Banhos de mato para a saúde: o estresse virado para o bem

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Colin Champ




Uma maneira fácil de avaliar se algo é estressante é medir os níveis de cortisona. A cortisona, o hormônio "estressante", é liberada em situações tensas e estressantes. Meu caminho para o trabalho é, aparentemente, uma das partes mais estressantes do meu dia, pois dispara minha cortisona (e açúcar no sangue). Como discutido anteriormente, o estresse crônico causa algum dano ao aumentar repetidamente este hormônio, mas o estresse agudo é realmente saudável para nós. Recentemente, encontrei-me discutindo o estresse crônico e o "banho de mato". Mas existem benefícios reais para a saúde do banho de mato?

Banho de mato para tratar o estresse


Eu sempre assumi que caminhar na floresta, ou mesmo viver perto do espaço verde tinha alguns benefícios para minha saúde. No entanto, recentemente mais e mais estudos estão revelando o benefício fisiológico e bioquímico dessas atividades simples. Por exemplo:


  1. Simplesmente ter mais espaço verde em sua casa ajuda a reduzir o estresse e os níveis de cortisol. [1]
  2. Os idosos que vivem em um ambiente urbano com acesso ao espaço verde parecem viver mais tempo do que aqueles sem ele, independentemente do seu status funcional inicial. [2]

Urbanóides - eu mesmo incluído - parecem menos propensos a procurar parques e natureza e são melhor atendidos trazendo espaço verde para suas casas e escritórios. [3] Eu tenho que concordar com este estudo, pois muitas vezes falo sobre ir ao parque gigante de 260 hectares nas proximidades da minha casa, para me banhar em seu verde, mas mais frequentemente ando pela cidade com o cachorro.

Os benefícios anti-estresse de caminhar na natureza são óbvios, e eu não preciso ficar sentindo o cheiro de carvalho e ouvindo os pássaros cantar para reconhecê-los. Com que frequência você sai de uma floresta sentindo-se qualquer coisa menos que "recarregado"? Não surpreendentemente, a maior parte dos dados sobre o banho de mato revela benefícios significativos para a saúde mental. [4] Eu me sinto de melhor imediatamente. Mas o que acontece em uma escala fisiológica?

Além da pequena redução na cortisona, outras mudanças acontecem no fundo do meu corpo?

As semelhanças entre banho de floresta e comer legumes


Um dos benefícios mais significativos de alimentos, como especiarias e vegetais crucíferos (couve-flor, brócolis, repolho...) é a sua capacidade de "estressar" nossas células, sinalizando-lhes para armar suas defesas contra invasores, como infecções e câncer. O resultado é um sistema imunológico mais forte que é mais capaz de combater inimigos e radicais livres nocivos. Surpreendentemente, o banho de floresta pode ter benefícios semelhantes.

Quando Bum Jin Park e seus colegas, da Universidade Chiba no Japão, realizaram experiências de campo em 24 florestas ao longo do Japão, eles perceberam que os benefícios do tempo passado no mato eram mais do que simplesmente psicológicos. O que eles descobriram foi que Shinrin-yoku , ou o ato de "tomar a atmosfera da floresta" teve efeitos de grande alcance. Em 280 indivíduos, caminhar e ver uma floresta versus uma cidade levou a concentrações mais baixas de cortisol, freqüência cardíaca e pressão arterial, e melhor sistema nervoso parasimpático geral (pense no oposto da adrenalina e do instinto de lutar ou correr). [5]

No entanto, ao cavar mais fundo, vários aspectos químicos da floresta podem ser responsáveis ​​pelos benefícios para a saúde do banho de floresta. Similar aos taninos do vinho e ao enxofre do brócolis, os terpenos são produtos químicos que ajudam a proteger muitas plantas de predadores, como animais e microorganismos. [6] Alguns terpenos comuns são mentol e camphol, componentes aromáticos de muitos óleos essenciais. Outro chamado limoneno cheira como - você adivinhou - limões. Pinheiros, cedros, abetos e coníferas em geral são alguns dos maiores produtores de terpenos. Além disso, muito parecido com os taninos nos vinhos, os terpenos fornecem um sabor e cheiro agradável, ainda que amargo, que treina nosso sistema imunológico e promove a defesa antioxidante.

Só para ilustrar o quão vivas as plantas são: quando as árvores são cortadas, os terpenos, assim como o sangue, chegam para defender a ferida, selá-la e ajudar na cura. [7]

Simplesmente inalá-los ajuda em algo? Não está claro. Sabemos que o cheiro de limões do limoneno é mais do que apenas um perfume, pois pode ser encontrado no nosso sangue após a exposição. [8] Além disso, vários caminhos celulares anticancerígenos parecem ser afetados pelo terpeno limoneno, levando alguns a sugerir que tem benefícios anticancerígenos ou quimiopreventivos. [9] Embora dar limoneno a ratos em estudos tenha revelado alguma eficácia contra os tumores mamários, [10] temos avançar muito antes que possamos fazer reivindicações tão ousadas em seres humanos. No entanto, o limoneno parece aumentar os mecanismos de desintoxicação para reduzir a exposição ao carcinógeno em estudos com animais.

Outro terpeno, o alfa-pineno é liberado pelas plantas como um mecanismo de defesa volátil, mas parece diminuir a inflamação inibindo NF-κB (Fator Nuclear Kappa B). [11] NF-κB regula nossa resposta imune e é ativado em resposta a estados prejudiciais como infecção. Muito NF-κ B, no entanto, está associado a um risco aumentado de câncer e doença auto-imune. A exposição ao linalol, um terpeno encontrado em flores e plantas de especiarias, diminuiu o dano inflamatório nos pulmões de camundongos expostos à fumaça. [12] Linalol é encontrado em lavanda e manjericão, e, de acordo com a habilidade dos terpenos de defender as plantas contra predadores, é usado por exterminadores como um inseticida.


Assim como NF-κB, várias outras vias celulares são efetuadas por terpenos e produtos químicos vegetais. As MAPKs (Proteínas Kinases Ativadas por Mitógenos), que ajudam a célula a responder ao estresse e à inflamação, são vitais na natureza, mas também regulam a expressão e a sobrevivência de genes. Ambos são vitais para as células cancerosas imortais. IL-6, quando não é secretada por nossos músculos em exercício, é uma proteína inflamatória, e TNF (Factor de Necrose Tumoral) é outra proteína inflamatória intimamente ligada ao câncer. O TNF também causa perda muscular severa, conhecida como caquexia, que é freqüentemente observado em pacientes com câncer. O corpo libera esses fatores inflamatórios para ajudar a combater o câncer, mas quando em excesso, pode realmente promover seu desenvolvimento e crescimento. Além disso, as células cancerosas podem tornar-se resistentes a fatores inflamatórios como o TNF, e virar o jogo usando-o como combustível para sobreviver e crescer. Em qualquer caso, o relacionamento é complicado.

NF-kB, MAPKs e TNF trabalham juntos como amigos para atacarem ameaças potenciais. No entanto, como muitas vezes acontece quando os amigos se juntam, muito deles podem ser uma coisa ruim - uma espécie de "bullying celular" - levando ao excesso de inflamação, dano e até câncer. Muitos terpenos e substâncias químicas voláteis liberadas por plantas parecem reduzir todas essas vias celulares, promovendo menos inflamação e, espero, menos doenças como o câncer.

Alguns dados sugerem que eles podem fornecer benefícios diretamente contra o câncer, mas esses dados não estão bem estabelecidos e só aparecem em estudos pré-clínicos (ou seja, principalmente placas de petri que se comportam de forma muito diferente do corpo humano). [13] Independentemente disso, nestas experiências, o terpeno causou a morte das células cancerosas ao sobrecarregar a quantidade de estresse oxidativo. [14] Em outras palavras, assim como as boas tensões em nossa vida - especiarias, legumes ricos em enxofre, exercício intenso, cetose periódica, e jejuns intermitentes - os produtos químicos de plantas podem ser estressantes para as células, e ajudando a afinar e exercer o seu mecanismos de defesa.

Banho de mato - Adiante!


Os benefícios do banho de mato são abundantes. Um aspecto simples e facilmente negligenciado da nossa saúde, os médicos podem querer começar a prescrevê-lo (e sim, eu prescrevo). Os benefícios são abundantes e, ao contrário da maioria dos medicamentos anti-stress disponíveis, os efeitos colaterais são mínimos (exceto pelos ursos!). Por exemplo, uma análise recente revelou que a natureza, uma parte simples e muitas vezes negligenciada da vida cotidiana, fornece um espaço importante para a recuperação de pacientes com câncer durante seu período de tratamento estressante. [15]

No último artigo, falamos sobre o IGF-1, a espada de dois gumes. No entanto, o banho de mato pode ser o "yin e yang" definitivo, pois proporciona alívio intenso do estresse mental, enquanto potencialmente estressa positivamente nossas células. De qualquer forma, os benefícios de expor-se a algumas imersões florestais são óbvios.

Acabe de ler este artigo e dirija-se à floresta mais próxima!

Referências

  1. Ward Thompson, C. et al. More green space is linked to less stress in deprived communities: Evidence from salivary cortisol patterns. Landsc. Urban Plan. 105, 221–229 (2012).
  2. Takano, T., Nakamura, K. & Watanabe, M. Urban residential environments and senior citizens’ longevity in megacity areas: the importance of walkable green spaces. J. Epidemiol. Community Health 56, 913–8 (2002).
  3. Grahn, P. & Stigsdotter, U. A. Landscape planning and stress. Urban For. Urban Green. 2, 1–18 (2003).
  4. Barton, J. & Pretty, J. What is the Best Dose of Nature and Green Exercise for Improving Mental Health? A Multi-Study Analysis. Environ. Sci. Technol. 44, 3947–3955 (2010).
  5. Park, B. J., Tsunetsugu, Y., Kasetani, T., Kagawa, T. & Miyazaki, Y. The physiological effects of Shinrin-yoku (taking in the forest atmosphere or forest bathing): evidence from field experiments in 24 forests across Japan. Environ. Health Prev. Med. 15, 18–26 (2010).
  6. Gershenzon, J. & Dudareva, N. The function of terpene natural products in the natural world. Nat. Chem. Biol. 3, 408–414 (2007).
  7. Phillips & Croteau. Resin-based defenses in conifers. Trends Plant Sci. 4, 184–190 (1999).
  8. Falk‐Filipsson, A., Löf, A., Hagberg, M., Hjelm, E. W. & Wang, Z. d‐Limonene exposure to humans by inhalation: Uptake, distribution, elimination, and effects on the pulmonary function. J. Toxicol. Environ. Health 38, 77–88 (1993).
  9. Crowell, P. L. & Gould, M. N. Chemoprevention and therapy of cancer by d-limonene. Crit. Rev. Oncog. 5, 1–22 (1994).
  10. Crowell, P. L. et al. Chemoprevention of mammary carcinogenesis by hydroxylated derivatives of d-limonene. Carcinogenesis 13, 1261–4 (1992).
  11. Rufino, A. T. et al. Anti-inflammatory and Chondroprotective Activity of (+)-α-Pinene: Structural and Enantiomeric Selectivity. J. Nat. Prod. 77, 264–269 (2014).
  12. Ma, J. et al. Linalool inhibits cigarette smoke-induced lung inflammation by inhibiting NF-κB activation. Int. Immunopharmacol. 29, 708–713 (2015).
  13. Cho, K. S. et al. Terpenes from Forests and Human Health. Toxicol. Res. 33, 97–106 (2017).
  14. Jin, K.-S. et al. α-pinene triggers oxidative stress and related signaling pathways in A549 and HepG2 cells. Food Sci. Biotechnol. 19, 1325–1332 (2010).
  15. Blaschke, S. The role of nature in cancer patients’ lives: a systematic review and qualitative meta-synthesis. BMC Cancer17, 370 (2017).

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores