Imposto Sobre o Açúcar para Pagar o Tratamento da Obesidade

Artigo traduzido por Juliana Whately. O original está aqui.

por Sarah Knapton.




Alimentos açucarados podem ser tributados para cobrir os custos do tratamento da obesidade, alertou o ministro da Saúde.

George Freeman, Ministro das Ciências da Vida, disse que as empresas do setor alimentício devem estar cientes de que se elas continuassem a produzir alimentos que possam levar a estilos de vida ruins e problemas de saúde, seriam penalizadas.

Freeman é o primeiro Ministro a apoiar um imposto sobre o açúcar. No ano passado, Jeremy Hunt, Secretário de Saúde, descartou a medida dizendo que o Governo estava procurando outras maneiras de encorajar as pessoas a comerem de maneira mais saudável.

Freeman disse a uma platéia, no Festival de Hay, que ficou claro que bebidas açucaradas e lanches estavam por trás do aumento da epidemia de obesidade na Grã-Bretanha. "Eu não acho que a legislação pesada seja o caminho", ele disse.

"Mas eu acho que onde há um comercial de um produto que confere custos a todos nós, como sociedade, como o açúcar, e onde podemos mostrar claramente que seu uso leva a enormes pressões sobre os custos sociais, então poderíamos tentar recuperar alguns deles através dos impostos.

"As empresas devem saber que se elas insistirem em vender esses produtos, serão tributadas."

Ontem, a rede Tesco tornou-se o primeiro supermercado a se comprometer a reduzir o açúcar em toda a sua gama de bebidas. A partir do próximo ano, as suas bebidas de marca própria vão conter 5% menos açúcar, a cada ano, até onde se possa prever, a empresa prometeu.

Tesco se tornou o primeiro supermercado a se comprometer a reduzir o açúcar

Na Grã-Bretanha, 25% dos adultos são obesos – 12 milhões de pessoas – em comparação com menos de 3% nos anos 1970. A proporção tem previsão para crescer para 1 em cada 3 em 2030.

Especialistas em saúde têm feito campanha para os impostos sobre os alimentos açucarados e gordurosos, alegando que eles têm trabalhado para melhorar a saúde na França e México.

A ação do grupo Action on Sugar (Tradução livre: Ação sobre o Açúcar) parabenizou o anúncio da Tesco e as palavras do Sr. Freeman, dizendo que nenhum imposto teria de trabalhar ao lado da reformulação de produtos. Eles querem ver a adição de açúcares reduzidos em todos os alimentos em 40% até 2020.

A indústria de alimentos tem sido bem-sucedida em cortar grandes quantidades de sal dos alimentos processados, uma redução que levou a uma queda na ingestão de sal de 15% desde 2001 e poupou £ 1,5 bilhão por ano ao NHS (Sistema Nacional de Saúde do Reino Unido).

Estudos descobriram que as doenças causadas pela má-alimentação e estilos de vida sedentários estão custando ao NHS mais de £6 bilhões por ano, mais do que os custos do tratamento de doenças causadas pelo fumo ou álcool. Acredita-se que a má-alimentação seja responsável por desencadear 12.000 casos de câncer na Grã-Bretanha a cada ano.

Apesar de descartada pelo Governo, muitas figuras sêniores do Departamento de Saúde apoiaram publicamente um imposto sobre o açúcar, incluindo Dame Sally Davies, o médico-chefe, e Susan Jebb, Presidente da Rede de Responsabilidade Alimentar.


O Prof. Graham MacGregor, presidente da Action on Sugar, disse: "Nós somos muito favoráveis a um imposto sobre o açúcar e saudamos as palavras do Sr. Freeman".

"O secretário de Saúde, Jeremy Hunt, já não pode ignorar o fato de que a política de nutrição atual, em que a indústria alimentícia é permitida a policiar a si mesma, sem surpresa, não está funcionando. Nós estamos maravilhados que o Tesco concordou que este é exatamente o tipo de ação que precisamos, e todos os outros varejistas devem seguir o exemplo."

No entanto, um estudo recente da Universidade de Cambridge descobriu que a maioria das pessoas não quer um imposto do açúcar, preferindo porções de tamanhos menores e reformulação dos alimentos.

Tim Lang, professor de Política Alimentar na Universidade da Cidade de Londres, disse que as empresas de lanches deveriam ser proibidas de chamar os seus produtos de "alimentos".

Durante sua palestra no Festival Hay, ele disse: "Eles não devem ser autorizados a chamar alimentos insalubres de "alimentos". Eles só devem ser autorizados a serem chamados de 'petiscos'. Eles estão, basicamente, usando apenas um ingrediente alimentar cru para embrulhar açúcar e aromas ao redor.

"Devemos ter a mensagem de saúde de que as pessoas devem evitar qualquer alimento que é propagandeado."

Action on Sugar pediu ao Sr. Hunt para implementar as reformas do Tesco em toda a indústria.

Katherine Jenner, diretora de campanha da Action on Sugar, acrescentou: "Nós nos tornamos uma nação viciada em coisas brancas, esperando em toda nossa comida e bebida um gosto incrivelmente doce".

"Se pudermos lenta e gradualmente reduzir o açúcar e adoçantes, como já fizemos com o sal, nós todos podemos nos acostumar com muito menos açúcar."

O Departamento de Saúde disse que não há planos para introduzir um imposto sobre o açúcar, mas a Universidade de Teesside está realizando uma revisão nas propostas em nome da Saúde Pública da Inglaterra.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores