Noakes inocentado! Nenhum mal provado, nenhuma lei quebrada!

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Marika Sboros

O professor Tim Noakes não é culpado de conduta não-profissional. Quando a advogada Joan Adams anunciou o veredicto ontem, a audiência em erupção com aplausos e aplausos.

Adams disse que o Conselho de Profissões de Saúde da África do Sul (HPCSA) não provou nenhuma de suas afirmações em uma balança de probabilidades. Não provou nenhum dano decorrente do tweet ou que ele tinha violado quaisquer normas ou padrões da profissão médica.

Adams foi presidente do Comitê de Conduta Profissional da HPCSA, efetivamente o "juiz" neste caso. Ela disse que sua comissão de cinco membros tinha que chegar a uma decisão majoritária, não unânime. A comissão decidiu por quatro a um em favor de Noakes.

A decisão não poderia ter sido mais favorável a Noakes nem mesmo se ele tivesse escrito o desfecho. Noakes enfrentou uma acusação de conduta não-profissional por dar "conselhos não-convencionais para uma mãe amamentando em uma rede social". Esse foi um único tweet em fevereiro de 2014, dizendo que os alimentos bons para o desmame infantil são LCHF (low-carb, high-fat). A nutricionista de Joanesburgo, Claire Julsing Strydom, apresentou uma queixa contra Noakes junto à HPCSA.

Advogada Joan Adams

A HPCSA acusou Noakes em três bases. Que ele:

  1. Tinha uma relação médico-paciente com a mãe amamentando (Pippa Leenstra)
  2. Deu conselho médico, não informação
  3. O conselho médico era não-convencional, porque não era baseado em evidências. Assim, poderia ser perigoso. (Strydom alegou que seu tweet era potencialmente fatal)

Adams foi crítica - às vezes, mordaz - da HPCSA. Disse que seu comitê "não era carimbo" e que não "definiria as diretrizes da nutrição para o mundo inteiro".

A HPCSA não tinha diretrizes para conduta de praticantes registrados em mídias sociais. Portanto, não podia provar que Noakes as tinha violado. Ajay Bhoopchand, advogado da HPCSA, referiu-se à ausência de diretrizes como o "elefante na sala". No entanto, Bhoopchand também argumentou que uma interpretação liberal das diretrizes poderia incluir a conduta em mídias sociais. O Comité rejeitou esta afirmação.

Adams disse que o caso foi o primeiro do seu tipo envolvendo a HPCSA e o uso de mídias sociais, bem como um dos primeiros do seu tipo na África do Sul envolvendo as mídias sociais em geral. A legislação, regulamentos, regras éticas ou diretrizes da HPCSA não regulam diretamente o uso de várias plataformas de mídia social por profissionais de saúde. "Em paralelo, a HPCSA parece estar seriamente em falta a este respeito," disse.

A HPCSA também não provou ser uma relação médico-paciente. Pelo contrário, "provas circunstanciais mostraram o oposto", disse Adams. E a HPCSA não tinha provado que Noakes era culpado de má-conduta "independente da relação".

Leenstra não dissera nada em seu tweet para indicar que ela queria ser a paciente de Noakes. A HPCSA não podia inferir que "ela estava esperando uma consulta médica gratuita". A HPCSA também não tinha provado que Noakes estava agindo em sua qualidade de médico. Em vez disso, a evidência era que ele agiu como um autor e cientista.

Adams também disse que a maioria das pessoas da HPCSA e do Conselho Médico e Odontológico, realmente sabia que ele era um cientista, autor e proponente LCHF. "Talvez eles soubessem ou assumiram que ele estava agindo em sua capacidade como tal, devido ao seu status público", disse ela.

A HPCSA também não provou que Noakes tinha dado a Leenstra aconselhamento médico ou terapia nutricional médica, ao invés de informações. O Comitê concordou com a HPCSA que havia ambigüidade na citação de Noakes. No entanto, na pior das hipóteses, era apenas confuso e pouco claro.

Adams repetidamente referiu-se a Leenstra como uma "consumidora de informações". Ela disse que Leenstra tinha feito uma pergunta geral aberta.

A HPCSA fez muitas suposições sobre como Leenstra teria interpretado o tweet de Noakes. No entanto, esta não foi uma investigação "ex post facto". A HPCSA não poderia fazer suposições baseadas em retrospectiva. Além disso, Leenstra não tinha testemunhado. Portanto, "nunca saberemos", disse Adams.

A HPCSA não conseguiu demonstrar que meramente respondendo ao tweet de Leenstra, Noakes havia realizado qualquer "ação afirmativa" como médico. Não havia indicação de que Leenstra e seu bebê necessitassem de serviços médicos. Também não havia razão para supor que Leenstra pudesse ter tido uma emergência médica com seu bebê.

Da esquerda para a direita: o advogado Michael van der Nest (SC), o professor Tim Noakes, 
o advogado Ravin Ramdass e o advogado Adam Pike, da Lei Pike

Embora Leenstra tenha se referido à "preocupação" com os "gases do bebê", não se pode supor que ela estava "preocupada" no sentido estrito da palavra.

A preocupação é "um estado mental subjetivo", disse Adams, e "gases não são uma doença". Também era seguro assumir que Leenstra "não teria desperdiçado tempo twittando se seu bebê estivesse seriamente doente". Contrariamente às afirmações de Bhoopshand, se Leenstra estava tão "preocupada" com a condição do bebê, não teria esperado três dias por uma resposta a seu suposto pedido de ajuda.

A HPCSA deveria ter sido cautelosa em assumir que Leenstra era vulnerável, ignorante e não entendia os fundamentos da LCHF. O mesmo se aplica a qualquer outra pessoa que leia o tweet de Noakes.

Não era razoável supor que a maioria dos usuários (nas mídias sociais) são "ignorantes, vulneráveis ​​e necessitam da proteção de outros".

"O público está muito mais esclarecido e informado do que no passado", disse Adams.

Ela também disse que a lei "não protege e não pode proteger cada usuário no ciberespaço de si mesmos". Aqueles que seguiram aleatoriamente qualquer conselho on-line sem contexto, fizeram-no por sua própria conta e risco.

Adams disse que "não-convencional" não é igual a não-profissional. Contexto e fatos do assunto são importantes. Fundamentalmente, o Comitê achou que a HPCSA não provou que o tweet de Noakes não era convencional, não-baseado em evidências ou perigoso. Pelo contrário, com base nos fatos, Adams disse que a HPCSA não tinha provado danos ou potenciais danos. Não havia provado que o tweet de Noakes fosse perigoso ou ameaçador à vida, como Strydom havia reivindicado.

LCHF é o acrônimo para baixo-carboidrato, não para zero-carboidrato, Adams disse. Assim, não é razoável supor que Leenstra poderia ter interpretado LCHF como uma dieta cetogênica. "É difícil imaginar como alguém pode ler o tweet de Noakes ou sua carta de resposta dentro contexto e entender que ele quis transmitir uma dieta sem carboidratos para bebês".

O Comitê também discordou da alegação da HPCSA de que Noakes não poderia ser um perito em sua própria defesa. E a HPCSA não provou que o caso era sobre nutrição infantil, e não sobre adultos.

Adams disse que sua comissão não diria qual a credibilidade de nenhum dos peritos. Contudo, o Comitê aceitou que todas as testemunhas de Noakes tinham dado provas que tinham "lógica"

Ela descartou de imediato a alegação da HPCSA de que Noakes estava aconselhando Leenstra a parar de amamentar. Nada sugeria que ele estivesse defendendo a cessação imediata da amamentação. Ele também não estava tentando diluir a mensagem dos benefícios da amamentação. Pelo contrário, Noakes é bem conhecido por seu apoio à amamentação.

Interessante, Adams pontuou o fato de que Strydom tinha twittado a Noakes a partir da sua conta pessoal do Twitter. Adams não fez nenhuma menção à ADSA como o queixoso. A HPCSA fez um grande esforço para obscurecer o papel de Strydom como reclamante. Isso é provavelmente por causa das implicações legais. Isso está ficando mais claro agora que a decisão foi em favor de Noakes.

A decisão tem justificado Noakes. No entanto, a HPCSA tem 21 dias para decidir se vai ou não recorrer da decisão do Comitê. A presidente da ADSA, Maryke Gallagher, disse em uma entrevista à TV depois da decisão que a ADSA não mudará seus conselhos para o público.

Noakes disse que o resultado do caso "não poderia ter sido melhor". No entanto, ele aguarda com expectativa o dia em que a HPCSA investigará a veracidade das "evidências" com que as universidades treinam os futuros nutricionistas. Ele também gostaria de ver a HPCSA investigar os efeitos do conselho de nutricionistas ortodoxos sobre as epidemias de obesidade e diabetes. Essas epidemias estão prejudicando a saúde das populações na África do Sul e em outros lugares.

Claramente, a guerra da nutrição continua.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores