A volta do guerreiro

Esse ano eu me mantive em dieta do guerreiro (WD) até por volta de março: almoçava, e depois só colocava comida na boca no dia seguinte – deixei a malhação para a noite. 

Na época, tinha chegado de férias e estava pesando 66kg: tinha ficado 15 dias na praia, e embora não tivesse fugido da dieta nenhum dia, abusei de frutas frescas e secas e água de coco. Ganhei 4kg nesse intervalo. Certamente não era tudo gordura – sabemos que em um homem adulto, o estoque de glicogênio fica perto dos 700g, e que cada 1g de glicogênio traz consigo aproximadamente 3g de água. Ou seja, uma abusada de carbos pode te fazer "engordar" 3kg facilmente (não sei quanto a vocês, mas em finais de semana que como frutas ou mel demais, ganho 1kg – que some ao longo da semana seguinte).

De qualquer maneira, engordei 4kg. E perdi esses 4kg em 1 mês.

Quando as aulas na faculdade recomeçaram, duas coisas aconteceram:

  1. Machuquei o ombro fazendo escalada (para quem não sabe, o meu ombro direito já passou por duas cirurgias e não tem 100% de mobilidade). Eu estava me sentindo o Super-Homem, fui abusar e alguma coisa estragou. Fiz bastante fisioterapia, RPG e pilates, e até o momento continua razoavelmente ruim (confesso que estou com medo de ter que operar de novo). Umas 3 semanas atrás, peguei pesado demais no treino de pernas, e o joelho direito está reclamando. A malhação foi praticamente a zero.
  2. Acabei passando a fazer uma refeição noturna, além do almoço. Assim, passei de 24/0 para 12/12. 

Para mim, JI 12/12 funciona muito melhor que 3 refeições por dia (e obviamente, melhor que comer a cada 3 horas). Mas não quer dizer que funcione melhor que 24/0... O que aconteceu foi que ao longo do ano eu saí de 62.5kg e subi para a faixa 63.9-64.3kg. Isso não é nem de longe, "gordo" – mas me incomodava no sentido de saber que o peso estava ali simplesmente porque eu fazia questão de comer meu pratão de torresmo e uma fruta, antes de dormir (agora, lendo a série do Jason Fung, consigo perceber isso mais claramente). Eu nunca, nunca, nunca saio da dieta – e mesmo assim o peso subiu e estabilizou-se.

Com o auto-experimento do Hugo, eu percebi que estava comendo à noite mais por ter medo de ter fome, do que por fome. E essa semana resolvi fazer um teste: cheguei da faculdade na terça (10/11) à noite, comi um pouco e fiquei 36h sem comer. Confesso que gostaria de ter ficado 48h, mas não consegui. Nas últimas 6h de jejum, o estômago já estava reclamando um bocado. Assim, fui ver qual tinha sido o resultado na balança, e vi que tinham ido-se embora 1.8kg. 

Saí de 64.3kg na terça à noite (pré-jantar) para 62.5kg na quinta meio-dia. Nenhuma malhação esteve envolvida, nem sequer as minhas caminhadas para o trabalho (estou dando folga para o joelho!). O meu primeiro pensamento foi: "Ok, eu esgotei o glicogênio, e com ele foi-se a água retida. Assim que eu almoçar, volta tudo". 

E comi um prato de aproximadamente 1kg: carne cozida, torresmo, couve-flor, abóbora, cenoura, beterraba, alface e cebola cozida com mel. Para a sobremesa, 1 banana grande, 1 maçã, uns 50g de amendoim, um punhado de uvas-passa e cacau em pó (tudo misturado).

Ontem à noite (12/11), fui para a aula. Quando cheguei, por volta das 22h30, tive o velho impulso de comer – mas não comi.

Hoje (13/11) cedo, me pesei novamente: 62.7kg. Ou a minha perda de 1.8kg não foi "só água", ou então os carbos que comi ontem não foram suficientes para encher o glicogênio novamente...

O resultado disso é que decidi voltar a praticar WD. Agora já sei que mesmo sem malhar, não vou perder massa magra por um jejum "curto" (24h). Agora já sei que o meu "medo de ter fome" é infundado, e era apenas uma desculpa: uma pessoa que comeu 1kg de alimento ao meio-dia não vai morrer se não comer nada por volta de meia-noite. É um conhecimento que eu tinha teoricamente, mas que por comodidade/preguiça/gula, "esqueci" nos últimos meses.

Talvez eu escapula da WD aos fins de semana, para tomar um vinho e comer uns queijos com a esposa. Mas isso é pequeno em vista do que vou manter durante a semana. 

Me economiza tempo, dinheiro e me dá saúde. É um jogo ganha-ganha.

Para o teste do espelho, infelizmente não tirei foto no dia 10/11 – então vou comparar fotos dos dias 15/10 e 12/11.



15/10/2015
64.1kg

12/11/2015
62.5kg
(quase já dá para prender o cabelo todo ;-)

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores