Estou descobrindo um novo mundo

Olá!

Sou a Carol, mãe do Rafael - que foi diagnosticado com diabetes tipo 1 quando tinha 1 aninho de vida, em outubro de 2015.

Tão logo recebemos o diagnostico fomos orientados a procurar um nutricionista para elaborar a dieta do Rafa.

Mesmo sendo leiga na área da saúde, achei estranha a quantidade exagerada de carboidratos receitada pela profissional e a questionei sobre a possibilidade de reduzirmos os carboidratos da dieta dele uma vez que a diabetes, grosso modo falando, nada mais é que uma incapacidade do corpo de processar os carboidratos.

Ela me disse que "a dieta passada seguia as recomendações da Sociedade Brasileira de Diabetes", ponto final.

Não nos conformamos, e meio às inúmeras pesquisas que passamos a fazer na internet, um tópico chamou a atenção do meu marido nos fóruns estrangeiros sobre diabetes: a dieta LCHF.

No Brasil, logo achamos o Paleodiário e o blog do Dr. Souto. Ambos foram muito importantes para nos encorajar a adotar esse estilo de alimentação.

Em janeiro começamos, Rafael e eu, a nos alimentar de comida de verdade, sem ainda uma orientação profissional... Apenas lendo e aplicando os ensinamentos obtidos na internet e livros, em especial o “Diabetes Solution” do Dr. Bernstein.

Em Brasília, apenas o Dr. Erik Neves, nutrólogo e adepto da dieta paleolítica, aceitou nos receber e nos orientar em relação à alimentação do Rafael.

Após ouvir muita barbaridade por aí, inclusive que eu poderia trazer danos cerebrais irreversíveis ao meu filho com essa dieta, ouvimos do Erik que era uma ótima estratégia para cuidar dele e que não, eu não “mataria” meu filho adotando tal tipo de alimentação.

Passados 8 meses, posso dizer que Rafael vem se desenvolvendo física e mentalmente de forma plena. Claro que ele faz o uso da insulina basal, mas diminuímos bastante o uso da insulina rápida (na maioria das vezes nem aplicamos após as refeições) e consequentemente diminuíram os episódios de hipoglicemia que tanto nos afligiam.

A alimentação não só dele, mas da família toda, melhorou. O consumo de legumes e verduras aumentou drasticamente, a compra de industrializados despencou, cozinhar passou a ser um delicioso desafio e a busca por novos ingredientes e receitas saudáveis passou a ser nosso objetivo.

Para partilhar minhas experiências e ajudar outras famílias que são obrigadas a encarar o desafio de cuidar de um filho com DM1 criei o perfil @meudocerafael no instagram, onde compartilho receitas lowcarb, dicas e desabafos sobre como lidar com a diabetes.

Lá eu planto a semente de como a comida de verdade pode ser benéfica aos portadores de diabetes.

E nada me deixa mais feliz do que ver essas sementes dando frutos. Recebo muitas mensagens de mães e até mesmo portadores de diabetes adultos, dizendo que passaram a conhecer a dieta por causa do perfil! 

Enfim, esse texto acima, na verdade era apenas uma breve apresentação. Na realidade vou anexar um entrevista que dei para a Assessoria de Comunicação do Órgão que trabalho (bem melhor escrita do que meu texto) que fala um pouco da minha história e da dieta Low-Carb.

Obrigada por trazer tanta informação de valor para nós!

Um abraço,
Carol Torelly, mãe do doce Rafael



Da dor ao protagonismo nas redes sociais


O otimismo que Ana Carolina hoje carrega no rosto tem uma razão de ser: o filho mais novo, diagnosticado com diabetes tipo 1 há exatos dez meses, está bem e a família, aos poucos, vai voltando à rotina normal. Mas chegar até aqui acreditando que tudo ia dar certo não foi fácil. Carolina diz ter sido devastador ver o seu doce Rafael adoecer de repente, quando ainda era um bebê, com um aninho recém-completado.

Seguindo a sua intuição materna, passou a observar que ele bebia muita água, além do necessário para amenizar o forte calor que fazia em Brasília no mês de setembro do ano passado, e perdia peso. Ao levá-lo ao hospital, ela e o marido receberam a triste confirmação do diabetes tipo 1 e a notícia de que deveriam interná-lo imediatamente, devido à sua delicada condição de saúde.

Foram dez dias de internação, cinco dos quais na UTI pediátrica, convivendo com perguntas e incertezas. “Naquele momento, meu mundo caiu. Pensava: como pode um bebê tão indefeso passar por isso? Sentia-me perdida, sem saber para onde ir e por onde começar”, diz, ressaltando que teve de se afastar do trabalho por um período para se dedicar aos cuidados com o Rafa.

Carol relata que, apesar do difícil diagnóstico e das mudanças que a doença trouxe à vida da família, uma onda de solidariedade imediatamente se formou ao seu redor. Orações, amigos ligando para dar uma palavra de conforto e solidariedade. Pessoas indicando médicos, nutricionistas, remédios, produtos e condutas para amenizar o sofrimento da família. Além do Rafa, Carol tem outro filho Ricardo, de quatro anos. “Eram tantas as manifestações de carinho e de solidariedade que me impulsionavam a seguir confiante”, diz.

No dia em que chegou ao hospital para internar o filho, imediatamente apareceu por lá uma colega de trabalho, que também tem uma filha diabética, para prestar solidariedade e passar informações sobre a doença e condutas. “Sem eu falar nada, ela levou agulhas especiais, bem fininhas, que praticamente não machucavam na hora de furar o dedinho do Rafa para medir a glicemia. Senti-me realmente amada por ela e por muitas outras pessoas nesse momento. Foi lindo”, relata.

Solidariedade e Instagram


Fortalecida por essa contagiante corrente de solidariedade, Carol sentiu a necessidade de ajudar outras pessoas que passam pela mesma situação. Assim, resolveu criar no microblog Instagram o perfil @meudocerafael para contar sua experiência diária com o pequeno e para trocar experiências. E no intervalo entre casa e trabalho, Carolina vem dando lições de vida nas redes sociais com as suas descobertas diárias com a ferramenta digital. Pelo menos uma vez por dia, ela posta informações sobre os avanços e novos produtos destinados aos diabéticos e, principalmente, sobre as receitas low carb (baixo carboidrato) testadas na sua cozinha e aprovadas por toda a família. “Quero passar para o meu filho e para as outras pessoas que é possível ter uma vida normal sendo diabético”, afirma. E mais: ela diz que a doença do filho trouxe mais união para a família e ressignificou sua visão de mundo. “Passei a dar mais valor a pequenas coisas e a deixar de lado coisas bobas, insignificantes.  Procuro tirar dessa experiência ruim algo positivo”, conta.

“O @meudocerafael foi um jeito que encontrei de ajudar outras pessoas. Quando alguém me procura por conta de um diagnóstico de diabetes, tento acalmá-la, dar uma palavra de otimismo e orientá-la sobre o que fazer e a quem recorrer. É muito gratificante quando recebo um feedback positivo ou quando percebo que pude ajudar de verdade alguém. Isso me move a seguir com os meus posts diários”, afirma. Carol também segue outras pessoas no Instagran para pegar receitas low carb e informações importantes que podem ser replicadas.

Alimentação


Carolina diz que, de todos os aprendizados que teve nesse processo, um dos mais importantes foi a descoberta da dieta Low Carb, com baixo carboidrato e fundamental para diminuir os níveis de glicose no sangue. Ela diz que resolveu aderir a esse estilo de vida pela saúde do filho. “O baixo consumo de carboidrato diminui a quantidade diária de insulina que o Rafa tem que consumir. Com a dieta, conseguimos reduzir de seis para duas doses diárias, evitando que ele tome tanto medicamento. Isso lhe deu mais autonomia e conforto para viver a vida, já que não tem que ser furado várias vezes ao dia”, comemora.

Para aprimorar seus conhecimentos e preparo dos alimentos low carb, Carolina participou, no último sábado, 25/6, de um curso específico sobre o assunto. Ela assume que a opção por esse tipo de dieta não é consenso entre médicos e nutricionistas, mas que se informou muito antes de introduzi-la na rotina da família. “Conversei muito com pessoas, diabéticas ou não, que adotaram essa alimentação e viram melhoras na saúde e na qualidade de vida. Quando procurei um nutrólogo para me instruir sobre alguma possível consequência para o meu filho, ele logo me tranquilizou, afirmando que sua filha também faz uso dessa alimentação. Até o momento, só tive vantagens em limitar a quantidade de carboidratos (pães, farinhas brancas, doces etc). O paladar se forma até os dois anos e quero que o meu pequeno se sinta confortável e acostumado a uma alimentação com menos carboidratos que só irá beneficiá-lo”, diz.

Decisão difícil


Mesmo amparada pela opinião de usuários e de profissionais, Carolina diz não ter sido fácil decidir por esse estilo de vida alimentar porque ainda há resistências. Ela diz ter tido dúvidas se estava no caminho certo, mas percebeu que não teria como tratar a diabetes do filho sem mudar a alimentação. “Os médicos e nutricionistas ainda investem em uma alimentação rica em carboidrato, pois se apoiam no fato de que os diabéticos vão tomar várias doses de insulina ao dia para dar conta de metabolizar a grande quantidade de carboidrato que consomem”, afirma.

No cardápio de Rafael, entra de tudo um pouco: frutas, legumes, leite vegetal, queijos e proteínas. Só não entram grãos refinados, doces e comida industrializada, por serem ricos em carboidrato. Carol diz que a comida deles é simples, bem natural, e assemelha-se à comida de roça, sem embutidos e conservantes. “Se eu deixar, o Rafa come quiabo até no café da manhã. Ele ama quiabo. No lanche, entram castanhas, ovo de codorna e até torresmo”. E afirma: “Tudo o que vou fazer com ele procuro testar antes em mim”, destacando que com a alimentação não foi diferente. Ela aderiu à dieta antes do filho, pois precisava saber se era possível viver assim. “Vi que dava. Estou descobrindo um novo mundo. Dá pra ser feliz, preparando alimentos nutritivos e saborosos”, assegura.

Um bom termômetro de que está no caminho certo é a boa saúde do filho e o controle nos seus níveis de glicose. Porém, ela continua na dura rotina de ter que medir, pelo menos dez vezes ao dia, a glicemia do pequeno. Como ele ainda não sabe se expressar direito, as medições são importantes para evitar situações de hipo ou hiperglicemia. Recentemente, a família adquiriu um aparelhinho, semelhante a uma moeda grande que é afixada ao corpo, para ajudá-la nessa tarefa. “A gente aproxima um dispositivo perto desse aparelho e ele mostra as taxas de glicemia do Rafael, evitando, assim, que ele seja furado para as medições”, relata.

Com uma história de vida cheia de descobertas, superação e solidariedade, Carolina persegue suas metas e objetivos com um olhar no presente, que  passa pelo cuidado com o Rafael e a sua família, e outro no futuro, que inclui continuar dedicando-se ao @meudocerafael. Com esse protagonismo digital, ela encontrou um jeito solidário de ajudar e de ser ajudada.



E você? Quer contar a sua história e ajudar a inspirar outras pessoas ? Se sim, escreva um texto, junte umas fotos de antes e depois e mande para paleodiario@gmail.com.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores