Você tem medo de quê ? Parte II

Já falei sobre isso anteriormente: nós temos medo das coisas erradas. Ou pelo menos a maior parte da população tem. Tememos a violência e o trânsito, e dependendo da faixa etária isso pode até fazer sentido. Mas a grosso modo, é apenas FUD.

Na prática, podemos ter medo de morrer devorados por leões (conforme a armadilha cognitiva da saliência garante), mas o que nos mata MESMO são as doenças crônicas. E agora, alguém resolveu desenhar isso com ajuda de um computador.

O CDC (Centro de Controle de Doenças – órgão do governo americano) produziu um banco de dados com as 113 causas de morte mais comuns, agrupadas em 20 categorias, e que leva em consideração as mortes registradas nos EUA entre 2005 e 2014. Agora um fanático por visualização de dados resolveu mastigar os dados e desenhar gráficos bonitões que mostram o percentual de mortes por cada uma dessas categorias, vinculadas ao sexo, etnia e idade.

O resultado não é nada surpreendente para quem está inteirado sobre as verdades que a mídia esconde, mas não deixa de chocar.

Causas de morte em homens, por idade

Causas de morte em mulheres, por idade


Nos gráficos acima, foi usado um estilo chamado "área empilhada". Isso quer dizer que, para cada faixa etária (eixo X), dos 100% de mortes, cada cor representa o percentual de mortes devida a cada causa (cada faixa colorida).

Por exemplo, aos 20 anos de idade, a chance de você morrer de causas externas (violência, acidentes ou leões) é de mais de 50%. Já a chance de morrer de câncer nessa idade é menor que 10%. Dadas as idiotices loucuras características da juventude (quem nunca ficou de pé no parapeito do 15o andar ou deitou-se no meio da rodovia por causa de uma aposta, quando tinha seus 15-16 anos ?), não é novidade para ninguém.

Já aos 80, a chance de bater as botas por conta de problemas circulatórios beira os 50%

Se considerarmos as áreas cobertas pelas causas externas (cinza escuro) e por "outras causas" (cinza claro), a chance de morte é de 11% para homens e 7% para mulheres ao longo da vida inteira. Na prática, esse risco vai caindo rapidamente com a idade, e depois dos 50 as pessoas "aquietam o facho" (como se diz aqui em Minas) – e passam a morrer por conta de doenças.

Doenças que poderiam ser evitadas, em sua maioria, por hábitos de vida mais seguros – o que inclui fortemente uma alimentação melhor

Abaixo, a tabela que computa o percentual de mortes por sexo, estratificada por causa:

Causa de morte % em homens % em mulheres
Doenças infecciosas e parasitárias 3 3
Câncer 25 22
Doenças do sangue ou órgãos
formadores de sangue
< 1 < 1
Doenças endócrinas, metabólicas e nutricionais 4 4
Distúrbios mentais e de comportamento 3 6
Doenças do sistema nervoso 4 7
Doenças do sistema circulatório 32 33
Doenças do aparelho digestivo 4 4
Doenças do sistema respiratório 9 10
Doenças do sistema músculo-esqueletal
e do tecido conjuntivo
< 1 1
Doenças do sistema genitourinário 2 3
Condições originadas no período
perinatal
1 < 1
Defeitos congênitos < 1 < 1
Causas externas 10 5
Por "doenças nutricionais", os dados incluem desnutrição, inanição, 
hipovitaminoses e outras. Mas não incluem diabetes, por exemplo.


Doenças circulatórias ? Que tal uma alimentação mais pobre em carboidratos simples, que agrida menos o endotélio arterial e reduza a inflamação ?

Câncer ? Que tal uma alimentação mais pobre em carboidratos simples, que vai reduzir a secreção de fatores de crescimento celular como o IGF-1 ?

E por aí vai. A nutrição já foi a única medicina existente, no passado. Remédios eram chás, raízes ou simplesmente jejum. A nossa expectativa de vida era mais baixa que hoje, mas morríamos basicamente por violência e doenças agudas/congênitas. 

Com o avanço da ciência da medicina, é óbvio que nossa qualidade e expectativa de vida aumentaram. Mas as duas maiores melhorias foram a penicilina e o saneamento básico – ambas voltadas ao tratamento/prevenção de doenças agudas. 

As doenças crônicas, essas que os gráficos mostram que estão nos matando, continuam firmes, fortes e crescendo.

O pensamento médico também mudou com os séculos. Tem um email que circula por aí, cujo conteúdo é mais ou menos assim:

5.000 a. C. — Tome, faça um chá com essa planta.
1.000 a. C. — Planta é coisa pagã! Tome, faça essa oração.
1.700 d. C. — Reza é superstição. Tome, beba essa poção.
1.920 d. C. — Poção é coisa de índio. Tome esse comprimido.
1.960 d. C. — Esse comprimido está ultrapassado. Tome esse antibiótico.
2.000 d. C. — Esse antibiótico não funciona. Tome, faça um chá com essa planta.

Eu espero que em poucos anos a última linha seja alterada para ser algo do tipo "Pare de comer esse lixo. Coma essa planta e esse bicho". 

Vamos ver o que acontece.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores