Um perigo para a saúde pública? Tumulto quando cientista nos exorta a comer mais sal

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Sarah Boseley



Especialistas em saúde pública no Reino Unido levantaram-se contra um novo livro que afirma que muitos de nós deveriam comer mais sal e não menos - alegando que tal aconselhamento poderia pôr em perigo a saúde das pessoas.

O cientista de Nova York, James DiNicolantonio, diz em seu livro The Salt Fix que a Organização Mundial da Saúde e os órgãos consultivos sobre dieta dos EUA e do Reino Unido entenderam tudo errado com seus conselhos para reduzir o sal.

O sal é necessário e bom para nós, diz ele. Comer mais sal reduzirá a quantidade de açúcar em nossa dieta e nos ajudará a perder peso, diz ele. De fato, dietas com baixo teor de sal podem estar causando ossos frágeis e perda de memória e mais sal pode corrigir o diabetes, ele afirma.

"Em vez de ignorar seus desejos por sal, você deve ceder a eles - eles estão te guiando para uma saúde melhor", ele argumenta em seu livro, que ganhou atenção na mídia do Reino Unido por suas idéias. "A maioria de nós não precisa comer dietas com baixo teor de sal. Na verdade, para a maioria de nós, mais sal seria melhor para nossa saúde do que menos sal".

"Enquanto isso, o cristal branco que demonizamos durante todos esses anos tem levado a culpa por outro, um tão doce que nos recusamos a acreditar que não era benigno. Um cristal branco que, consumido em excesso, pode levar a hipertensão, doenças cardiovasculares e doenças renais crônicas: não sal, mas o açúcar".

Mas a Public Health England (PHE, órgão de saúde inglês), falando sobre a promoção do livro de DiNicolantonio, disse que seu conselho não era apenas errado, mas perigoso. O professor Louis Levy, diretor de ciência da nutrição da PHE, disse: "A dieta é agora a principal causa de saúde. Ao defender uma dieta com alto teor de sal, este livro está colocando a saúde de muitos em risco e prejudica evidências internacionalmente reconhecidas que mostram que uma dieta rica em sal está ligada à pressão arterial elevada, um risco conhecido de doença cardíaca.

"Nosso trabalho com a indústria de alimentos para cortar o sal nos alimentos já viu o consumo no Reino Unido reduzir em 11% e é visto como o modelo a se aspirar globalmente".

A linha segue outras controvérsias da dieta, como o debate renovado sobre gorduras saturadas e colesterol. Mas a evidência sobre o sal é incontestável, de acordo com Graham MacGregor, professor de medicina cardiovascular, que liderou a campanha de ação sobre sal e saúde (CASH). Ela conseguiu persuadir o governo a tomar medidas pressionando as empresas de fast food a reduzir os níveis de sal nas suas refeições, a maior fonte de sal em nossas dietas.

"Ele tem direito a seus pontos de vista, mas tudo se baseia em alguns estudos e eles são mal colocados", disse MacGregor. "Você olha para a totalidade da evidência sobre o sal, e é muito mais forte do que para açúcar ou gorduras saturadas ou frutas e vegetais - de forma positiva. É de espantar, porque temos toda a epidemiologia, estudos de migração [onde as pessoas mudam-se para outro país e mudam sua dieta], ensaios de tratamento, testes de mortalidade e agora ensaios de resultados em países".

"A Finlândia reduziu o sal. O Reino Unido também, e houve grandes queda nas mortes cardíacas. Você realmente não pode argumentar contra a importância do sal, mas você sempre consegue uma ou duas pessoas que a negam".

MacGregor, que agora também executa Ação contra o açúcar, diz que DiNicolantonio é "provavelmente bastante bem-intencionado", mas é um daqueles que pensam que cada morte no mundo é por causa do açúcar.

Mas DiNicolantonio, editor associado da revista BMJ Open Heart e cientista de pesquisa cardiovascular do Instituto Americano do Coração em Saint Luke, diz que as evidências se acumulam, independentemente de órgãos como a PHE e a Associação Americana de Cardiologia (AHA). A AHA recomenda não mais do que uma colher de chá de sal por dia - equivalente a 2.300 miligramas de sódio - e diz que a maioria dos americanos deve diminuir para não muito mais da metade disso.

"Como a ingestão média de sódio do americano é muito excessiva, mesmo reduzindo para não mais de 2.400 miligramas por dia melhorará significativamente a pressão arterial e a saúde cardíaca", diz, observando que 75% da ingestão vem de alimentos processados, embalados ou de restaurantes.

DiNicolantonio diz que não há evidências de que uma dieta com baixo teor de sal reduza a pressão arterial na maioria das pessoas. "Evidências na literatura médica sugerem que aproximadamente 80% das pessoas com pressão arterial normal (menos de 120/80 mmHg) não são sensíveis aos efeitos do sal no aumento da pressão sanguínea. Entre aqueles com pré-hipertensão (um precursor da pressão arterial elevada), cerca de 75% não são sensíveis ao sal. E mesmo entre aqueles com hipertensão completa, cerca de 55% são totalmente imunes aos efeitos do sal sobre a pressão arterial", ele escreve.

O comitê consultivo científico do governo sobre nutrição (SACN), que apoiou uma redução de 9 para 6g de sal por dia na dieta do Reino Unido, lista um grande número de testes em animais e seres humanos que sugerem em seu relatório de 2003 que altos níveis de sal levam a uma pressão arterial mais elevada. No entanto, não conseguiram chegar a conclusões sobre o número de casos de doenças cardíacas e óbitos que poderiam ter sido causados, porque os dados eram difíceis de coletar.

Mas o Instituto Nacional de Saúde e Excelência de Cuidados, que analisou o impacto da redução de sal na população em 2013, disse que a estratégia do governo pode levar a 20 mil mortes cardíacas cada ano.

DiNicolantonio também afirma que perdemos muito sal quando nos exercitamos ou transpiramos nas ondas de calor. MacGregor diz que não é assim. "Houve um experimento muito bom com as forçar armadas, que saltaram de pára-quedas em um deserto, que achou que eles precisavam de uma baixa ingestão de sal. Se você tiver uma ingestão de sal mais alta, é mais perigoso. Eles tiveram que levar mais água consigo por causa da sede", disse ele.

Falando ao Guardian, DiNicolantonio rejeitou as críticas da PHE de que seu livro faria com que as pessoas arriscassem sua saúde, dizendo que ele estava defendendo uma ingestão de sal "normal", que ele afirma estar entre 3.000 e 6.000mg de sódio por dia. Como o sódio é 40% da composição do sal, isso equivaleria de 7.5 a 15g de sal por dia. Mas ele diz que não é uma dieta com alto teor de sal. "Além disso, se uma dieta de alto teor de sal realmente colocar a saúde das pessoas em risco, então, por que as maiores populações de sal (Japão, Coréia do Sul e França) vivem mais tempo com as taxas mais baixas de doença cardíaca coronária no mundo?", disse .

"As dietas com baixo teor de sal estão colocando a população em risco, pois há literalmente milhões de pessoas que estão em risco de deficiência de sal, com mais de seis milhões de pessoas nos EUA sozinhas, diagnosticadas com baixos níveis de sódio no sangue a cada ano".

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores