Driblando a ressaca

Artigo traduzido por Hilton Sousa. O original está aqui.

por Mark Sisson

A ressaca é um monstro interessante. Assim como o Pé-Grande, o Abominável Homem das Neves e qualquer outro humanóide mitológico peludo, praticamente toda cultura e nação tem uma literatura extensa (seja escrita ou não) sobre o assunto das ressacas. Afinal de contas, álcool é o intoxicante universal, e ressacas são a consequência inevitável do abuso.

São mesmo ?

Mike, um leitor, recentemente me escreveu contando o caso da ressaca perdida:

Eu tenho seguido o Primal Blueprint por mais de 2 meses. Minha dieta, condicionamento, etc, têm sido muito estritos com uma exceção: o drinque ocasional.
Embora eu não tenha compulsões por álcool, quando tenho contato com ele em ocasiões sociais, eu vou tomar um ou vários drinks, e depois vou a pé para casa. Na semana passada tive 2 ocasiões nas quais estive extremamente coagido em ambiente social, com pessoas me pagando bebidas – principalmente uísque. No passado, se eu entrasse numa bebedeira, acabaria de joelhos no altar da deusa de porcelana, ou no mínimo acordaria com uma dor de cabeça, desorientado e com as tripas borbulhando. Então me sentiria mal pelo resto do dia, e não iria querer comer nada. Aos 38, eu achei que isso fosse ficar pior. 
Mas algo mudou. 
Eu fiz a conta, e foram 9 doses de Maker's Mark (N.T.: marca de bourbon) e 3 cervejas ao longo de 5 horas. Caminhei até em casa, fui para a cama e acordei com tempo de sobra para ir trabalhar. Comi o desjejum, e não me senti mal com isso. Na noite seguinte, 7 cervejas e 3 taças de vinho ao longo de 4 horas. Fechei a noite comendo costelas defumadas e andei até em casa. Esta manhã, sem dor de cabeça, sem problemas. Houve um pouco de fezes amolecidas, e foi só. Saí para trabalhar em perfeitas condições. 
Não tenho planos de continuar essa tendência alcoólica e planejo ficar abstêmio pelas próximas 3 semanas, entretanto estou perplexo pela "ausência". 
É porque eu me livro mais eficientemente das toxinas ? 
É por que tenho uma taxa metabólica aumentada ? 
Talvez seja por causa da maneira como meu corpo está queimando combustível ? 
Não é a caminhada, nem o copo de água que bebo antes de me deitar, ou a carne tarde da noite. Essas são coisas que eu já fazia antes, e quando encarava a bebedeira ocasional. pagava o preço. Estou curioso sobre se outras pessoas tiveram a mesma reação, ou se fazem idéia do motivo do desaparecimento da ressaca. 
Mike

O que é uma ressaca, exatamente ? Como elas aparecem, e como podemos evitar que ocorram ou mitigar sua severidade ?

Bem, a maneira óbvia e à prova de falhas para evitar ressacas é abster-se de tomar álcool, mas esse não é o foco do artigo. Podemos evitar completamente a bebida e nunca ter uma ressaca, é claro, assim como podemos evitar quaisquer das consequências potencialmente negativas (doenças venéreas, gravidez indesejada) que acompanham o ato sexual nos abstendo de todo e qualquer sexo – mas onde está a diversão nesse caso ? As pessoas vão beber, mesmo pessoas saudáveis e primais, e não ajuda em nada dizer simplesmente "não beba". As pessoas bebem. Vamos investigar como lidar com isso.

A variedade básica de ressaca manifesta-se em vários sintomas clássicos: dores de cabeça, boca seca, tonturas, fadiga, mau-humor, fraqueza física, falta de concentração, sudorese, ansiedade, sensibilidade à luz e ao som, irritabilidade, sede extrema, fome extrema, entre outros. Algumas pessoas têm apenas a dor de cabeça e a fadiga, enquanto outros sofrem com a turma toda. De qualque rmaneira, uma ressaca é absoluta e inequivocamente ruim.  Seu único benefício pode estar na sua capacidade de servir como reforço negativo para a próxima vez que você decidir encher a cara.

Diurese e desidratação


A presença de etanol (álcool) no corpo induz a diurese (aumento na produção de urina). Todos nós já percebemos isso. Você toma algumas com os amigos, e tendo que ir ao banheiro entre cada drinque, acaba expelindo mais líquidos do que está ingerindo. O que acontece ? O etanol inibe a secreção do hormônio antidiurético (ADH, ou vasopressina) pela pituitária; esse é o hormônio que te impede de molhar as calças, e sem ele os rins mandam água direto para a bexiga, reduzindo a absorção pelo corpo. Quando você urina pela diurese induzida por etanol, é praticamente só água (perceba a cor – é bem clara), junto com eletrólitos necessários para a função corporal adequada. Isso leva à desidratação, que por sua vez leva às dores de cabeça (o corpo sedento tira água do cérebro, fazendo com que ele se contraia), fadiga, tonturas (falta de potássio e sódio fazem isso com você) e boca seca. Soa familiar ?

Aumento de acetaldeído tóxico


Outra fonte das agruras da ressaca vem do acetaldeído, que é criado quando uma enzima chamada álcool desidrognease quebra o etanol no fígado. Acetaldeído é muito mais tóxico que o etanol em si, então o corpo libera acetaldeído desidrogenase e glutationa para quebrar o acetaldeído. Se você tomar apenas alguns drinques e puser intervalos razoáveis entre eles, a produção natural das enzimas do seu corpo vai dar conta. Se você começa a beber com força, entretanto, os estoques de glutationa se esgotam e o fígado precisa produzir mais. Enquanto isso, o acetaldeído – que é de 10 a 30 vezes mais tóxico que o etanol – acumula-se no seu corpo. Certos grupos são menos equipados para lidar com o álcool, entretanto. Mulheres, por exemplo, produzem menores quantidades de acetaldeído desidrogenase e glutationa do que os homens, tornando-as mais suscetíveis a ressacas. Muitas pessoas de ascendência asiática possuem genes incrivelmente eficientes para álcool desidrogenase, e assim aumentam a quantidade de acetaldeído produzida a partir do etanol. Aproximadamente metade dessas pessoas têm genes ineficientes para acetaldeído desidrogenase, entretanto, e assim diminui a quantidade de acetaldeído que pode ser metabolizada. Quando essas pessoas bebem, o acetaldeído acumula-se mais rápidamente e fica em circulação por mais tempo, levando a ressacas instantâneas.

Congêneres


Durante a fermentação e destilação, os congêneres – ou subprodutos do processo – são obtidos. Congêneres podem incluir acetona, acetaldeído, taninos e mesmo aromatizantes usados para distinguir as bebidas. Como regra geral, bebidas mais escuras contêm níveis mais altos de congêneres, com o brandy (conhaque) tendo o nível mais alto. Um estudo mostrou que bebedores de uísque têm ressacas piores que bebedores de vodca quando ambos os grupos recebiam quantidades iguais de álcool, sendo que os níveis mais altos de congêneres do uísque levaram a culpa. Vinho tinto, que tende a ser rico em taninos, é outro famoso indutor de ressacas. O efeito básico da diurese induzida por etanol é suficiente para causar uma ressaca, mas parece que os congêneres podem tornar as coisas ainda piores.

Ok, então estabelecemos o motivo de as ressacas fazerem o que fazem, mas como podemos lidar com elas ?

Medidas preventivas básicas


Há alguns métodos validados de evitar que as ressacas sequer ocorram. Dependendo da sua sensibilidade à bebida (e, possivelmente, dos níveis de congêneres no seu drinque), você pode geralmente evitar a maior parte dos problemas ligados à ressaca ao seguir algumas diretrizes básicas:

  • Beba até ficar alegre, então pare. Beba, mas evite ficar bêbado. Deixe a sua glutationa equiparar seu acetaldeído.
  • Beba água com seu álcool. Tenha um copo de água à mão ao longo da noite. Se pedir uma bebida ao cara do bar, peça uma água junto e beba antes de tomar o álcool. Isso deve te ajudar a manter-se hidratado. Ainda melhor: acrescente um pouco de sal marinho na água para prover eletrólitos
  • Coma antes de beber. Um estômago vazio te deixarrá um bêbado gastando pouco dinheiro, mas a manhã seguinte será ruim
  • Coma enquanto estiver bebendo. Algo gorduroso, como um bom queijo, é perfeito especialmente com vinho. Um velho truque dos países mediterrâneos é tomar uma grande colher de azeite de oliva antes de uma noite de bebedeira.
  • Beba dois copos de água grandes imediatamente antes de ir para a cama. Novamente, adicione sal marinho pelos eletrólitos. Você também pode beber Pedialyte ou água de coco para mais eletrólitos. Ainda que tenha exagerado na bebida, colocar fluidos para dentro antes de dormir pode mitigar o pior do que está por vir.

Medidas preventivas mais avançadas


Mitigação


Você não pode evitar as ressacas para sempre. Para alguns, elas são inevitáveis como a morte e os impostos. Se você tiver uma ressaca, aqui estão as maneiras básicas de melhorar sua situação, e eu não mencionarei as coisas que os chatos sempre sugerem, como "dê tempo ao tempo" ou "evite" (por mais corretas que elas possam ser).

  • Tome uma aspirina. É um anti-inflamatório básico, seguro e relativamente eficiente.
  • Tome café, que na prática pode reduzir o inchaço dos vasos sanguíneos da cabeça que podem estar causando sua dor de cabeça. É bom para a fadiga também, e sua reputação como diurético é altamente exagerada.
  • Beba caldo de ossos, que fornece eletrólitos e minerais.
  • Beba algo com eletrólitos. Prepare a bebida eletrolítica primal ou beba o original: água de coco.
  • Exercite-se. Pode ser a coisa mais distante da sua mente, mas uma boa sessão de atividade física intensa (pode ser qualquer uma) sempre parece me ajudar  no pós-guerra. Faça com que seja breve e intensa.
  • Uso intraenoso de eletrólitos. Eu já ouvi histórias de enfermeiros que se ligaram a soro intravenoso com eletrólitos depois de uma noite de exageros, e estavam novos em folha depois de alguns minutos. Estou certo de que funciona, mas quantos de nós têm acesso a soro intravenoso ?
  • Coma ovos, que são ricos em cisteína – pense na NAC. Apesar de NAC ser muito mais efetiva como medida preventiva, ela parece ter alguma eficácia depois que a ressaca já foi estabelecida também. Suplementos de NAC podem funcionar aqui também, mas eu já ouvi que tornam a ressaca ainda pior para algumas pessoas. Tenha cuidado e veja o que funciona para você.
  • Coma coco, que também é rico em potássio. Se você estiver numa ressaca devastadora, provavelmente seu potássio está muito baixo.

O que não fazer


  • Beber mais. A "rebatida" é um tratamento popular, mas é apenas atrasar o inevitável. Assim que o álcool for metaboliado, você provavelmente vai voltar para o inferno daressaca.
  • Encher-se de paracetamol, que é um analgésico mas que pode por uma tonelada de estresse no fígado. Seu fígado já teve bastante por um dia. Dê uma folga a ele!

Resumindo, ressacas são incrivelmente fáceis de evitar, dado que você se planeje com antecedência. Eu suspeito que a maioria das pessoas vai se dar bem simplesmente levando um estilo de vida primal, anti-inflamatório (dieta, exercício, descanso, estresse, sono, etc), mantendo-se hidratadas, comendo algo e moderando a ingestão de álcool. Evidências anedóticas parecem sugerir que comer paleo/primal aumenta a tolerância ao álcool (ou no mínimo reduz a incidência e severidade da ressaca), apesar de algumas pessoas terem resultados diferentes. Se você é mais sensível aos efeitos negativos da bebida, e as medidas preventivas básicas não estão funcionando, provavelmente vale a pena tentar as estratégias mais avançadas (ou, é claro, você pode beber menos).

Sobre a pergunta do Mike, meu melhor chute é que a sua maneira de comer, viver e exercitar-se fornece quantidades grandes de nutrientes, antioxidantes, minerais e sinalização anti-inflamatória – todos contribuindo para sua resistência aumentada à ressaca.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores