4 Causas de Excesso de Androgênios em Mulheres

Artigo traduzido por Juliana Whately. O original está aqui.

por Lara Briden

androgen excessSe você sofre de perda de cabelo, pêlo facial (hirsutismo) ou acne, então você sabe tudo sobre o excesso de andrógenos. Andrógeno significa "hormônio masculino" e seu médico pode já ter testado a testosterona e outros andrógenos. Ou ele pode não ter se preocupado em testar e simplesmente diagnosticou você com base em sintomas. De qualquer forma, ele provavelmente prescreveu uma droga supressora de andrógenos tais como espironolactona.

Mas vamos pensar nisso um pouco mais. Por que você tem excesso de andrógeno? O que mais você pode fazer sobre isso?

Controle de natalidade androgênico

A causa mais simples e mais evitável de excesso de andrógenos é o controle da natalidade hormonal. Alguns (não todos) os tipos de controle de natalidade usam progestina sintética que têm um "alto índice de andrógeno", o que significa que eles são similares à testosterona. Eles são androgênicos e promovem a perda de cabelo, e este efeito é bem conhecido entre a comunidade médica, embora raramente mencionado para pacientes.

Você está tomando uma progestina androgênica? Leia o rótulo.

Progestinas com alto índice de andrógeno incluem de medroxiprogesterona (injeção Depo-Provera), levonorgestrel (muitas pílulas, implante Norplant, DIU Mirena e pílula do dia seguinte), norgestrel e etonogestrel (muitas pílulas, Nuvaring, implante NXT).

Progestinas com baixo índice de andrógeno incluem drospirenona (que é espironolactona), norgestimato e de ciproterona, e, claro, a progesterona natural. Na verdade, a progesterona natural, endógena, é anti-androgênica, porque inibe a5-alfa-redutase, e é por isso que a progesterona natural é boa para o cabelo.

O tratamento é mudar o controle da natalidade. Escolha uma progestina menos androgênica ou ainda melhor: escolha um método não-hormonal como Método de Consciência da Fertilidade, preservativos ou DIU de cobre. Uma vez que você parar a progesterona, seus sintomas de androgênio devem diminuir, mas, infelizmente, a perda de cabelo pode, por vezes, perdurar por meses ou mesmo anos.

Hipersensibilidade a uma quantidade normal de andrógeno

Uma causa pouco mais desconcertante de excesso de andrógenos é uma hipersensibilidade aparente do receptor de andrógeno. Este é o diagnóstico quando há sintomas de andrógenos elevados, mas níveis normais de andrógenos em um exame de sangue. Quando a perda de cabelo é o principal sintoma, a hipersensibilidade andrógena é chamada alopecia andrógena (ou androgenética).

A hipersensibilidade andrógena é supostamente genética, mas essa explicação não é muito satisfatória, porque as gerações anteriores de mulheres jovens não sofreram a mesma epidemia de perda de cabelo. Uma explicação mais provável é ou exposição a progestinas androgênicas (discutido acima), ou a intrigante: inflamação no receptor de androgênio, tal como explorada neste pesquisa de 2011. Descobri que a sensibilidade andrógena das minhas pacientes melhora quando elas reduzem a inflamação crônica.

O tratamento consiste em reduzir a sensibilidade do receptor de androgênio, reduzindo a inflamação. Você pode fazer isso: 1) Não fumando, 2) Evitando alimentos inflamatórios, tais como açúcar, trigo e laticínios, 3) Comendo vegetais anti-inflamatórios (fitonutrientes têm demonstradamente melhorado aperda de cabelo feminino), 4) Restabelecendo a flora intestinal saudável e 5) Suplementando com o mineral zinco, anti-inflamatório.

Excesso Adrenal de Adrógeno

Suas glândulas supra-renais produzem cerca de 50% de seus andrógenos totais. Você pode estimar o quanto de androgênio é proveniente delas medindo um hormônio chamado sulfato de dehidroepiandrosterona (DHEA-S) no exame de sangue. Se apenas DHEA-S está elevado, mas não a testosterona ou androstenediona, então você tem excesso de andrógenos predominantemente adrenal. Se você têm DHEA-S, testosterona e androstenediona elevados, você se enquadra na categoria de excesso ovariano de andrógenos discutida abaixo.

Uma das causas do excesso adrenal de andrógenos é uma condição genética relativamente comum chamado de hiperplasia adrenal congênita (NCAH) não-clássica (ou de início tardio), que é diagnosticada por um exame de sangue de um hormônio chamado 17-hidroxiprogesterona.

O tratamento da hiperplasia adrenal congênita é hidrocortisona em baixas doses para regular a produção adrenal de andrógenos. Curiosamente, hidrocortisona em baixas doses também foi usada historicamente para tratar aSOP, e ainda é usada por alguns médicos hoje.

O excesso adrenal de andrógenos é também o elemento-chave em cerca de 20% das mulheresdiagnosticadas com síndrome do ovário policístico (SOP). Predominantemente, a SOP adrenal de androgênios é uma condição bastante diferente da SOP de androgênios ovarianos (ver abaixo), na medida em que nãoé acionado por resistência à insulina ou condições subjacentes, que prejudicam a ovulação. Ele é impulsionado por fatores que afetam as glândulas supra-renais, tais como o estresse. Eu realmente espero que essa mudança de nome da SOP faça a distinção entre SOP andrógena adrenal e SOP andrógena ovariana e, portanto, economize a todas nós um monte de confusão.

As causas propostas da SOP andrógena adrenal incluem genética e estresse em torno daépoca da puberdade. Eu suspeito fortemente que desreguladores endócrinos (EDC) também desempenham um papel, mas a investigação ainda está comçando.

O tratamento da SOP andrógena adrenal é normalizar a função adrenal. Este é provavelmente o tipo de SOP que responderam à dose baixa de cortisona prescrita historicamente para SOP. A SOP andrógena adrenal também responde à redução de estresse, e aos suplementos que regulam o eixo hipotalâmico-pituitário-adrenal (HPA), como magnésio, fosfatidilserina e rhodiola. A SOP andrógena adrenal também podem requerer o suplemento com bloqueadores de androgênio, como o diindolilmetano (DIM). Para uma discussão completa da SOP andrógena adrenal, consulte o post de Fiona McCulloch: Tratando o Excesso Adrenal de Andrógenos.

Excesso Ovariano de andrógenos

Agora chegamos a uma condição que é sinônimo de excesso de andrógenos em mulheres: Síndrome do ovário policístico (SOP). A característica chave definidora da SOP é disfunção ovulatória e o excesso de produção de testosterona e androstenediona pelosovários.

A SOP não é uma doença do ovário por si. A disfunção ovulatória é uma expressão ou sintoma de um conjunto maior de problemas hormonais e metabólicos subjacentes, tais como a resistência à insulina e inflamação.

Mas cistos ovarianos não causam a SOP?

Síndrome do ovário policístico ganhou o seu nome por causa da forma como ovários aparentam no ultra-som. Você seria perdoada por pensar, então, que os pequenos folículos múltiplos causam a doença, mas eles não causam. Eles são simplesmente um indicador de que a ovulação não ocorreu nesse mês. Qualquer mulher pode ter ovários policísticos ocasionalmente, incluindo uma mulher que toma pílula, e uma mulher com hormônios perfeitamente normais. Não seja diagnosticada por um ultra-som. Veja A Surpreendente Verdade sobre SOP.

A SOP é genética?

Sim, pesquisadores suspeitam que a SOP é influenciada por genes e possivelmente também pela exposição a toxinas ambientais ou andrógenos no útero. Esse é um pensamento deprimente, porque isso pode significar que você nasceu com a doença. Não funciona assim. A tendência genética não significa que você sempre vai sofrer os sintomas. Você pode modificar sua expressão genética com a dieta, estilo de vida e outros tratamentos naturais.

O tratamento da SOP andrógena ovariana é corrigir a resistência à insulina subjacente (ou outro problema metabólico) e assim restabelecer a ovulação normal. Isso normalmente significa parar de comer açúcar e o uso de suplementos de sensibilização à insulina tais como mio-inositol, magnésio e berberina. Exercício e a droga para diabéticos metformina também são úteis. Tipos não-insulino-resistentes da SOP podem se beneficiar da fórmula de ervas de redução de andrógeno Peony & Licorice. Veja 4 Tipos de SOP.

Recomendado para você

Thanks for your comment

Sobre o autor

Mineiro de Teófilo Otoni, morador de Belo Horizonte. Gosto muito de comer, e depois de alguns anos chafurdando na comilança de bobagens, decidi tomar tento e passar a comer comida de verdade. Descobri o modo de alimentação paleo/LCHF em meados de 2010, mas só comecei a por em prática em fevereiro/2013.

Hoje, sou mais feliz - e os exames de laboratório estão TODOS melhores :-D

Acompanhe minha trajetória em fotos aqui.

Aviso!

Este blog é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em auto-experimentação com dieta paleo, e também por artigos traduzidos - estes produzidos por estudiosos do assunto. As opiniões expressas aqui, minhas ou de outros autores, não podem substituir as de seu médico. O que funciona bem para mim, pode não funcionar para outras pessoas. Se você escolher seguir alguma das opiniões aqui publicadas, faça-o com o conhecimento do seu médico!

Visualizações

Seguidores