A saúde ancestral está virando conhecimento convencional?

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Chris Kresser


Não muito tempo atrás, o conceito de "saúde ancestral" era encarado com ceticismo completo. A resposta geral era que a expectativa de vida curta de nossos antepassados ​​"provava" que eles viviam com uma saúde ruim. Mas um interesse renovado em estudar a saúde das tribos modernas de caçadores-coletores está sinalizando uma mudança no pensamento convencional.

Quando eu publiquei "Your personal paleo code" em 2013 (agora rebatizado "The Paleo Cure"), a idéia central do livro – que a incompatibilidade entre nossos genes e o ambiente moderno é o principal causador das doenças crônicas – encontrou ceticismo e crítica nos meios de comunicação populares.

Tanto a imprensa dominante quanto a medicina convencional pareciam ainda mais duvidosos da premissa de que podemos aprender algo útil ao estudar a dieta e o estilo de vida de nossos antepassados ​​caçadores-coletores ou de grupos contemporâneos que mantiveram suas formas tradicionais. Lembre-se dos artigos ridiculizando a "dieta das cavernas"? Você não precisa voltar muito longe; na verdade, eles ainda estão lá.

Mas a maré está finalmente virando.

Estudos sobre os caçadores-coletores Tsimane sublinham o conceito de saúde ancestral

Recentemente, dois artigos foram publicados no New York Times, examinando a ausência de doença crônica nos Tsimane, uma população caçadores-coletores da Bolívia que também pratica agricultura de subsistência.

O primeiro artigo, "Aprendendo com os erros de saúde cardíaca dos nossos pais", informou sobre um estudo que mostra que os Tsimane têm uma prevalência de aterosclerose 80% menor que os americano e que 9 em cada 10 adultos de Tsimane entre 40 e 94 anos têm artérias completamente limpas e nenhum risco de doença cardíaca.

O segundo artigo, "Uma antiga cura para a doença de Alzheimer?", especulou que o ApoE4, um genótipo que confere um maior risco de doença de Alzheimer no mundo industrializado, parece ter o efeito oposto nos Tsimane – talvez porque protege seus cérebros dos parasitas pelos quais eles são comumente infectados.

O que mais me interessou sobre esses artigos, no entanto, não foi seu conteúdo, mas seu contexto: a aceitação da hipótese da "incompatibilidade" como um princípio fundamental do campo da medicina evolutiva, ao invés de uma teoria maluca propagada por blogueiros paleo. Do artigo sobre Alzheimer:

Os cientistas muitas vezes se referem a esses lugares como "estranhos" – ocidentalizados, educados, industrializados, ricos e democráticos – e salientam que nossos corpos ainda são projetados para o ambiente "não-estranho" em que nossa espécie evoluiu. Contudo, não sabemos quase nada sobre como a demência afetava os seres humanos durante os 50 mil anos anteriores a desenvolvimentos como antibióticos e agricultura mecanizada. Estudar os Tsimane, acredita o Dr. Trumble, poderia esclarecer essa praga moderna.

Imagine isso! Ao invés de ridicularizar a idéia de que possamos ter algo a aprender com os caçadores-coletores, esses artigos a estão afirmando. Eles ainda colocaram de lado a velha afirmativa de que os caçadores-coletores não têm "doenças da civilização" como diabetes e doenças cardiovasculares porque não vivem o suficiente para desenvolvê-las:

Os Tsimane sofrem de altas taxas de mortalidade infantil, mas aqueles que atingem a idade adulta vivem tanto quanto a maioria das outras pessoas, permitindo medir seus resultados de saúde até 90 anos e além.

Uau! Em que universo estamos vivendo? Isso apenas mostra que a mudança é realmente possível – mesmo quando parece improvável.

Daqui a pouco a Associação Americana de Cardiologia admitirá que a gordura saturada não é o bicho-papão que eles sempre apontaram, e a Associação Americana do Diabetes deixará de recomendar dietas com alto teor de carboidratos e baixo teor de gordura para os diabéticos.

Vai saber, coisas estranhas aconteceram ...

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores