Zinn: é antiético um nutricionista não oferecer LCHF

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Marika Sboros

Dr Caryn Zinn and advocate Dr Ravin 'Rocky' RamdassTrês coisas intrigam a nutricionista e professora neozelandesa Caryn Zinn atualmente. Na universidade, ela nunca questionou o que os professores diziam. Em sua prática privada, ela prescreveu dietas de baixo teor de gordura para adultos e crianças por 15 anos. Como professora universitária, ela disse aos alunos que as dietas pobres em carboidratos eram perigosas.

Zinn disse isto em sua audiência conduzida pelo advogado Dr. Ravin "Rocky" Ramdass, para o julgamento do professor emérito Tim Noakes na Universidade da Cidade do Cabo, na quarta sessão do Conselho de Profissões de Saúde da África do Sul (HPCSA).

Em seu discurso, ela explicou por que acredita que é antiético para nutricionistas que sabem sobre LCHF não oferecerem esse tipo de alimentação como opção para os pacientes.

Zinn foi a terceira das três testemunhas peritas que voaram para dar testemunho a favor de Noakes. A HPCSA acusou-o de conduta não-profissional por dar "aconselhamento não-convencional a uma mãe amamentando em uma rede social (Twitter)". Foi um único tweet em fevereiro de 2014 dizendo que os primeiros alimentos bons para o desmame infantil são LCHF.


Prof. Tim Noakes

Ela disse à audiência que, embora ela tenha usado LCHF em sua prática para adultos e crianças durante 5 anos, não houve efeitos secundários adversos relatados.

Zinn disse que prefere falar de baixo carboidrato e teores de gorduras "saudáveis" – ao invés de "altos", porque LCHF é realmente sobre comida de verdade. "Quando as pessoas comem comida de verdade, tendem naturalmente a comer menos carboidratos e mais gorduras."

Em sua pesquisa, ela observou "surpreendentes resultados" a partir de estudos sobre dietas LCHF com o triplo da quantidade de gordura saturada em comparação com dietas de baixo teor de gordura. Estes foram em termos de perda de peso e parâmetros metabólicos, como HDL (lipoproteína de alta densidade) colesterol, e triglicérides (gorduras do sangue).

Especialmente relevantes foram os dados que mostram que as dietas LCHF superaram as dietas de baixa gordura em todos os parâmetros metabólicos.

"Ainda mais assombroso" foi que LCHF mostrou uma redução substancial em todos os marcadores inflamatórios.

"Quando você está na prática e você lê este tipo de pesquisa, começa a pensar sobre sua própria ética e moral", disse ela.

Zinn acredita que é antiético e imoral para os nutricionistas colocar os pacientes em dietas de baixo teor de gordura quando sabem LCHF é uma opção mais eficaz.

Ela disse que alguém deveria ter feito todos os nutricionistas da Associação de Dietética da África do Sul (ADSA) participar da audiência. "É o melhor desenvolvimento profissional que poderiam conseguir - e gratuito."

A ex-presidente da ADSA, Claire Julsing Strydom, denunciou Noakes ao HPCSA pelo tweet. Ajay Bhoopchand, advogado da HPCSA, disse na audiência que ele havia aconselhado Strydom a afastar-se depois de ter dado seu depoimento.

A pesquisa de Zinn nos últimos 5 anos tem se concentrado quase exclusivamente no paradigma LCHF em saúde pública e desempenho esportivo. Projetos nos quais ela ou seus alunos de pós-graduação se envolveram incluem:

Saúde pública:


  • Pesquisa inovadora sobre hiperinsulinemia (análise de um conjunto de dados maciço). Os dados mostraram que um subconjunto substancial da população com curvas de glicose normais (supostamente saudáveis) têm níveis elevados de insulina. Este poderia ser o início da doença crônica;
  • Dietas low-carb para mulheres menopáusicas. Essas mulheres foram capazes de perder peso e mantê-lo com sutis mudanças na dieta. Isso foi apesar de muitas tentativas de "dieta" usando métodos de baixo teor de gordura;
  • Um ensaio controlado aleatório de 12 semanas com membros da força de defesa da Nova Zelândia. Os dados mostraram melhores resultados para o grupo LCHF em comparação com baixo teor de gordura para perda de peso e parâmetros metabólicos.
  • Um teste de viabilidade de perda de peso de 12 semanas em "crianças low-carb". Aspectos incluíram acessibilidade, aderência, aceitabilidade do alimento e eficácia (perda de peso e resultados metabólicos).

Desempenho desportivo:


  • Dieta cetogênica para atletas multiesportivos. Os dados mostraram uma queda no desempenho a curto prazo, mas melhorias substanciais nos resultados de saúde e condições inflamatórias.
  • Dietas low-carb para powerlifters em preparação para competição. A equipe de Zinn descobriu que os atletas eram capazes de baixar gordura corporal e não perder força na fase preparatória.

Ela vai começar em breve uma investigação sobre LCHF e o sistema imunológico em atletas de resistência.

Zinn disse à audiência sobre sua jornada na nutrição e conversão para LCHF. Ela se intitula "uma neozelandesa orgulhosamente sul-africana". Ela nasceu na Cidade do Cabo e tem um bacharelado em fisiologia e pós-graduação em nutrição da Universidade da Cidade do Cabo (UCT).

Ironicamente, Noakes foi um dos professores de Zinn na UCT durante o auge de seu apoio às dietas com pouca gordura e muito carboidrato, alinhadas à sabedoria convencional. Zinn disse que ela "nunca pensou em questionar" o que ele ensinou sobre dietas ricas em carboidratos e "carb loading" para corredores.

Ela emigrou para a Nova Zelândia em 1995 e fez um mestrado em ciências da saúde, com foco em nutrição em 2004. Em 2012, fez um doutorado na Universidade de Tecnologia de Auckland (AUT). Sua tese foi sobre a perda de peso e manutenção da perda de peso. Ela fez isso muito "através das lentes do pensamento convencional sobre dieta e nutrição", disse.

Zinn é agora um conferencista sênior na AUT e mantém sua prática privada.

Prof. Grant Schofield

Como Noakes, ela teve seu próprio momento "de iluminação" na conversão do paradigma convencional de baixo teor de gordura e alto em carboidratos. O incentivador foi um colega da AUT, o professor de saúde pública Grant Schofield.

Schofield é diretor do Centro de Potencial Humano da AUT e faz pesquisas sobre atividades físicas que incluem nutrição. Ele também é co-autor com Zinn e o chef Craig Rodger, do livro "What the Fat? Fat's In, Sugar's Out" e "What the Fat? Sports Performance: Leaner, Fitter, Faster on Low-Carb, Healthy Fat".

Zinn diz que ela era "muito leal" às orientações convencionais de pouca gordura e muito carboidrato. No entanto, isso mudou quando Schofield perguntou a sua opinião sobre pesquisas LCHF 5 anos atrás.

Algumas eram antigas, e ela e Schofield não tinham visto antes. "Ou talvez tenhamos encontrado e nunca reconhecido isso." Como resultado, Zinn pensou que ela iria "colocá-lo no caminho correto", encontrando todas as pesquisas que refutavam as dietas low-carb.

Ela esperava poder dizer a Schofield: "Pegue sua dieta pobre em carboidratos e vá para outro lugar. Eu sou a nutricionista e sei porque meus professores de nutrição me ensinara o que esse tal LCHF faz".

Em vez disso, Zinn examinou as evidências. Ela logo ficou "espantada" ao perceber que tudo o que ela havia aprendido e pensado que sabia sobre dieta e nutrição estava errado.

"A evidência que levou às orientações dietéticas convencionais foi em grande parte observacional, baseada em correlação de investigação", disse Zinn. "Do ponto de vista da qualidade, ele não se comparou com os ensaios controlados aleatórios fortes (ECAs) que estavam disponíveis para apoiar dietas com baixo teor de carboidratos e alto teor de gordura".

Zinn tinha ajudado as pessoas a perder peso em sua prática, mas eles não eram capazes de manter a perda de peso. Entretanto, ela começou a perceber que havia uma boa razão:

Eles estavam constantemente com fome porque estavam comendo muitos carboidratos e muito pouca gordura. Como resultado, ela fez "um salto lógico para LCHF", disse Zinn. Não era apenas lógica, mas também porque fazia sentido biologicamente.

Parte desse salto envolveu entender porque o carboidrato realmente não é um nutriente essencial. Com isso Zinn quer dizer que as pessoas não precisam ingerir carboidratos como alimento (ou seja, fontes externas ao corpo). Em vez disso, seus corpos podem produzi-lo de forma endógena (internamente), disse ela.

Zinn também percebeu que os receios sobre dietas baixas em carboidratos e cetogênicos eram "apenas alarmismo". Isso a preocupou.

"Eu passei pela escola de nutrição e nunca questionei nada", disse ela.

"Nossos conferencistas nos deram essas grandes orientações, mas não nos encorajaram a fazer perguntas. Nenhum de meus colegas questionou nada.

Como conseqüência, Zinn disse na audiência: "Estou envergonhada de dizer que eu costumava ensinar aos meus alunos que dietas de baixo teor de carboidratos eram ruins porque a cetose era ruim".

Assim, no final, ela simplesmente olhou para a biologia e as provas – e mudou sua mente e sua prática.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores