Meu filho deveria puxar ferro ? Parte 2.3: Princípios para desenvolver o condicionamento em crianças para o esporte e a vida

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

Nota: Esse artigo é gigantesco, por isso tive que quebrá-lo... A parte 2.2 está aqui.

por Joy Victoria

Leia o artigo completo do coach Burgess aqui.

"Específico do esporte" é frequentemente um termo monetário. Ele só se aplica realmente se o básico for aprendido primeiro, e a criança tenha uma base de movimentos apropriada. Específico do esporte é algo que te faz um atleta melhor no seu esporte. E às vezes isso será uma flexão de braço... não um treino cheio de firulas. Serão agachamentos, e não "treinos pliométricos de agilidade, rapidez e explosão". Você ve muito disso às vezes. Pais querem ver seus filhos "malhando" e treinadores medíocres enfatizam o "sem dor, sem ganhos" e treinam as crianças para velocidade, explosão ou força irresponsavelmente ou fazem isso além das práticas regulares que já demandam muito. Isso pode quebrar o potencial de uma criança prematuramente, e expô-la a lesões desnecessárias.

O modelo do Centro Esportivo Canadense para o Desenvolvimento de Atletas a longo prazo (LTAD) usa os FUNdamentals como um dos seus princípios básicos, conforme mencionei antes. Sobre sua metodologia eles dizem:

LTAD é um modelo inclusivo que encoraja indivíduos a se envolverem atividade física por toda a vida. Ele faz isso conectando e integrando programas de educação física no sistema educacional com programas de esporte de elite e com programas de esporte recreacional da comunidade. LTAD garante que todas as crianças aprendam corretamente as habilidades motoras fundamentais – uma vez que todas elas frequentam a escola – e que essas habilidades sejam introduzidas durante o momento ótimo em seu desenvolvimento físico, que é antes dos 11 anos para meninas e antes dos 12 para meninos (3)


LTAD consiste de 7 etapas. 
Os 3 primeiros encorajam a habilidade física e o esporte para todos: Início ativo, FUNdamentals, Aprendendo a treinar
Os próximos 3 focam-se na excelência: Treinando por treinar, Treinando para competir, Treinando para vencer
O estágio final encoraja atividade física por toda a vida: Ativo pela vida

FUNdamentals - Aprendendo a treinar - Treinando por treinar - Treinando para competir - Treinando para vencer
Fim da infância - Fim da puberdade
Início da puberdade - Início da vida adulta

Com pesar, a busca por grandes conquistas no esporte em idades jovens leva ao fato de que para muitos atletas, torna-se necessário corrigir erros adquiridos por eles quando muito novos, mesmo no nível de alto desempenho esportivo. Para fazer isso, muito tempo é perdido nos primeiros dois estágios do preparo. Na maioria dos casos, não é possível fazer as mudanças. Como resultado, a técnica ineficiente usada, baseada no grau de melhoria no resultado desse esporte, torna-se mais confortável ao invés de tentar adquirir a técnica efetiva. As sensações geradas a partir de técnicas ineficientes permanecem por toda a vida. Eliminá-las é praticamente impossível, assim como é transformá-las em outras mais efetivas (6)

O foco prematuro na competição é uma solução de curto prazo, que não serve bem para o desenvolvimento atlético no longo prazo da maioria dos atletas jovens. Pais e treinadores podem encorajar a especialização esportiva muito cedo, sem saber que na prática pode estar causando o oposto do efeito desejado. Especialização prematura envolve práticas esportivas organizadas, longas e estritas que as crianças geralmente não acham divertidas. Isso pode fazer com que o atleta jovem perca seu amor original pelo esporte, sinta-se pressionado e em último caso abandone a participação no esporte, ainda que seja muito talentoso... Nas idades de 13 a 15 anos, atletas têm idade suficiente para compreender o compromisso que ser um atleta de elite requer, e eles podem fazer a escolha por si mesmos sobre se querem ou não fazer tal compromisso, ou apenas continuar a praticar esportes ocasionalmente (7)

Zatsiorsky define essa linha do tempo no que diz respeito a treino de força especificamente em "Ciência e Prática do Treino de Força":

Diretrizes básicas para progressão de exercícios de resistência em crianças


  • 7 anos ou menos: introduzir a criança a exercícios básicos com pouco ou nenhum peso; desenvolver o conceito de uma sessão de treino (a diversão é de importância primária!); ensinar técnicas de exercício; progredir de calistênicos com peso corporal, exercícios com parceiro e exercícios levemente resistidos; manter o volume baixo. Notas: técnicas de levantamento de peso para o snatch e clean and jerk podem ser iniciadas tão logo uma criança consiga prestar atenção e segurar um cano que simule um haltere. Tão jovem quanto 3 ou 4 anos. Peso é sempre relativo, e crianças aprendem boas habilidades motoras durante essa idade através da brincadeira. Não é complicado, apenas garanta que elas não fiquem restringidas a andadores. Ou pior, sentadas o dia inteiro assistindo "canais para crianças, porque elas gostam disso".
  • 8-10: gradualmente aumentar o número de exercícios, praticar a técnica para todos os levantamentos, começar a progressão gradual (e apropriada) da carga durante os exercícios, manter os exercícios simples, aumentar o volume lentamente, monitorar cuidadosamente a tolerância ao estresse do exercício.
  • 11-13: ensinar todas as técnicas básicas dos exercícios, continuar a progressão da carga de cada exercício, enfatizar a técnica, introduzir exercícios mais avançados com pouca ou sem resistência
  • 14-15: progredir para programas de exercício de resistência mais avançados, adicionar componentes específicos do esporte, enfatizar as técnicas, aumentar o volume. Nota: qualquer tipo de treino NÃO deve chegar nem perto de deixar uma criança exausta ou mesmo excessivamente cansada. Se isso acontecer com frequência, fique de olho. Especialmente se seu filho também pratica um esporte. Essa é a idade na qual uma crianças pode se beneficiar e ser capaz de seguir bem um programa de levantamento mais formal.
  • 16 anos ou mais: começam os programas para adultos depois que a experiência básica foi adquirida (5)

Recados para os pais


Então depois de tudo, aqui estão uns conselhos práticos para o desenvolvimento esportivo específico:


  1. Crianças pequenas precisam brincar. Encoraje isso liberalmente, e do maior número possível de maneiras. isso vai construir a fundação atlética necessária para brilhar no esporte. Qualquer esporte.
  2. Esportes são bons. Mas empurrar a especificidade esportiva cedo demais pode ser danoso física e psicologicamente para uma criança. Sempre tenha a saúde da sua criança e a longevidade em um esporte em mente. Seu fiho é um produto seu, não importa o que um treinador zeloso possa dizer. Muito poucas escolas de primeiro ou segundo grau têm treinadores de força. Escolas de primeiro grau terão professores de educação física, alguns bons, alguns não. Treinadores esportivos não são treinadores de força. Seu filho pode precisar de ajuda para ficar em forma para seu esporte e evitar lesões, mas permitir a variedade e atividades físicas que são puramente recreacionais também pode ajudar no equilíbrio.
  3. Aqui vai alguma ajuda em escolher um bom treinador de força, aula ou experiência de exercício para sua criança:
    1. Pergunte a ele sobre sua abordagem em ensinar iniciantes e crianças que nunca usaram pesos antes. Se eles colocarem uma grande ênfase na segurança, técnica e progressão, é um bom começo. Se mencionarem um bocado sobre brincar, tarefas que requerem habilidade e movimento, isso é bom também.
    2. Peça uma aula grátis, se estiver contratando um treinador ou uma academia. Se um treinador não conhecer seu fiho, eles devem fazer uma avaliação inicial e escolher exercícios simples que pareçam relativamente fáceis. Pergunte o propósito do exercício, e se sua resposta for muito confusa, "soar científica" ou não fizer sentido para você, não é bom sinal. Ele deve ser capaz de explicar de maneira simples o que está fazendo, e o motivo, qual seria o benefício para o esporte, etc. Exercícios deveriam ser baseados em peso corporal, movimentos básicos de levantamento que são facilmente reconhecíveis. Agachamentos, flexões, barras, cleans, arremessos com medicine ball, etc, e devem retirar alegremente movimentos que forem obviamente muito difíceis. As primeiras sessões ou aulas não são o momento para fazer montes de trabalho focando velocidade, movimentos complicados ou desconfortáveis, ou altas cargas. Boa forma é fácil de perceber, especialmente em crianças. Elas não conseguem "trapacear" no movimento muito bem. Se parece realmente ruim (ainda que você não tenha prática também) provavelmente é ruim.
    3. Se uma criança ficar para trás ou estiver obviamente com dificuldades, como o treinador responde ? Isso não é para colocar medo dos treinadores, mas é o seu filho e o seu dinheiro. Pergunte! Treinar é trabalho duro, mas simplesmente não há boa razão para as crianças sofrerem nos exercícios, quase vomitarem ou parecerem significativamente angustiadas. A mentalidade "vá com tudo ou vá para casa" não é saudável ou aplicável. Isso não deve ser confundido com desenvolver resiliência mental, dureza competitiva ou aprender a superar os limites apropriadamente. Isso usualmente vem com o tempo. Os melhores treinadores são aqueles que conhecem a criança, são bons professores, parte do seu sistema de apoio e bons exemplos das qualidades que você gostaria de ver desenvolvidas no seu filho. Força, positividade, compaixão, ética no trabalho, etc. Se você não tiver essas impressões... procure outro lugar. Aquele que grita para por mais peso e quer se vangloriar, provavelmente não é sua melhor aposta. Ao mesmo tempo, lembre-se de que se você ahcar um bom treinador, é um relacionamento. Será trabalho dele ajudar a criança a progredir e superar o desconforto para conseguir competir e brilhar.

Um bom treinador vai respeitar:

  1. Segurança
  2. Progressão apropriada do básico ao específico do esporte
  3. Diversão e participação
  4. O que pode ser chamado de padrão de movimento natural ou funcional. Empurrar, puxar, agachar, agilidade e uma variedade habilidades motoras tanto fundamentais quanto específicas do esporte
  5. Um ambiente amigável que permita às crianças descobrir suas habilidades e desafiarem a si mesmas apropriadamente.
E se você for completamente ignorante em levantamento, exercício, etc, e quiser o melhor para a saúde física e mental do seu fiho no longo prazo ?

  1. Torne a atividade física uma prioridade física de alguma forma: como exemplo, meus filhos têm: bicicleta, pula-pula, frisbee, skate e bola de basquete. Eles sobem em árvores, morros e brincam em parques. Brincamos de pique, lutamos no chão e andamos de trenó. Eles vão e voltam da escola à pé. Eles já participaram dos seguintes esportes: greco-romana, basquete, taekwondo, corrida de obstáculos, atletismo, voley e frisbee. Eles já usaram kettlebells e fizeram barras usando argolas de ginástica. eles carregam as compras e andam para todo lado. Uma base ampla é exatamente isso: ampla. Deixe-os tentar múltiplos esportes e atividades. Faça deles a sua motivação para mover-se e puxar ferro. Vá para fora e brinque no play! Compre para eles coisas que requerem brincadeira e exercício. Uma boa bicicleta e capacete ao invés de outro videogame. Um pacote de aulas de parkour. É muito divertido. Crianças são suscetíveis à cultura, ambiente, pressão social (do tipo certo!), influência dos pais e condicionamento (tanto mental quanto físico). Você está construindo o condicionamento futuro deles AGORA. Não precisa ser formal, não precisa ser especial ou específico - só precisa acontecer. Faça eles tirarem a bunda da cadeira. Literalmente.
  2. Deixe-os participar e engajar-se em muitos esportes
  3. Deixe-os fazer aulas de esportes
  4. Invista em alguns pesos básicos e aprenda como usá-los. Halteres fixos e kettlebells são sua melhor opção

Sua melhor opção de aulas para ter uma boa mistura de habilidade e força são:


  1. Artes marciais, especialmente judô e greco-romana
  2. Ginástica/parkour
  3. Aulas de crossfit para crianças (por favor, lembre-se do bom senso na hora de escolher treinadores ou escolas, e busque alguém apropriadamente certificado)
  4. Uma aula de levantamento de peso certificada

Você não vai escapar de ter que gastar pensamento e pesquisa nisso. Treino com pesos não é super complicado, especialmente se você não for tentar fazer coisas complicadas e se tiver um pouco de bom-senso. Se seu filho pratica um esporte competitivamente, mantenha anotações sobre a prática, recuperação, relaxamento e contrate um bom treinador de força se tiver a opção.

No próximo artigo, vou dar direcionamentos para pais e treinadores. Se você é um treinador, há algumas coisas realmente bacanas que passaram para mim.

Referências



  1. Hargrove, Todd. “Motor Development and Primal Patterns.” A Guide to Better Movement. 1st ed. Better Movement, 2014. Print.
  2. Gallahue, David, and Frances Cleveland-Donnelly. Developmental Physical Education for All Children. 4th ed. Human Kinetics, 2007. Print.
  3. “Canada LongTerm Athlete Development.” Canadian Sport for Life (CS4L). Canadian Sports Centres, 1 Jan. 2010. Web. 13 Nov. 2014.
  4. Burgess, Ryan. “Flip the Pyramid and Save America.” You Are Being Http://www.jtsstrength.com/articles/2013/12/02/flip-pyramid-save-america/. 2 Dec. 2013. Web. 13 Nov. 2014.
  5. Zatsiorsky, Vladimir M. “Strength Training for Young Athletes.” Science and Practice of Strength Training. 2nd ed. Champaign, IL: Human Kinetics, 1995. Print.
  6. “Review of Explosive Running by Anatoly Bondarchuk.” Elite FTS. Elite FTS, 13 Feb. 2008. Web. 13 Nov. 2014. <http://articles.elitefts.com/products-reviews/review-of-explosive-running-by-anatoly-bondarchuk/>.
  7. “Youth: Early Sport Specialization – Athlete Strength and Performance.” Athlete Strength and Performance. ASP Athlete Strength and Performance, 7 Feb. 2014. Web. 13 Nov. 2014. <http://www.athletestrengthandperformance.com/youth-early-specialization/>

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores