Como Perder Peso? Pare de Contar Calorias

Artigo traduzido por Juliana Whately. O original está aqui.

por Anna Almendrala


De cara, tudo parece tão fácil: calorias são calorias, não importa a comida. E se você quer perder peso, tudo que você tem que fazer é simplesmente "gastar" mais calorias do que consome, seja fazendo mais exercício ou comendo menos.

Mas quem já tentou perder peso desta forma sabe que não é nada fácil. E manter o peso no longo prazo parece absolutamente impossível para a maioria, dado o triste número daqueles que conseguem manter os quilos ao longe no decurso dos anos.

O problema, diz o cientista cardiovascular James DiNicolantonio do Hospital São Lucas, é a idéia das calorias por si só como uma ferramenta de perda de peso.

"Todos os países ao redor do mundo estão tendo um problema com a obesidade e até agora nada deu certo", disse DiNicolantonio. "Mas é importante notar que não estamos morrendo de obesidade, nós estamos morrendo de doença metabólica crônica."

Coisas como doenças cardíacas, diabetes e acidente vascular cerebral contribuem por cerca de 800.000 mortes anuais só nos EUA - e agora os pesquisadores estão esperando para isolar os alimentos que são metabolicamente nocivos, ao invés de ricos em calorias, na esperança de reduzir as taxas de tais doenças.

Em uma revisão publicada na revista Public Health Nutrition, DiNicolantonio argumenta que pensar sobre o corpo humano como uma balança de calorias - mantendo um registro de calorias que entram e calorias que saem - ignora os efeitos metabólicos muito reais e negativos que certos ingredientes, como carboidratos simples (massas e pão branco, por exemplo) e adição de açúcares, têm sobre o corpo.

Na revisão, DiNicolantonio argumenta que os carboidratos rapidamente absorvíveis - coisas como o açúcar, xarope de milho, batata, arroz branco, cereais e qualquer coisa feita com farinha branca - resultam em ganho de peso porque eles causam picos de açúcar no sangue, o que faz com que os níveis de insulina subam. Isto leva a uma queda súbita de açúcar no sangue, levando a pessoa a querer ainda mais carboidratos. Ele chama isso de "reforço recorrente para o consumo excessivo", que, em longo prazo, poderia desativar a leptina (hormônio que nos faz sentir satisfeitos), resultando em ainda mais excessos.

Esta via tem sido investigada e descrita em estudos anteriores por cientistas, como na Universidade da Califórnia, San Francisco, o pesquisador do açúcar Dr. Robert Lustig descreveu o açúcar como um "veneno", e Dr. Peter Havel, da Universidade da Califórnia, Davis, que está investigando a correlação entre a frutose e síndrome metabólica.

"Assim como não se culpa uma criança por um crescimento mais alto durante a puberdade - porque seus hormônios estão causando isso - os hormônios também podem causar o armazenamento de gordura e podem promover a fome", explicou DiNicolantonio na entrevista por telefone com o The Huffington Post.

"Depois de saber a bioquímica, você percebe que não é sua culpa e não se trata de força de vontade. Estes alimentos têm alterado sua bioquímica para fazer você se sentir literalmente morrendo de fome."

Concentrar-se em calorias também pode criar um preconceito contra muitos alimentos saudáveis, especialmente alimentos ricos em gordura. A gordura dietética é mais calórica do que carboidratos ou proteínas, por isso alimentos de baixa caloria são muitas vezes pobres em gordura. Isto leva as pessoas a substituírem alimentos gordurosos saudáveis, como nozes, por alimentos de baixa caloria, com baixo teor de gordura, como chips low fat que não são tão nutritivos ou saciantes.

Além disso, estimar com precisão a ingestão e gasto de calorias é extremamente difícil, mesmo para a pessoa mais bem informada e dedicada com os mais recentes aparelhos.

Mais crucialmente, os nossos corpos simplesmente não serão enganados. Se fizer mais exercício, seu corpo responde por pedindo para comer mais alimentos. Se você comer menos, seu corpo vai responder retendo energia que você poderia usar de outra forma. E, a menos que você goste de ir para a cama com fome, algo - ou o exercício ou comer menos - vai acontecer. DiNicolantonio descreveu isso como o acoplamento biológico da ingestão e gasto calórico e os pesquisadores acreditam que isso pode ser uma razão pela qual as pessoas lutam para manter a perda de peso no longo prazo.

DiNicolantonio não endossa qualquer dieta em especial, mas a mensagem a partir da revisão foi simples e direta: Se você quer perder peso, "não se concentre em calorias", aconselhou. "Uma dieta com maior teor de gordura, maior teor calórico dos alimentos geralmente vai promover mais saciedade e você vai comer menos."

No início deste ano em um estudo não relacionado, mas influente, a professora de nutrição da Universidade de Tulane, Lydia Bazzano, conduziram um estudo controlado randomizado com dois grupos de dieta: aqueles que reduziram carboidratos e aqueles que reduziram gordura. Ela descobriu que as pessoas do grupo low-carb perderam 4kg a mais do que o grupo de baixo teor de gordura. As pessoas do grupo low-carb também diminuíram significativamente o risco estimado de 10 anos para a doença cardíaca coronária, enquanto o grupo de baixo teor de gordura não. Seus participantes do estudo não contaram calorias e seus resultados são muito corroborados pelo do trabalho de DiNicolantonio.

Bazzano elogiou a nova avaliação por apontar que diferentes alimentos afetam o corpo de forma diferente, de forma mais profunda do que as calorias que contribuem.

"Reconhecendo que nem todas as fontes de calorias têm efeitos equivalentes no corpo é crucial, e a teoria 'uma caloria é uma caloria' realmente impede isso", Bazzano escreveu em um e-mail para HuffPost. "Esses macro-nutrientes, carboidratos, gorduras e proteínas, entram em diferentes vias metabólicas em nossos corpos e produzem sentimentos diferentes, desencadeiam diferentes hormônios e mensageiros celulares, produzindo resultados diferentes em termos de peso e risco de doença."

A obsessão de décadas com baixas calorias (e consequentemente menos gordura) tem beneficiado as empresas que fazem alimentos com baixo teor de gordura, mas adicionam açúcar e sal para tornar seus produtos mais saborosos, Bazzano continuou.

"Os itens alimentares que são 100% rapidamente carboidratos absorvíveis podem adicionar 'baixo teor de gordura' na sua rotulagem e, assim, ser percebido como 'saudável' e, potencialmente, ajudar na perda de peso, porque esses itens não contêm essa fonte concentrada de calorias: gordura", disse Bazzano.

De acordo com dados globais da Organização Mundial da Saúde de 2008, o mais recente disponível, mais de 1.4 bilhões de adultos estavam acima do peso. Em 2013, 42 milhões de pré-escolares em todo o mundo estavam acima do peso e as crianças com excesso de peso são mais propensas que as crianças com peso normal a serem obesas quando adultas.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores