Kibe lowcarb

Essa é a foto de um kibe tradicional. O meu, lowcarb, ficou mais feinho.

Desde que me entendo por gente, me perguntam se sou descendente de árabes. A cidade onde nasci (Teófilo Otoni/MG) teve sua cota grande de imigrantes libaneses e alemães, mas até onde eu sei a minha ascendência é portuguesa, negra e indígena. O ramo português (Botelho) chegou pela Bahia no século XVIII, segundo o conhecimento familiar. O meu bisavô Luís Almeida era preto, e sei de pelo menos uma tataravó indígena, chamada Ricarda. Dos demais, o nosso passado racista/escravista me impede de saber outros detalhes :-(

De qualquer maneira, embora tenha sido chamado de "turco" um bocado de vezes, que eu saiba não há genética árabe correndo na família. Mas vocês sabem como é esse povo de sangue quente do norte e nordeste de Minas. Vai que :-)

De árabe só tem a barba

Independente disso, sempre adorei comida árabe. Tabule, esfiha, kibe, kafta, homus, babaganoush, charutos, coalhada seca, pão ázimo, falafel, tahine, e vai por aí. Com a adesão ao mundo paleo, eu abri mão do trigo e isso fez diversos desses pratos sumirem da minha vida - o que é triste, porque são bem gostosos. Mas é por uma boa causa.

Outro dia tive uma vontade arretada de comer kibe, e comecei a pensar em maneiras de fazer sem usar trigo. O Google, pai de nós todos, me deu a dica certeira: substitua o trigo por couve-flor moída. Eu fiz kibe assado por ser mais prático (leia-se: suja menos a cozinha) e ficou muito bom. Algum dia desses repetirei a dose e fritarei com banha. Nham.

Mas vamos ao que interessa: a receita!

Ingredientes:

  • 1kg de carne moída (usei patinho - deu 1.1kg na verdade)
  • 400g de couve-flor (acho que poderia ter posto mais: o kibe ficou bom, mas muito carnudo)
  • 1/2 cebola grande
  • 2 dentes de alho
  • Suco de 1 limão taiti
  • Sal a gosto (usei 1 colher de chá para a couve-flor, e mais 1 colher de sopa para a carne)

Modo de fazer:

1 - Arranje as quantidades de ingredientes (eu que sou neurótico, peso tudo)


2 - Triture a couve-flor com um processador ou liquidificador.
3 - Triture a cebola e o alho, e refogue com sal e alguma gordura (boa) à sua escolha. Eu usei banha mesmo.

Uns 3 minutos na frigideira

4 - Acrescente a couve-flor moída à frigideira, e refogue mais uns 5 minutos


5 - Espere esfriar um pouco, e misture a couve-flor, carne, suco de limão e sal. Amasse com as mãos, até os ingredientes estarem bem integrados



 6 - Molde os kibes com a mão mesmo, e disponha em uma assadeira. Eu fiz kibes grandes, porque ia assar. Se fosse fritar, teria feito menorzinhos para ficarem crocantes.


7 - Asse no forno por 45 minutos a 250C, ou até ficarem dourados. Aí é só comer até enjoar :-D


Eu me esqueci de adicionar cebolinha e hortelã (até porque não tinha em casa). Fica para a próxima. A textura do kibe assado não é tão boa, na minha opinião, quanto a do kibe frito - mas ainda assim, o resultado foi de comer e lamber os dedos. Como eu comentei lá no início, da próxima vez vou aumentar a proporção de couve-flor: em alguns momentos, a textura lembrava muito mais almôndega do que kibe :-D






Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores