De pé sobre os ombros de gigantes

Artigo traduzido por Hilton Sousa e Antônio Junior. O original está aqui.

por Marty Kendall

  • Pessoas que têm diabetes tipo 1 e controle glicêmico excelente são estatisticamente raras.
  • Esses "excepcionais" tipicamente foram influenciados pelo trabalho do Dr. Richard Bernstein.
  • Pessoas bem-sucedidas no gerenciamento do diabetes tipo 1 controlam a quantidade de carboidratos em sua dieta para evitar "a montanha-russa do açúcar".
  • Assim como calculam a insulina requerida para o carboidrato, aqueles que controlam o diabetes tipo 1 tipicamente também precisam calcular a dose de insulina para as proteínas.
  • Exercícios e jejum também ajudam a melhorar a sensibilidade

Histórico


De acordo com o T1D Exchange [1], 1.2% dos diabéticos tipo 1 nos EUA tem hemoglobina glicada menor que 5.7%. 29 dos 25.000 diabéticos tipo 1 cadastrados o banco de dados (ou seja, 0.1%) tem hemoglobina glicada inferior a 5.0%.

Eu tenho o privilégio de conhecer algumas pessoas que estão conquistando o diabetes tipo 1 através do grupo TYPEONEGRIT do Facebook [2], no qual você regularmente verá postagens como essa.

Se você tem problemas com glicemia, sinto muito pelo seu filho. Eu tenho 99 problemas, mas glicemia alta não é um deles


Ao invés de simplesmente falar sobre a teoria, eu achei que seria útil traçar o perfil de um punhado de pessoas que têm sido inspiração para nós, e que mostraram o que é necessário para não apenas sobreviver, mas florescer com diabetes tipo 1.

O que essas pessoas têm em comum, e que podemos aprender ? O que elas fazem de diferente, baseado em sua situação ?

Dr. Richard Bernstein


Dr. Richard K. Bernstein [3] tem sido a "voz solitária" do movimento low-carb por 4 décadas. Eu primeiro fiquei sabendo sobre seu trabalho no episódio #683 do programa LLVLC do Jimmy Moore [4].

Apesar de ter diabetes tipo 1 ele mesmo, desde os 12 anos de idade, ainda é forte aos 81. A história de Bernstein é fascinante, e um exemplo do que pode ser alcançado.

Richard Bernstein iniciou sua carreira como engenheiro. Sua esposa é médica, então foi capaz de comprar um dos primeiros medidores de glicemia em 1969. Naqueles dias, medidores glicêmicos eram usados primariamente para detectar se pessoas que chegavam à emergênciade  um hospital à noite estava inconsciente por ter bebido demais ou porque tinha glicemia elevada.


Bernstein, an avid self-experimenter, measured his blood sugars six times a day, and over time gained an understanding of how much a certain amount of carbohydrate raised his blood glucose levels, and conversely, how much a certain amount of insulin lowered them.


Na época, disseram a ele que era perda de tempo encorajar pessoas com diabetes a medir sua glicemia porque não havia ganhos em uma pessoa com diabetes alcançar glicemia normal [5]. Apesar disso, o que Bernstein aprendeu cedo forma hoje a base para o cálculo da insulina basal, que é embutida em cada bomba de insulina usada hoje pela maioria dos diabéticos tipo 1.

Aos 45 anos de idade, Bernstein entrou na escola de medicina, num esforço de fazer com que as pessoas ouvissem suas teorias. Essas teorias ainda são consideradas excêntricas hoje em dia, possivelmente porque elas não se alinham às diretrizes dietéticas geradas pelo Departamento de Agricultura Americano (USDA).

Bernstein documentou seu istema no livro "Dr. Bernstein's Diabetes Solution" [6]. Ele também está em vias de gravar uma série de vídeos no YouTube, "Dr. Bernstein’s Diabetes University" [7]. Eu acho fascinante ouvi-lo falar sobre seu protocolo de malhação pesada "Body By Science", aos 81 anos! [8].

Ele recomenda que pessoas com diabetes tipo 1 não comam mais que 6g de carboidratos no desjejum, não mais que 12g no almoço e jantar. Isso permite a pessoas com diabetes ficarem longe da montanha russa do açúcar e gerenciem sua glicemia com doses menores de insulina.

Bernstein também reconhece que proteína requer insulina [9], entretanto, no geral ele contabiliza isso comendo refeições consistentes e refinando as doses de insulina baseado na medida do glicosímetro após cada refeição.

Troy Stapleton


Tive o privilégio de conhecer o Dr. Troy Stapleton durante uma sessão do filme "Cereal Killers" [10] em Brisbane, em Agosto de 2014. Ele estava em um painel respondendo questões após o filme. Depois da sessão, nós conversamos com ele por cerca de 1 hora.

Foi inspirador para nós ver alguém que vive uma vida plena, com diabetes tipo 1. Na época, minha esposa Monica estava lutando para sequer pensar em trabalhar, porque não tinha energia suficiente para durar o dia inteiro sem tirar sonecas antes de buscar as crianças na escola. Mas ali estava Troy, comandando bem-sucedidamente um departamento de radiologia!

A foto ao lado mostra Troy (direita) com Tim Noakes [11] (centro) e Ron Raab [12] (esquerda), quando debatiam "Carboidratos – Vítimas ou Vilões" no Encontro Científico Anual da Sociedade Australiana do Diabetes e da Associação Australiana dos Educadores em Diabetes em Melbourne (agosto/2014).

Eu encontrei Troy novamente no seminário "Low Carb Down Under" em Brisbane, em novembro/2014 [13]. Sua apresentação foi excelente, e eu passei algum tempo com ele durante a palestra do Steve Phinney [14] no dia seguinte. Ele carinhosamente perguntou como estava Moni, e ficou realmente interessado em nos ajudar na jornada.

Vale a pena verificar a história de Troy, se você não a conhece.


Não há nada de estranho na abordagem de Troy. Ele simplesmente come comida de verdade, não-processada. Simplesmente mostra o que pode ser feito, e vive fazendo isso.

Ao invés de dizer que todo mundo deveria fazer o que ele faz, ele simplesmente diz que as pessoas deveriam ser educadas a respeito das opções, e então dadas a escolha.

Além de ser um seguidor de Bernstein e Taubes, ele é também fã da abordage paleo/primal do Mark Sisson, e gosta de pesar tudo contra o padrão evolutivo ao invés de confiar em estudos associativos.

Quando inicialmente se auto-diagnosticou com diabetes tipo 1 e foi ao departamento de endocrinologia do seu hospital, lhe disseram para comer 240g de carboidratos por dia e cobrir isso com insulina.

Troy diz: "Em 1 semana eu voltei para perguntar sobre low-carb, mas me disseram que eu precisava de carboidratos e que low-carb não funcionaria. Eu continuei a ler pelos 2 meses seguintes e me convenci gradualmente de que low-carb era o caminho a seguir. Eu mudei para low-carb em dezembro de 2012 e nunca mais olhei para trás. Minha glicemia baixou e estabilizou-se; minha dose de insulina reduziu; minhas hipoglicemias quase desapareceram e minha depressão/ansiedade curaram-se".

Ele explica como foi capaz de estender a "fase de lua-de-mel" [15] do seu diabetes tipo 1, apesar de ter a doença há quase 2 anos e meio. Ao manter seus carboidratos baixos, ele agora é capaz de manter a função das células beta do pâncreas. Atualmente, ele só precisa tomar insulina de ação prolongada, e apenas com doses ocasionais de insulina com as refeições.

Infelizmente, pessoas recém-diagnosticadas com diabetes tio 1 frequentemente destroem o restante das células beta pancreáticas ao seguir o aconselhamento dietético padrão, e assim sua "lua-de-mel" é curta (e doce ?), com doses de insulina aumentando à medida que o pâncreas falha e a resistência à insulina progressivamente piora.

Troy me disse que sua HbA1c fica próxima de 5.0%. Seu diabetes é controlado com insulina de ação prolongada, uma dieta de baixa carga insulínica e ciclismo e surfe, que ele ama! Ele disse que se a hemoglobina glicada começar a subir no futuro, ele vai adicionar mais insulina com as refeições.

Dave e RD Dikeman


Eu conheci Dave Dikeman e seu pai, RD Dikeman, no episódio #831 do programa LLVLC do Jimmy Moore [16]. Ainda me lembro de Dave, aos 9 anos, dizendo "picadas no dedo agora ou uma amputação depois, a escolha é muito simples".

Parecia tão lógico e claro para o jovem Dave. Entretanto, o que ele estava dizendo era radical pra nós, depois de se atrapalhar com a o aconselhamento convencional para o diabetes e sem direção clara de como ter bons níveis de controle glicêmico.

O pai de Dave, RD, é um físico teórico e cientista-chefe da Lockheed Martin, empresa que presta serviços ao Departamento de Defesa. RD tornou-se apaixonado pelo diabetes depois de descobrir o livro do Dr. Bernstein, e depois de piorar com o aconselhamento dietético trandicional para diabetes nos meses que seguiram-se ao diagnóstico.

Dave agora está vibrando com o plano de Bernstein, que inclui bastante proteína para garotos em crescimento.


Como muitos membros da família de diabéticos que descobrem low-carb, RD também tem sua história de como uma dieta reduzida em carboidratos o ajudou a mudar o rumo da sua saúde.

Esse gráfico contínuo de glicemia mostra os níveis de glicose de RD após alguns anos de implementar o aconselhamento do Dr. Bernstein em sua família.



Esse artigo escrito por RD e Dave [17] oferece uma janela fascinante ao pensamento deles, e os segredos do sucesso para se gerenciar o diabetes tipo 1. Sua análise demonstra que não é possível conseguir glicemia normal com grandes quantidades de carboidrato na dieta.

Seria impossível um pâncreas artificial baseado em um medidor de glicose e uma bomba de insulina automatizados – ambos têm atrasos inerentes – responder rápido o suficiente a altos níveis glicêmicos causados por grandes doses de carboidratos antes que níveis inseguros de hiperglicemia ocorressem.

Os Dikemans criaram o grupo TYPEONEGRIT [18] para apoiar a jornada de outros com diabetes tipo 1, seguindo os protocolos de Bernstein. Conforme recomendado por Troy Stapleton, nós nos juntamos ao grupo no final do ano passado e eu não consigo expressar o quão útil foi, ver as pessoas ativamente implementando as recomendações de Bernstein no dia-a-dia da vida real.

Uma coisa é ler a teoria, mas é outra inteiramente diferente ver todas aquelas pessoas com as curvas glicêmicas certinhas, ser capaz de fazer perguntas bobas e compartilhar suas lutas cotidianas a respeito do que um "racha" radical do que a maioria das pessoas considera "normal".


Uma vez que você veja a teoria na prática, percebe que pode ser capaz de fazer também. Quando você vê aquelas pessoas saudáveis, vibrantes e apaixonadas, você pára de preocupar-se sobre se terá um infarto amanhã devido à dieta rica em gordura.

Os Dikemans também produzem a "Dr. Bernstein’s Diabetes University" [19], que está levando a palavra a uma nova audiência inteira através dos vídeos do Dr. B.



Lisa e Daniel Scherger


Lisa Scherger é uma senhora com "sangue nos olhos", quando trata-se de gerenciar o diabetes tipo 1 do seu filho Daniel! Se você não viu a sua apresentação curta no seminário Low Carb Down Under" em Brisbane (2014) [20] assista agora!



Lisa recentemente adquiriu um medidor contínuo de glicose [21] que lhes permitiu levar o gerenciamento da glicemia a um novo nível, e a refinar ainda mais a dosagem de proteína.

No blog da Lisa [22] ela compartilhou há pouco tempo seu "segredo" para conseguir uma linha constante na glicemia e como lidar com os picos de glicemia causados pelas proteínas.

Então, para os carboidratos e fibras, eu dou insulina 40 minutos antes do jantar. Então eu compenso pela proteína que será convertida em glicose (gliconeogênese) 1 hora depois do fim da refeição, de maneira que a insulina comece a circular no momento esperado do pico.

Lisa é inflexível ao afirmar que contabilizar as proteínas, além dos carboidratos, é crítico para otimizar o controle glicêmico

Noite passada eu me esqueci de ligar o alarme para aplicar a dose da proteína, e fiquei acordada até as 4 da manhã para conseguir baixar a glicemia. O pico de glicemia causada por proteínas em Daniel começa exatamente 2 horas depois da refeição, e uma vez que começa, não consigo pará-lo. Ele precisa se injetar para compensar a proteína 1h e 15 minutos depois da refeição, de maneira que a insulina circule no momento certo.

Aprender a dosar a proteína, bem como o carboidrato, é um processo. Conseguir gráficos de glicemia "retos" tipicamente leva tentativa e erro para aperfeiçoar.



Entretanto, os resultados da atenção de Lisa aos detalhes falam por si: hemoglobina glicada consistentemente inferior a 5.0%…


... e um filho que floresce tanto na vida acadêmica quanto na atlética.



Angela Erickson


Angela é outro membro do grupo TYPEONEGRIT, que recentemente completou um jejum de 84h na tentativa de fazer um "reset" na sua sensibilidade à insulina. Durante o jejum, ela mediu níveis de cetonas de até 3.4mmol/l (61.2mg/dl) e logo registrou uma hemoglobina glicada de 4.7%.



Quando eu a perguntei sobre o que ela diria que foram os segredos do seu sucesso, ela disse: aprender a quantidade correta de proteína que funciona para mim, exercício e jejum.



Angela se injeta com insulina para os carboidratos 15 minutos antes da refeição, e então com uma dose para as proteínas 1.5 horas depois da refeição usando a bomba, ou 2 horas depois com uma dose de insulina intramuscular de ação rápida.

Além de "quase não comer carboidratos", ela também controla a proteína para garantir que não há excessos, ficando na média de 1g por kg de peso corporal por dia.

Angela também disse que toma insulina para voltar aos 84mg/dl sempre que atinge os 90mg/dl, a menos que tenha comido nas últimas 2h.

Jejuar não é uma peça central no regime do Dr. Bernstein, entretanto Angela descobriu que era capaz de melhorar a sensibilidade à insulina com períodos de jejum. Depois de 1 dia de jejum, ela viu que tinha que diminuir suas taxas basais para 70%, e após 3 dias de jejum, para 50%. E isso melhorou a sensibilidade à insulina depois que o jejum terminava.

Períodos de jejum podem ser úteis para pessoas com diabetes tipo 1 para refinar suas taxas basais. Similarmente, jejum também pode "resetar" a resistência à insulina para pessoas que não têm diabetes tipo 1. O fato de que você pode ver isso numericamente numa bomba de insulina é uma demonstração clara do que acontece no resto da população depois que jejuam.

Quando perguntei se ela achava que o jejum ou a dieta com baixa carga de insulina era o mais importante, ela disse :

Não estou certa de qual é mais importante. Acho que as cetonas são um poderoso remédio. Eu me sinto eufórica após longos jejuns, e isso dá ao meu corpo um descanso. Estou tentando me curar e perder uns quilos extras.


Lucy Smith


Nós conhecemos essa família fantástica no piquenique do grupo TYPEONEGRIT em Brisbane, recentemente. Lucy é a menina do meio, com seu cãozinho (em treinamento) que alerta para hiperglicemia.


Na foto abaixo, Lucy com sua comida de hospital, quando foi diagnosticada com diabetes tipo 1 pouco mais de 1 ano atrás. Vamos apenas dizer que ela não come mais isso.




Esse é o vídeo do primeiro ano de Lucy com diabetes tipo 1, e é tocante o que representa para uma criança viver com a doença.



Os Smiths fazem parte da CGM (Controle Glicêmico Contínuo) na nuvem [23], e conseguiram alterar o CGM de sua filha para, de um telefone Android em sua mochila, transmitir o seu nível de glicose no sangue a cada cinco minutos para a nuvem. A coisa mais incrível de tudo isso é que ele foi criado como uma "gambiarra" pelos pais. A DEXCOM se apressou para levar ao mercado, para manter-se a par com a tecnologia (apenas nos EUA).

Ambos os pais e professor de Lucy usar um pequeno relógio [24] com o aplicativo Nightscout [25], que lhes permite ver o nível de açúcar no sangue de Lucy. Se vêem que saiu faixa correta, os pais mandam SMS a professora que normalmente informa que ela acaba de fazer uma picada no dedo e está tratando.




E ele está funcionando! Embora em 4,8%, o último HbA1c de Lucy estava fora do intervaloalvo de 7,8-8,5* para alguém da idade dela!


Allison Bleckley Herschede



Alison é uma das administradoras do grupo de Facebook TYPEONEGRIT [26] e ajuda de cerca de 1000 membros que têm diabetes tipo 1 e seus familiares, no sentido de atingir melhor controle de açúcar no sangue.

Quando se trata de lidar com a proteína, Allison pratica o que alguns chamam de "surfar o açúcar" [27] com uma aplicação dada para os carboidrato da refeição. Ela então vê o seu CGM e micro doses para trazer a glicose de volta para baixo se estiver acima de 93mg/dL (5,2mmol/l).

A diferença para Allison entre "surfar o açúcar" e sua abordagem influenciada por Bernstein é que ela mantém os carboidratos baixos para que as "ondas" sejam mais como ondulações, são mais fáceis de gerenciar.


Allison tem desenvolvido algumas diretrizes para alcançar um excelente HbA1c, incluindo:

  • Alvo de 4,6mmol/l (ou seja 83mg/dl)
  • Legumes e proteína antes de carboidratos.
  • As injeções múltiplas podem ser necessárias para uma refeição rica em proteínas. Acompanha o CGM duas a três horas após a refeição.
  • Se do sexo feminino, modificar taxas basais durante o ciclo mensal.
  • Tomar suplementos de sensibilização à insulina: R-Alpha ácido lipóico, biotina, cromo.
  • Tomar uma unidade de insulina bolus ao acordar para compensar o Fenômeno da Madrugada [28]


Você pode ler mais sobre a jornada de Allison com o tipo 1 em seu blog, incluindo a sua experiência com diabetes tipo 1 e gravidez. Recentemente ela gravou esses vídeos que demonstram como usar um medidor HbA1c caseiro ...



... e sua própria surpresa com o resultado é inestimável


Nos comentários destes vídeos, onde ela mostrou que ela tinha cronometrado HbA1c de 4,4%, ela disse 

... Eu estou fazendo essa coisa de dieta. Menos de 800 calorias, 5 dias dentro em 2 dias de folga. Supõe-se que imite o estado de jejum. Bem minhas necessidades de insulina muito têm caído. É loucura.

Nossa Jornada


Nós ainda estamos no caminho, mas aprendemos muito com essas pessoas incríveis! Minha esposa Monica tem feito um trabalho incrível de implementação das receitas postadas no grupo TYPEONEGRIT em nossa cozinha, e fez da cozinha low-carb uma forma de arte deliciosa. Após três décadas de HbA1cs em torno de 8% está agora em menos de 6% e a melhoria da qualidade de vida é enorme.

A maior melhoria até o momento para a nossa família tem sido seguir uma dieta decarga de insulina reduzida, o que significa que a dose de insulina para alimentação e a dose de insulina para correção são menores no geral, e as flutuações nos níveis de glicose no sangue são muito reduzidas.

Depois de ver o sucesso de todas essas pessoas com CGMs, agora estamos começando a olhar um CGM DEXCOM para Monica embora, infelizmente, não haja subsídios na Austrália – por isso não é barato!

Nunca vai ser perfeito, mas quando as doses de correção são menores, você tem uma melhor chance de ter a glicemia mais estável.

As melhorias até o momento permitiram Monica ter a energia para trabalhar como professora substituta praticamente em tempo integral, enquanto ainda faz um grande trabalho ao cuidar da família!


Quando a glicemia dela está sob controle, ela precisa de muito menos sono, e seus níveis de humor e energia são muito melhores. É sempre uma viagem. Não há linha de chegada. É um desafio constante. 

Vale a pena? Sim! A qualidade de vida para toda a nossa família tem visto uma mudança enorme e estamos ansiosos para continuar a avançar.

Referências



Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores