Os 10 hábitos de caçadores-coletores altamente bem-sucedidos

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Mark Sisson













Enquanto o Desafio de 21 dias concentra-se nos fundamentos críticos da boa saúde primal - comida, exercício, sol, sono e brincadeiras - há mais na vida Primal do que apenas o que eu chamaria o essencial (sim, o brincar é essencial). O essencial oferece-nos a melhor oportunidade de saúde e contentamento geral. No entanto, ao olhar (e viver) para além desses princípios, acho que encontramos algo crítico. É a chave para as perguntas sobre como aplicar mais princípios paleo/primais em um mundo que é tudo menos isso. Nós pensamos que temos tudo resolvido. É fácil. Entendi! Então o resto de nossa civilização circundante tem sua palavra, perturba nossa paz primal, invade nossa confiança, lança seu caos em nossos planos bem-intencionados. A resposta não é eliminar todo o projeto, mas aprofundar a lição.

Deixe-me expandir um pouco falando sobre um tópico que pode ser familiar para muitos de vocês - os "hábitos de caçadores-coletores bem-sucedidos". Eles são os pilares de uma visão maior para a vida inspirada ancestralmente. Se podemos aprender com as dietas e atividades de nossos antepassados, que sabedoria podemos extrair ou extrair de outros elementos de suas condições de vida - por exemplo, suas estruturas sociais e padrões culturais. Aqui estão os dez hábitos que tornam um caçador-coletor bem-sucedido.

Esqueça o que você está fazendo ou cercado por, por um momento. Pense. Imagine. O que seria necessário para ser um caçador-coletor altamente bemsucedido? Músculos? Velocidade? Boa pontaria? Energia? Habilidades de escultura? Um olho ou memória afiados? Claro. Mas e quanto a atributos menos óbvios como criatividade, empatia, intuição, temperamento uniforme, coragem, compaixão, cabeça fria? Apesar de tudo, toda a força no mundo não será páreo para uma boa arma em muitas situações. Um lobo solitário será sempre mais vulnerável na savana do que uma matilha. Uma perspectiva fácil pode tornar mais fácil viver com os outros. A equanimidade mantém as respostas emocionais sob controle e o foco crítico no presente. Comprometimento pode significar a diferença entre a vida e a morte.

Se os golpes duros da história evolutiva cultivaram esses tipos de traços fundamentais em nossos antepassados, como podemos nos reconectar com eles hoje e nos beneficiar deles? É uma questão intrigante e produtiva para a vida em geral, mas acho que tem um significado especial para o Desafio. Que melhor projeto de auto-desenvolvimento pode haver do que fomentar os hábitos de caçadores-coletores altamente bem-sucedidos? O que poderia significar, por exemplo, para a nossa vida diária? Para nossos relacionamentos? Para nossa saúde mental, resiliência emocional e satisfação geral? Como a contemplação e aplicação desses hábitos afetaria sua experiência do Desafio?

Além de se reconectar com os nossos ambientes naturais, ritmos e biomecânica, é impossível descontar a relevância destes hábitos mais cognitivos e culturais. Claro, é um assunto que não pode ser abordado com exatidão. Quando se trata das trajetórias neurológicas dos nossos antepassados, temos os casos das proporções de crânio e da complexidade de ferramentas para comparar. Além disso, os detalhes ficam complicados. Grok e seus parentes não deixaram nenhum diário ou blog pessoal. Os detalhes mais íntimos de suas vidas nunca serão conhecidos, tanto quanto nós possamos gostar de imaginar suas histórias. No entanto, podemos extrapolar as condições em que, teorizamos, nossos antepassados ​​viveram e, em seguida, identificar quais habilidades e perspectivas esses ambientes teriam favorecido para a sobrevivência. (As observações das sociedades tradicionais que vivem hoje adicionam a esta imagem, de maneira parcial – mas isso é assunto para outra discussão.)

A idéia aqui não é um modelo acadêmico. No entanto, també não é irônica. O que buscamos, é claro, é um ponto de referência prático para a pessoa comum que quer desfrutar a vida pela realização, felicidade e paz que possa ser encontrada nela. Há algo a especular sobre a visão de Grok sobre a vida, mas podemos seguramente assumir é que há um contraste impressionante com a mentalidade moderna que muitas vezes gera estresse, desengajamento e impaciência. O que pode ser aprendido da perspectiva de Grok, nosso caçador-coletor altamente bemsucedido? Considere seu contexto evolutivo como uma pedra fundamental que podemos usar para avaliar nosso próprio senso de equilíbrio. Os "10 hábitos" são finalmente um lembrete para questionar scripts culturais em busca de algo mais atemporal e fundamental em nossas vidas individuais. Os hábitos nos desafiam a analisar o quanto organizamos nossas vidas em torno de normas modernas, que podem ser "normais", mas não produtivas para nós. Em última análise, talvez, eles nos dêem licença para imaginar - projetar - um ponto de homeostase ancestral  para prosperar dentro de cada dia.

Hábito # 1: assuma a responsabilidade


Na era de nossos antepassados ​​primitivos, havia pouco espaço para o dedo apontando após o fato, pouca paciência para a culpa do fugitivo, pouca possibilidade evitar as conseqüências diretas de suas escolhas. As apostas eram mais elevadas. As ramificações potenciais, mais terríveis. Em assuntos de vida e morte, pertencimento ou banimento, você não queria testar a sorte com muito descuido, muita irreflexão ou muita auto-piedade. Quanto mais fácil você se comportasse em grupo e quanto mais aceitasse a responsabilidade básica no dia-a-dia, mais provavelmente você veria outro dia nascer.

Assumir a responsabilidade obriga-nos a examinar a nossa própria cumplicidade nas dificuldades da nossa vida, nas más decisões, nas circunstâncias menos do que ideais. Quando pensamos sobre a nossa saúde, nossa vida profissional, nossos relacionamentos ou qualquer outra área onde as queixas vivem, o que fizemos / estamos fazendo para perpetuar um padrão miserável? Como temos conspirado com as influências negativas para nos levar onde estamos? Por que continuamos a aceitar situações que realmente não funcionam para nós?

Dito isto, não se trata de castigar a nós mesmos. Assumir a responsabilidade por nossas vidas não nos convida a violentar emocionalmente. Não nos obriga a nos atacar por erros passados. Eu acho que essa abordagem é, à sua maneira, um contorno e distração da responsabilidade real. O castigo (infligido por si mesmo ou por outro) não deixa espaço genuíno para a responsabilidade; Ele mantém o processo refém - e as pessoas presas num estado distorcido.

Talvez já tenhamos realmente passado por apertos - na infância, no mercado de trabalho, em nosso primeiro casamento, naquela luta com o câncer. Assumir a responsabilidade não significa esquecer o passado ou transformar toda consciência das dificuldades que enfrentamos. Eu penso que é mais uma questão de controlar nossas vidas - com todas as suas diferentes circunstâncias. Nós nos colocamos na orientação correta com nossa responsabilidade - tomando o que é nosso (e, importante, devolvendo o que não é nosso - deixando os outros terem dignidade, bem como as conseqüências de sua própria autoridade).

Quando você parar de distrair-se com o que pertence a outras pessoas, você pode se concentrar em sua própria vida. Quando você está no controle de onde está na vida, você está autorizado a avançar nela. Quando você coloca o poder sobre a sua vida em outro lugar (por exemplo, outras pessoas, um local de trabalho, etc.), no entanto, você escolheu renunciar a esse poder. Você entregou isso.

É verdade que não podemos controlar todos os eventos médicos. Não podemos legislar sobre as ações ou respostas dos outros às nossas escolhas. No entanto, podemos aceitar as circunstâncias básicas e comprometer-nos a conduzir nossas vidas para a frente a partir desse ponto, em vez de ficar preso em um lugar de arrependimento e saudade.

O fato é que a amargura gera inércia. Colocar a culpa nos outros permite-nos ficar cômodos no conforto dos maus hábitos. Isso nos encoraja, de fato, a ficarmos presos no "coitadinho de mim". Dessa forma, a culpa nos trairá a cada vez. A vítima bloqueia qualquer chance de ter uma visão maior. Desculpas tomam o lugar da ação. O resultado, nós passamos a vida em um beco sem saída sufocante.

Hábito # 2: Seja egoísta


Nos dias dos nossos antepassados, havia certamente um sentimento de obrigação para com o grupo, uma expectativa de contribuição para o bem comum. Dito isso, em uma economia de tempo livre amplo, uma rede social de parentes amplos, uma cultura quase desprovida de ambição material, provavelmente ninguém era motivado a conduzir-se à exaustão.

Eu acredito que a mentalidade "mula de carga" é uma neurose completamente moderna. Por que qualquer pessoa de um bando aceitaria proporções excessivamente desmesuradas de responsabilidade no tempo de nossos antepassados ​​primitivos? Com todos os membros livres para sair a qualquer momento e com o intercâmbio de um bando para o outro, por que qualquer um deles viveria uma vida miserável de servidão literal ou aproximada? Se você trabalhasse até cair nos tempos evolutivos, você se colocaria em risco. Você era um risco para o grupo. Qual seria o possível benefício?

No entanto, aqui estamos nos tempos modernos, dando desculpas para negligenciar a nossa saúde, dispensando a chance (e verdadeira responsabilidade) do auto-cuidado razoável e realização pessoal. Parte da lógica é o foco moderno no futuro. Somos planejadores, sacrificadores por causa de uma presumida segurança futura. É incrível do que vamos desistir no interesse de uma visão de 20 anos atrás. O resultado? Vivemos em uma espécie de auto-dívida crônica. Estamos procurando servir a nós mesmos, mas estamos distorcidos na extremidade dos termos.

Isto bate de frente com a cultura de imediatismo dos nossos antepassados. Há algo em viver no aqui e agora, em vez de para o algum lugar lá na frente. Eu acho que é possível equilibrar os dois para o benefício de ambos, mas é um acordo com o diabo pensar que podemos continuamente negligenciar-nos por causa de outras pessoas e do futuro projetado para nossas vidas. Nosso senso de equilíbrio deve exigir o bem-estar atual e contínuo para nós mesmos. Quando estamos nutridos e sustentados hoje, temos mais a oferecer aos que nos rodeiam e ao nosso futuro.


Hábito # 3: Construa uma Tribo


Nossos ancestrais dependiam de um círculo social estreito. De fato, sua sobrevivência dependia disso. A comunidade de bando, de 25-50 pessoas, foi forjada dentro de um senso de mutualidade - ação para o bem do grupo. Era mais do que simples transação, maior do que a conexão familiar (nem todos estavam relacionados). Você se tornou parente por ser parente e compartilhar o trabalho servil, as histórias em andamento e as celebrações significativas do bando.

Atualmente, vivemos na proximidade de números que teriam atordoado nossos ancestrais. Nós contamos nossos "amigos" de mídia social em centenas, mas muitas vezes perdemos um sentido de conexão estreita e constante. A exposição não enche os nossos poços sociais. Nem as atualizações de status.

Hoje em dia, podemos passar por nossa vida adulta com poucas, se houver, relações íntimas - o tipo de conexões que se sentem como parentes - na nossa própria tribo. Vocês se vêem através de transições, sucessos e decepções. Vocês tem uma história e suas próprias histórias. O fato é que nós não superamos ou não desenvolvemos a necessidade de parentesco. Vivemos com os mesmos genes que se beneficiaram da conexão social e da mesma bioquímica que a recompensa. Com relocações freqüentes e vidas ocupadas, conectar-se é complicado. Muitos de nós acabam socialmente à deriva.

Se você se encontra neste momento de sua vida sem um grupo central, construa um. Não dê a desculpa de que você acabou de perder o barco. É muito importante. Mais tarde você ficará feliz por não ter feito isso. Alimente este hábito "altamente bem-sucedido" primeiro aprofundando os relacionamentos que você já tem. Quando você começar a ver o seu parceiro, membros da família, filhos e amigos mais próximos como sua tribo, você ganha um novo nível de apreciação pelo papel que desempenham em sua vida. Reconecte-se com velhos amigos e teste as águas para ver se há potencial para se tornar próximo novamente. Saia para o mundo, conheça pessoas e faça um convite. Convide um colega de trabalho para o almoço. Junte-se a um grupo de livros ou a uma liga de basquete . Inicie uma equipe de voluntários em sua casa de culto ou local de trabalho. Tenha uma casa aberta para os vizinhos. Com o tempo, cultive as relações que parecem mais genuínas e promissoras. Cultive essa reciprocidade de maneiras pequenas mas significativas. Traga o seu melhor para a amizade e espere o mesmo em troca.

Hábito # 4: Esteja presente


Todos nós podemos fazer um auto-inventário agora da atenção que damos aos nossos telefones ou outros dispositivos tecnológicos. Podemos confessar a nós mesmos o quanto deixamos o trabalho residual infiltrar-se em nossas vidas pessoais. Não se esqueça que eu acho que é um dos nossos maiores tropeços na vida moderna: a propensão para a conversa mental. Verdade seja dita, quanto tempo nós gastamos travados revivendo uma conversação da noite anterior, imaginando os vários cenários estressantes que poderiam ocorrer quando confrontamos uma determinada pessoa sobre x, y, e z, preocupando-nos com o que os outros pensam da nossa roupa ou cabelo? Vamos encarar: a nossa desconexão moderna é a distração desenfreada.

Você pode imaginar se Grok atravessaria a savana perpetuamente perdido em pensamentos sobre sua última experiência de guarda-roupa? (Como se ele alguma vez tivesse visto o seu reflexo de qualquer maneira ...) Ele não duraria o suficiente para que isso importasse. Para nossos antepassados, a vida era um exercício de hiper-vigilância contínua. Não a cada segundo, mas perto. Não era apenas o risco de se tornar o jantar de outra criatura. Atenção também significava observar o tempo, capturar padrões migratórios e decifrar fontes de água - para citar apenas alguns exemplos.

É crucial dar ao momento toda a sua atenção. Trata-se de cuidar da diferença entre a reflexão intencional o e chamado "cérebro de macaco". Trata-se de jogar fora a estrangulante auto-absorção a que nós nos prendemos diariamente, em fila com os nossos telefones ou com o nosso blablablá mental. Veja as pessoas, lugares e possibilidades na sua frente. Alimente este hábito altamente bem-sucedido, observando seus entes queridos - todas as mudanças e exclusividade que estão lá para ser apreciadas. Vá em uma caminhada com o objetivo de encontrar pelo menos uma dúzia de coisas que você nunca notou. Use marcadores de atenção plena ao longo do dia para se lembrar de descer da ocupação mental e voltar ao centro.

Hábito # 5: Seja Curioso


A coisa sobre nós hominídeos, é essa: nós pensamos. Nós imaginamos. Nós criamos. Nós exploramos. Experimentamos e extrapolamos. Nós somos levados a contornar outra esquina do caminho. Vamos empurrar o limite continuamente porque é bom fazê-lo. É como nós fomos adiante no jogo evolucionário, como somos vastamente bem-sucedidos no fim das contas. A roda não se inventou. Nem todos os continentes vieram bater à porta da savana africana. Você entendeu o ponto.

Avancemos para hoje, e somos uma contradição. Como espécie, avançamos para as bordas externas do sistema solar. Como indivíduos, no entanto, nossas vidas diárias podem não parecer tão inspiradoras. O caso é que somos absurdamente ocupados. Temos calendários cheios, agendas cheias, dispositivos de bolso e distrações de tela grande para nos manter ocupados.

Entre fazer tarefas, dar recados, trabalhar as nossas horas e manter-nos atualizados com o Facebook, ficamos esgotados. Estamos presos no moinho do dia-a-dia e não conseguimos encontrar uma saída. Ficamos presos nos detalhes. A vida se torna uma tarefa e não uma descoberta. Nós estamos desperdiçando nossos próprios dons evolucionários, duramente obtidos, a troco de... do que era era mesmo ?

É importante permitir-se toda a sua humanidade - cultivá-la, dar-lhe ar com frequência. Isso é exatamente o que faz a curiosidade. Não é mais uma coisa para fazer. É mais uma força que irá operar quando você deixar. É necessário, no entanto, limpar a desordem mental e logística que a mantêm enterrada, estagnada. Quanto mais espaço nos permitimos em nossas vidas, mais livremente a curiosidade poderá operar nelas.

Muitos de nós nos sobrecarregamos por tanto tempo, esquecemos o que nos interessa, o que nos apaixona, o que atrai nossa curiosidade. Não estou falando cliques espontâneos em uma lista de "melhores vestidos" da internet para a mais recente cerimônia de premiação, nem do interesse (legitimamente divertido mas fugaz) sobre o que acontecerá no episódio final de "Breaking Bad". Eu estou falando sobre os passatempos enriquecedores, as paixões da vida, as grandes questões exploratórias que nos atraem. Estou falando sobre as grandes investigações que ajudam a conduzir ou definir nossas vidas. Pare por um minuto: você tem algum? É por onde começar.

Hábito # 6: Confie no seu intestino


O instinto intestinal, como a ciência moderna entende, é realmente um interfuncionamento dentro da rede neural, um raciocínio rápido que absorve e processa pistas distintas e sutis no ambiente. Quando não nos sentimos bem sobre uma pessoa ou uma decisão ou mesmo sobre uma ligação para tomar uma decisão no momento, podemos confiar na produção neuro-hormonal e comunicação que estão ocorrendo. Nossas entranhas recebem a mensagem antes que nossos cérebros possam registrar a entrada. A cultura moderna, no entanto, é muitas vezes tão fixada em exaltar as virtudes do progresso civilizado, que inconscientemente rejeita os benefícios da nossa humanidade básica. Confiar em nosso intestino é parte de retomá-la.

É muito fácil ver como essa habilidade teria sido criticamente adaptável aos nossos antepassados. Em seu mundo, era a diferença entre a vida e a morte - fosse no meio de uma caçada ou no meio da fuga para não ser caçado ou navegar pela paisagem buscando trilhas ou fontes de água.

Perceber as distinções sutis em nossos ambientes é um tipo de habilidade perdida. Vivemos em opressão e até mesmo caos em comparação com nossos ancestrais. O ruído, as multidões, o trânsito que passa por nós visualmente em um dia. Nós somos mais hábeis na estratégia de sobrevivência bastante necessária (para a saúde mental pelo menos) de nos desligarmos em vez de nos sintonizarmos ainda mais.

Dito isto, carregamos os mesmos genes, as mesmas habilidades inerentes para explorar o detalhe contundente, mas discreto do nosso ambiente (e uns aos outros). Quando sentimos isso novamente, usá-lo e fortalecê-lo como um músculo negligenciado, também travamos mais contato com nosso próprio sentido intestinal. Há algo decididamente primal sobre as filosofias que dizem que encontramos auto-consciência e "despertar" no verdadeiro silêncio .

Claro, sair da cacofonia grande e impetuosa de nossos ambientes modernos ajuda muito, mas ajuda ainda mais desligar as histórias e cenários que temos correndo como bobinas de filme em nossas cabeças 24-7 ao invés de viver o momento. Desligue o projetor e simplesmente seja, esteja ciente, ser de e em seu ambiente. Quer se trate de prolongar o tempo na natureza ou mesmo uma prática de meditação mindfulness, entre em contato com esse sentido não-cerebral, pré-simbólico, novamente. Deixe-o tornar-se uma bússola de guia novamente.

Hábito # 7: Escolha suas Batalhas


Este é apenas um princípio básico de conservação - essencial na natureza. Para nossos antepassados, a vida era um processo contínuo de análise custo-benefício. Havia algo substancial a ser obtido com um esforço extra, risco ou conflito? Será que um esforço particular valia a perturbação do equilíbrio? Quarenta mil anos atrás, havia menos espaço para erros na maioria das situações, afinal.

A mesma lição é válida hoje. Pergunte a si mesmo aonde sua energia vai. Pergunte a si mesmo que quantidade de risco você aceita, que quantidade de conflito você gera ou aceita em sua vida? Vale a pena? Isso não significa que nada vale um risco ou que não vale a pena lutar por nada. É simplesmente um reconhecimento de que seu tempo, energia e outros recursos são limitados. Na recapitulação da meia-idade ou, pior ainda, o fim da vida, você vai sentir que perseguiu os relacionamentos e empreendimentos corretos e deixou outros irem no momento certo? Você foi a melhor pessoa que você poderia ter sido nesses relacionamentos? Existe uma chance de você dizer a si mesmo, "Eu lutei todas as batalhas erradas"?

A questão maior aqui é se fizemos o trabalho pessoal para discernir quais batalhas valem o nosso tempo e recursos. Sem ele, poderíamos estar desgastando a intimidade em nossas vidas, sabotando nossas oportunidades profissionais e cortando qualquer chance de um auto-desenvolvimento significativo e enriquecedor.

Hábito # 8: Siga em frente


Como explica Michael E. McCullough, autor de Beyond Revenge: The Evolution of the Forgiveness Instinct, a capacidade de perdoar é tanto um resultado da seleção natural quanto o impulso de vingança. O perdão, ele sugere, provavelmente evoluiu como um meio de cooperação social. Para nossos antepassados, a vida era sobre a conservação - da energia, dos recursos, da boa vontade. Em uma análise de custo- benefício, alimentar um rancor implacável teria sido um grande risco. Se você não pudesse se dar bem com o grupo, eventualmente você provavelmente não seria mais bem-vindo. Fique chateado, claro. Mas quando começar a corroer a dinâmica do grupo, é melhor você encontrar outro bando. O risco não valia a indulgência emocional.

Embora atualmente alimentar mágoa eterna hoje em dia geralmente não apresente a ameaça crítica de banimento, nós ainda chafurdamos nela para nosso próprio detrimento. Quantos de nós mantemos amarrados aos laços de ofensas passadas? Quanto tempo vamos nos permitir ficar presos, e o que estamos perdendo nesse tempo? Em que momento a coisa deixa de ser sobre a ofensa inicial, e passa ser sobre nossa própria dor, tortuosa e auto-sustentável? O fato é que a cada dia deixamos uma mágoa, desapontamento ou erro passado determinar nosso bem-estar, é um dia que sentiremos falta de ter vivido a plena medida do nosso potencial de felicidade.

Um tipo de Grok de grande sucesso pode fazer a análise custo-benefício (embora moderna) e aprender a seguir em frente. Quais são os aborrecimentos e ressentimentos dos quais podemos simplesmente nos liberar para ter mais paz de espírito? Alimente o "hábito altamente bem-sucedido" limpando a negatividade passada. Use algum tipo de ritual se você achar que seria útil criar um fechamento emocional mais genuíno. Mantenha uma tela emocional organizada, evitando os conflitos menores, inconseqüentes, que podem construir-se sem nenhuma boa razão em casa, entre amigos e familiares, ou no escritório. Aprenda a parar a si mesmo quando você percorrer essa estrada de pensamentos e palavras depreciativas. Corte a iminente cascata hormonal em suas trilhas, e redirecione seus pensamentos.

Hábito # 9: Afie sua lança


Os seres humanos "modernos" prevaleceram sobre os seus homólogos Neanderthal porque eram simplesmente mais adaptáveis. Em suma, eles tinham melhores ferramentas e melhores habilidades. Quando as coisas ficaram difíceis, o Homo sapiens sapiens tinha mais estratégia à sua disposição. O resto é história.

Hoje ganhamos a vida com nossas habilidades individuais. Nós conseguimos, se formos afortunados, ter um trabalho. Temos de colocar comida na mesa e um teto sobre a nossa cabeça. Para nossos antepassados, isso era razão para ser grato e dançar ao redor de um fogo. Podemos fazer o mesmo.

Dito isto, é natural querer mais. Depois de tantos anos (ou décadas) na mesma linha de trabalho, nossa especialização pode oferecer estabilidade e até elogios, mas não muita inspiração mais. Para os nossos antepassados, eles não tiveram o luxo de usar um único chapéu, limitando-se a uma função específica dentro do grupo. Todo mundo contribuiu com algo em quase todos os esforços. Em um bando de 30-40 pessoas, você não gostaria de delegar uma função essencial para uma única pessoa que a qualquer momento poderia ser arrastada por um bando de lobos. Uma resistência à especialização provavelmente tem alguma sabedoria enraizada e mérito evolucionário.

Qualquer que seja a fase do jogo em que você esteja, faça o investimento em si mesmo. Prosseguir uma nova carreira que alinha mais com a sua paixão. Aprofunde-se em um hobby que lhe dá prazer genuíno. Resista à idéia moderna de que a vida ou o sucesso profissional tem de seguir uma trilha linear. Defina sua trajetória pessoal em termos de sua própria satisfação e senso de auto-desenvolvimento ao invés de um modelo externo. Você decide que ferramentas e habilidades vai aprimorar e o valor que vai atribuir a elas em diferentes pontos em sua vida.

Hábito # 10: Seja rico 


Podemos estimar que o tempo de caça-coleta e preparação de alimentos pelos nossos ancestrais chegava a cerca de 6 horas por dia. Para nossos antepassados, o conceito de riqueza, se existia, era provavelmente muito diferente do que pensamos hoje. Para eles, as riquezas definitivas eram tempo e lazer. Engraçado como esses foram tão benéficos para o progresso evolutivo...

Compare tempo e lazer com o que estamos incentivados a seguir e definir como nossa riqueza de hoje: status e posses. Nós muitas vezes nos prendemos a eles realmente. Mesmo para além do ponto em que as nossas necessidades básicas são satisfeitas, a unidade de acumulação e ascensão assume e pode co-optar todas as outras prioridades, quer percebamos ou não. Às vezes estamos trabalhando tanto e tanto que nem sequer vemos isso fluir em nossa consciência. Não nos consideramos pessoas particularmente materialistas, muito menos gananciosas, mas de alguma forma somos sugados pelas rotinas culturais comuns.

O que a abundância significa para você? Embora não precisemos declamar as bênçãos das conveniências e novidades modernas, é importante definir nossas prioridades mais profundas. O que realmente nutre você no nível físico? O que preenche suas dimensões intelectuais, criativas, sociais, emocionais e espirituais, da maneira como você as concebe? Muitas vezes nós nos enrolamos em torno de um sentimento inchado e distorcido das nossas necessidades básicas (por exemplo,  todas as tralhas ligadas a alimentos, abrigo e segurança vendidas em uma loja de departamentos) enquanto nos privamos das últimas dimensões (por exemplo, amigos genuínos, tempo para a auto-expressão e desenvolvimento, etc.). O fato é que nossas necessidades básicas são mais simples do que pensamos. Nossas outras necessidades, mais matizadas, são mais essenciais do que pensamos. Que tal abraçar a idéia de que você começa a ter realização em todos os níveis? A sério. É possível. O que deve parecer para você como um indivíduo? Esse é o verdadeiro ponto crucial. Seja corajoso o suficiente para criar uma visão para a sua vida, por mais que isso seja contra a versão de sucesso ou progressão linear da nossa cultura. Pense na experiência e satisfação, em brincar para valer e dormir bem. 

É lá que a vida começa abundantemente.

Que tal fazer parte da lista de emails do Paleodiário e receber uma versão em alta resolução da Tabela Periódica de Alimentos Paleo?

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores