Um lado ruim das estatinas sobre o condicionamento físico?

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.



Tomar estatinas para baixar o colesterol parece tornar o exercício mais difícil e menos benéfico, sugere um novo estudo em ratos. Os ratos não são seres humanos, obviamente, mas o estudo levanta questões interessantes sobre se e como as estatinas podem afetar a aptidão física em todos nós.

No experimento, estatinas foram muito eficazes na redução dos níveis de colesterol. Mas os animais moviam-se menos se tomassem estatinas, do que se não tomassem as drogas. E quando eles se moviam, ratos usando estatinas desenvolviam mudanças físicas musculares menos vantajosas do que animais que não receberam as drogas.

As estatinas são já uma das drogas as mais extensamente prescritas da Terra, e é provável que seu uso cresça ainda mais nos próximos anos. Em novembro, em um artigo publicado no JAMA, um grupo de cientistas propôs que qualquer adulto após a idade de 40, ainda que tenha um único fator de risco para doenças cardiovasculares, comece a tomar uma estatina a fim de diminuir o seu risco de eventualmente desenvolver doença cardíaca.

Se implementada amplamente, essa recomendação aumentaria muito o número de pessoas que usam tais drogas.

Mas as estatinas não são isentas de riscos. Já foi detectado que elas aumentam o risco de diabetes tipo 2. Elas também podem resultar em dores musculares e fadiga. Em alguns estudos de pessoas que tomam estatinas, cerca de 20% relatam dor muscular significativa, com a incidência aumentando ainda mais entre as pessoas que fazem exercícios enquanto tomam estatinas.

Tal desconforto muscular e fadiga podem ser particularmente conseqüentes se fizerem com que as pessoas fiquem menos ativas. Outros estudos indicam que o condicionamento aeróbico, que depende em grande medida do quanto as pessoas se movem, pode ser um melhor preditor de vida e até mesmo de riscos para a doença cardíaca do que os níveis de colesterol.

Mas muitas perguntas permanecem sem resposta sobre como estatinas afetam a vontade e a capacidade de alguém exercitar-se, e também se o exercício enquanto se toma estatinas exacerba quaisquer problemas musculares.

Assim, para o novo estudo, publicado em dezembro no jornal PLOS One, pesquisadores da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign decidiram examinar sistematicamente o que acontece aos ratos, animais que naturalmente gostam de correr, se eles começaram a tomar estatinas.

Os ratos que escolheram usar foram criados para desenvolver níveis de colesterol extremamente elevados. (Eles usaram apenas ratos machos neste experimento, uma vez que o ciclo reprodutivo feminino pode afetar o colesterol e os níveis de atividade. Os cientistas esperam examinar as fêmeas em estudos posteriores.)

No início do experimento, os cientistas verificaram os perfis atuais de colesterol dos animais, bem como sua capacidade de se agarrarem horizontalmente a uma parede enquanto eram suavemente puxados, uma forma padrão para determinar a força muscular e a saúde. Os cientistas também usaram estimulação elétrica leve para medir a rapidez com que os grandes músculos das pernas dos animais ficaram cansados ​​e incapazes de se contrair e realizaram biópsias de tecido para avaliar a saúde subjacente e celular dos próprios músculos.

Em seguida, os animais foram atribuídos a uma variedade de grupos.

Alguns foram injetados com uma estatina, enquanto outros, servindo como controles, receberam solução salina inócua.

A alguns dos animais em cada um destes grupos, em seguida, foi dado acesso a correr em rodas e exercitar-se como escolhessem. Típico da sua espécie, todos eles começaram a correr entusiasticamente, enquanto os pesquisadores seguiram sua milhagem.

Outros não receberam acesso às rodas e permaneceram sedentários durante todo o estudo.

Depois de um mês, os pesquisadores repetiram os testes do início do estudo.

Como seria de esperar, os animais tomando estatinas tinham níveis de colesterol mais baixos, ao contrário dos ratos não-medicados, quer tivessem se exercitado ou não.

Mas os animais tomando estatinas também tinham respondido ao exercício de forma muito diferente do que os outros camundongos.

Mais notavelmente, eles tinham corrido muito menos milhas, com seus níveis de atividade consistentemente em declínio durante todo o experimento.

Eles também perderam força de preensão, o que, de acordo com os autores do estudo, pode indicar não só fraqueza muscular, mas também dor ou sensibilidade. De fato, se os músculos doem, tentar segurar-se dói também.

Seus grandes músculos da perna também cansaram-se muito mais cedo do que os músculos de animais que correram sem estatinas.

Curiosamente, os pesquisadores descobriram que esses problemas musculares associadas a estatinas não foram maiores entre os corredores do que entre os animais sedentários. O exercício em si não fez as dores musculares e a fadiga piorarem.

Mas acontece que as estatinas tinham atrapalhado alguns dos efeitos esperados do exercício sob a pele. Os corredores que não tomaram estatinas desenvolveram fibras musculares maiores, assim como mudanças desejáveis ​​dentro das células musculares que levaram a uma produção de energia mais eficiente. Eles estavam mais aptos, em um nível celular.

Nos corredores tomando estatinas, enquanto isso, o tamanho da fibra muscular não tinha aumentado tanto e as células eram pouco mais eficientes do que no início.

Se esses ratos medicados eram menos muscularmente saudáveis ​​porque tinham corrido menos do que os outros camundongos, ou porque as estatinas tinham de alguma forma diretamente tornado seus músculos menos aptos é impossível dizer a partir deste estudo, diz Marni Boppart, um professor de fisiologia na Universidade de Illinois que supervisionaram a experiência.

O estudo também envolveu obviamente camundongos, não pessoas.

Mas vale ter em mente os resultados se você está tomando estatinas ou for aconselhado a começar a tomá-las.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores