Álcool x Paleo/Low-carb: Dá para conciliar ?

Imagine a seguinte cena: você adotou uma dieta low-carb e um protocolo de exercício inteligente. Você perdeu peso e ganhou músculos. Você melhorou seus biomarcadores e livrou-se de diversos medicamentos.

Aí sempre que encontra conhecidos ou parentes que não vê há muito tempo, eles se espantam com a sua aparência: "Nossa, como você emagreceu! Rejuvenesceu uns 10 anos! O que foi que você fez?"

E nesse ponto você pára e explica o processo. Aí a pessoa diz "mas eu vou ter que parar de comer meu pão francês". E você explica que há alternativas e tal. Então vem a pergunta fatal: "Mas eu vou ter que parar de tomar cerveja ?".

Pronto, azedou a conversa.

Há alguns hábitos dos quais muitas vezes não queremos nos livrar. Não pensamos neles como comportamentos aprendidos. "Eu bebo cerveja porque sempre bebi, e não consigo ficar sem beber". Não nos lembramos de que até certa idade nós NÃO bebíamos álcool, e que em determinado momento aprendemos.

Eu atuo como coach em dieta paleo/low-carb há alguns anos, e esse fato é recorrente: a quantidade de pessoas que prefere não aderir a uma dieta de baixo carboidrato por não se imaginar vivendo sem cerveja ou caipirinha é enorme. E assim permanecem obesas e insatisfeitas, agarradas a seus copos.

O que tento esclarecer para elas é que embora a cerveja realmente seja difícil de se adequar a uma dieta low-carb (por ser naturalmente rica em carboidratos e por usualmente não ser tomada em pequena quantidade), bebidas alcoólicas não estão fora do alcance.

Como é que é ?

Bem, vamos do princípio: todos (ou praticamente todos) os seres multicelulares conseguem metabolizar álcool. A natureza nos deu essa capacidade, exatamente porque o nosso metabolismo PRODUZ álcool. Isso mesmo: ao longo do dia, um homem adulto produz cerca de 3g de álcool em seu corpo, decorrente da quebra dos nutrientes que ingeriu nas refeições.

Esse valor é irrisório, não vai deixar ninguém bêbado – mas se esse álcool se acumulasse ao longo do tempo, fatalmente causaria a nossa morte. Por tal motivo é que o nosso fígado consegue quebrar o álcool, evitando o acúmulo.

"Ok, conseguimos metabolizar um pouquinho de álcool. E daí? Nós não bebemos só um pouquinho".

Realmente, uma única taça de vinho (120ml) vai ter em torno de 14ml de álcool. Uma dose de uísque, tequila ou vodca (40ml) vai ter 16ml de álcool. Com esses valores, é muito mais provável embriagar-se – mas o nosso fígado continua em ação o tempo inteiro, trabalhando para degradar a bebida que ingerimos.

E o impacto disso na perda de peso?

Os humanos podem extrair energia de 4 fontes: proteínas, gorduras, carboidratos (esses você já sabia, certo?) e álcool. Cada 1g de álcool contém 7 calorias – e isso implica que "podemos" viver de álcool.

Deixei o "podemos" entre aspas propositalmente, porque não faz sentido NENHUM tentar viver de álcool. Você terá calorias, e só. Não terá vitaminas, sais minerais, aminoácidos, etc. O seu fígado irá ter problemas graves ao longo do tempo se você ingerir apenas álcool. Isso sem falar da sua situação social, que certamente irá sofrer se você mantiver-se embriagado o tempo inteiro...

Mencionei tudo isso para explicar o seguinte: se você abusar do álcool, pode ingerir calorias demais e atrapalhar a perda de peso (porque ele é sempre queimado antes dos outros macronutrientes). Se você ingerir álcool acompanhado de carboidratos (cerveja, caipirinha, coquetéis com açúcar, licores, etc), além das calorias do álcool terá as do açúcar – e de quebra irá impactar a glicemia, prejudicando a perda de peso.

Qual a solução? Escolher adequadamente as bebidas, e não abusar! Isso é perfeitamente possível, se você entender a teoria de como o álcool funciona no seu corpo e tiver à mão receitas de drinques "seguros" para se consumir em uma dieta de baixo carboidrato.

Foi pensando nessas pessoas que "preferem abandonar a dieta a abandonar o álcool" (algo que, como eu disse, é desnecessário) que eu decidi escrever um livro sobre o assunto. A minha motivação foi pessoal, pois eu mesmo perdi 15kg ao longo de 6 meses sem deixar de aproveitar os happy hours com os amigos e a família.

Larguei a cerveja, mas não o álcool...

É possível perder peso enquanto se consome uma quantidade responsável de álcool, desde que você saiba o que consumir.

Para aprender como adequar bebidas alcoólicas a uma dieta paleo/low-carb, clique na imagem abaixo!


Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores