Não gosta de musculação!?


Deixando claro: nenhuma modalidade de exercício físico fará pela sua saúde o que a musculação pode fazer. Ela é funcional, equilibrada, sustentável e segura. Você pode fazê-la em alta intensidade por décadas, sem lesões articulares e muito menos ósseas. Obviamente estou falando de uma musculação corretamente prescrita e periodizada. 

Me antecipando às perguntas: não, nem pilates, nem natação, nem corrida de rua, nem Kangoo, nem CrossFit, nem "funcional", nem Zumba e nem as variadas formas de HIIT (que defendo no auxílio ao emagrecimento) são tão boas para a saúde como a musculação. Todas têm suas deficiências e riscos que muitas vezes comprometem a sustentabilidade da prática. A musculação, não.

"Ah, mas é chato e eu não gosto".

Concordo. E acrescento que, se bem feita, queima, cansa, te atrapalha a andar e às vezes causa até enjôo. Sem contar as dores musculares que podem vir nos dias seguintes. E eu faço há 12 anos ininterruptamente. 

"Como você consegue???"

Simples. Fazer é uma decisão racional. Oras, ninguém gosta de musculação! As pessoas gostam de assistir filmes, conversar, ler, andar de skate, comer, brincar com o cachorro, namorar, colecionar coisas, dar rolê de moto, jogar bola, caminhar no parque, viajar, dormir, etc, etc...

E você, pensando na lista de coisas que realmente gosta, incluiria escovar os dentes? Não, né! Nem por isso deixa de escovar algumas vezes ao dia.

Fazer musculação é como escolher brócolis e ovo cozido no self service. É muito provável que você goste mais de batata frita e lasanha e deseje um belo sorvete como sobremesa. Mas se pensa na saúde, creio que faz decisões racionais na hora de montar o prato e dispensa a sobremesa. 

Outro ponto favorável à musculação é: quantas pessoas você conhece que estão sedentárias e sofrerão ou já sofrem as consequências dessa condição devido à falta de tempo? Pois é, 3 treinos de 20 minutos de musculação já são suficientes para os melhores resultados. Na verdade, 2 vezes por semana com intensidade bastam. O best seller "Body by Science" vai além: um treino de 15 minutos por semana!

Por fim, sejamos sensatos: a construção/obtenção de qualquer coisa importante na vida, de cursar uma faculdade, passando por criar os filhos, até juntar uma grana para comprar um carro, envolve momentos em que nos vemos tendo que fazer coisas chatas, não é mesmo? E o que seria de nós se só fizéssemos o que gostamos ou o que nos dá prazer imediato?

Então é isso. Espero que este texto te faça pensar seriamente em fazer musculação. 

Um abraço!

Felipe Piacesi é mineiro de Barbacena, 32 anos, casado com a Mestre em Nutrição Débora Melo e pai da Valentina. Residente e apaixonado por Brasília há 16 anos. Bacharel em Educação Física pela UCB, pós graduado em Musculação e Treinamento de Força pela UnB, professor universitário, consultor, palestrante, coordenador técnico, personal trainer e praticante de musculação há 12 anos. Amante de ciências, é fascinado pelos resultados sustentáveis e seguros que a musculação e o HIIT trazem para seus alunos. Defensor destas modalidades na busca de uma vida mais saudável, longeva e autônoma. Devido a isso crê que quando uma pessoa se interessa em se exercitar, deve receber toda atenção e informação possível para incorporar definitivamente a prática em sua vida. É também defensor e praticante, desde 2013, de alimentação baseada em comida de verdade, no moldes das dietas Paleo e Primal.


Se você quiser conhecer o trabalho do Felipe como coach e ver os resultados dos alunos dele, clique aqui.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores