Procurando uma maneira de melhorar a cognição? Esqueça as drogas e experimente jejuar!

Artigo traduzido por Rafael Araújo. O original está aqui.

Na minha recente entrevista com o Dr. Jason Fung, um nefrologista canadense que acabou de publicar The Complete Guide to Fasting (N.T.: O guia completo para o jejum - ainda sem tradução no Brasil), nos focamos um bocado no jejum como uma ferramenta de aprimoramento cognitivo e de produtividade.

Eu não pesquisei sobre jejum porque estava querendo perder de peso: eu estava em busca de aprimoramento cognitivo. Alguns anos atrás, de repente, desenvolvi um problema de saúde que envolveu baixa pressão arterial, bradicardia (baixa freqüência cardíaca), tonturas, apagões ocasionais e confusão mental severa. Em primeiro lugar, os médicos ficaram perplexos com esses sintomas, todos aparecendo ao mesmo tempo, e não estava certo que qualquer solução seria encontrada. Então, eu decidi ver o que eu poderia fazer para restaurar pelo menos um pouco de minha capacidade cognitiva anterior. Isso me levou ao mundo dos suplementos nootrópicos e vários outros "bio-hacks". A pesquisa sobre jejum parecia promissora: aumento da neuroplasticidade (capacidade de "religar" neurônios), neurogênese (criação de novos neurônios), melhora da memória e vários benefícios neuroprotetores. O que não há para se gostar aí? Bem, exceto por não comer!

Eventualmente, meus médicos e eu deciframos a natureza da minha doença (uma forma incomum de disautonomia) e através de alguns medicamentos e a implantação de um marca-passo, consegui voltar ao normal. Mas eu ainda mantive um interesse em formas de melhorar a capacidade cognitiva, especialmente o jejum, e achei o trabalho do Dr. Fung particularmente bem-documentado. Fung fez seu caminho através de um vasto volume de pesquisa acadêmica. Ele integrou a pesquisa de outros com sua própria experiência executando o que pode ser a maior prática do mundo usando jejum para tratar diabetes, para se tornar um dos principais especialistas em jejum médico.


Em nossa recente entrevista , o Dr. Fung explicou por que fazia sentido que o jejum deveria melhorar a cognição. Nossos antepassados ​​foram adaptados a um ambiente de comida escassa. Se as condições de inanição diminuírem a capacidade de resolução de problemas e a memória, eles tendem a levar à morte (o que realmente interfere com a reprodução). Em outras palavras, quando estamos com fome, precisamos ser mais inteligentes. Precisamos reconhecer melhor os padrões. Precisamos de uma melhor memória para recordar informações que possam nos ajudar a descobrir onde a comida está. Precisamos de vontade de ir para o mundo encontrar sustento.

E isso é o que a pesquisa mostra acontece quando jejuamos: aumentos de norepinefrina (estreitamente relacionada com a adrenalina) que aumentam o foco mental e aumentam o armazenamento e recuperação de memória no cérebro. O Dr. Fung conta uma história do livro Unbroken, que é um livro de memórias de soldados americanos condenados a condições de fome em um campo de concentração japonês. A autora, Laura Hillenbrand, conta como um prisioneiro viu-se capaz de recordar livros inteiros apenas de memória. Outro prisioneiro conseguiu aprender norueguês em uma única semana. Curiosamente, o autor menciona como um lado que tais feitos de aprimoramento mental eram bem-conhecidos como efeitos colaterais da fome.

Os funcionários da Nootrobox, uma start-up do Vale do Silício, focados no fornecimento de suplementos nootrópicos, regularmente juntam-se no início da semana. Eles são jovens e magros, não buscam reverter a obesidade; em vez disso, eles estão procurando aumentar a cognição. Eles estão procurando uma vantagem mental.

Além disso, existem os benefícios da "cetose". Eventualmente, uma vez que as reservas de energia facilmente acessíveis sob a forma de açúcares estão esgotadas, o jejum leva a um estado conhecido como cetose nutricional. Na cetose, o metabolismo baseia-se principalmente na queima de estoques de gordura em vez dos de açúcar. Há alguma evidência de que o cérebro funcione mais eficientemente com cetonas (o produto da cetose), especialmente em pacientes com doença de Alzheimer. Curiosamente, as dietas cetogênicas, antes de serem recomendadas para perda de peso e diabetes, eram conhecidas principalmente no campo médico como tratamento para a epilepsia, onde apresentaram diminuição significativa nas convulsões.

O Dr. Fung diz que a pesquisa sobre os benefícios cognitivos da cetose se concentrou mais nos suplementos cetogênicos, o que significa que ainda não é definitivo. Ele compartilha sua própria experiência e de pessoas com quem ele trabalhou, que essa forma de comer aumenta o foco e a produção do trabalho. Ele cita um amigo que disse que quando ele está jejuando "parece que minha mente está em chamas".

Esse conhecimento não é novo: apenas foi esquecido. Filósofos gregos antigos, como Pitágoras, exigiam o jejum de seus alunos para ajudá-los a melhorar o foco mental. Os monges medievais e outros estudiosos combinavam jejuns frequentes com estilos de vida de surpreendente produção intelectual.

Minha própria experiência combina com a pesquisa e evidências anedóticas acima. O jejum cetogênico aumentou a produção do meu trabalho. Eu, eu mesmo, conseguiu escrever uma tese de mestrado de 240 páginas sobre o texto hebraico de Gênesis 1-3 (isso enquanto mantinha meus "empregos de dia" em finanças e economia), que foi aceito pelo Collegium Agostiniano Com um grau de Magna Cum Laude, a concessão de uma Licença em Teologia Sagrada e um convite para modificar a tese e apresentá-la como trabalho de doutorado. Eu fiz muito desse trabalho em jejum.

Houve algumas desvantagens para mim: em algum lugar por volta da hora 22 de um jejum, minha energia cai por um tempo, e o jejum interfere um pouco com o meu sono. Acho que manter jejuns mais longos (dois ou três dias) pode ser incômodo para o meu sistema digestivo. E, claro, a fome. Não é tão ruim quanto eu pensei que seria: a fome passa, mas o jejum requer algum esforço. Não existe almoço grátis, mesmo os almoços que você não come. Mas, pelo menos, por enquanto, e com a bênção dos meus médicos, fico com isso. Se você deseja experimentá-lo, é claro, obtenha a bênção de seu próprio médico. Por favor, não use esta coluna ou entrevista como conselho médico, porque não é.

Eu me sentei em uma linha Skype com o Dr. Fung recentemente para falar sobre O Guia Completo de Jejum. Você pode ouvir tudo aqui e pode ler uma transcrição parcial (editada para maior clareza) abaixo:

Jerry Bowyer: Podemos conversar um pouco sobre os benefícios nootrópicos ou cognitivos do jejum? Porque eu acho que muitos dos meus leitores da Forbes estão sempre procurando uma vantagem.

Dr. Fung: Sim.

Jerry Bowyer: Trabalho em um campo altamente quantitativo, altamente analítico. Os programadores de computadores estão sempre procurando essa vantagem. Eles estão tomando muitas coisas, nem sempre legais ou regularizadas. E eu continuo dizendo a pessoas assim: "Ei, em vez de colocar um produto químico realmente não-testado em seu corpo, que tal apenas o jejum, que é muito bem testado?"

Então, fale um pouco, se quiser, sobre os benefícios nootrópicos ou cognitivos do jejum.

Dr. Fung: Sim, então há um grupo de pessoas no Silicon Valley que fazem exatamente isso. É um grupo chamado WeFast. E o que eles fazem é que eles se encontram depois de um jejum - eles se agilizam juntos e então se encontram para quebrar o jejum e assim por diante. E eles são todos do tipo de jovem e magro.

E eles fazem isso exatamente por esse motivo: para esse tipo de melhora cognitiva que você obtém com o jejum. E é muito interessante, porque foi descrito há muito tempo.

Então o que a maioria das pessoas pensa é que a comida faz você se concentrar melhor, e se você jejuar, não pode se concentrar. Mas é totalmente o oposto, porque novamente, se você pensar sobre isso, vai perceber o quão errado esse raciocínio é. Se você come uma enorme refeição de Ação de Graças, fica realmente afiado, mentalmente afiado? Na verdade não. Tudo o que você pode fazer, praticamente, é sentar no sofá e assistir ao futebol.

Jerry Bowyer: certo.

Dr. Fung: Porque todo esse sangue vai para o seu sistema digestivo e você realmente não tem muita capacidade mental para fazer qualquer outra coisa. E as pessoas chamam de "coma alimentar" e coisas assim, porque reconhecem que comer muito não lhes dá mais capacidade mental.

Mas agora pense no contrário: quando você não come por um tempo e - ou pense em algo diferente - você está com fome de outra coisa, com fome de poder, fome de uma promoção, com fome. Isso significa que você fica deitado no sofá, sem energia? Na verdade não. Isso significa que você fica energizado e cheio de vontade de ir fazer algo a respeito.

Jerry Bowyer: certo.

Dr. Fung: E é isso que a fome faz com você. Na verdade, ela dá uma vantagem mental.

Então, você pode olhar para estudos, por exemplo, com a memória: há muitas facetas diferentes para isso. Se você olhar para a memória, pode observar a privação calórica e o jejum, e há muitos estudos em animais e alguns estudos em seres humanos, onde esse tipo de prática aumenta a memória.

Muitas pessoas falam sobre isso em termos de prevenção da doença de Alzheimer. Então, o jejum é uma maneira de obter as cetonas em seu corpo, e parece que seu cérebro funciona melhor com cetonas – então talvez seu pensamento melhore. E outro ponto é a autofagia - a doença de Alzheimer é caracterizada por toda essa proteína anormal em seu cérebro. Então, se você jejua, você destrói toda essa velha proteína e livra-se dela – ei, talvez você possa realmente prevenir a doença de Alzheimer, o que é fascinante! As drogas para a doença de Alzheimer na prática falharam. Eu li um estudo que disse que 99,4% dos testes de drogas para a doença de Alzheimer falham, porque todos estão procurando por outras maneiras de contorná-la. Mas talvez haja uma solução totalmente natural e gratuita para isso.

Então isso é com a memória. Se você olhar para a capacidade mental, grande parte é apenas uma evidência anedótica, mas se você voltar para os gregos antigos, eles na verdade não jejuavam para perder de peso. Eles jejuavam para aumentar sua capacidade mental. Então, todos os grandes pensadores gregos jejuavam para chegar a essa vantagem de que você está falando, porque queriam ser filósofos melhores, pensadores mais inteligente, matemáticos melhores. Todos eles jejuavam para chegar a essa vantagem.

Há uma história de que Pitágoras fazia seus alunos jejuarem por cerca de 40 dias antes de entrar em suas aulas, porque precisava deles no auge de suas capacidades mentais. E de pessoas que já fizeram isso, elas dizem "Bem, você realmente fica  nesse estado acelerado. Você sente que está mentalmente bem no topo das coisas e sente-se afiado como uma navalha".

Se você olhar na literatura, há um livro de Laura Hillenbrand chamado Unbroken. Foi transformado em um grande filme. E eu o estava lendo, e foi muito interessante porque fala sobre os prisioneiros de guerra americanos no Japão – e eles ficaram famintos, realmente tinham muito pouco para comer.

Eu fiquei realmente impressionado com uma parte em que eles falam sobre sua capacidade mental. Contam que um homem, um prisioneiro, conseguia "ler" livros inteiramente de memória. E outro sujeito que aprendeu norueguês - todo o idioma norueguês em uma semana.

E seu comentário foi o de que algumas das performances mentais surpreendentes melhor conhecidas, ocorreram na fome. E eu pensei, uau. É fascinante que em um lugar onde todo mundo está morrendo de fome, não tem o suficiente para comer, apareça esse tipo de cérebro com super capacidade e possa fazer coisas incríveis. E é tão comum que todos sejam tão indiferentes a respeito isso. Mais ou menos como "ah, sim, todos nós sabemos disso, porque ele está morrendo de fome, certo?". Caramba, isso é incrível!

E agora estamos todos procurando por essa vantagem mental, e é como o que você diz. Está aí conosco o tempo todo. Agora, é óbvio que esses prisioneiros passaram fome de uma maneira que nós jamais faríamos.

Jerry Bowyer: certo. Eles podem ter tido problemas com a síndrome de realimentação. Prisioneiros de guerra freqüentemente sofrem disso.

Dr. Fung: Sim.

Jerry Bowyer: Quando você estava contando a história de Pitágoras, lembrei-me de que ele tinha uma proibição entre seus seguidores a respeito do consumo de feijão. Então eu acho que a "névoa de carboidratos" parece ter sido algo conhecido.

Isso é algo que você lê a história antiga, e é chamado de estilo de vida filosófico. Os gregos e depois os estóicos são conhecidos por seu estilo de vida filosófico, que envolve muito jejum.

E as pessoas pensam nisso como algo que faziam porque queriam se elevar acima do corpo e apenas por meras considerações físicas. Mas acho que eles estão perdendo o aspecto metabólico disso.

Posso dizer-lhe que quando eu entro em cetose, simplesmente sinto. Eu sinto esse clique em minha mente, e de repente, uma pilha de trabalho que eu não conseguiria resolver, eu simplesmente acabo com ela. É apenas uma alta energia.

Inconveniente: menos paciência. Há um pouco de "ei, eu estou acelerado; todo mundo devia estar acelerado". Eu não li isso em seus livros, mas parece um mau-humor induzido pela cetose, no qual precisamos ficar de olho.

Dr. Fung: Há um pouco disso sim. Eu chamo de snappy, pois muitas vezes fico ríspido com as pessoas.

Jerry Bowyer: certo. Você não vira um monstro de raivoso, é mais ou menos "Mas eu acabei de  te dizer isso".

Dr. Fung: Sim, exatamente. É um "Foquem-se! Vamos nos focar aqui, pessoal".

Jerry Bowyer: Acho que há algumas evidências de que as cetonas são um combustível mais eficiente para o cérebro do que a glicose, que o cérebro funciona melhor com elas?

Dr. Fung: Sim. E há muito interesse nisso. Há alguns pesquisadores: Dominic D'Agostino e assim por diante, há algumas pessoas que estão realmente examinando o caso.

Elas estão olhando mais para as cetonas exógenas, por exemplo: tomar cetonas para entrar em um estado de cetose. Como há evidências, por exemplo, de tratamento de convulsões, você pode usar uma dieta cetônica ou uma dieta cetogênica para prevenir convulsões. Isso faz com que o cérebro use cetonas e, portanto, não é tão propenso a ter convulsões. Há já uma boa evidência para isso.

Mas esse é provavelmente o único tratamento bem-aceito em termos de medicina moderna. Mas há esse pensamento de que você pode realmente funcionar melhor com cetonas. E há muita pesquisa em curso nessa área, mas nem tudo está bem comprovado, ou simplesmente não há muitos dados sobre a respeito.

Mas um amigo meu, ele estava tentando perder muito peso, então ele fez jejum e entrou em dieta cetogênica. Ele disse: "É como se o meu cérebro disparasse. É como se eu pudesse fazer qualquer coisa. É incrível. "

E você acha que isso vale muito dinheiro, certo?

Jerry Bowyer: Sim.

Dr. Fung: porque se você pode trabalhar em um nível superior - e não é apenas o cérebro, mas também o corpo, porque seus níveis de noradrenalina aumentam, seus níveis de hormônio de crescimento aumentam, o nível de cortisol aumenta – o que não é sempre é bom. Mas você realmente entra em um estado de ativação.

Se você pensar sobre o que acontece durante a hora de comer: sua insulina aumenta e seu açúcar no sangue diminui. Então, quando você não come, insulina e glicose caem. Portanto, para que o corpo evite que elas caiam, ele produz esses hormônios contra-reguladores, o que significa que eles contrabalanceiam o efeito da insulina. E esses hormônios são o cortisol, a noradrenalina e o hormônio do crescimento.

Mas você recebe um grande pico de adrenalina, provavelmente é por isso que você fica um pouco ríspido e muito mais energizado. Você pode sentir esse aumento de energia. E não é apenas o seu cérebro, mas também fisicamente, seu corpo. E algumas pessoas não conseguem dormir. Elas seguem esses jejuns mais longos e dizem "sabe, estou dormindo apenas três horas por noite, e estou totalmente bem com isso".

Isso é provavelmente porque seu corpo está sendo ativado pelo jejum. Todo mundo acha que não comer vai diminuir a velocidade, até que você não possa fazer nada. É o contrário. Você poderia fazer muito mais.

Você ganha tempo extra, certo?

Jerry Bowyer: certo.

Dr. Fung: Então, se você não toma café da manhã e almoço, por exemplo, economiza 1 ou 2 horas por dia, entre as compras e a culinária, a limpeza e a preparação. 2 horas por dia são 10 horas por semana, 40 horas por mês. Isso é muito tempo!



Rafael Araújo é lifter, praticante de jiujitsu e muay-thai, estudioso do mundo low-carb e criador do Método MCM. O caso de sucesso dele foi contado aqui no Paleodiário um tempo atrás.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores