Jejum intermitente e acne

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Brad Pilon



Então, o que realmente sabemos sobre acne?

Para começar, sabemos que é uma doença comum entre humanos caracterizada por pele escamosa vermelha, cravos pretos e brancos, e outras formas de manchas. Sabemos também que a idéia de que "espera-se que a acne geralmente regrida espontaneamente no final da adolescência ou início da idade adulta" é uma mentira completa e absoluta ... pelo menos na América do Norte.

Há muitas pessoas que ainda sofrem de acne em seus 30, 40, e além.

Acne afeta mais de 85% dos adolescentes e, como muitos de nós perceberam, muitas vezes continua na idade adulta [i] .

Apesar deste conhecimento, a verdade é que existem relativamente poucos estudos na literatura que abordam a acne adulta. E, enquanto acne pode parecer uma inconveniência leve para alguns (geralmente aqueles que não sofrem com isso) a importância de fornecer tratamento para adultos é agravada pelo fato de que a acne que persiste por longos períodos é mais propensa a deixar cicatrizes [ii], e porque existe uma associação entre a prevalência de acne severa de longa duração e o risco aumentado de câncer de próstata mais tarde na vida [iii] .

A maioria do nosso interesse na acne é cosmético. A maioria de nós gasta uma quantidade de tempo considerável a cada semana que tenta manter nossos corpos parecendo jovens. De levantar pesos pesados ​​a manter a nossa cintura em cheque, a busca por um corpo de aparência jovem nunca acaba.

Mas a primeira linha de defesa em parecer mais jovem é a sua pele. Sua pele diz tudo. Com base nesta razão por si só, vale a pena olhar a acne mais atentamente.

Embora a causa exata da acne ainda seja discutida, a evidência acumulada sugere que a via de sinalização mTOR ativada por nutrientes desempenha um papel crucial na sua patogênese (lembre-se que mTOR está em toda parte, não apenas no músculo). Dado que mTOR está envolvido na patogênese da acne, então precisamos olhar para o que as coisas afetam mTOR e ver se podemos estabelecer uma relação entre eles – mTOR e acne.

IGF-1 elevado está um fortemente ligado à ativação de mTOR e é também um fenômeno que tem sido observado em mulheres adultas e homens com acne. [iv]

IGF-1 é um hormônio semelhante em estrutura molecular à insulina. Ele desempenha um papel importante no crescimento durante a infância, e continua a ter efeitos anabólicos em adultos. Está disponível no mercado negro, e é uma droga predileta entre bodybuilders de elite. Entretanto o jejum e o treino com pesos aumentam os níveis de hormônio do crescimento sem aumentar os níveis de IGF-1 – falarei mais sobre isso mais tarde ...

Clinicamente, demonstrou-se que o IGF-I correlaciona-se com as contagens de lesões de acne em mulheres adultas e níveis de IGF-I significativamente mais elevados foram descritos em mulheres que sofrem de acne em comparação com indivíduos de controle com pouca ou nenhuma acne [v], [vi], [vii].

Na verdade, IGF-1 parece ter uma conexão mais próxima com a acne durante a puberdade do que a tão acusada testosterona. A incidência de acne corresponde mais à variação dos níveis de IGF-I do que às alterações nos andrógenos plasmáticos. Isso ocorre porque os níveis de IGF-I atingem o pico durante a puberdade tardia e diminuem gradualmente até a terceira década [viii].

Assim, a partir da pesquisa disponível parece que temos uma ligação entre mTOR, IGF-1 e acne. Curiosamente, parece que temos mecanismos possíveis também.

Através de uma via complicada de múltiplos passos envolvendo a ativação do mTOR, o IGF-1 induz algo chamado SREBP-1 [ix] e a ativação do SREBP-1, por sua vez, resulta em lipogênese sebácea aumentada e saída de sebo [x]. (Isto não é realmente algo que você tem que saber, mas é sempre bom saber que existe um possível mecanismo por trás de nossas teorias...)

Esta ligação entre a acne e IGF-1 também nos dá alguma explicação possível da ligação entre a acne e o câncer, uma vez que a via de sinalização do IGF-1 desempenha um papel no desenvolvimento de alguns cânceres [xi]. Estudos têm demonstrado que os níveis cronicamente aumentados de IGF-1 levam ao aumento do crescimento de células cancerosas existentes [xii].

Portanto, se houver uma ligação entre mTOR, IGF-1 e acne, esta é uma informação que podemos usar para realmente diminuir a quantidade de acne que temos?

Há muito tempo sabemos, ou pelo menos especulamos, sobre a ligação entre dieta e acne. Do chocolate à gordura da pizza, praticamente tudo que tem um estigma de "isso é ruim para você" jpa foi ligado à acne em uma ou mais vezes. Isso inclui o consumo de alimentos lácteos.

Curiosamente, a ligação entre acne e produtos lácteos foi reconhecida já em 1885 e a restrição de laticínios (e outros alimentos) era parte da terapia dermatológica padrão para a acne – isso prolongou-se através da primeira metade do século XX [xiii]

Um estudo de 1949 relatou 1925 pacientes que mantiveram diários alimentares e descobriram que o leite era o alimento mais comum implicado em erupções de acne [xiv] .

Portanto, há uma possível correlação entre o leite e a acne, bem como entre acne e IFG-1/mTOR. Mas existe uma correlação entre o leite e IGF-1/mTOR?

Acontece que existe.

O consumo elevado de leite (especialmente leite desnatado) aumenta os níveis de IGF-1 de 10 a 20% em adultos e de 20 a 30% em crianças. [xv]

O leite e outros produtos lácteos aumentam os níveis de IGF-1 mais do que a proteína dietética encontrada na carne [xvi] .

Leite contém carboidratos, e beber leite aumenta os níveis de glicose e insulina. O que torna o leite especial é que o aumento da insulina é, na verdade, três a seis vezes o que seria esperado ou previsto a partir da carga de carboidratos no leite servido [xvii]. Isso é verdade para o leite desnatado e integral, mas não para o queijo [xviii] .

Um copo de leite adicionado a uma refeição de índice glicêmico baixo pode aumentar a resposta de insulina 300%, em relação ao nível produzido por uma refeição com índice glicêmico alto. [xix]

Dietas compostas de alimentos com alto índice glicêmico produzem hiperglicemia, hiperinsulinemia reativa (insulina alta) e aumento da formação de IGF-1.

Portanto, há uma ligação entre ter níveis de IGF-1 cronicamente elevados, níveis elevados de insulina, níveis elevados de glicose no sangue, proteínas lácteas e acne.

Portanto, parece muito claro... exceto porque, como com tudo ligado com o corpo humano... não é.

A maior parte da pesquisa sobre o leite e acne parece vir de um grupo específico de pesquisadores, e tem sido refutada por outros.

No estudo "O papel da dieta na acne: fatos e controvérsias" os autores afirmam: "com base na evidência existente, a associação entre a ingestão dietética de leite e a patogênese da acne é escassa" [xx].

Assim como com todas as coisas na ciência, existem opiniões conflitantes – mas dito isso, até o momento a conexão entre o leite, IGF-1 e acne parece ser a sua melhor aposta.

Estudos observacionais, incluindo um estudo de caso-controle [xxi] e dois estudos de coorte prospectivos grandes e bem-controlados [xxii], [xxiii] demonstraram associação entre a ingestão de leite de vaca e a prevalência e gravidade da acne

Esses achados são apoiados por estudos populacionais anteriores [xxiv] nos quais áreas com consumo mínimo de produtos lácteos tinham uma prevalência de acne muito baixa.

Então, em vez de discutir os prós e contras de descobertas científicas, vamos fazer assim: se você está sofrendo de acne, pode tentar reduzir a ingestão de proteínas lácteas e ver se ajuda.

Não parece que você tem que diminuir a ingestão de proteínas em geral, tanto quanto você simplesmente precisa reduzir sua ingestão de laticínios (não eliminá-los) por um mês ou dois e ver se ajuda.

Isso pode incluir os seus shakes pós-treino.

Em pesquisas não-publicadas, a acne foi piorada em meninos adolescentes e em homens maduros de 40 anos que consomem shakes contendo caseína e whey (observações não-publicadas do autor) [xxv]. E se você quer começar realmente a ser detalhista, parece que é a porção de caseína do leite, mais do que a porção de whey, que aumenta IGF-1 [xxvi].

Outras coisas que você poderia tentar incluem a redução da ingestão calórica global e a perda de peso, já que a acne parece estar relacionada ao excesso de peso. Na verdade, se a conexão entre o excesso de peso, ativação mTOR, produção de IGF-1 e ingestão de calorias for verdadeira, então você pode querer tentar jejum intermitente como forma de combater a acne.

Já foi demonstrado que períodos curtos de jejum diminuem a atividade de mTOR, o IGF-1 biodisponível, diminuem radicalmente os níveis séricos de insulina e os níveis de glicose no sangue. Além disso, como você está em jejum, não consumirá leite.

Finalmente, muitos dos chamados "super alimentos", como o resveratrol das uvas e vinho tinto, galato de epigalocatequina do chá verde, a geneisteína da soja, o diindolilmetano de brócolis, a curcumina e a cafeína, parecem envolver alguma quantidade de inibição de mTOR – direta ou indiretamente  [xxvii], [xxviii], [xxix], [xxx], [xxxi], [xxxii], [xxxiii], [xxxiv]

Como você provavelmente sabe, eu não sou um grande crente em super alimentos. Mas se você gosta, pode ver se incluir qualquer um destes em sua dieta ajuda.

Pessoalmente, aposto no jejum 

Brad.

PS: eu sei que há um pequeno subconjunto de pessoas a que vão ignorar toda a informação sobre acne descrita aqui e enxergar apenas "mTOR é ruim" – o que é totalmente falso. Não é ruim, ele só não precisa estar em alta em TODO O TEMPO. Deixe-o descansar de vez em quando.

Se você quer entender mais sobre o processo de formação e combate à acne, que pode ir muito além do jejum, conheça o livro do Seppo Puusa – um dos maiores entendidos no assunto do mundo! Depois de sofrer com acne por anos, ele virou um "rato" do Pubmed (o maior site de artigos científicos sobre saúde do mundo) e livrou-se das espinhas usando a melhor arma de todas: o conhecimento.

O Seppo, antes e depois de se tratar...



Referências


[i] James WD. Clinical practice: acne. N Engl J Med 2005;352: 1463-72.

[ii] Layton AM, Henderson K, Cunliffe WJ. A clinical assessment of acne scarring. Clin Exp Dermatol 1994;4:303-8.

[iii] Sutcliffe S, Giovannucci E, Isaacs WB, Willett WC, Platz EA. Acne and risk of prostate cancer. Int J Cancer 2007; 121:2688-92.

[iv]Aizawa H, Niimura M. Elevated serum insulin-like growth factor-1 (IGF-1) levels in women with postadolescent acne. J Dermatol. 1995 Apr;22(4):249-52.

[v] Cappel M, Mauger D, Thiboutot D. Correlation between serum levels of insulin-like growth factor 1, dehydroepidandrosterone sulfate, and dihydrotestosterone and acne lesion counts in adult women. Arch Dermatol 2005;141:333-8.

[vi] Deplewski D, Rosenfield R. Growth hormone and insulin-like growth factors have different effects on sebaceous cell growth and differentiation. Endocrinology 1999;140:4089-94.

[vii] Aizawa H, Niimura M. Elevated serum insulin-like growth factor-I (IGF-I) levels in women with postadolescent acne. J Dermatol 1995;22:249-52.

[viii] Smith C, Dunger D, AJK W, Taylor A, Perry L, Gale E, et al. Relationship between insulin, insulin-like growth factor I, and dehydroepiandrosterone sulfate concentrations during childhood, puberty and adult life. J Clin Endocrinol Metab 1989;68: 932-7.

[ix] Foretz M, Pacot C, Dugail I, Lemarchand P, Guichard C, Le Lièpvre X, Berthelier-Lubrano C, Spiegelman B, Kim JB, Ferré P, Foufelle F. ADD1/SREBP-1c is required in the activation of hepatic lipogenic gene expression by glucose. Mol Cell Biol. 1999 May;19(5):3760-8.

[x] Smith TM, Gilliland K, Clawson GA, Thiboutot D.IGF-1 induces SREBP-1 expression and lipogenesis in SEB-1 sebocytes via activation of the phosphoinositide 3-kinase/Akt pathway. J Invest Dermatol. 2008 May;128(5):1286-93.

[xi] Braun S, Bitton-Worms K, LeRoith D. The link between the metabolic syndrome and cancer. Int J Biol Sci. 2011;7(7):1003-15.

[xii] Arnaldez FI, Helman LJ. Targeting the insulin growth factor receptor 1. Hematol Oncol Clin North Am. 2012 Jun;26(3):527-42, vii-viii.

[xiii] Bulkley LD. Acne, Its Etiology, Pathology and Treatment. New York: G.P. Putnam?s Sons; 1885

[xiv] H.M. Robinson The acne problem South Med J, 42 (1949), pp. 1050–1060

[xv] Hoppe C, Mølgaard C, Juul A, Michaelsen KF. High intakes of skimmed milk, but not meat, increase serum IGF-I and IGFBP-3 in eight-year-old boys. Eur J Clin Nutr. 2004 Sep;58(9):1211-6.

[xvi] Hoppe C, Mølgaard C, Vaag A, Barkholt V, Michaelsen KF.High intakes of milk, but not meat, increase s-insulin and insulin resistance in 8-year-old boys. Eur J Clin Nutr. 2005 Mar;59(3):393-8.

[xvii] Ostman EM, Liljeberg Elmståhl HG, Björck IM. Inconsistency between glycemic and insulinemic responses to regular and fermented milk products. Am J Clin Nutr. 2001 Jul;74(1):96-100.

[xviii] Holt SH, Miller JC, Petocz P. An insulin index of foods: the insulin demand generated by 1000-kJ portions of common foods. Am J Clin Nutr. 1997 Nov;66(5):1264-76.

[xix] Darwiche G, Ostman EM, Liljeberg HG, Kallinen N, Björgell O, Björck IM, Almér LO. Measurements of the gastric emptying rate by use of ultrasonography: studies in humans using bread with added sodium propionate. Am J Clin Nutr. 2001 Aug;74(2):254-8.

[xx] Batya B. Davidovici, Ronni Wolf The role of diet in acne: facts and controversies Clinics in Dermatology Volume 28, Issue 1, January–February 2010, Pages 12–16

[xxi] Adebamowo CA, Spiegelman D, Danby FW, et al. High school dietary intake and teenage acne. J Am Acad Dermatol 2005; 52: 207–211.

[xxii] Adebamowo C, Spiegelman D, Berkey CS, et al. Milk consumption and acne in teenaged boys. J Am Acad Dermatol 2008; 58: 787–793.

[xxiii] Adebamowo C, Spiegelman D, Berkey CS, et al. Milk consumption and acne in adolescent girls. Dermatol Online J 2006; 12: 1–13.

[xxiv] Cordain L, Lindeberg S, Hurtado M, et al. Acne vulgaris: a disease of Western civilization. Arch Dermatol 2002; 138: 1584–1590.

[xxv]  Danby FW. Nutrition and acne. Clin Dermatol. 2010 Nov-Dec;28(6):598-604.

[xxvi] Hoppe C, Mølgaard C, Michaelsen KF. Cow’s milk and linear growth in industrialized and developing countries. Annu Rev Nutr. 2006;26:131-73. Review. Erratum in: Annu Rev Nutr. 2007;27:ix.

[xxvii] Zhou H, Luo Y, Huang S. Updates of mTOR inhibitors. Anti­cancer Agents Med Chem 2010; 10: 571-581

[xxviii] Brito PM, Devillard R, Nègre-Salvayre A, Almeida LM, Dinis TC, Salvayre R, Augé N. Resveratrol inhibits the mTOR mi­togenic signaling evoked by oxidized LDL in smooth muscle cells. Atherosclerosis 2009; 205: 126-134

[xxix] Zhang Q, Kelly AP, Wang L, French SW, Tang X, Duong HS, Messadi DV, Le AD. Green tea extract and (-)-epigallocat­echin-3-gallate inhibit mast cell-stimulated type I collagen expression in keloid fibroblasts via blocking PI-3K/AkT sig­naling pathways. J Invest Dermatol 2006; 126: 2607-2613

[xxx] Van Aller GS, Carson JD, Tang W, Peng H, Zhao L, Co­peland RA, Tummino PJ, Luo L. Epigallocatechin gallate (EGCG), a major component of green tea, is a dual phos­phoinositide-3-kinase/mTOR inhibitor. Biochem Biophys Res Commun 2011; 406: 194-199

[xxxi] Beevers CS, Chen L, Liu L, Luo Y, Webster NJ, Huang S. Curcumin disrupts the mammalian target of rapamycin-raptor complex. Cancer Res 2009; 69: 1000-1008

[xxxii] Kong D, Banerjee S, Huang W, Li Y, Wang Z, Kim HR, Sarkar FH. Mammalian target of rapamycin repression by 3,3’-diindolylmethane inhibits invasion and angiogenesis in platelet-derived growth factor-D-overexpressing PC3 cells. Cancer Res 2008; 68: 1927-1934

[xxxiii] Banerjee S, Kong D, Wang Z, Bao B, Hillman GG, Sarkar FH. Attenuation of multi-targeted proliferation-linked signaling by 3,3’-diindolylmethane (DIM): from bench to clinic. Mutat Res 2011; 728: 47-66
[xxxiv] Reinke A, Chen JC, Aronova S, Powers T. Caffeine targets TOR complex I and provides evidence for a regulatory link between the FRB and kinase domains of Tor1p. J Biol Chem 2006; 281: 31616-31626

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores