perfil de expressão genética em camundongos adultos que normalmente só é observado durante o desenvolvimento embrionário e fetal. Esta é uma descoberta surpreendente.

Já abordei a epigenética antes - a idéia de que a expressão de certos genes pode ser ativada ou desativada, dependendo de quais estímulos estão presentes. Essencialmente, o plano genético para a construção de um pâncreas está presente em todas as células do corpo, desde o útero até a idade adulta, assim como o plano para cada órgão e estrutura do seu corpo. Mas este modelo genético só é ativado em certos momentos e em certas células, quando os sinais adequados estão presentes.

Por exemplo, no desenovlivmento normal de ratos, as células pancreáticas progenitoras expressam as proteínas Sox17 e Pdx1 por volta do dia embrionário 8.5. Algumas dessas progenitoras pancreáticas são convertidas em células endócrinas precursoras, que por sua vez expressam a proteína Ngn3 entres os dias embrionários 11.5 e 18. Essas precurssoras que expressam Ngn3 em última análise dão origem a todas as células endócrinas das ilhotas. As proteínas envolvidas não são mais expressadas uma vez que o rato chega à idade adulta.

No entanto, os resultados deste estudo sugerem que uma FMD pode induzir a expressão desse desenvolvimento embrionário e marcadores de reprogramação de células β. Quando os pesquisadores realizaram as experiências novamente, mas destruíram intencionalmente a linhagem de células Ngn3, descobriram que a regeneração de células β induzidas pela FMD não ocorreu. Isso sugere que a reprogramação epigenética é responsável pela melhora da tolerância à glicose e regeneração de ilhotas (1).

Além dos camundongos: regeneração no pâncreas humano


Ok, então a FMD reverte o diabetes tipo 1 em camundongos. E quanto aos humanos? Infelizmente, é muito difícil medir a regeneração de um pâncreas em humanos vivos, uma vez que não podemos coletar tecido humano, como podemos fazer o tecido dos ratos. Em vez disso, os pesquisadores realizaram experimentos ex vivo (fora do corpo) em ilhotas pancreáticas humanas cultivadas de pessoas saudáveis ​​e diabéticos de tipo 1.

Engenhosamente, eles colocaram cinco indivíduos humanos em uma FMD com duração de cinco dias e coletaram amostras de sangue no início e no dia cinco da dieta. As amostras de soro sanguíneo pós-FMD apresentaram níveis mais elevados de fatores de crescimento e corpos cetônicos e níveis mais baixos de glicose, conforme esperado. Os pesquisadores então levaram as ilhotas pancreáticas cultivadas e banharam-nas nas amostras coletadas. Tanto nas ilhotas saudáveis ​​quanto nas ilhotas diabéticas tipo 1 expostas ao soro tratado com FMD, houve uma tendência para a indução dependente de glicose dos genes embrionários Sox2 e Ngn3 .

Eles então tentaram aplicar meios de cultura de "imitação de jejum" comercialmente disponíveis que eram baixos em glicose e soro nas ilhotas cultivadas. Quando supridas apenas com essa pequena quantidade de glicose, a secreção de insulina foi estimulada nas ilhotas saudáveis ​​e diabéticas. Houve também alterações importantes nos marcadores de reprogramação de células β (1).

Nós deveríamos comer três vezes ao dia?


Eu escrevi antes sobre a hipótese do descompasso - a idéia de que nossos genes não acompanharam nosso estilo de vida moderno. Nossos antepassados ​​caçadores-coletores provavelmente passavam repetidamente por períodos de escassez de alimentos e sucesso de caça, e provavelmente raramente comiam três vezes por dia. A capacidade dos animais de lidar com a privação de alimentos é uma resposta adaptativa que é conservada entre as espécies. Em tempos de escassez, uma leve atrofia de tecidos e órgãos minimiza o gasto energético. Após realimentação, o corpo pode construir esses tecidos de volta ao seu volume normal (8).

Isso levanta algumas questões interessantes: a expressão desses genes "embrionários" na idade adulta realmente é anormal? Ou é possível que tenhamos a expressão transitória desses genes "embrionários" periodicamente ao longo de nossa vida? O nosso estado constantemente alimentado na maioria do mundo ocidental seria o verdadeiro padrão de expressão genética "anormal"? Eu certamente espero ver mais pesquisas nesta área, especialmente em seres humanos.

Respostas às suas perguntas ardentes


Qual é a lição de casa? Em um modelo de ratos de diabetes tipo 1, uma dieta que imita em jejum causa uma redução de curto prazo no número de células β, que retorna aos níveis normais após realimentação. Isso ocorre através da reprogramação da linhagem e da regeneração de células β, efetivamente restaurando a produção de insulina! Mudanças semelhantes foram observadas em um pâncreas humano cultivado, mas é necessária mais pesquisa para confirmar que a regeneração de células β também ocorre em seres humanos vivos.

E sobre o diabetes tipo 2? Dado que eu escrevi sobre reverter o tipo 2 com dieta, decidi focar esse artigo sobre o tipo 1. Mas a pesquisa que mostrei nesse artigo é na verdade apenas a metade dos achados desse estudo. A outra metade do experimento usou um modelo de diabetes tipo 2 em ratos, e mostrou que FMD também foi capaz de resgatar os bichinhos de estágios avançados da doença. O número de células β e a secreção de insulina foram restaurados após 6 a 8 ciclos de FMD e realimentação (1).

Onde posso experimentar FMD? A dieta, conforme estudada nos ensaios clínicos, está atualmente disponível na Prolon como um pacote específico de alimentos preparados e micronutrientes. É destinada a ser administrado sob supervisão de um médico. É muito provável que uma versão "caseira" com um número similar de calorias e composição similar de carboidratos, gorduras e proteínas tenha os mesmos efeitos, mas isso ainda não foi estudado em um ensaio clínico. Como já escrevi antes, o jejum não é adequado para todos, por isso, consulte um profissional de saúde antes de tentar isso em casa.

É realmente tão simples quanto fazer FMD? Talvez, mas provavelmente não. Se, de fato, essa pesquisa se traduz em seres humanos, uma FMD pode regenerar seu pâncreas e restaurar a produção de insulina no curto prazo, mas não impedirá o seu sistema imunológico de destruí-lo novamente. Você ainda precisaria abordar a causa raiz da doença, o que provavelmente é uma intolerância alimentar subjacente, produzindo anticorpos que reagem de forma cruzada com as células das ilhotas. Eu suporia que um FMD combinado com o protocolo paleo auto-imune poderia fazer o truque, mas isso ainda não foi testado.

Onde posso mergulhar mais fundo na pesquisa científica? Dirija-se ao blog do Instituto Kresser, onde analiso ainda mais a última pesquisa médica. Certifique-se de verificar a minha recente publicação no blog sobre os benefícios das FMD para câncer, envelhecimento, doenças metabólicas, saúde cognitiva e muito mais.

Nós certamente não temos todas as respostas ainda. Fique atento para mais discussões sobre os benefícios das FMD e como aplicá-las em sua vida. Este é certamente um tema fascinante e que continuarei a cobrir nos futuros artigos e podcasts, à medida que aprendemos mais.

Agora eu gostaria de ouvir de você. Você (ou alguém que você conhece) tem diabetes tipo 1? Essa pesquisa o surpreendeu? Gostaria de experimentar uma FMD? Deixe-nos saber nos comentários!

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores